Qualidade microbiológica de fórmulas infantis administradas em hospital público do município de Campinas, São Paulo

Autores

  • Andressa Reginato Universidade Estadual de Campinas
  • Fabiola de Lima Pena Universidade Estadual de Campinas
  • Fabiana K. S. Trento Instituto de Tecnologia de Alimentos
  • Luciane Cristina Rosim Sundfeld Giordano Universidade Estadual de Campinas
  • Harumi Kinchoku Universidade Estadual de Campinas
  • Elisabete Costa Antunes Universidade Estadual de Campinas

DOI:

https://doi.org/10.20396/san.v21i1.1665

Palavras-chave:

Fórmulas infantis. Microbiologia. Segurança dos alimentos

Resumo

A qualidade microbiológica em lactários é um item que merece toda a atenção e deve ser mantida de forma rigorosa. Considerando a população alvo desses serviços e o ambiente em que estão inseridos, sabe-se que são locais de alto risco para contaminações microbiológicas e as consequências destas podem ser fatais. Assim, o objetivo deste estudo foi verificar a qualidade microbiológica de fórmulas infantis utilizadas para alimentação de crianças internadas na unidade de pediatria de um hospital público do município de Campinas – SP. Foram realizadas análises microbiológicas de bactérias aeróbias mesófilas totais, coliformes totais e termotolerantes e Estafilococos coagulase positiva das fórmulas infantis, comparando-se resultados com os valores especificados na Resolução da Diretoria Colegiada no 12, de 02 de janeiro de 2001 (RDC 12/2001), da Agência de Vigilância Sanitária. Das 26 amostras de fórmulas infantis, 88,5% atenderam aos parâmetros para oferecimento para menores de 1 ano de vida, e 92,3% atenderam para as exigências para pacientes com mais de 1 ano de vida, segundo a RDC 12/2001. Porém, quando observados paralelamente adequação a parâmetros desta legislação e a recomendação da Food and Drug Administration (2006) para microrganismos aeróbios mesófilos, apenas 46,2% apresentavam contagens dos microrganismos avaliados dentro dos limites tolerados.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Andressa Reginato, Universidade Estadual de Campinas

Faculdade de Ciências Aplicadas, Universidade Estadual de Campinas

Fabiola de Lima Pena, Universidade Estadual de Campinas

Faculdade de Ciências Aplicadas, Universidade Estadual de Campinas

Fabiana K. S. Trento, Instituto de Tecnologia de Alimentos

Centro de Pesquisa e Desenvolvimento de Laticínios, Instituto de Tecnologia de Alimentos, Campinas.

Luciane Cristina Rosim Sundfeld Giordano, Universidade Estadual de Campinas

Faculdade de Ciências Aplicadas, Universidade Estadual de Campinas

Harumi Kinchoku, Universidade Estadual de Campinas

Faculdade de Ciências Aplicadas, Universidade Estadual de Campinas

Elisabete Costa Antunes, Universidade Estadual de Campinas

Faculdade de Ciências Aplicadas, Universidade Estadual de Campinas. Correspondência: Rua Pedro Zaccaria no 1.300, Jardim São Paulo, Limeira, SP, Brasil. CEP: 13484-350. Telefone: (19)3701-6650.

Referências

Antunes AEC, Pacheco MTB. Leite para adultos: mitos e fatos frente à Ciência. São Paulo: Varela; 2009.

Levy L, Bértolo H. Manual de aleitamento materno. Comitê Português para UNICEF – Comissão Nacional – Iniciativa Hospitais Amigos dos Bebés [internet]. 2008 [acesso em 17 fev 2013]. Disponível em: http://www.unicef.pt/docs/manual_aleitamento.pdf

Trahms CM, McKean KN. Nutrição no Estágio Inicial da Infância. In: Alimentos, Nutrição e Dietoterapia. 12.ed. Rio de Janeiro: Elsevier; 2010. p.199-211.

Brasil. Agência Nacional de Vigilância Sanitária – ANVISA. Resoluções RDC nos 43 e 44, de 19 de setembro de 2011. Regulamento técnico para fórmulas infantis para lactentes e Regulamento técnico para fórmulas infantis de seguimento para lactentes e crianças de primeira infância [internet]. 2011 [acesso em 15 jan 2013]. Disponível em http://portal.anvisa.gov.br

Codex Alimentarius Comission. Joint FAO/WHO Food Standards Programme. Codex standard for infant formula (Codex stand 72-1981). In: Codex Alimentarius, 2.ed. Rome: FAO/WHO, 1994.

Ferferbaum R, Falcão MC. Nutrição do recém-nascido. São Paulo: Atheneu; 2005.

Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP). Manual de orientação para a alimentação do lactente, pré-escolar, do escolar, do adolescente e na escola. Sociedade Brasileira de Pediatria. Departamento de Nutrologia. 2.ed. São Paulo: SBP; 2008.

Silva VB, Cardoso RCV. Controle da qualidade higiênico sanitária na recepção e no armazenamento de alimentos: um estudo em escolas públicas municipais de Salvador, Bahia. Segurança Alimentar e Nutricional. 2011:18(01):43-57.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância Sanitária. Portaria no 977, de 5 de dezembro de 1998. Regulamento técnico referente as fórmulas infantis para lactentes e as fórmulas infantis de seguimento. Diário Oficial da União. 15 abr 1999; Seção1. p.90-91.

Mezomo IFB. Os serviços de alimentação: planejamento e administração. 5.ed. Barueri: Manole; 2002.

Euclydes MP. Nutrição do lactente: base científica para uma alimentação saudável. 3.ed. Viçosa: UFV; 2005.

International Comission on Microbiological Specifications for Foods. Microorganisms in food: characteristics of microbial pathogens. London: Blackie Academic & Professional; 1998.

Rossi P. Avaliação de perigos microbiológicos no preparo de fórmulas infantis em lactário hospitalar [dissertação]. Faculdade de Engenharia de Alimentos da UNICAMP; 2007.

Banwart GJ. Basic food microbiology. Westport: AVI Publishing Company; 1981. p.51-62.

Brasil. Agência Nacional de Vigilância Sanitária - ANVISA. Resolução RDC no12, de 02 de janeiro de 2001. Regulamento Técnico sobre padrões microbiológicos para alimentos. Diário Oficial da União. 10 jan 2001.

Food and Drug Administration – FDA. U.S. Department of Health and Human Service. Compliance Program Guidance Manual. Food Composition, Standards, Labeling and Economics. Silver Spring; 2006.

Silva N, Junqueira VCA, Silveira LF, Taniw NFA. Manual de Métodos de Análise Microbiológica de Alimentos e Água. 4.ed. São Paulo: Varela; 2010.

Castro, MRCC. Avaliação da qualidade microbiológica de leite humano cru recebido em Banco de Leite Humano [dissertação]. Piracicaba: Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz” da USP; 2006.

Buchanan RL, Ruth O. Use of Microbiological Indicators for Assessing Hygiene Controls for the Manufacture of Powdered Infant Formula. J Food Prot. 2012;75(5):989-997.

Almeida RCC, Matos CO, Almeida PF. Implementation of a HACCP system for on-site hospital preparation of infant formula. Food Control. 1999;10:181-197.

Rossi P, Kabuki DY, Kuaye AY. Avaliação microbiológica do preparo de fórmula láctea infantil em lactário hospitalar. Rev. Inst. Adolfo Lutz. 2010;69(4):503-509.

Nakazato G, Campos TA, Stegling EL, Brocchi M, Silveira WD.Virulence factors of avian pathogenic Escherichia coli (APEC). Pesq. Vet. Bras. 2009;7:479-486.

Santos MIS, Tondo EC. Determinação de perigos e pontos críticos de controle para implantação de sistema de análise de perigos e pontos críticos de controle em lactário. Rev. Nutr. 2000;13(3):211-222.

Leal D. Crescimento da alimentação fora do domicílio. Segurança Alimentar e Nutricional. 2010;17(01):123-132.

Ghisleni DR, Basso C. Educação em saúde a manipuladores de duas unidades de alimentação e nutrição do município de Santa Maria/RS. Disc. Scientia. Série: Ciências da Saúde. 2008;9(1):101-108.

Downloads

Publicado

2015-03-04

Como Citar

REGINATO, A.; PENA, F. de L.; TRENTO, F. K. S.; GIORDANO, L. C. R. S.; KINCHOKU, H.; ANTUNES, E. C. Qualidade microbiológica de fórmulas infantis administradas em hospital público do município de Campinas, São Paulo. Segurança Alimentar e Nutricional, Campinas, SP, v. 21, n. 1, p. 387–394, 2015. DOI: 10.20396/san.v21i1.1665. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/san/article/view/1665. Acesso em: 28 set. 2022.

Edição

Seção

Artigo de Segurança Alimentar e Nutricional