Banner Portal
Preferências alimentares no ambiente escolar
PDF

Palavras-chave

Cantinas escolares. Alimentação escolar. Preferências alimentares. Programa nacional de alimentação escolar.

Como Citar

DANELON, Mariana Schievano; FONSECA, Maria Conceição Pereira da; SILVA, Marina Vieira da. Preferências alimentares no ambiente escolar. Segurança Alimentar e Nutricional, Campinas, SP, v. 15, n. 2, p. 66–84, 2015. DOI: 10.20396/san.v15i2.1818. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/san/article/view/1818. Acesso em: 20 maio. 2024.

Resumo

Na totalidade das escolas públicas de ensino infantil e fundamental do Brasil está presente o Programa Nacional de Alimentação Escolar – PNAE e, em expressiva parcela das unidades, encontram-se disponíveis as cantinas/lanchonetes escolares. A presença destes dois serviços nas unidades de ensino possivelmente traz dificuldades para que os alunos selecionem os alimentos da dieta. O estudo teve por objetivo identificar as preferências alimentares de crianças e adolescentes no ambiente escolar, analisando a influência do convívio do PNAE e das cantinas sobre o comportamento alimentar dos estudantes. Para tanto, foram realizadas entrevistas, utilizando-se de formulário especificamente elaborado, junto a 324 escolares (com idade entre 6 e 14 anos) de seis unidades públicas de Campinas (SP). Os resultados revelaram que 75% dos alunos aderiam ao PNAE, sendo que 38,3% participavam freqüentemente (entre quatro e cinco dias por semana). A aceitação dos alunos às preparações do cardápio do PNAE esteve diretamente associada com a freqüência de adesão ao programa. As preparações do cardápio apresentaram maior aceitabilidade entre os alunos de menor idade e não foram observadas diferenças quanto à aceitação das preparações e os rendimentos familiares per capita. As refeições salgadas do tipo prato único e as sopas foram as menos selecionadas para integrar o cardápio do PNAE. Cerca de 76% dos alunos aderiam à cantina, sendo que maior proporção (63,8%) adquiria alimentos esporadicamente (até dois dias por semana). A adesão à cantina foi mais freqüente entre as meninas e entre os alunos com maiores rendimentos. Quanto à convivência dos serviços escolares, observou-se tanto uma relação de complementaridade quanto de substituição da merenda escolar em relação aos alimentos comercializados na cantina. Evidenciou-se a necessidade de orientação, para que os alunos optem de forma consciente pelos alimentos disponíveis nas escolas.

https://doi.org/10.20396/san.v15i2.1818
PDF

Referências

. Gambardella AMD, Frutuoso MFP, Franch C. Prática alimentar de adolescentes. Rev Nutr. 1999; 12(1): 55-63.

. Danelon MAS, Danelon MS, Silva MV da. Serviços de alimentação destinados ao público escolar: análise da convivência do Programa de Alimentação Escolar e das cantinas. Segurança Alimentar e Nutricional. 2006; 13(1): 85-94.

. Brasil. Ministério da Educação. Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação [Internet] [acesso em 2007 maio 04]. Resolução No 32, de 10 de agosto de 2006. Estabelece as normas para a execução do Programa Nacional de Alimentação Escolar – PNAE. Disponível em: http://www.fnde.gov.br/.

. Weis B, Chaim NA, Belik W. Manual de gestão eficiente da merenda escolar. 2 ed. São Paulo: Margraf; 2005. 82 p.

. Brasil. Ministério da Educação. Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação – FNDE. Alimentação escolar. 2007. [Internet] [acesso em 2007 maio 04]. Disponível em: http://www.fnde.gov.br/home/index.jsp?arqui vo=/alimentação_escolar/alimenta cao_esc.html.

. Silva JG, Belik W, Takagi M (coord.). Projeto Fome Zero: uma proposta de política de segurança alimentar para o Brasil. São Paulo: Instituto Cidadania; 2001.

. Brandão TM. Avaliação da aceitação e preferência dos cardápios do Programa de Merenda Escolar em escolas municipais do ensino fundamental da cidade de Campinas [dissertação]. Campinas: Universidade Estadual de Campinas; 2000. 91 p.

. Nogueira RM. O Programa Nacional de Alimentação Escolar como uma política pública: o caso de Campinas – SP [dissertação]. Campinas: Universidade Estadual de Campinas; 2004. 155 p.

. Carmo M. Programa de alimentação escolar de Campinas recebe prêmio nacional. 2004. [Internet] [acesso em 2007 jun 05]. Disponível em: http://www.campinas.sp. gov.br/noticias.

. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira – INEP. Censo Educacional 2004. [Internet] [acesso em 2005 out 15]. Disponível em: http://www.inep.gov.br.

. World Health Organization – WHO. Physical status: the use and interpretation of anthropometry. Geneva: WHO; 1995. (Technical Report Series, n. 854).

. Center for Disease Control and Prevention – CDC. Epi-Info. Epidemiology Program Office [computer program]. Version 3.3.2. Atlanta; Georgia: Division of Public Health Surveillance Informatics; 2000.

. Center for Disease Control and Prevention – CDC. 2000 CDC Growth Charts for The United States: Methods and Development. Atlanta: CDC; 2002. 190 p. (Vital and Health Statistics – Series 11, n. 246).

. Associação Brasileira de Empresas de Pesquisa – ABEP. Critério de Classificação Econômica Brasil. 2003. [Internet] [acesso em 2007 abr 24]. Disponível em: http://www.abep.org.

. Sas Institute Inc. The Statistical Analysis System [computer program]. Version 8.2. Cary: SAS Institute Inc.; 2000.

. Muniz VM, Carvalho AT de. O Programa Nacional de Alimentação Escolar em município do Estado da Paraíba: um estudo sob o olhar dos beneficiários do Programa. Rev Nutr. 2007; 20(3): 285-96.

. Panciera AL, Sturion GL, Silva MV da. Subsídios para a gestão do Programa de Alimentação Escolar. In: Anais eletrônicos do 6º Simpósio Latino-Americano de Ciência de Alimentos; 2005 nov 7-10; Campinas, São Paulo: Simpósio Latino-Americano de Ciência de Alimentos; 2005.

. Martins R de CB, Medeiros MAT de, Ragonha GM, Olbi JH, Segatti MEP, Osele MR. Aceitabilidade da alimentação escolar no ensino público fundamental. Saúde em Revista. 2004; 6(13): 71-8.

. Abreu M. Alimentação escolar: combate à desnutrição e ao fracasso escolar ou direito da criança e ato pedagógico. Em aberto. 1995; 15(67): 5-20.

. Sturion GL. Programa de alimentação escolar: avaliação do desempenho em dez municípios brasileiros [tese]. Campinas: Universidade Estadual de Campinas; 2002. 269 p.

. Flávio EF. Alimentação escolar e avaliação nutricional dos alunos do ensino fundamental das escolas municipais de Lavras, MG [tese]. Lavras: Universidade Federal de Lavras; 2006. 293 p.

. Brasil. Ministério da Educação. Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação. Avaliação do impacto distributivo e elaboração de sistemática de monitoramento do PNAE. 2002. [Internet] [acesso em 2003 set 04]. Disponível em: http://www.fnde.gov.br/apresentacoes/apresen tacao01/index.html.

. Carvalho LMF de. Preferências alimentares de crianças e adolescentes matriculados no ensino fundamental da rede pública da cidade de Bauru: uma análise de fatores ambientais no estudo da obesidade [dissertação]. Ribeirão Preto: Universidade de São Paulo; 2005. 96 p.

. Portes L. Programa de educação alimentar leva a boa refeição às escolas de Campinas. 2006. [Internet] [acesso em 2007 jun 05]. Disponível em: http://www. campinas.sp.gov.br/noticias.

. Oetterer M, Silva MV da, Ometto AMH, Pipitone MAP, Furtuoso MCO, Sturion GL. Avaliação do programa de alimentação escolar: projeto FNDCT (FINEP) – BID. Piracicaba: ESALQ/USP; 1999. 365 p.

. Stolarski MC. Caminhos da alimentação escolar no Brasil: análise de uma política pública no período de 2003-2004 [dissertação]. Curitiba: Universidade Federal do Paraná; 2005. 160 p.

. Warren E, Parry O, Linch R, Murphy S. ‘If I don’t like it then I can choose what I want’: Welsh schoolchildren’s accounts of preference for and control over food choice. Health Promot Int. 2008; 23(2): 144-51.

. Moyses MAA, Collares CAL. Aprofundando a discussão das relações entre desnutrição, fracasso escolar e merenda. Em aberto. 1995; 15(67): 33-56.

. Danelon, MAS. Modelos de gestão do Programa de Alimentação Escolar: a experiência aplicada às unidades de tempo integral [dissertação]. Piracicaba: Universidade de São Paulo; 2007. 233 p.

. Pecorari R de CF. Uma proposta de inovação no cardápio escolar baseada na avaliação do Programa de Alimentação Escolar, de Piracicaba – SP [dissertação]. Araraquara: Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”; 2006. 167p.

. Vianna RPT, Tereso MJA. Análise do programa de merenda escolar em Campinas. Cad Debate. 1997; 5: 46-76.

. Sturion GL, Panciera AL, Silva MV da. Alimentação escolar: opções de consumo na unidade de ensino. In: Anais eletrônicos do 6º Simpósio Latino-Americano de Ciência de Alimentos, 2005 nov 7-10; Campinas, São Paulo: Simpósio Latino-Americano de Ciência de Alimentos; 2005.

. Caroba, DCR. A escola e o consumo alimentar de adolescentes matriculados na rede pública de ensino [dissertação]. Piracicaba: Universidade de São Paulo; 2002. 162p.

. Warwick J, McIlveen H, Strugnell C. Meal preferences amongst 9 to 15-year-old Ulster schoolchildren. Appetite. 1997; 28: 86.

. Noble C, Corney M, Eves A, Kipps M, Lumbers M. School meals: primary schoolchildren’s perceptions of the healthiness of foods served at school and their preferences for these foods. Health Education Journal. 2001; 60(2): 102-19.

. Eves A, Corney M, Kipps M, Noble C, Lumbers M, Price M. The nutritional implications of food choices from catering outlets. Nutrition & Food Science. 1996; 5: 26-9.

. Edmonds J, Baranowski T, Baranowski J, Cullen KW, Myres D. Ecological and socioeconomic correlates of fruit, juice and vegetable consumption among African- American boys. Prev Med. 2001; 32: 476-81.

. Bizzo MLG, Leder L. Educação nutricional nos parâmetros curriculares nacionais para o ensino fundamental. Rev Nutr. 2005; 18(5): 661-7.

. Brasil. Ministério da Saúde; Ministério da Educação. [Internet] [acesso em 2007 maio 04]. Portaria Interministerial No 1.010, de 08 de maio de 2006. Institui as diretrizes para a promoção da alimentação saudável nas escolas de educação infantil, fundamental e nível médio das redes públicas e privadas, em âmbito nacional. Disponível em: http://www.fnde.gov.br/.

A revista Segurança Alimentar e Nutricional utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.