Alterações nas estratégias de subsistência: o caso dos índios brasileiros Xavantes

Autores

  • Rafael José Navas da Silva Universidade de São Paulo
  • Maria Elisa de Paula Eduardo Garavello Universidade de São Paulo

DOI:

https://doi.org/10.20396/san.v16i1.1810

Palavras-chave:

Estratégias de subsistência. Jê. Hábito alimentar. Sociedade de caçadores-coletores. Segurança alimentar.

Resumo

O objetivo deste trabalho foi analisar as transformações ocorridas na alimentação da comunidade indígena xavante, da aldeia Wede´rã, no Estado de Mato Grosso, Brasil, com a introdução da agricultura mecanizada. Foi utilizado o enfoque qualitativo, com técnicas de entrevista e observação participante. Verificou-se que, com a introdução da mecanização na produção agrícola e o processo de sedentarização, o arroz tornou-se base da alimentação, substituindo outros alimentos tradicionalmente consumidos, obtidos principalmente através da coleta. A utilização da caça ainda permanece, entretanto, com maior impacto ambiental. Outras alterações na dieta são a compra de alimentos industrializados e a composição das refeições do Programa Nacional de Alimentação Escolar – PNAE, popularmente conhecido como merenda escolar. Tais transformações podem estar associadas à causa de 56,3% de prevalência de anemia entre a população da aldeia, constatada em 2006. Há esforços para alterar esse quadro, mas, mudanças no modo de vida e organização social dos indivíduos e nas relações destes com a natureza, podem estar comprometendo a sua segurança alimentar e nutricional de modo irreversível.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rafael José Navas da Silva, Universidade de São Paulo

Engenheiro agrônomo, Mestre em Ecologia Aplicada - Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz” da Universidade de São Paulo – Programa de Pós-graduação Ecologia Aplicada

Maria Elisa de Paula Eduardo Garavello, Universidade de São Paulo

Professora Doutora do Departamento de Economia, Administração e Sociologia da Universidade de São Paulo

Referências

Maybury-Lewis, D. A sociedade xavante. Rio de Janeiro: Editora Francisco Alves; 1984.

Silva, AL. Povos indígenas do Brasil. Instituto Socioambiental; 1992 [citado em: 2007 jan 23]; Disponível em: www.socioambiental.org.br

Giaccaria, B; Heide, A. Xavante: povo autêntico – pesquisa histórico etnográfica. São Paulo; Editorial Dom Bosco; 1972.

Gauditano, R. Raízes do povo xavante: tradição e rituais. Vários patrocinadores. São Paulo; 2003.

Barbosa, HB; Craveiro, S (Org.). Na trilha da cidadania: iniciativas para a promoção dos direitos das comunidades indígenas. São Paulo: Programa Gestão Pública e Cidadania; 2004.

Relatório parcial do Projeto Nutrição infantil para os xavantes – ONG Nossa Tribo, 2007.

Gugelmin, SA; Santos, RV. Ecologia humana e antropometria nutricional de adultos Xavánte, Mato Grosso, Brasil. Cadernos de Saúde Pública; 2001; 17, 2: 312-322.

Vieira Filho, JPB. Problemas da aculturação alimentar dos Xavantes e Bororo. Revista de Antropologia; 1981; 24:37-40.

Orellana, JDY; Coimbra Jr., CEA; Lourenço, AEP; Santos, RV. Estado nutricional e anemia em crianças Suruí, Amazônia, Brasil. Jornal de Pediatria; 2006; 82; 5:383-388.

Instituto socioambiental. Enciclopédia dos povos indígenas. Instituto socioambiental; 2000.

Viertler, RB. Ecologia cultural: uma antropologia da mudança. São Paulo: Ática, Série Princípios; 1988.

Stearman, AM. Cambio social, cacería y conservación en pueblos indígenas. Puntos de conflicto y caminos hacia la resolución. In: Fang, TG; Montenegro, OL; Bodmer, RE (Ed.). Manejo y conservación de fauna silvestre en America Latina. La Paz: Instituto de Ecología; 1999.

Setz, EZF. Estratégia de forrageio em populações indígenas de florestas neotropicais. Belém: Museu Paraense Emílio Goeldi, Coleção Eduardo Galvão; 1989. p. 77-94.

Leite, MS. Transformação e persistência: antropologia da alimentação e nutrição em uma sociedade indígena amazônica. Rio de Janeiro: Fiocruz; 2007.

Pinto, JG; Garavello, ME de PE. Transformação (agri)cultural ou etnossustentabilidade: relato de uma aldeia Bororo. Agroecologia e Desenvolvimento Rural Sustentável; 2002; 3; 2: 54-60.

Sahlins, M. Sociedades tribais. Rio de Janeiro: Zahar Editores; 1974.

Leite, DM. Produção do grupo. Tópicos em psicologia social. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo; 1973.

Sahlins, M. A primeira sociedade da afluência. In: Carvalho, EA (Org). Antropologia econômica. São Paulo: Livraria Editora Ciências Humanas; 1978.

Silva, AL. Xavante: casa – aldeia – chão – terra – vida. In: Caiuby, SN (Org). Habitações indígenas. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo; 1983.

Adams, C; Murrieta, RSS; Sanches, RA. Agricultura e alimentação em populações ribeirinhas das várzeas do Amazonas: novas perspectivas. Ambiente & Sociedade; 2005; 8; 1: 65-86.

Farias, AJTP. Fluxos Sociais Xerente: Organização Social e Dinâmica das Relações Entre Aldeias. [Dissertação]. São Paulo: Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas; 1994. 196p.

Laraia, RB; da Matta, RA. Índios e castanheiros. São Paulo: Difusão européia do livro, Coleção corpo e alma do Brasil; 1967.

De Lavor, A. Saúde na fronteira oeste: panorama tão rico quanto vulnerável. Radis: comunicação em saúde; 2008; 75: 8-13.

Mielniczuk, VB. Você tem fome de quê? Educação alimentar em foco. Democracia viva; 2008; 39; 53-57.

Downloads

Como Citar

1.
Silva RJN da, Garavello ME de PE. Alterações nas estratégias de subsistência: o caso dos índios brasileiros Xavantes. Segur. Aliment. Nutr. [Internet]. 4º de fevereiro de 2015 [citado 3º de dezembro de 2021];16(1):32-48. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/san/article/view/1810

Edição

Seção

Artigo de Segurança Alimentar e Nutricional

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)