Adesão ao Programa de Alimentação Escolar por alunos de instituições públicas de ensino no município de Toledo, PR

  • Rozane Aparecida Toso Bleil Faculdade Assis Gurgacz
  • Elisabete Salay Universidade Estadual de Campinas
  • Marina Vieira da Silva Universidade de São Paulo
Palavras-chave: Alimentação escolar. Consumo de alimentos. Adolescente.

Resumo

O Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE) tem como um de seus objetivos oferecer uma refeição que mantenha a criança alimentada durante a jornada de aula. Um dos problemas que pode prejudicar o alcance dos objetivos nutricionais do programa relaciona-se à sua adesão pelos escolares. Os objetivos do presente estudo foram conhecer a adesão dos alunos ao programa de alimentação escolar, assim como os fatores que podem interferir no consumo dos alimentos oferecidos. Para tanto foi realizada, no ano de 2004, uma pesquisa com 167 alunos do ensino fundamental II de amostra de escolas públicas no município de Toledo – PR. Os resultados mostraram expressiva (77%) adesão dos alunos ao programa e destes, 57% referiram consumir a alimentação escolar de 4 a 5 vezes na semana. Não foi captada associação estatisticamente significativa entre a adesão ao PNAE e as variáveis escolaridade materna, renda familiar e estado nutricional do aluno. Em relação aos fatores que interferem na adesão ao programa, nota-se que algumas preparações oferecidas no cardápio escolar são pouco apreciadas (preparações doces, tipo prato único e sopas). Na opinião da maioria dos alunos, as condições de distribuição da alimentação escolar, com exceção da temperatura do alimento, são adequadas. Entretanto, alguns aspectos podem ser melhorados a fim de contribuir para maior adesão ao programa, em especial aqueles que promovam mudanças no tipo de alimento oferecido e no local para realização das refeições.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rozane Aparecida Toso Bleil, Faculdade Assis Gurgacz
Doutora em Alimentos e Nutrição, FEA/DEPAN/UNICAMP. Docente da Faculdade Assis Gurgacz
Elisabete Salay, Universidade Estadual de Campinas
Professora Livre - Docente da Faculdade de Engenharia de Alimentos da Universidade Estadual de Campinas
Marina Vieira da Silva, Universidade de São Paulo
Professora Doutora ESALQ da Universiadade de São Paulo, Campus de Piracicaba-SP

Referências

Abreu M. Alimentação escolar: combate à desnutrição e ao fracasso escolar ou direito a alimentação da criança e ato pedagógico. Rev. em Aberto 1995; 15(67):1-20.

Sturion GL. Programa de alimentação escolar: avaliação do desempenho em dez municípios brasileiros [tese]. Campinas: Universidade Estadual de Campinas; 2002.

Stolarski MC. Caminhos da alimentação escolar no Brasil: análise de uma política pública no período de 2003-2004 [dissertação]. Curitiba: Universidade Federal do Paraná; 2005.

Nogueira RM. O Programa Nacional de Alimentação Escolar como uma política pública: o caso de Campinas – SP [dissertação]. Campinas: Universidade Estadual de Campinas; 2005.

Brasil. Ministério da Educação. Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação. Brasília: Ministério da Educação/FNDE. 2007 [acessado em 30 de abril de 2007]. Disponível em: http://www.fnde.gov.br/home/index.jsp.arquivo=alimentação_escolar/alimentaçãoescolar.html≠legislação.

Collares C, Moysés MA. Aprofundando a discussão nas relações entre desnutrição, fracasso escolar e merenda. Rev. em Aberto. 1995; 15:67.

Lima GZ. Fracasso escolar: uma questão médica. Cad. CEDES. 1985.

Collares C, Moysés MA. Fracasso escolar: uma questão médica. Cad. CEDES. 1985.

Andrade MK. Experiências sobre alimentação escolar em países do terceiro mundo (Países com índice de desenvolvimento humano médio). In: Resumos Seminário de Alimentação Escolar. Campinas: ITAL; 1999. p.14-22.

Boschi ME. Alimentação e educação: um direito infantil nas Américas. In: Portal Educacional das Américas. Buenos Aires: Argentina. 2004.

Brasil. Ministério da Educação. Fundo nacional de Desenvolvimento da Educação. Brasília: Ministério da Educação/FNDE. 2006. [acessado em 31 de janeiro de 2006]. Disponível em: http://www.fnde.gov.br/home/index:jsp¿arquivo=/alimentacao_escolar/alimentacao_escolar.html≠dadosestado.

Pompermayer SR. Alimentação escolar: um estudo sobre a racionalidade [dissertação]. Curitiba: Universidade Federal do Paraná; 2000.

Sturion GL, Silva MV, Ometto AMH, Furtuoso COM, Pipitone MAP. Fatores de adesão dos alunos ao Programa Nacional de Alimentação Escolar no Brasil. Rev. Nutr. 2005; 18(2):167-181.

Martins RCB, Medeiros MAT, Ragonha GM, Olbi JH, Segatti MEP, Osele MR. Aceitabilidade da alimentação escolar no ensino público fundamental. Saúde Rev. 2004; 6(13):71-78.

Zancul MS. Consumo alimentar de alunos nas escolas de ensino fundamental de Ribeirão Preto (SP) [dissertação]. São Paulo: Universidade de São Paulo; 2004.

Spinelli MAS, Canesqui AM. O Programa de Alimentação Escolar no Estado do Mato Grosso: da centralização à descentralização. Rev Nutr. 2002; 15(1):105-117.

Caroba DCR. A escola e o consumo alimentar de adolescentes matriculados na rede pública de ensino [dissertação]. Piracicaba: Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz”, Universidade de São Paulo; 2002.

Mainardi NA. ingestão de alimentos e as orientações da escola sobre alimentação, sob o ponto de vista do aluno concluinte do ensino fundamental [dissertação]. Piracicaba: Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiróz”, Universidade de São Paulo; 2005.

Pipitone MAP, Gandini RPC. Programa de alimentação escolar: um estudo sobre descentralização, escola e educadores. Saúde Rev. 2001; 3(5-6):33-41.

Paulillo LF, Almeida LM. Redes de segurança alimentar e agricultura familiar: a merenda escolar como instrumento de desenvolvimento local. Rev. Segurança Alimentar e Nutricional. 2005; 12(1): 26-44.

Silva MV. Alimentação gratuita em creches e escolas de ensino fundamental no Brasil: análise da focalização nos anos 80 e 90. In: Congresso Latinoamericano de Nutrición. Buenos Aires: SLAN; 2000. p.178.

Danelon MAS, Danelon MS, Silva MV. Serviços de alimentação destinados ao público escolar: análise da convivência do Programa de Alimentação Escolar e das cantinas. Rev. Segurança Alimentar e Nutricional. 2006; 13(1):85-94.

Minayo MCS. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. São Paulo: Hucitec; 1999.

Center for disease control and prevention (CDC). BMI for children and teens. 2003. [acessado em 11 de julho de 2004] Disponível em: http://www.cdc.gov/nccdphp/dnpa/bmi/bmif orage.html.

Must A, Dallai GE, Dietz WH. Reference data for obesity: 85th and 95th percentiles of body mass index (wt/ht2) – a correction. Am. J. Clin. Nutr. 1991; 54:773.

Cole TJ, Bellizzi MC, Flegal KM, Dietz WH. Establishing a standard definition for a child overweight and obesity worldwide: international survey. Br. Med. J. 2000; 320:1240-1242.

Oetterer M, Silva MV, Pipitone MAP, Ometto AM, Furtuoso COM, Sturion GL. Avaliação do Programa de alimentação Escolar. Relatório final de pesquisa apresentado a FINEP. Piracicaba: ESALQ; 1999. 365p.

Gandra JR, Gambardella AMD (coord.) Avaliação de Serviços de Alimentação e Nutrição. São Paulo: Sarvier; 1983.

Ferreira VLP, Almeida TCA, Pettinelli MLC, Silva MAAP, Chaves JBP, Barbosa EM. Análise sensorial: testes discriminativos e afetivos. Campinas: SBCTA; 2000. 127p. (Manual Série Qualidade).

Cochran WG. Some methods for strengtheing thr common  2 testes. Biometrics. 1954; 10:417-451.

Danelon MS. Estado nutricional, consumo alimentar e estilo de vida de escolares de Campinas-SP [dissertação]. Piracicaba: Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz”, Universidade de São Paulo; 2007.

Pecorari RCF. Uma proposta de inovação no cardápio escolar baseada na avaliação do programa de alimentação escolar de Piracicaba-SP [dissertação]. Araraquara: Universidade Estadual Paulista; 2006.

Chitra U, Reddy R. The role of brekfeast em nutrient intake of urban schoolchildren. Public Health Nutr. 2007; 10(1):55-58.

Minaker LM, McCargar L, Lambraki I, Jessup L, Driezen P, Calengor K, et al. School region socio-economic status and geographic locate is associate with food behavior of Ontário and Alberta adolescents. Can. J. Public Health. 2006; 97(5):357-361.

Shi Z, Lien N, Kumar BN, Holmboe-Ottesen G. Sociodemographic differences in food habits and preferences of school adolescents in Jiangsu Province, China. Eur. J. Clin. Nutr. 2005; 59:1439-1448.

Campos LA, Leite AJM, Almeida PC. Nível socioeconômico e sua influência sobre a prevalência de sobrepeso e obesidade em escolares adolescentes do município de Fortaleza. Rev. Nutr. 2006; 19(5):531-538.

Guimarães LV. Estado nutricional e fatores associados ao sobrepeso em escolares da área urbana de Cuiabá-MT [tese]. Campinas: Universidade Estadual de Campinas; 2001.

Stolarski MC. Avaliação do Programa de Merenda Escolar no estado do Paraná [monografia]. Curitiba: Universidade Federal do Paraná; 2001.

Paraná. Secretaria Estadual de Educação. Fundo Desenvolvimento do Estudante – SEED/FUNDEPAR. 2007. [acessado em 30 de abril de 2008]. Disponível em: www.pr.gov.br/fundepar/02 04 leicantinasudavel pnae html.

Como Citar
Bleil, R. A. T., Salay, E., & Silva, M. V. da. (1). Adesão ao Programa de Alimentação Escolar por alunos de instituições públicas de ensino no município de Toledo, PR. Segurança Alimentar E Nutricional, 16(1), 65-82. https://doi.org/10.20396/san.v16i1.1812
Seção
Artigo de Segurança Alimentar e Nutricional

Artigos mais lidos pelo mesmo (s) autor (es)

1 2 > >>