Frequência de consumo de biscoitos “Maria” por escolares de Fortaleza – Ceará: Subsídios para a eleição do produto para fortificação com ferro

Autores

  • Dora Neumann Universidade Federal do Pará
  • Maria do Carmo Passos Rodrigues Universidade Federal do Ceará
  • Dalton Francisco de Andrade Universidade Federal de Santa Catarina

DOI:

https://doi.org/10.20396/san.v12i1.1840

Palavras-chave:

Alimentação escolar. Biscoitos. Freqüência de consumo.

Resumo

O objetivo da pesquisa foi avaliar a freqüência de consumo de biscoitos “Maria” por escolares visando à eleição deste alimento como veículo para fortificação com ferro e a seleção de escolares para avaliação sensorial do produto fortificado. Participaram da amostra 727 alunos do ensino fundamental de 18 escolas da rede municipal de Fortaleza-CE.  Foi aplicado um questionário de freqüência de consumo. A seleção de alunos obedeceu a um plano amostral estratificado, no qual os estratos foram constituídos pelas seis secretarias regionais às quais as escolas estavam vinculadas, sendo as classes de 2ª a 8ª séries do ensino fundamental as unidades primárias de seleção. Para o cálculo da freqüência média de consumo atribuiu-se uma ponderação para os itens de freqüência de: i) 4 – diariamente (consumo elevado); ii) 3 – duas a três vezes por semana (consumo moderado); iii) 2 – uma a duas vezes por mês (consumo baixo); iv) 1- uma a duas vezes por semestre (consumo raro); v) 0 – nunca (nulo). Foi realizada análise descritiva dos dados de consumo por sexo, idade e regional, estabelecendo-se uma freqüência de consumo média para estes parâmetros por meio de modelo linear geral, aplicando-se teste estatístico de hipóteses ao nível de significância de 5%. Aproximadamente 60% dos escolares de ambos os gêneros e faixas etárias informaram consumir o produto diariamente ou2 a3 vezes por semana. Uma estimativa única para representar a média para ambos os gêneros foi de 2,34 (DP= 0,04), e para todas as faixas etárias foi de 2,66 (DP= 0,04) sugestiva de consumo moderado. Os resultados revelaram a adequação do produto como veículo para fortificação com ferro, sob o aspecto de consumo e a aptidão do grupo como consumidores potenciais, para a avaliação sensorial do mesmo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Dora Neumann, Universidade Federal do Pará

Professora do Depto. de Nutrição do Centro de Ciências da Saúde da Universidade Federal do Pará. Mestre em Tecnologia de Alimentos

Maria do Carmo Passos Rodrigues, Universidade Federal do Ceará

Professora do Dra do Depto. de Tecnologia de Alimentos da Universidade Federal do Ceará.

Dalton Francisco de Andrade, Universidade Federal de Santa Catarina

Professor Dr. Titular do Depto de Informática e Estatística da Universidade Federal de Santa Catarina.

Referências

BANCO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL - BNDES Setorial. Cadeia Produtiva do Trigo, Rio de Janeiro, n.18, p. 193-220, 2003. Disponível em . Acesso em 20 de maio de 2004.

CARDOSO, M. A. ; PENTEADO, M.V.C. Intervenções Nutricionais na Anemia Ferropriva. Cad. de Saúde Pública, São Paulo, v 10, n. 2, p. 231 – 240, 1994.

DARNTON-HILL. et al. Iron and folate fortification in Americas to prevent and control micronutrient malnutrition: An analysis. Nutrition Revieus, v. 57, p.25-31, 1999.

GIBSON, R.S. Food consumption of individuals. In: Principles of nutritional assessment. New York: Oxford University Press, cap. 3, p. 37-53, 1990.

HURRELL, RF. Bioavailability of iron. European. J. Clin. Nutr. Sl, 1997.

LOTFI, M. et al. Micronutrient Fortification of Food: current pratices, research and opportunites. Canadá: Research Centre and International Agriculture Centre, 1996. 107 p.

MANLEY, D.J.R. Tecnologia de La Indústria Galletera. Espanha: Editorial Acribia, 1989. 483 p.

MEILGAARD, M. et al.Sensory Evaluation Techniques. 2 ed. Flórida: CRC Press, 1988. 281p.

NETER, J.; WASSERMAN, W. Applied Linear Statistical Models. Illinois: Richard D. Irwin, INC. 1974.

NEUMANN, D. et al. Estudo de aceitação de Biscoitos Maria. In: Congresso Brasileiro de Ciência e Tecnologia de Alimentos, 17, 2000, Fortalesa. Anais. Fortaleza, CE, 2000. v.4, p.3242.

RAUNHARDT, O.; BOWLEY, A. Mandatory food enrichment. Nutrivieu n1. p. 1- 44, 1996. Supplement.

REILLY, C. Too much of a good thing? The problem of trace element fortification of foods. Trends in Food Science and Technology, v. 7, p.139-142, 1996.

SILVA, M. V. A trajetória do programa de merenda escolar (1954-1994) e o estado nutricional de crianças brasileiras. Cadernos de Nutrição- SBAN, São Paulo, v.11, p. 31-49. 1996.

SILVA, K. L. Critérios econômicos para a escolha de produtos a fortificar, ILSI Brasil - Enriquecimento e restauração de alimentos com micronutrients – uma proposta para o Brasil, 2000.

Sindicato de Massas Alimentícias e Biscoitos no Estado de São Paulo-SIMABESP. Aumenta o consumo de massas no Brasil. Revista OESP Alimentação, São Paulo, n 26, 1999.

Secretaria Municipal de Desenvolvimento Social – SMDS- Prefeitura Municipal de Fortaleza. Dados das escolas, séries, turno e número de alunos das regionais do município de Fortaleza. 2000.

VAN STUIJVENBERG, M.E. et al. Effect of iron, iodine and beta carotene fortified biscuits on the micronutrient status of primary school children: a randomized controlled trial. Am J Clin Nut. v. 69, p. 497-503,1999.

VITTI, P. et al. Tecnologia de Biscoitos. Manual Técnico. n. 1, Campinas, ITAL 1988. 86 p.

Downloads

Como Citar

NEUMANN, D.; RODRIGUES, M. do C. P.; ANDRADE, D. F. de. Frequência de consumo de biscoitos “Maria” por escolares de Fortaleza – Ceará: Subsídios para a eleição do produto para fortificação com ferro. Segurança Alimentar e Nutricional, Campinas, SP, v. 12, n. 1, p. 67–73, 2015. DOI: 10.20396/san.v12i1.1840. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/san/article/view/1840. Acesso em: 28 set. 2022.

Edição

Seção

Artigo de Segurança Alimentar e Nutricional