Alcance das metas nutricionais do programa “Escola de Tempo Integral”, no município de Piracicaba, SP

  • Maria Angélica Schievano Danelon Universidade de São Paulo
  • Mariana Schievano Danelon Universidade de São Paulo
  • Marina Vieira da Silva Universidade de São Paulo
Palavras-chave: Cardápios. Composição nutricional. Período integral. Programa nacional de alimentação escolar

Resumo

No início do ano de 2006, parcela de escolas públicas do Estado de São Paulo aderiu ao programa “Escola de Tempo Integral” – iniciativa do Governo Estadual – tendo como objetivo a permanência do aluno na unidade de ensino por período de 9 horas. Tal situação demandou uma reavaliação da alimentação distribuída nestas escolas e envolveu, entre outros aspectos, o oferecimento de três refeições diárias (lanche da manhã, almoço e lanche da tarde), com o objetivo de atender, em conformidade com as metas governamentais, 50% das necessidades nutricionais dos estudantes. Por meio da presente pesquisa, visou-se avaliar a composição nutricional das refeições que integram os cardápios oferecidos em duas das três escolas integrantes do programa em Piracicaba (SP). Foram observadas diferenças, no tocante ao atendimento das metas nutricionais, quando foram considerados os estratos de idade dos escolares e as unidades de ensino. Os resultados revelaram que, em média, as refeições forneceram 667 kcal (cerca de metade do conteúdo preconizado). No que se refere aos nutrientes selecionados, as refeições reuniram quantidades que se mostraram concordantes no tocante ao atendimento das proteínas e insuficientes no que diz respeito à expressiva parcela das vitaminas e minerais, especialmente quando são consideradas as demandas dos alunos com idade entre 11 e 14 anos. São necessários ajustes dos cardápios, elegendo, entre as prioridades, o alcance da meta do programa, com vistas ao pleno atendimento das demandas de energia e nutrientes dos alunos, durante jornada ampliada de permanência na unidade de ensino. Recomenda-se a diferenciação das porções da alimentação oferecida aos escolares, tendo por base as necessidades nutricionais, que são reconhecidamente distintas para crianças e adolescentes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Angélica Schievano Danelon, Universidade de São Paulo
Departamento de Agroindústria, Alimentos e Nutrição da “Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz”, Universidade de São Paulo
Mariana Schievano Danelon, Universidade de São Paulo
Departamento de Agroindústria, Alimentos e Nutrição da “Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz”, Universidade de São Paulo
Marina Vieira da Silva, Universidade de São Paulo
Departamento de Agroindústria, Alimentos e Nutrição da “Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz”, Universidade de São Paulo

Referências

. Cavalieri AMV. Educação Integral: uma nova realidade para a escola brasileira? Educ Soc 2002; 23(81): 247-270.

. Silva MV. Alimentação na escola como forma de atender às recomendações nutricionais de alunos dos Centros Integrados de Educação Pública (CIEPs). Cad Saúde Pública 1998; 14(1): 171-180.

. Mainardi N. A ingestão de alimentos e as orientações da escola sobre alimentação, sob o ponto de vista do aluno concluinte do ensino fundamental [dissertação]. Piracicaba: Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz”, Universidade de São Paulo; 2005. 168 p.

. Mignot ACV. Escolas na vitrine: centros integrados de educação pública (1983-1987). Estudos Avançados 2001; 15(42): 153-168.

. Gonçalves AS. Reflexões sobre educação integral e escola de tempo integral. Cadernos Cenpec 2006; 2: 1-10.

. São Paulo. Secretaria da Educação do Estado de São Paulo. Resolução No 89, de 09 de dezembro de 2005. Dispõe sobre o projeto escola de tempo integral. Disponível em: http:// www.educacao.sp.gov.br. [citado em 2007 Jun 05].

. Araújo MOD, Guerra TMM. Alimentos “per capita”. 2 ed. Natal: Ed. Universitária UFRN; 1995. 272 p.

. Ornellas LH. Técnica dietética: seleção e preparo de alimentos. 7 ed. São Paulo: Atheneu; 2001. 330 p.

. Philippi ST, Szarfarc SC, Laterza AR. Virtual Nutri (software). Versão 1.0 for Windows. São Paulo: Nutrição da Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo; 1996.

. Núcleo de Estudos e Pesquisas em Alimentação – NEPA. Tabela Brasileira de Composição de Alimentos – TACO. Versão 2. 2 ed. Campinas: NEPA/UNICAMP; 2006. 113 p.

. Universidade Federal de São Paulo. Tabela de composição química dos alimentos. Disponível em: http://www.unifesp.br/dis/servicos/nutri/. [citado em 2007 Jun 22].

. Pinheiro ABV, Lacerda EMA, Benzecry EH, Gomes MCS, Costa VM. Tabela para avaliação de consumo alimentar em medidas caseiras. São Paulo: Atheneu; 2005.

. Ministério da Educação. Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação. Resolução No 32, de 10 de agosto de 2006. Estabelece as normas para execução do Programa Nacional de Alimentação Escolar – PNAE. Disponível em: http:// www.fnde.gov.br/. [citado em 2007 Jan 15].

. National Research Council. National Academy of Sciences. Food and Nutrition Board. Recommended Dietary Allowances. 10 ed. Washington: National Academy Press; 1989. 284 p.

. Sas Institute Inc. The Statistical Analysis System (software). Version 8.2. Cary: SAS Institute Inc.; 2000.

. Nogueira RM. O Programa Nacional de Alimentação Escolar como uma Política Pública: o caso de Campinas – SP [dissertação]. Campinas: Universidade Estadual de Campinas; 2004. 155 p.

. Sturion GL. Programa de alimentação escolar: avaliação do desempenho em dez municípios brasileiros [tese]. Campinas: Universidade Estadual de Campinas; 2002. 269 p.

. Flávio EF. Alimentação escolar e avaliação nutricional dos alunos do ensino fundamental das escolas municipais de Lavras, MG [tese]. Lavras: Universidade Federal de Lavras; 2006. 314 p.

. National Academy of Sciences. Dietary reference intakes for energy, carbohydrate, fiber, fat, fatty acids, cholesterol, protein and amino acids. Washington: National Academy Press; 2005. 1357 p.

. Silva MV. Alimentos consumidos pelos alunos de escolas de tempo integral. Alimentação e Nutrição 2000; 11: 89-110.

. Ramalho RA, Flores H, Saunders C. Hipovitaminose A no Brasil: um problema de saúde pública. Rev Panam Salud Publica 2002; 12(2): 117-21.

. Barbieri D. Micronutrientes em pediatria. In: De Angelis RC. Fome oculta, impacto para a população do Brasil. São Paulo: Atheneu; 1999. p. 88-93.

. Martins BT. Avaliação do programa de enriquecimento da merenda escolar servida na rede estadual de ensino de São Paulo [dissertação]. São Paulo: Universidade de São Paulo; 2000. 91 p.

. Teixeira SMFG, Oliveira ZMC, Rego JC, Biscontini TMB. Administração aplicada às unidades de alimentação e nutrição. São Paulo: Atheneu; 1997.

. Stolarski MC. Caminhos da alimentação escolar no Brasil: análise de uma política pública no período de 2003-2004 [dissertação]. Curitiba: Universidade Federal do Paraná; 2005. 160p.

Como Citar
Danelon, M. A. S., Danelon, M. S., & Silva, M. V. da. (1). Alcance das metas nutricionais do programa “Escola de Tempo Integral”, no município de Piracicaba, SP. Segurança Alimentar E Nutricional, 15(1), 15-28. https://doi.org/10.20396/san.v15i1.1822
Seção
Artigo de Segurança Alimentar e Nutricional

Artigos mais lidos pelo mesmo (s) autor (es)

1 2 > >>