Análise das condições do comércio de caldo de cana em vias públicas de municípios paulistas

Autores

  • Fabiana Andrea Gobbo Nogueira Universidade de São Paulo
  • Cíntia Fernanda Pedroso Zanão Universidade de São Paulo
  • Clovis Wesley Oliveirax Souza Universidade Federal de São Carlos
  • Marta Helena Fillet Spoto Universidade de São Paulo

DOI:

https://doi.org/10.20396/san.v13i2.1828

Palavras-chave:

Segurança do alimento. Caldo de cana. Alimentos de rua.

Resumo

O caldo de cana ou garapa é uma bebida saborosa, energética, não alcoólica, muito apreciada no Brasil, sendo normalmente comercializado em vias públicas por vendedores denominados garapeiros. O presente estudo teve como objetivo analisar as condições do comércio de caldo de cana em vias públicas de municípios paulistas por meio de entrevistas e de observações visuais em 70 pontos de venda das cidades de Piracicaba (22), Rio Claro (05), São Carlos (21), Sumaré (14), Águas de São Pedro (01) e São Paulo (07). Os vendedores são em sua maioria, homens, com tempo variado de atuação no ofício e escolaridade com predominância do ensino fundamental. A maioria dos garapeiros fabrica o gelo domesticamente, utilizando água proveniente de rede de abastecimento, promove a limpeza das mãos e das moendas apenas com água, utiliza copos descartáveis para a comercialização da bebida e tem remuneração mensal superior a um salário mínimo. Mais da metade dos vendedores entrevistados desconhece o rol de doenças veiculadas por alimentos e todos afirmaram ter interesse em receber orientações sobre práticas higiênico-sanitárias de manipulação de alimentos. O deficiente preparo profissional de alguns manipuladores, aliado ao desconhecimento de condições higiênico-sanitárias adequadas e indisponibilidade de infra-estrutura, foram considerados fatores de risco para a contaminação do caldo de cana. Considerando-se a Resolução RDC no 218, de 29 de julho de 2005, os pontos de venda devem se adequar em vários aspectos para atender às condições higiênico-sanitárias necessárias para a comercialização da bebida em condições que assegurem sua qualidade

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fabiana Andrea Gobbo Nogueira, Universidade de São Paulo

Departamento de Agroindústria, Alimentos e Nutrição da Universidade de São Paulo

Cíntia Fernanda Pedroso Zanão, Universidade de São Paulo

Departamento de Agroindústria, Alimentos e Nutrição da Universidade de São Paulo

Clovis Wesley Oliveirax Souza, Universidade Federal de São Carlos

Departamento de Morfologia e Patologia. Centro de Ciências Biológicas e da Saúde da Universidade Federal de São Carlos

Marta Helena Fillet Spoto, Universidade de São Paulo

Departamento de Agroindústria, Alimentos e Nutrição da Universidade de São Paulo

Referências

Biasoto ACT & Sturion GL. Ocorrência de doenças de origem alimentar em municípios paulistas. In: Agropecuária; CD de resumos do 13º Simpósio Internacional de Iniciação Científica da Universidade de São Paulo; Piracicaba, São Paulo: SIICUSP; 2005.

Costarrica ML & Morón C. Estrategias para el mejoramiento de la calidad de los alimentos callejeros em América Latina y el Caribe. Food Nutrition and Agriculture. 1996; 17/18: 47-57.

Wirnano FG & Allain A. Street foods in developing countries: lessons from Asia. Food Nutrition and Agriculture. 1991; 1:(1), 11-18.

Yasmeen G. Workers in the urban “informal” food sector: innovative organizing strategies. Food Nutrition and Agriculture. 2001; 29: 32-41.

Huamán JP. Las tecnologías apropiadas para la venta callejera de alimentos. Food, Nutrition and Agriculture. 1996; 17/18: 62-69.

Bryan FL, Michanie SC, Alvarez P, Paniagua A. Critical control points of street-vended foods in the Dominican Republic. Journal of Food Protection. 1988; 51:(5), 373-383.

Silva Jr EA. Manual de controle higiênico-sanitário em alimentos. São Paulo: Varela, 1995. 479p.

Lucca A & Torres EAFS. Condições de higiene de “cachorro-quente” comercializado em vias públicas. Revista Saúde Pública. 2002; 36:(3), 350- 352.

Germano MIS & Germano PML. Comida de rua: prós e contras. Higiene Alimentar. 2000; 14:(77), 27- 33.

Arambulo III P, Almeida CR, Cuéllar J, Belotto AJ. La venta de alimentos em la vía pública en América Latina. Boletin de la Oficina Sanitaria Panamericana. 1995; 118:(2), 97-107.

Michanie S. Calidad microbiológica de los alimentos vendidos en las calles. La Alimentacion Latinoamericana. 1994; 203: 66-72.

Bryan FL, Teufel P, Riaz S, Roohi S, Qadar F, Malik ZR. Hazards and critical control points of street-vending operations in a Mountain Resort town in Pakistan. Journal of Food Protection. 1992a; 55:(9), 701-707.

Mosupye FM & von Holy A. Microbiological hazard identification and exposure assessment of street food vending in Johannesburg, South Africa. International Journal of Food Microbiology. 2000; 61: 137-145.

Soccol CR, Schwab A, Katsoka CE. Avaliação microbiológica do caldo de cana (garapa) na cidade de Curitiba. Boletim do Centro de Pesquisa e Processamento de Alimentos. 1990; 8:(2), 116-125.

Catanozi MPLM, Morelhão GG, Iurcic KM. Avaliação microbiológica de lanches vendidos em carrinhos de ambulantes na cidade de Araraquara, SP. Higiene Alimentar. 1999; 13:(66/67), 116-121.

Garcia-Cruz CH, Hoffmann FL, Bueno SM. Monitoramento microbiológico de lanches vendidos por ambulantes na parte central da cidade de São José do Rio Preto, SP. Higiene Alimentar. 2000; 14:(75), 48-51.

Oliveira ACG, Seixas ASS, Sousa CP, Souza CWO. Microbiological evaluation of sugarcane juice sold at street stands and juice handling conditions in São Carlos, São Paulo, Brazil. Cadernos de Saúde Pública. 2006; 22:(5), 1111-1114.

Rodrigues KL, Gomes JP, Conceição RCS, Brod CS, Carvalhal JB, Aleixo JAG. Condições higiênicosanitárias no comércio ambulante de alimentos em Pelotas-RS. Ciência e Tecnologia de Alimentos. 2003; 23:(3), 447-452.

Kitoko PM, Oliveira AC, Silva ML, Lourenção M, Aguiar EF. Avaliação microbiológica do caldo de cana comercializado em Vitória, Espírito Santo, Brasil. Higiene Alimentar. 2004; 18:(119), 73-77.

Bryan FL, Teufel P, Riaz S, Roohi S, Qadar F, Malik ZR. Hazards and critical control points of vending operations at a railway station and bus station in Pakistan. Journal of Food Protection. 1992b; 55:(7), 534-541.

Chakravarty I & Canet C. Street foods in Calcutta. Food, Nutrition and Agriculture. 1996; 17/ 18: 30-37.

Freese E, Romero-Abal ME, Solomons NW. The street food culture of Guatemala city: a case study from downtown, urban park. Archivos Latinoamericanos de Nutricion. 1998; 48:(2), 95-103.

Canet C & N’Diaye C. L’alimentation de rue en Afrique. Alimentation, Nutrition et Agriculture. 1996; 17/18: 4-13.

Umoh VJ & Odoba MB. Safety and quality evaluation of street foods sold in Zaria, Nigeria. Food Control. 1999; 10: 9-14.

Bryan FL, Teufel P, Riaz S, Roohi S, Qadar F, Malik ZR. Hazards and critical control points of street-vended Chat, a regionally popular food in Pakistan. Journal of Food Protection. 1992c; 55:(9), 708-713.

Ekanem EO. The street food trade in Africa: safety and social environmental issues. Food Control. 1998; 9:(4), 211-215.

Lubatti MRS. Vendedor ambulante, profissão folclórica: pesquisa nas ruas, parques e jardins de São Paulo. Jangada Brasil. 1999; 7:1-2.

Prati P, Moretti RH, Cardello HMAB. Elaboração de bebida composta por mistura de garapa parcialmente clarificada-estabilizada e sucos de frutas ácidas. Ciência e Tecnologia de Alimentos. 2005; 25:(1), 147-152.

IBGE. INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Estudo nacional da despesa familiar: Tabela de composição de alimentos. 5ed. Rio de Janeiro: Varela, 1999. 137p.

Fava AR. Atletas ingerem garapa para repor energia. Jornal da Unicamp. 2004; 18:(250), 8.

Gallo CR & Canhos VP. Contaminantes bacterianos na fermentação alcoólica – Revisão. STAB. Açúcar, Álcool e Subprodutos. 1991; 9:(4/5), 35-40.

Gallo CR. Determinação da microbiota bacteriana de mosto e de dornas de fermentação alcoólica. [tese]. Campinas: Universidade Estadual de Campinas; 1989. 388p.

Silva N & Canhos VP. Caracterização da microbiota bacteriana contaminante do caldo de cana durante a etapa de resfriamento em torre no processo de produção de álcool. Coletânea do Instituto de Tecnologia de Alimentos. 1990; 20:(1), 60-72.

Vanzo SP & Azevedo RVP. Detecção de S. aureus em manipuladores de alimentos: perfil de resistência a antibióticos e quimioterápicos. Higiene Alimentar. 2003; 17:(101/105), 114-123.

Lourenço AEP, Uchoa CMA, Bastos OMP. Enteroparasitoses em manipuladores de alimentos de hospitais da cidade de Niterói, RJ, Brasil. Higiene Alimentar. 2002; 16:(97), 16-21.

Brás H. Nova fonte de renda: cana para garapa. O Estado de São Paulo, São Paulo, 27.08.2003. Suplemento Agrícola.

Shikanai-Yasuda MA, Marcondes CB, Guedes LA, et al. Possible oral transmission of acute Chagas’ disease in Brazil. Revista Instituto Medicina Tropical de São Paulo. 1991; 33: 351-357.

Ianni BM, Mady C. Como era gostoso o meu caldo de cana... Arquivos Brasileiros de Cardiologia. 2005; 85:(6), 379-381.

Brasil. Resolução RDC no 218, de 29 de julho de 2005. Dispõe sobre o regulamento técnico de procedimentos higiênico-sanitários para manipulação de alimentos e bebidas preparados com vegetais. Diário Oficial da União, Brasília.

Goes J. et al. Capacitação dos manipuladores de alimentos e a qualidade da alimentação servida. Higiene Alimentar. 2001; 15:(82), 20-22.

Downloads

Como Citar

NOGUEIRA, F. A. G.; ZANÃO, C. F. P.; SOUZA, C. W. O.; SPOTO, M. H. F. Análise das condições do comércio de caldo de cana em vias públicas de municípios paulistas. Segurança Alimentar e Nutricional, Campinas, SP, v. 13, n. 2, p. 6–18, 2015. DOI: 10.20396/san.v13i2.1828. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/san/article/view/1828. Acesso em: 26 set. 2022.

Edição

Seção

Artigo de Segurança Alimentar e Nutricional