Preferências alimentares no ambiente escolar

  • Mariana Schievano Danelon Universidade de São Paulo
  • Maria Conceição Pereira da Fonseca Universidade Federal da Bahia
  • Marina Vieira da Silva Universidade de São Paulo
Palavras-chave: Cantinas escolares. Alimentação escolar. Preferências alimentares. Programa nacional de alimentação escolar.

Resumo

Na totalidade das escolas públicas de ensino infantil e fundamental do Brasil está presente o Programa Nacional de Alimentação Escolar – PNAE e, em expressiva parcela das unidades, encontram-se disponíveis as cantinas/lanchonetes escolares. A presença destes dois serviços nas unidades de ensino possivelmente traz dificuldades para que os alunos selecionem os alimentos da dieta. O estudo teve por objetivo identificar as preferências alimentares de crianças e adolescentes no ambiente escolar, analisando a influência do convívio do PNAE e das cantinas sobre o comportamento alimentar dos estudantes. Para tanto, foram realizadas entrevistas, utilizando-se de formulário especificamente elaborado, junto a 324 escolares (com idade entre 6 e 14 anos) de seis unidades públicas de Campinas (SP). Os resultados revelaram que 75% dos alunos aderiam ao PNAE, sendo que 38,3% participavam freqüentemente (entre quatro e cinco dias por semana). A aceitação dos alunos às preparações do cardápio do PNAE esteve diretamente associada com a freqüência de adesão ao programa. As preparações do cardápio apresentaram maior aceitabilidade entre os alunos de menor idade e não foram observadas diferenças quanto à aceitação das preparações e os rendimentos familiares per capita. As refeições salgadas do tipo prato único e as sopas foram as menos selecionadas para integrar o cardápio do PNAE. Cerca de 76% dos alunos aderiam à cantina, sendo que maior proporção (63,8%) adquiria alimentos esporadicamente (até dois dias por semana). A adesão à cantina foi mais freqüente entre as meninas e entre os alunos com maiores rendimentos. Quanto à convivência dos serviços escolares, observou-se tanto uma relação de complementaridade quanto de substituição da merenda escolar em relação aos alimentos comercializados na cantina. Evidenciou-se a necessidade de orientação, para que os alunos optem de forma consciente pelos alimentos disponíveis nas escolas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mariana Schievano Danelon, Universidade de São Paulo
ESALQ, Universidade de São Paulo
Maria Conceição Pereira da Fonseca, Universidade Federal da Bahia
IMS, Campus Anísio Teixeira da Universidade Federal da Bahia
Marina Vieira da Silva, Universidade de São Paulo
ESALQ da Universidade de São Paulo

Referências

. Gambardella AMD, Frutuoso MFP, Franch C. Prática alimentar de adolescentes. Rev Nutr. 1999; 12(1): 55-63.

. Danelon MAS, Danelon MS, Silva MV da. Serviços de alimentação destinados ao público escolar: análise da convivência do Programa de Alimentação Escolar e das cantinas. Segurança Alimentar e Nutricional. 2006; 13(1): 85-94.

. Brasil. Ministério da Educação. Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação [Internet] [acesso em 2007 maio 04]. Resolução No 32, de 10 de agosto de 2006. Estabelece as normas para a execução do Programa Nacional de Alimentação Escolar – PNAE. Disponível em: http://www.fnde.gov.br/.

. Weis B, Chaim NA, Belik W. Manual de gestão eficiente da merenda escolar. 2 ed. São Paulo: Margraf; 2005. 82 p.

. Brasil. Ministério da Educação. Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação – FNDE. Alimentação escolar. 2007. [Internet] [acesso em 2007 maio 04]. Disponível em: http://www.fnde.gov.br/home/index.jsp?arqui vo=/alimentação_escolar/alimenta cao_esc.html.

. Silva JG, Belik W, Takagi M (coord.). Projeto Fome Zero: uma proposta de política de segurança alimentar para o Brasil. São Paulo: Instituto Cidadania; 2001.

. Brandão TM. Avaliação da aceitação e preferência dos cardápios do Programa de Merenda Escolar em escolas municipais do ensino fundamental da cidade de Campinas [dissertação]. Campinas: Universidade Estadual de Campinas; 2000. 91 p.

. Nogueira RM. O Programa Nacional de Alimentação Escolar como uma política pública: o caso de Campinas – SP [dissertação]. Campinas: Universidade Estadual de Campinas; 2004. 155 p.

. Carmo M. Programa de alimentação escolar de Campinas recebe prêmio nacional. 2004. [Internet] [acesso em 2007 jun 05]. Disponível em: http://www.campinas.sp. gov.br/noticias.

. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira – INEP. Censo Educacional 2004. [Internet] [acesso em 2005 out 15]. Disponível em: http://www.inep.gov.br.

. World Health Organization – WHO. Physical status: the use and interpretation of anthropometry. Geneva: WHO; 1995. (Technical Report Series, n. 854).

. Center for Disease Control and Prevention – CDC. Epi-Info. Epidemiology Program Office [computer program]. Version 3.3.2. Atlanta; Georgia: Division of Public Health Surveillance Informatics; 2000.

. Center for Disease Control and Prevention – CDC. 2000 CDC Growth Charts for The United States: Methods and Development. Atlanta: CDC; 2002. 190 p. (Vital and Health Statistics – Series 11, n. 246).

. Associação Brasileira de Empresas de Pesquisa – ABEP. Critério de Classificação Econômica Brasil. 2003. [Internet] [acesso em 2007 abr 24]. Disponível em: http://www.abep.org.

. Sas Institute Inc. The Statistical Analysis System [computer program]. Version 8.2. Cary: SAS Institute Inc.; 2000.

. Muniz VM, Carvalho AT de. O Programa Nacional de Alimentação Escolar em município do Estado da Paraíba: um estudo sob o olhar dos beneficiários do Programa. Rev Nutr. 2007; 20(3): 285-96.

. Panciera AL, Sturion GL, Silva MV da. Subsídios para a gestão do Programa de Alimentação Escolar. In: Anais eletrônicos do 6º Simpósio Latino-Americano de Ciência de Alimentos; 2005 nov 7-10; Campinas, São Paulo: Simpósio Latino-Americano de Ciência de Alimentos; 2005.

. Martins R de CB, Medeiros MAT de, Ragonha GM, Olbi JH, Segatti MEP, Osele MR. Aceitabilidade da alimentação escolar no ensino público fundamental. Saúde em Revista. 2004; 6(13): 71-8.

. Abreu M. Alimentação escolar: combate à desnutrição e ao fracasso escolar ou direito da criança e ato pedagógico. Em aberto. 1995; 15(67): 5-20.

. Sturion GL. Programa de alimentação escolar: avaliação do desempenho em dez municípios brasileiros [tese]. Campinas: Universidade Estadual de Campinas; 2002. 269 p.

. Flávio EF. Alimentação escolar e avaliação nutricional dos alunos do ensino fundamental das escolas municipais de Lavras, MG [tese]. Lavras: Universidade Federal de Lavras; 2006. 293 p.

. Brasil. Ministério da Educação. Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação. Avaliação do impacto distributivo e elaboração de sistemática de monitoramento do PNAE. 2002. [Internet] [acesso em 2003 set 04]. Disponível em: http://www.fnde.gov.br/apresentacoes/apresen tacao01/index.html.

. Carvalho LMF de. Preferências alimentares de crianças e adolescentes matriculados no ensino fundamental da rede pública da cidade de Bauru: uma análise de fatores ambientais no estudo da obesidade [dissertação]. Ribeirão Preto: Universidade de São Paulo; 2005. 96 p.

. Portes L. Programa de educação alimentar leva a boa refeição às escolas de Campinas. 2006. [Internet] [acesso em 2007 jun 05]. Disponível em: http://www. campinas.sp.gov.br/noticias.

. Oetterer M, Silva MV da, Ometto AMH, Pipitone MAP, Furtuoso MCO, Sturion GL. Avaliação do programa de alimentação escolar: projeto FNDCT (FINEP) – BID. Piracicaba: ESALQ/USP; 1999. 365 p.

. Stolarski MC. Caminhos da alimentação escolar no Brasil: análise de uma política pública no período de 2003-2004 [dissertação]. Curitiba: Universidade Federal do Paraná; 2005. 160 p.

. Warren E, Parry O, Linch R, Murphy S. ‘If I don’t like it then I can choose what I want’: Welsh schoolchildren’s accounts of preference for and control over food choice. Health Promot Int. 2008; 23(2): 144-51.

. Moyses MAA, Collares CAL. Aprofundando a discussão das relações entre desnutrição, fracasso escolar e merenda. Em aberto. 1995; 15(67): 33-56.

. Danelon, MAS. Modelos de gestão do Programa de Alimentação Escolar: a experiência aplicada às unidades de tempo integral [dissertação]. Piracicaba: Universidade de São Paulo; 2007. 233 p.

. Pecorari R de CF. Uma proposta de inovação no cardápio escolar baseada na avaliação do Programa de Alimentação Escolar, de Piracicaba – SP [dissertação]. Araraquara: Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”; 2006. 167p.

. Vianna RPT, Tereso MJA. Análise do programa de merenda escolar em Campinas. Cad Debate. 1997; 5: 46-76.

. Sturion GL, Panciera AL, Silva MV da. Alimentação escolar: opções de consumo na unidade de ensino. In: Anais eletrônicos do 6º Simpósio Latino-Americano de Ciência de Alimentos, 2005 nov 7-10; Campinas, São Paulo: Simpósio Latino-Americano de Ciência de Alimentos; 2005.

. Caroba, DCR. A escola e o consumo alimentar de adolescentes matriculados na rede pública de ensino [dissertação]. Piracicaba: Universidade de São Paulo; 2002. 162p.

. Warwick J, McIlveen H, Strugnell C. Meal preferences amongst 9 to 15-year-old Ulster schoolchildren. Appetite. 1997; 28: 86.

. Noble C, Corney M, Eves A, Kipps M, Lumbers M. School meals: primary schoolchildren’s perceptions of the healthiness of foods served at school and their preferences for these foods. Health Education Journal. 2001; 60(2): 102-19.

. Eves A, Corney M, Kipps M, Noble C, Lumbers M, Price M. The nutritional implications of food choices from catering outlets. Nutrition & Food Science. 1996; 5: 26-9.

. Edmonds J, Baranowski T, Baranowski J, Cullen KW, Myres D. Ecological and socioeconomic correlates of fruit, juice and vegetable consumption among African- American boys. Prev Med. 2001; 32: 476-81.

. Bizzo MLG, Leder L. Educação nutricional nos parâmetros curriculares nacionais para o ensino fundamental. Rev Nutr. 2005; 18(5): 661-7.

. Brasil. Ministério da Saúde; Ministério da Educação. [Internet] [acesso em 2007 maio 04]. Portaria Interministerial No 1.010, de 08 de maio de 2006. Institui as diretrizes para a promoção da alimentação saudável nas escolas de educação infantil, fundamental e nível médio das redes públicas e privadas, em âmbito nacional. Disponível em: http://www.fnde.gov.br/.

Como Citar
Danelon, M. S., Fonseca, M. C. P. da, & Silva, M. V. da. (1). Preferências alimentares no ambiente escolar. Segurança Alimentar E Nutricional, 15(2), 66-84. https://doi.org/10.20396/san.v15i2.1818
Seção
Artigo de Segurança Alimentar e Nutricional

Artigos mais lidos pelo mesmo (s) autor (es)

1 2 > >>