Parâmetros físico-químicos, teor de fibra bruta e alimentar de pós alimentícios obtidos de resíduos de frutas tropicais

Autores

  • Ana Maria Athayde Uchoa Universidade Federal do Ceará
  • José Maria Correia da Costa Universidade Federal do Ceará
  • Geraldo Arraes Maia Universidade Federal do Ceará
  • Elisabeth Mary Cunha Silva Universidade Federal do Ceará
  • Ana de Fátima Fontinele Urano Carvalho Universidade Federal do Ceará
  • Tatyane Ribeiro Meira Universidade Federal do Ceará

DOI:

https://doi.org/10.20396/san.v15i2.1817

Palavras-chave:

Resíduos de frutas. Pós alimentícios. Fibra alimentar. Utilização de subprodutos

Resumo

As frutas tropicais são utilizadas como matéria-prima para a fabricação de diversos produtos alimentícios, destacando-se mais recentemente a polpa de fruta congelada de ampla aceitação entre os consumidores, utilizada para a elaboração de sucos e refrescos comercializados em lanchonetes, escolas, restaurantes, além do consumo doméstico. Atualmente sabe-se que a fibra alimentar desempenha no organismo funções importantes como intervir no metabolismo dos lipídios e carboidratos e na fisiologia do trato gastrointestinal, além de assegurar uma absorção mais lenta dos nutrientes e promover a sensação de saciedade. Estudos mais recentes também comentam sobre as ações benéficas da fibra alimentar em doenças respiratórias e função pulmonar. Em função do exposto, este trabalho teve como objetivo determinar os parâmetros físico-químicos e o teor de fibra bruta e fibra alimentar dos resíduos do bagaço do caju, bagaço da goiaba e casca do maracujá, obtidos do processamento de polpa de fruta e transformados em pós alimentícios. Dentre os parâmetros físico-químicos analisados foi verificado que os pós alimentícios dos resíduos de caju, goiaba e maracujá apresentam em predominância: ºBrix 40,48±0,00; 10,48±0,00; 20,56±0,00); açúcares redutores (36,55±0,65; 5,31±0,13; 8,3±0,10%); vitamina C (34,72±0,29; 21,55±3,66; 11,76±0,13mg/100mL); fibra bruta (9,92±1,28; 39,56±0,46; 26,31±1,09%); fibra alimentar (3,26±0,01; 24,46±3,73; 17,07±0,79%); A partir dos resultados obtidos pode-se considerar que os pós alimentícios destes resíduos são boas fontes de vitamina C, açúcar redutor e apresentam altos teores de fibra bruta e alimentar.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Maria Athayde Uchoa, Universidade Federal do Ceará

Departamento de Tecnologia de Alimentos – CCA da Universidade Federal do Ceará

José Maria Correia da Costa, Universidade Federal do Ceará

Departamento de Tecnologia de Alimentos – CCA da Universidade Federal do Ceará

Geraldo Arraes Maia, Universidade Federal do Ceará

Departamento de Tecnologia de Alimentos – CCA da Universidade Federal do Ceará

Elisabeth Mary Cunha Silva, Universidade Federal do Ceará

Departamento de Tecnologia de Alimentos – CCA da Universidade Federal do Ceará

Ana de Fátima Fontinele Urano Carvalho, Universidade Federal do Ceará

Departamento de Biologia, CC da Universidade Federal do Ceará

Tatyane Ribeiro Meira, Universidade Federal do Ceará

Departamento de Tecnologia de Alimentos – CCA da Universidade Federal do Ceará

Referências

A.A.C.C. - American Association of Cereal Chemists. Approved Methods of American Association of Cereal Chemists, 9 ed. St. Paul: AACC, 1995, V.1 e 2.

A.O.A.C. – Association of Official Analytical Chemists. Official Methods of Analysis of the Association of Analytical Chemistry. 12ed. Washington, 1995.

Anuário brasileiro da fruticultura 2006. Gilson R. da Rosa. [et al.].- Santa Cruz do Sul: Editora Gazeta Santa Cruz, 2006. 136p: il.

Beling, R.R. Anuário Brasileiro de Fruticultura. Santa Cruz do Sul: Editora Gazeta Santa Cruz, 2005.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância Sanitária. Portaria nª33, de 13 de janeiro de 1998, adota valores para ingestão diária recomendada (IDR) de vitaminas, minerais e proteínas. Diário Oficial da República Federativa do Brasil. Brasília –DF, de 16 de janeiro de 1998.

Brasil. Ministério da Saúde - Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Portaria nº 27 de 13/01/1998 – Regulamento Técnico Referente à Informação Nutricional Complementar.

Brasil. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Métodos Físico-Químicos para Análise de Alimentos. Diário Oficial da União Brasília: Ministério da Saúde, 2005. 1018p.

Córdova KV, Gama, TMMTB, Winter GMG, Freitas RJS. Características físicoquímicas da casca do maracujá amarelo (Passiflora edulis flavicarpa degener) obtida por secagem. Boletim Ceppa, Curitiba, v. 23. n. 2, p. 221-230, jan/ jun. 2005.

Dutra OJE, Marchini JS. Ciências Nutricionais. São Paulo: Sarvier, 1998.

Embrapa - Empresa Brasileira de Pesquisa e Agropecuária. Iniciando um pequeno grande negócio agroindustrial: polpa e suco de frutas/ Embrapa Agroindústria de Alimentos, Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas - Brasília: Embrapa Informação Tecnológica, 2003. 123p. - (Série agronegócios).

ENDEF/ IBGE. Estudo Nacional da Despesa Familiar. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Tabela de Composição de Alimentos. 5ª ed. Rio de Janeiro: IBGE, 1999.

FAO (Food and Agriculture Organization of United Nations). Faostat. Fao Statistics Division 2006. Disponível em: <http://faostat.fao.org/site/408/DesktopDefault .aspx?PageID=408>. Acesso em: 18 out. 2006.

Felipe EMF. Caracterização Físico- Química de Pós Alimentícios Obtidos de Resíduos de Frutas Tropicais. [Dissertação] Fortaleza: Universidade Federal do Ceará, 2006. 93p.

Ferreira RA, Colussi F, Ayub RA. Caracterização de subprodutos da industrialização do maracujá – aproveitamento das sementes. Revista Brasileira de Fruticultura, 2004; 26 (1):101-102.

Kan H, Stevens J, Heiss G, Rose KM, Londres, SJ. Dietary fiber, lung function, and chronic obstructive pulmonary disease in the atherosclerosis risk in communities study. American Journal of Epidemiology. 2008; 167 (5): 570-578.

Lima LMO. Estudo do aproveitamento dos bagaços de frutas tropicais, visando a extração de fibras. [Dissertação] Natal: Universidade Federal do Rio Grande do Norte. 2001.102p.

Lima AC, García NHP, Lima JR. Obtenção e caracterização dos principais produtos do caju. Boletim Ceppa. 2004; 22(1): 133-144.

Lobo AR, Silva GML. Implicações Nutricionais no Consumo de Fibras e Amido Resistente. Nutrição em Pauta. Janeiro/ fevereiro, 2001.

Oliveira MEB, Feitosa T, Bastos, MSR, Silva MGG, Branco MAAC. Polpas Congeladas de Frutas – Avaliação da qualidade em quatro Estados do Nordeste Brasileiro. In: Congresso Brasileiro de Ciência e Tecnologia De Alimentos, Fortaleza, Ceará: SBCTA, 1998. Anais... Ceará, 1998.

Pearson D, Cox HE. The chemical analysis of foods. New York: Chem. Publ. 1976.

Perez PMP, Germani R. Farinha mista de trigo e berinjela: características físicas e químicas. Boletim Ceppa. 2004; 22(1): 15-24.

Petinari RA, Tarsitano MAA. Comercialização de caju in natura na região Noroeste do Estado de São Paulo: Revista Brasileira de Fruticultura. 2002; 24 (3): 697- 699.

Prosky L, Asp N, Schweizer TF, Devries JW, Furda I. Determination of insoluble, soluble, and total dietary fiber in foods and food products: interlaboratory study. Journal of the Association Official Analytical Chemists. 1988; 71 (5); 1017-1023.

Sandi D, Chaves JBP, Souza ACG, Silva MTC, Parreiras JFM. Correlações entre características físico-químicas e sensoriais em suco de maracujá-amarelo (Passiflora edulis VAR. flavicarpa ) durante o armazenamento. Ciência de Tecnologia e Alimentos. 2003; 23(3); 355-361.

SEAGRE - Secretaria de Agricultura, Irrigação E Reforma Agrária. Goiaba e Maracujá. Obtido via Internet. <http://www.seagri.ce.gov.br>. 2002. Acesso em 21/12/2003.

Silva MR, Silva MAAP, Chang YK. Utilização da farinha de jatobá (Hymenaea stigonocarpa Mart.) na elaboração de biscoitos tipo cookie e avaliação de aceitação por testes sensoriais afetivos univariados e multivariados IN: Ciência e Tecnologia de Alimentos. 1998; 18 (1): 25-34.

Silva DS. Estabilidade de suco tropical de goiaba (Psidium guajava L.) não-adoçado obtido pelos processos de Enchimento a quente e asséptico. [Dissertação]. Fortaleza: Universidade Federal do Ceará; 2007. 98p.

USDA - Department of Agriculture (USDA). Agricultural Research Service: USDA Nutrient Database for Standard Reference, release 17, SR 17 [database on line]. 2004. Available from . Acessed 31/10/2004

Downloads

Como Citar

UCHOA, A. M. A.; COSTA, J. M. C. da; MAIA, G. A.; SILVA, E. M. C.; CARVALHO, A. de F. F. U.; MEIRA, T. R. Parâmetros físico-químicos, teor de fibra bruta e alimentar de pós alimentícios obtidos de resíduos de frutas tropicais. Segurança Alimentar e Nutricional, Campinas, SP, v. 15, n. 2, p. 58–65, 2015. DOI: 10.20396/san.v15i2.1817. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/san/article/view/1817. Acesso em: 27 maio. 2022.

Edição

Seção

Artigo de Segurança Alimentar e Nutricional