Estado nutricional de adolescentes do sudoeste do Paraná, Brasil

Autores

  • Francini Xavier Rossetti Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz” (ESALQ).
  • Marcia Cristina Stolarski Secretaria de Estado da Educação do Paraná.
  • Suely Teresinha Schmidt Universidade Federal do Paraná (UFPR).

DOI:

https://doi.org/10.20396/san.v21i2.8634473

Palavras-chave:

Estado nutricional. Indicadores socioeconômicos. Escolares. Adolescentes. Excesso de peso.

Resumo

A adolescência é um período importante do desenvolvimento humano, uma vez que várias mudanças somáticas, psicológicas e sociais ocorrem visando estabelecer características do adulto. Existe consenso científico sobre a probabilidade de adolescentes obesos tornarem-se adultos obesos, com risco maior de associação a outras comorbidades, como hipertensão, dislipidemias e Diabetes Mellitus tipo 2. O objetivo deste trabalho foi avaliar o estado nutricional de adolescentes matriculados em escolas públicas estaduais em nove municípios do sudoeste do estado do Paraná (Brasil). A pesquisa foi do tipo transversal, envolvendo uma amostra de conveniência composta por 1.198 adolescentes com idade entre 10 e 19 anos. Os indicadores estabelecidos para avaliação do estado nutricional foram altura para idade e índice de massa corporal. Comparação de prevalência de excesso de peso (sobrepeso e obesidade) por faixa etária e sexo foi realizada por meio do teste qui-quadrado, assumindo p<0,05 como nível de significância. Os testes de correlação de Pearson e de Spearman foram realizados para examinar a existência de associação entre indicadores socioeconômicos municipais (Índice de Desenvolvimento Humano Municipal, IDH-M, Índice de Pobreza Humana Municipal, IPH-M e Índice de Gini) e o estado nutricional dos adolescentes. A prevalência de excesso de peso foi de 18,3%; na faixa etária dos 10 aos 14 anos, 19,7% e entre os 15 e 19 anos, 13,6% (p=0,03). Entre os adolescentes do sexo masculino e feminino a prevalência de excesso de peso foi: de 20,2% e 16,7%, respectivamente (p=0,15). Foram descritos os níveis e tendências de excesso de peso segundo os indicadores socioeconômicos municipais, porém, não foram encontrados valores significativos. A investigação de um modelo conceitual que auxilie a compreensão dos determinantes do excesso de peso em adolescentes é de fundamental importância, objetivando contribuir para a apreensão do problema em níveis tanto populacionais como regionais e definir ações e políticas públicas voltadas para o controle e prevenção nesta fase da vida.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Francini Xavier Rossetti, Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz” (ESALQ).

Doutoranda, Pós-Graduação em Ciência e Tecnologia de Alimentos, Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz”, Universidade de São Paulo. Piracicaba, SP, Brasil. Correspondência: Rua dos Sabiás no 115, Registro, SP. CEP: 11900-000. Telefone: (13) 98148-0005.

Marcia Cristina Stolarski, Secretaria de Estado da Educação do Paraná.

Nutricionista, Secretaria de Estado da Educação do Paraná. Curitiba, PR, Brasil.

Suely Teresinha Schmidt, Universidade Federal do Paraná (UFPR).

Professora Permanente do Programa de Pós-Graduação em Segurança Alimentar e Nutricional, Universidade Federal do Paraná.

Referências

World Health Organization. Nutrition in adolescence – issues and challenges for the health sector: issues in adolescent health and development. Geneva: World Health Organization; 2005. 115p.

Conde WL, Borges C. O risco de incidência e persistência da obesidade entre adultos Brasileiros segundo seu estado nutricional ao final da adolescência. Rev. Bras. Epidemiol. 2011;14 (suppl.1):71-79.

Dietz WH. Health consequences of obesity in youth: Childhood predictors of adult disease. Pediatrics.1998;101Supl:518-25.

Costa RS, Sichieri R. Relação entre sobrepeso, adiposidade e distribuição de gordura com a pressão arterial de adolescentes no município do Rio de Janeiro. Rev Bras Epidemiol. 1998;1(3):268-79.

Frederick CB, Snellman K, Putnam RD. Increasing socioeconomic disparities in adolescent obesity. Proc Natl Acad Sci U S A. 2014;111(4):1338-42.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008-2009: antropometria e estado nutricional de crianças, adolescentes e adultos no Brasil. Rio de Janeiro: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística; 2010. 121 p.

Veiga GV, Cunha AS, Sichieri, R. Trends in Overweight Among Adolescents Living in the Poorest and Richest Regions of Brazil. Am J Public Health. 2004;94(9):1544-8.

Araujo C, Toral N, Silva ACF, Melendez GV, Dias AJR. Estado nutricional dos adolescentes com variáveis sociodemográficas: Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar (PeNSE), 2009. Cienc Saude Colet. 2010;15 Supl2:3077-84.

Brasil. Lei nº 11.346, de 15 de setembro de 2006. Cria o Sistema Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional – SISAN com vistas em assegurar o direito humano à alimentação adequada e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 18 set. 2006. Seção 1, p. 1.

Food and Agriculture Organization. Measurement and assessment of food deprivation and undernutrition. Rome: Food and Agriculture Organization; 2003.

Oliveira LPM, Barreto ML, Assis AMO, Braga-Junior ACR, Nunes MFFP, Oliveira NF, et al. Preditores do retardo de crescimento linear em pré-escolares: uma abordagem multinível. Cad. Saúde Pública.2007;23(3):601-613.

De Onis M, Onyango WA, Borghi E, Siyan A, Nishida C, Siekmann J. Development of a WHO growth reference for school-aged children and adolescents. Bull World Health Organ. 2007;85(9):660-7.

Instituto Paranaense de Desenvolvimento Econômico e Social. Índice de Desenvolvimento Humano Municipal. IDH M, 2000. Anotações sobre o desempenho do Paraná. [Internet]. Curitiba: Instituto Paranaense de Desenvolvimento Econômico e Social; 2003. [acesso em 02 fev 2015]. Disponível em: http://www.ipardes.gov.br/biblioteca/docs/idhm_2000.pdf

Instituto Paranaense de Desenvolvimento Econômico e Social. Índice de Gini, segundo os municípios do Paraná - 1991/2000. [Internet]. Curitiba: Instituto Paranaense de Desenvolvimento Econômico e Social; 2005. [acesso em 02 fev 2015]. Disponível em: http://www.ipardes.pr.gov.br/anuario_2005/5indicadores/tab5_2_1.pdf

Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). Atlas do desenvolvimento humano do Brasil. [Internet]. Local: Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento; 2003. [acesso em 02 fev 2015]. Disponível em: http://www.pnud.org.br/atlas

Rolim C, Andrade, JRL, Santana, JR, Melo, ROL. Construção de Indicadores de Pobreza: Aplicação do Índice de Pobreza Humana Municipal no Estado de Sergipe. Rev Econ Nordeste. 2006;7(4):512-29.

Rolim C. Um Índice de Pobreza Humana municipal para o Brasil. Trabalho apresentado no ABER. III Encontro da Associação Brasileira de Estudos Regionais; 2004; Belo Horizonte, Brasil.

Uauy R, Solomons NW. The role of the international community: forging a common agenda in tackling the double burden of malnutrition. Standing Comm Nutr. 2006;32:24-37. [acesso em 03 fev 2015]. Disponível em: http://www.unscn.org/layout/modules/resources/files/scnnews32.pdf

Veiga GV, Burlandy L. Indicadores sócio-econômicos, demográficos e estado nutricional de crianças e adolescentes residentes em um assentamento rural do Rio de Janeiro. Cad Saude Publica. 2001;17(6):1465-72.

Bleil RAT, Rossi CE, Bonatto GFC. Estado nutricional de escolares de município da região sudoeste do Paraná. Nutrire. 2013;38 Supl:166.

Amorim STSP, Rodrigues AGM, Stolarski MC. Altura de adolescentes matriculados em escolas da rede pública no estado do Paraná, Brasil. Rev. Nutr. 2009.22(2):195-205.

Monteiro CA, Conde W L, Popkin BM. Income-Specific Trends in Obesity in Brazil: 1975–2003. Am J Public Health. 2007;97(10):1808-12.

Frainer DES, Silva MCM, Santana MLP, Santos NS, Oliveira LPM, Barreto ML, et al.. Prevalência e Fatores Associados ao Excesso de Peso em Adolescentes de Salvador, Bahia, Brasil. Rev Bras Med Esporte.2011; 17,(2):102-106.

Pinho L, Flavio EF, Santos SHS, Botelho ACC, Caldeira AP. Excesso de peso e consumo alimentar em adolescentes de escolas públicas no norte de Minas Gerais, Brasil. Ciência & Saúde Coletiva. 2014;19(1):67-74.

Bispo S, Meireles AL, Cortes MG, XAVIER CC, PROIETTI A, CAIAFFA WT. Excesso de peso em adolescentes de Belo Horizonte: inquérito domiciliar de base populacional. Rev Med Minas Gerais. 2013;23(1):13-20.

Vasconcellos MB, Anjos LA, Vasconcellos MTL. Estado nutricional e tempo de tela de escolares da Rede Pública de Ensino Fundamental de Niterói, Rio de Janeiro, Brasil. Cad. Saúde Pública.2013; 29(4):713-722.

Souza JB, ENES CC, Influência do consumo alimentar sobre o estado nutricional de adolescentes de Sorocaba-SP. J Health Sci Inst. 2013;31(1):65-70.

Amistá MJM. Programa de alimentação escolar: perfil dos beneficiários, qualidade, atuação de gestores e da comunidade de Guariba [dissertação]. Piracicaba: Universidade de São Paulo; 2013.

Silva GAP, Balaban G, Nascimento EMM, Baracho JDS, Freitas MM. Prevalência de sobrepeso e obesidade em adolescentes de uma escola da rede pública do Recife. [acesso em 23 maio 2008]. Rev Bras de Saúde Matern Infant. 2002;2(1):37-42. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbsmi/v2n1/v2n1a06.pdf

Costa MCD, Cordini Júnior L, Matsuo T. Hábito alimentar de escolares adolescentes de um município do oeste do Paraná. Rev Nutr 2007; 20(5): 461-71.

Castilho SD, Nucci LB, Hansen LO, Assuino SR. Prevalence of weight excess according to age group in students from Campinas, SP, Brazil. Rev Paul Pediatr. 2014;32(2):200-206.

Bertin RL, Karkle ENL, Ulbrich AZ, Stabelini Neto A, Bozza R, Araujo IQ, et al. Estado nutricional e consumo alimentar de adolescentes da rede pública de ensino da cidade de São Mateus do Sul, Paraná, Brasil. Rev. Bras. Saúde Matern. Infant. 2008;8(4):435-443.

Farias Junior JC, Lopes AS, Mota J, Hallal PC. Prática de atividade física e fatores associados em adolescentes no Nordeste do Brasil. Rev Saúde Pública. 2012;46(3):505-15.

Peres SV, Latorre MRDO, Slater B, Tanaka LF, Silva MV. Prevalência de excesso de peso e seus fatores associados em adolescentes da rede de ensino público de Piracicaba, São Paulo. Rev Paul Pediatr 2012;30(1):57-64.

Costa ASV, Chein MBC, Tonial SR, Gama MEA, Martins MLB, Cunha CLF, et al. Estado nutricional de adolescentes do Maranhão, Brasil, por critérios nacional e internacional. Ciência & Saúde Coletiva. 2013;18(12):3715-3720.

Flores LS, Gaya AR, Petersen RDS, Gaya A. Trends of underweight, overweight, and obesity in Brazilian children and adolescents. J Pediatr. 2013;89(5):456−61.

Guedes DP, Rocha GD, Silva AJRM, Carvalhal IM, Coelho EM. Effects of social and environmental determinants on overweight and obesity among Brazilian schoolchildren from a developing region. Rev Panam Salud Publica.2011; 30(4):295-302.

Leal VS, Lira PIC, Oliveira JO, Menezes RCE, Sequeira LAS, Arruda Neto MA, et al. Excesso de peso em crianças e adolescentes no Estado de Pernambuco, Brasil: prevalência e determinantes. Cad. Saúde Pública.2012; 28(6):1175-1182.

Duncan S, Duncan EK, Fernandes RA, Buonani C, Bastos KDN, Segatto AFM, et al. Modifiable risk factors for overweight and obesity in children and adolescents from São Paulo, Brazil BMC Public Health.2011;11(585):1-9.

Balaban G, Silva GAP. Prevalência de sobrepeso e obesidade em crianças e adolescentes de uma escola da rede privada de Recife. Jornal de Pediatria. 2001; 77(2):96-100.

Downloads

Como Citar

1.
Rossetti FX, Stolarski MC, Schmidt ST. Estado nutricional de adolescentes do sudoeste do Paraná, Brasil. Segur. Aliment. Nutr. [Internet]. 27º de abril de 2015 [citado 20º de outubro de 2021];21(2):437-4. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/san/article/view/8634473

Edição

Seção

Artigo de Segurança Alimentar e Nutricional