Segurança alimentar em uma comunidade rural no Alto Vale do Jequitinhonha/Mg

Autores

  • Luciana Neri Nobre Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri
  • Nadja Maria Gomes Murta Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri
  • Marcelo Mandacaru Souza Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri
  • Nayara Cristiane Ferreira Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri
  • Leandro de Morais Cardoso Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri
  • Fabiana Rossi Hamacek Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri

DOI:

https://doi.org/10.20396/san.v16i1.1809

Palavras-chave:

Segurança alimentar. Comunidade rural. Vulnerabilidade social. Renda familiar.

Resumo

O presente estudo buscou descrever a situação de segurança alimentar vivenciada por famílias residentes na comunidade rural de Galheiros do município de Diamantina, situada no Alto Vale do Jequitinhonha, no Estado de Minas Gerais, Brasil. Foi utilizada a Escala Brasileira de Insegurança Alimentar - EBIA - com 15 questões que refletem a insegurança alimentar em diferentes níveis de intensidade. Foram investigadas 28 famílias, e obtidas informações sobre renda familiar, renda per capita, condição sócio econômica, de moradia, de saneamento básico e consumo alimentar. A prevalência de insegurança alimentar encontrada na comunidade foi de 46,4%, sendo 32,14% leve, 3,6% moderada e 10,7% grave. Mais da metade das famílias (57,2%) viviam com o equivalente a ½ do salário mínimo por mês. A maioria das famílias (75,0%) relatou gastar com alimentação valores inferiores a R$ 350,00, e 53,6% relataram receber da união e/ou Estado algum tipo de benefício. Estes resultados demonstram que apesar de existir no Brasil políticas públicas de combate à fome, grande parte das famílias residentes em Galheiros, vive em vulnerabilidade social, assim sendo, são necessárias ações estruturantes para reverter tal quadro, tanto no que se refere à produção de alimentos, quanto ao acesso a alimentos em qualidade e quantidade suficiente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luciana Neri Nobre, Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri

Docente do curso de Nutrição da Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri, doutoranda do Programa de pós-graduação em Ciências da Saúde pela Universidade Federal de Minas Gerais

Nadja Maria Gomes Murta, Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri

Docente do curso de Nutrição da Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri, doutoranda do Programa de Estudos Pós-graduados em Ciências Sociais/Antropologia pela Pontificia Universidade Católica de São Paulo

Marcelo Mandacaru Souza, Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri

Nutricionistas pela Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri

Nayara Cristiane Ferreira, Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri

Nutricionistas pela Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri

Leandro de Morais Cardoso, Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri

Nutricionistas pela Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri

Fabiana Rossi Hamacek, Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri

Nutricionistas pela Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri

Referências

Conselho Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional – CONSEA. Princípios e diretrizes para uma política nacional de segurança alimentar. Brasília: CONSEA, 2004.BRASIL.

Valente FLS. O combate à Fome e a desnutrição e a promoção da alimentação adequada no contexto do Direito Humano à Alimentação: um eixo estratégico do desenvolvimento humano sustentável, 2003. 38p. Mimeo.

Conselho Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional – CONSEA. A construção de uma política de Segurança Alimentar e Nutricional. II Conferência Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional. Textos Base. Brasília: CONSEA, 2004.

Maluf RS, Zimmermann S. Políticas municipais de erradicação da fome e a promoção da agricultura familiar no Brasil. R. Janeiro, CERESAN/UFRRJ, 2005, 19 p. (Relatórios Técnicos, 1).

Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios 2004: Segurança Alimentar. Rio de Janeiro; 2006.

Bickel G, Nord M, Price C, Hamilton W, Cook J. Measuring Food Security in the United States: Guide to measuring household food security. USDA, Office of Analysis, Nutrition and evaluation, USA, 2000. 82p

Segall-Corrêa AM, Perez-Escamilla R, Sampaio MF, Marin L, Panigassi G, Maranha LK, Acompanhamento e avaliação da Segurança Alimentar de famílias brasileiras: validação de metodologia e de instrumento de coleta de informação. Relatório Técnico, Campinas SP; Março de 2004.

Sampaio MFA, Kepple AW, Segall-Corrêa AM, Oliveira JT, Panigassi G, Maranha LK, Marin-Leon L, Bergamasco SMPP, Perez-Escamilla R. (In) Segurança Alimentar: experiência de grupos focais com populações rurais do Estado de São Paulo. Segurança Alimentar e Nutricional. 2006; 13 (1):64-77.

Yuyama LKO, Aguiar JPL, Pantoja L, Maeda RN, Melo T, Alencar FH, Nascimento AMM, Negreiros NMA, Segall-Corrêa AM, Pérez-Escamilla R. Segurança/insegurança alimentar em famílias urbanas e rurais no estado do Amazonas: I. Validação de metodologia e de instrumento de coleta de informação. Acta Amazonica, 2007;37(2): 247-252.

Segall-Corrêa AMS. Insegurança alimentar medida a partir da percepção das pessoas. Estudos Avançado. 2007; 21 (60):143-154.

Pereira DA, Vieira VL, Fiore EG, Cervato-Mancuso AM. Insegurança Alimentar em Região de Alta Vulnerabilidade Social da Cidade de São Paulo. Segurança Alimentar e Nutricional, 2006; 13(2): 34-42.

Instituto Brasileiro de Análises Sociais e Econômicas (IBASE). Documento síntese: Repercussões do Programa Bolsa Família na Segurança Alimentar e Nutricional das Famílias Beneficiadas, 2008, p1-20.

Galeazzi MAM, Bonvino H, Lourenço, F, Vianna, RPT. Inquérito de Consumo Familiar de Alimentos. – Metodologia para Identificação de Famílias de Risco Alimentar. Cadernos de Debate, 1996; vol. IV: 32-46.

SAS Institute (1990) SAS/STAT® user’s guide: version 6. 4ed. Cary, NC.

Vianna RPT, Segall-Corrêa. Insegurança alimentar das famílias residentes em municípios do interior do estado da Paraíba, Brasil. Revista de Nutrição.2008; 21 (Suplemento):111-122.

Sen A. Poverty and Famines. An essay on entitlement and Deprivation. Oxford: Clarendon Press; 1981.

Hoffmann R. Determinantes da insegurança alimentar no Brasil. In: Anais do 14o Congresso da Sociedade Latinoamericana de Nutrición; 2006; Florianópolis, BR.

Ministério da Saúde. Pesquisa Nacional de Demografia e Saúde da Criança e da Mulher PNDS 2006: Relatório. Brasília/DF 2008. p.263-275.

IBGE Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Condições de Pobreza. [documento na

Internet]. Disponível em: http:/www.ibge.gov.br/ibgeteen/glossário/pobreza.html. Acesso em 30 maio 2008.

Hoffmann R. Pobreza, insegurança alimentar e desnutrição no Brasil. Estudos Avançados. 1995; 9(24): 159-72.

Hoffmann R. Determinantes da Insegurança Alimentar no Brasil: Análise dos Dados da PNAD de 2004. Segurança Alimentar e Nutricional, 2008;15(1):49-61.

Marín-León L, Segall-Corrêa AM, Panigassi G, Maranha LK, Sampaio MF, Perez-Escamilla R. A percepção de insegurança alimentar em famílias com idosos em Campinas, São Paulo, Brasil. Cadernos de Saúde Pública. 2005; 21(5):1433-1440.

Claro RM, Carmo HCE, Machado FMS, Monteiro CA. Renda, preço dos alimentos e participação de frutas e hortaliças na dieta. Revista de Saúde Pública 2007;41(4):557-64.

Burlandy L. Transferência condicionada de renda e segurança alimentar e nutricional. Ciência & Saúde Coletiva, 2007;12(6):1441-1451.

Downloads

Como Citar

NOBRE, L. N.; MURTA, N. M. G.; SOUZA, M. M.; FERREIRA, N. C.; CARDOSO, L. de M.; HAMACEK, F. R. Segurança alimentar em uma comunidade rural no Alto Vale do Jequitinhonha/Mg. Segurança Alimentar e Nutricional, Campinas, SP, v. 16, n. 1, p. 18–31, 2015. DOI: 10.20396/san.v16i1.1809. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/san/article/view/1809. Acesso em: 4 dez. 2022.

Edição

Seção

Artigo de Segurança Alimentar e Nutricional