Participação dos grupos de alimentos no valor energético total, nos domicílios rurais e urbanos das regiões nordeste e sudeste do Brasil

  • Daniela Cristina Rossetto Caroba Universidade de São Paulo
  • Sonia Tucunduva Philippi Universidade de São Paulo
  • Marina Vieira da Silva Universidade de São Paulo
Palavras-chave: Consumo de alimentos. Disponibilidade alimentar. Domicílios rurais e urbanos. Pesquisa de orçamento familiar. Renda familiar.

Resumo

Este estudo teve por objetivo avaliar a participação relativa dos grupos de alimentos no Valor Energético Total (VET) para as famílias rurais e urbanas das Regiões Nordeste e Sudeste, de acordo com o rendimento mensal familiar. Foram utilizadas as informações da Pesquisa de Orçamentos Familiares (POF), realizada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), entre julho de 2002 e junho de 2003. Os recursos do software Statistical Analysis System foram utilizados para as análises. Quanto à participação dos distintos grupos alimentares no VET, destaca-se a reduzida contribuição energética das frutas e hortaliças, bem como a elevada participação do grupo de açúcares e doces, evidenciadas para a totalidade das famílias analisadas. Foi notória a influência exercida pela localização dos domicílios, especialmente o estrato geográfico, bem como pelos rendimentos familiares, sobre a alimentação da população das Regiões Nordeste e Sudeste do Brasil. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Daniela Cristina Rossetto Caroba, Universidade de São Paulo
PRONUT - Universidade de São Paulo
Sonia Tucunduva Philippi, Universidade de São Paulo
Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo
Marina Vieira da Silva, Universidade de São Paulo
ESALQ - Universidade de São Paulo

Referências

. Galeazzi MAM, Domene SMA, Sichieri R. Estudo multicêntrico de consumo familiar – NEPA/MS. Cad Debate. 1997, Ed Especial. 57 p.

. Claro RM, Carmo HCE, Machado FMS, Monteiro CA. Renda, preço dos alimentos e participação de frutas e hortaliças na dieta. Rev. Saúde Pública. 2007;41(4):557-564.

. Mondini L, Monteiro CA. Mudanças no padrão de alimentação da população urbana brasileira: 1962-1988. Rev. Saúde Pública. 1994; 28(6):433-439.

. Pedraza DF. Disponibilidad de alimentos como factor determinante de la Seguridad Alimentaria y Nutricional y sus representaciones em Brasil. Rev. Nutr. 2005; 18(1):129-143.

. Serra Majem LI. Evaluación del consume de alimentos en poblaciones: encuestas alimentarias. In: Serra Majem LI, Aranceta Bartrina J, Mataix Verdú J. Nutrición y salud publica: metodos, bases cientificas y aplicaciones. Barcelona: Masson; 1995. p. 90-96.

. West CE, Van Staveren WA. Food consumption, nutrient intake and the use of food composition tables. In: Margetts BM, Nelson M. Design concepts in nutritional epidemiology. Oxford: Oxford University Press; 1997. p. 107-122.

. Conselho Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional – CONSEA. Princípios e Diretrizes de uma Política de Segurança Alimentar e Nutricional . Textos de Referência da II Conferência Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional. Brasília, DF; 2004.

. Martins E. Variações no consumo de alimentos no Brasil de 1974/75 a 1987/88. [dissertação de mestrado]. Piracicaba: Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz” da USP; 1998. 117 p.

. Machado FMS. Estratégias de concorrência da indústria alimentícia e seus desdobramentos na dimensão nutricional. [tese de doutorado]. São Paulo: Faculdade de Ciências Farmacêuticas, Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, e Faculdade de Saúde Pública da USP; 2003. 200 p.

. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE. Pesquisa de Orçamentos Familiares 2002/2003: microdados – segunda divulgação. Rio de Janeiro, RJ; 2005.

. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE. Pesquisa de orçamentos familiares 2002-2003: primeiros resultados – Brasil e grandes regiões. Rio de Janeiro, RJ; 2004a.

. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE. Pesquisa de orçamentos familiares 2002-2003: análise da disponibilidade domiciliar de alimentos e do estado nutricional no Brasil. Rio de Janeiro, RJ; 2004b.

. Philippi ST, Szarfarc SC, Latterza AR. Virtual Nutri [software]. Versão 1.0. Universidade de São Paulo, Faculdade de Saúde Pública, Departamento de Nutrição, 1996.

. Microsoft. Microsoft Excel 2000 [software], 2000.

. The SAS System, version 8. [software em CD-ROM]. Cary: SAS Institute; 1998.

. Brasil. Ministério das Relações Exteriores [homepage na internet]. Brasília; 2006 [acesso em 01 junho 2006]. Disponível em: http://www.mre.gov.br/

. Muninet. Rede Brasileira para o Desenvolvimento Municipal. São Paulo; 2006. [acesso em 10 dezembro 2006]. Disponível em: http://muninet.org.br/

. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Coordenação-Geral da Política de Alimentação e Nutrição. Guia alimentar para a população brasileira: promovendo a alimentação saudável. Brasília, DF; 2006b.

. World Health Organization. Diet, nutrition and the prevention of chronic diseases. Geneva, 2003. (Technical Report Series, 916).

. Jaime PC, Machado FMS, Westphal MF, Monteiro CA. Educação nutricional e consumo de frutas e hortaliças: ensaio comunitário controlado. Rev. Saúde Pública. 2007;41(1):154-157.

. Machado FMS, Santiago VR. O papel das frutas e hortaliças na nutrição humana. In: Torres EAFS. Alimentos em questão: uma abordagem para as dúvidas mais comuns. São Paulo: Ponto Crítico; 2001.

. Levy-Costa RB, Sichieri R, Pontes NS, Monteiro CA. Disponibilidade domiciliar de alimentos no Brasil: distribuição e evolução (1974-2003). Rev. Saúde Pública, 2005; 39(4):530-540.

. Jaime PC, Monteiro CA. Fruit and intake by Brazilian adults. Cad. Saúde Pública, 2005; 21:S19-S24, Supl. 1.

. Enes CC. Disponibilidade de energia e nutrientes nos domicílios: o contraste entre Regiões Norte e Sul do Brasil. [dissertação de mestrado]. Piracicaba: Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz” da USP; 2005. 119 p.

. Associação Brasileira de Bebidas. [Acesso em 2006 out 11]. Disponível em: <http://www.abrabe.org.br>.

. Philippi ST. Nutrição e Técnica Dietética. Barueri: Manole; 2003.

. Saglio-Yatzimirsky MC. A comida dos favelados. Estud. Av. 2006;20(58):122-132.

. Bleil RAT. Disponibilidade de energia e nutrientes nos domicílios de famílias das regiões metropolitanas de Curitiba e Porto Alegre. [dissertação de mestrado]. Piracicaba: Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz” da USP; 2004. 87 p.

. Faganello CRF. Disponibilidade de energia e nutrientes para a população das regiões metropolitanas de Recife e São Paulo. [dissertação de mestrado]. Piracicaba: Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz” da USP; 2002. 113 p.

. Menezes T, Silveira FG, Magalhães LCG, Tomich FA, Vianna SW. Gastos alimentares nas grandes regiões urbanas do Brasil: aplicações do modelo AID aos microdados da POF 1995/1996 IBGE. Brasília: IPEA; 2002. (Textos para Discussão, 896).

. Hoffmann R. A diminuição do consumo de feijão no Brasil. Estud. Econ. 1995;25(2):189-201.

. Silva MV. Estado nutricional de escolares matriculados nos Centros Integrados de Educação Pública – CIEP’s. [tese de doutorado]. São Paulo: Faculdade de Saúde Pública da USP; 1996. 110 p.

Como Citar
Caroba, D. C. R., Philippi, S. T., & Silva, M. V. da. (1). Participação dos grupos de alimentos no valor energético total, nos domicílios rurais e urbanos das regiões nordeste e sudeste do Brasil. Segurança Alimentar E Nutricional, 15(2), 16-31. https://doi.org/10.20396/san.v15i2.1814
Seção
Artigo de Segurança Alimentar e Nutricional

Artigos mais lidos pelo mesmo (s) autor (es)

1 2 > >>