Agricultores consomem frutas, verduras e legumes? Bases para ações educativas

Autores

  • Maria Cristina Faber Boog Universidade Estadual de Campinas
  • Maria da Conceição Pereira da Fonseca Universidade Federal da Bahia
  • Hayda Josiane Alves Universidade Federal do Rio de Janeiro
  • Cristiane Ramos Voorpostel Pontifícia Universidade Católica de Campinas

DOI:

https://doi.org/10.20396/san.v15i2.1819

Palavras-chave:

Segurança alimentar e nutricional. Educação alimentar e nutricional. Consumo de alimentos. Nutrição comunitária.

Resumo

Avaliou-se o consumo de frutas, verduras e legumes (FVL) por população de fruticultores, relacionando-o com trabalho, disponibilidade local desses produtos e produção para auto-consumo, com finalidade de subsidiar programas educativos. O delineamento consistiu em estudo de corte transversal, realizado entre famílias de alunos de escola de zona rural do município de Valinhos/SP – Brasil. Por meio de entrevista coletou-se dados socioeconômicos, de consumo alimentar e dados subjetivos relativos à percepção dos sujeitos sobre suas próprias práticas. A população estudada compreendeu 79 famílias, totalizando 420 pessoas; 53,0% das famílias trabalhavam na terra, 70,5% possuíam horta e 80,0% árvores frutíferas ao redor do domicílio; 85% referiram consumir verduras, 83% legumes e 91% frutas, considerando esses alimentos pertinentes ao seu padrão alimentar. Entretanto, no dia alimentar, 59,5% declararam não consumir frutas, 70,9% não consumiram verduras e 53,2% nenhum legume. Conclui-se que o acesso à terra não é um fator que por si só favoreça produção e consumo de FVL. Os motivos que levam ao baixo consumo relacionam-se a preferências, papel da mulher no trabalho agrícola como fator limitante do tempo destinado ao preparo das refeições, e relações de trabalho. Programas educativos devem ser pautados nos condicionantes objetivos e subjetivos da alimentação, incluindo estratégias para emancipação e aumento do controle sobre a vida.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Cristina Faber Boog, Universidade Estadual de Campinas

Universidade Estadual de Campinas

Maria da Conceição Pereira da Fonseca, Universidade Federal da Bahia

Universidade Federal da Bahia

Hayda Josiane Alves, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Universidade Federal do Rio de Janeiro

Cristiane Ramos Voorpostel, Pontifícia Universidade Católica de Campinas

Pontifícia Universidade Católica de Campinas, São Paulo

Referências

. Organización Mundial de la Salud. 57ª. Assembléia Mundial de la Salud. Estratégia mundial sobre régimen alimentario, actividad física y salud. Ginebra: Organización Mundial de la Salud, 2004.

. Carvalho SR. Os múltiplos sentidos da categoria “empowerment” no projeto de promoção à saúde. Cad. Saúde Pública. 2004; 20 (4): 1088-1095.

. Braga, V. Cultura alimentar: contribuições da antropologia da alimentação. Saúde em revista. 2004; 6 (13): 37-44.

. Brug J, Vet E, Nooijer J, Verplanken B. Predicting fruit consumption: cognitions, intention and habits. J Nutr Educ Behav. 2006; 38 (2): 73-81.

. Granner ML, Sargent RG, Calderon KS, Hussey JR, Evans AE, Watkins KW. Factors of fruit and vegetable intake by race, gender, and age among young adolescents. J Nutr Educ Behav. 2004; 36 (4): 173-180.

. Monge-Rojas R, Garita C, Sanchez M, Muñoz L. Barriers to and motivators for healthful eating as perceived by rural and urban Costa Rican adolescents. J Nutr Educ Behav. 2005; 37 (1): 33-40.

. Barretto SAJ, Cyrillo DC. Análise da composição dos gastos com a alimentação no Município de São Paulo (Brasil) na década de 1990. Rev Saúde Pública. 2001; 35 (1):52-9.

. Jaime PC, Monteiro CA. Fruit and vegetable intake by Brazilian adults. Cad. Saúde Pública. 2005; 21 Supl: S19-S24.

. Levy-Costa RB, Sichieri R, Pontes NS, Monteiro CA. Disponibilidade domiciliar de alimentos no Brasil: distribuição e evolução (1974-2003). Rev Saúde Pública. 2005; 39 (4): 530-540.

. Aranceta J. Nutrición comunitária. ALAN 2004; 54 (Supl 1): 9-13.

. Serra-Majem L. Las mejores prácticas en nutrición comunitaria: retos y compromisos. ALAN. 2004; 54 (Supl 1): 40-43.

. Poulain JP, Proença RPC. Reflexões metodológicas para o estudo das práticas alimentares. Rev. Nutr. 2003;16 (4):365- 386.

. Alves HJ, Boog MCF. Comportamento alimentar em moradia estudantil: um espaço para promoção da saúde. Rev Saúde Pública. 2007; 41(2): 197-204.

. Intituto Brasileito de Geografia e Estatística. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios. [Citado em 2008 ago 8]. Disponível em: http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/popul acao/trabalhoerendimento/pnad2006/tabsintes e.shtm.

. Minayo MCS. Introdução: conceito de avaliação por triangulação de métodos. In: _______. Avaliação por triangulação de métodos. Rio de Janeiro: Fiocruz; 2005.

. Alves HJ. Práticas e representações sobre alimentação e saúde entre fruticultores da zona rural de Valinhos-SP. [Dissertação de Mestrado]. Campinas: Universidade Estadual de Campinas, 2007.

. Voorpostel CR. Percepções de professores e funcionários de escola rural sobre a alimentação. [Dissertação de Mestrado] Campinas: Universidade Estadual de Campinas; 2007.

. Morimoto JM, Latorre MRDO, César CLG, Carandina R, Barros MBA, Goldbaum M et al. Fatores associados à qualidade da dieta de adultos residente na Região Metropolitana de São Paulo, Brasil. Cad. Saúde Pública. 2008; 24 (1): 169-178.

. Toral N, Slater E, Cintra, IP, Fisberg M. Comportamento alimentar de adolescentes em relação ao consumo de frutas e verduras. Rev. Nutr. 2006; 19(3): 331-340.

. Garcia RWD. Representações sobre consumo alimentar e suas implicações em inquéritos alimentares: estudo qualitativo em sujeitos submetidos à prescrição dietética. Rev. Nutr. 2004; 17 (1): 15-28.

. Sanches M. Hortaliças: consumo e preferência de escolares. [Dissertação de Mestrado] Piracicaba: Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz”, 2002.

. Matta R. Sobre comidas e mulheres. In: O que é o Brasil? Rio de Janeiro: Rocco; 2004. p: 29-36.

. Figueiredo ICR. Determinantes do consumo de frutas, verduras e legumes em adultos residentes no município de São Paulo. [Tese de Doutorado] São Paulo: Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo, 2006.

. Bombardi LM. O bairro Reforma Agrária e o processo de territorialização camponesa. São Paulo: Anablume; 2004.

. Cândido A. Os parceiros do Rio Bonito. São Paulo: Duas Cidades; Ed 34; 2001.

Downloads

Como Citar

1.
Boog MCF, Fonseca M da CP da, Alves HJ, Voorpostel CR. Agricultores consomem frutas, verduras e legumes? Bases para ações educativas. Segur. Aliment. Nutr. [Internet]. 4º de fevereiro de 2015 [citado 8º de dezembro de 2021];15(2):85-97. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/san/article/view/1819

Edição

Seção

Artigo de Segurança Alimentar e Nutricional

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)