Promoção de saúde e comensalidade: um estudo entre residentes de moradia universitária

Autores

  • Hayda Josiane Alves Universidade Estadual de Campinas
  • Maria Cristina Faber Boog Universidade Estadual de Campinas

DOI:

https://doi.org/10.20396/san.v13i2.1831

Palavras-chave:

Alimentação. Nutrição. Promoção da saúde. Representações sociais.

Resumo

Alimentação é um importante veículo de produção de saúde, porque perpassa tanto por fatores objetivos, ligados à alimentação, como o que e quanto se come, quanto subjetivos, relacionados aos significados do fato alimentar. O presente trabalho é um estudo qualitativo realizado com o objetivo de investigar aspectos subjetivos da alimentação de universitários residentes em moradia estudantil, com base na teoria das representações sociais de Moscovici. Para a coleta de dados foi empregada a técnica de grupo focal. As falas dos entrevistados trouxeram representações relativas à comensalidade, à produção de cuidado relacionado à alimentação e do tornar-se provedor da própria alimentação. O estudo das representações sociais circundando estes aspectos pode ser especialmente útil para o desenvolvimento de programas de promoção da saúde e educação nutricional.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Hayda Josiane Alves, Universidade Estadual de Campinas

Departamento de Enfermagem da Faculdade de Ciências Médicas da Universidade Estadual de Campinas

Maria Cristina Faber Boog, Universidade Estadual de Campinas

Departamento de Enfermagem da Faculdade de Ciências Médicas da Universidade Estadual de Campinas

Referências

. Organización Panamericana de La Salud (OPAS). Carta de Ottawa, 1986.[citado em 2002 nov 28]. Disponível em http://opas.org.br/promoção

. Buss PM. Promoção de saúde e qualidade de vida. Ciência e Saúde Coletiva. 2000; 5(1): 163-77.

. Buss PM. Uma introdução ao conceito de promoção à saúde. In: Czeresnia D; Freitas CM, organizadores. Promoção da Saúde: conceitos, reflexões e tendências. Rio de Janeiro: Fiocruz; 2003.

. Brasil, 1988. Constituição da República Federativa do Brasil, promulgada em 5 de outubro de 1988. 29 ed. São Paulo: Saraiva; 2002.

. Paim JS. A reforma sanitária e os modelos assistenciais. In: Rouquayrol MZ (org) Epidemiologia & Saúde. 4 ed. Rio de Janeiro: Medsi; 1994.

. Diez Garcia RW. Representações sociais da alimentação e saúde e suas contribuições no comportamento alimentar. PHYSIS: Rev Saúde Coletiva. 1997; 7: 51-68.

. Poulain JP. Sociologias da alimentação: Os comedores e o espaço social alimentar. Florianópolis: Editora da UFSC; 2004.

. Scholliers P. Food, drink and identity: cooking, eating in Europe since the middle ages. New York: Oxford; 2001.

. Flandrin J, Montanari M. (org). História da Alimentação. 2ed. São Paulo: Estação Liberdade; 1998.

. Alves HJ, Boog MCF. Comportamento alimentar em moradia estudantil: um espaço para promoção da saúde. Rev. Saúde Pública. 2007; 41(2): 197-204.

. Poulain J-P, Proença RC. O espaço social alimentar: um instrumento para estudo dos modelos alimentares. Rev Nutr. 2003; 16(3): 356-86.

. Ayres JRCM. Sujeito, intersubjetividade e práticas de saúde. Ciência e Saúde Coletiva. 2001; 6: 63-13.

. Moscovici S. Representações sociais da psicanálise. Rio de Janeiro: Zahar; 1978.

. Vieira VCR, Priore SE, Ribeiro SMR, Franceschini SCC, Almeida LP. Perfil socioeconômico, nutricional e de saúde de adolescentes recém-ingressos em uma universidade pública brasileira. Rev Nutr. 2002;15(2):273-82.

. Whestphal MR, Bogus CM, Faria MM. Grupos Focais: Experiências Precursoras em Programas Educativos em Saúde no Brasil. Boletin de la Oficina Sanitária Panamericana. 1996; 6: 472-482.

. Basch CE. Focus group interview: an underutilized research technique for improving theory and practice in health education. Health Education Quarterly. 1987; 14: 411-48.

. Minayo MCS. O Desafio do Conhecimento: Pesquisa Qualitativa em Saúde. São Paulo: Editora Hucitec/Rio de Janeiro: ABRASCO; 1994.

. Duarte JR JF. Por que arte-educação? 10ed. Campinas: Editora Papirus; 2000.

. Grácia-Arnaiz M. Paradojas de la alimentación contemporánea. Barcelona: Icária -Institut Català d’Ántropologia; 1996.

. Diez Garcia RW. Prática e comportamento alimentar no meio urbano: um estudo no centro da cidade de São Paulo. Cad Saúde Pública. 1997; 13 (3): 455-67.

. Bleil SI. O padrão alimentar ocidental: considerações sobre mudança de hábitos no Brasil. Cadernos de Debate. 1998; 6: 1-25.

. Diez Garcia RW. Reflexos da globalização na cultura alimentar: considerações sobre as mudanças na alimentação urbana. Rev Nutrição. 2003; 16(4): 483-92.

. Mintz SW. Comida e antropologia: uma breve revisão. Rev Bra de Ciências Sociais. 2001;16: 31-47.

. Carvalho SR. Os múltiplos sentidos da categoria “empowerment” no projeto de promoção à saúde. Cad Saúde Pública. 2004; 20(4):1088-95.

. Waldow VR. Cuidado humano: o resgate necessário. Porto Alegre: Editora Sagra Luzzato; 1999.

. Sant’Anna DB. Bom para os olhos, bom para o estômago: o espetáculo contemporâneo da alimentação. Rev Pro-posições. 2003; 14: 41-61.

. Lévi-Strauss C. O feiticeiro e sua magia. In: Antropologia Estrutural. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro; 1973.

. Boog MCF. Educação nutricional em serviços públicos de saúde. Cad Saúde Pública. 1999; 15(2): S139-S47.

. Silva DOE, Recine EGIG, Queiroz EFO. Concepções de profissionais de saúde da atenção básica sobre a alimentação saudável no Distrito Federal, Brasil. Cad Saúde Pública. 2002; 18(5): 1367- 1377.

. Matta, R. O que faz o Brasil, Brasil? Rio de Janeiro: Rocco, 1994.

Downloads

Como Citar

ALVES, H. J.; BOOG, M. C. F. Promoção de saúde e comensalidade: um estudo entre residentes de moradia universitária. Segurança Alimentar e Nutricional, Campinas, SP, v. 13, n. 2, p. 43–53, 2015. DOI: 10.20396/san.v13i2.1831. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/san/article/view/1831. Acesso em: 7 dez. 2022.

Edição

Seção

Artigo de Segurança Alimentar e Nutricional