Banner Portal
Qualidade microbiológica de farinhas de trigo (Triticum aestivum) comercializadas na cidade de Cascavel (Paraná)
PDF

Palavras-chave

Farinha de trigo. Avaliação microbiológica. Alimentos.

Como Citar

MOURA, A. C. de; TASCA, A. C.; PINTO, F. G. da S.; SOARES, I. A.; ASSUMPÇÃO, R. B. Qualidade microbiológica de farinhas de trigo (Triticum aestivum) comercializadas na cidade de Cascavel (Paraná). Segurança Alimentar e Nutricional, Campinas, SP, v. 21, n. 2, p. 499–504, 2015. DOI: 10.20396/san.v21i2.8634480. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/san/article/view/8634480. Acesso em: 1 out. 2023.

Resumo

Os cereais, em especial a farinha de trigo, são alimentos passíveis de contaminação por diferentes agentes etiológicos. O controle das condições de higiene é um dos meios para evitar conseqüências graves para a saúde humana. Com esta preocupação objetivou-se avaliar a qualidade microbiológica de farinhas de trigo comercializadas nos principais supermercados da cidade de Cascavel (PR). Para tanto, amostras de cinco marcas de farinha denominadas como A, B, C, D, e E mais comercializadas na cidade de Cascavel, foram coletadas e submetidas a avaliação microbiológica para detectar Coliformes totais, pela técnica dos tubos múltiplos do Número Mais Provável. A contagem de fungos filamentosos e de leveduras foi realizada por plaqueamento em ágar batata dextrose. De acordo com os dados analisados pelo teste de Tukey a 5%, a marca E difere das demais quanto a variável coliformes totais. Não foi detectada a presença do contaminante Salmonella, em nenhuma das marcas analisadas. No entanto, foi verificada a presença de bolor e levedura na totalidade das amostras analisadas. Conclui-se que as marcas avaliadas das amostras de farinhas estavam de acordo com os padrões microbiológicos recomendados pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária.
https://doi.org/10.20396/san.v21i2.8634480
PDF

Referências

Goesaert H, Brijs K, Veraverbeke WS, Courtin CM, Gebruers K, Delcour JA. Wheat flour constituients: how they impact bread quality, and how to impact their funcionality. Trends in Food Science & Technology, 2005;(16):12-30.

Miranda MZ, Al Dash A. Farinha integral de trigo germinado: características nutricionais e estabilidade ao armazenamento. Ciênc. Tecnol. Aliment., 2002;22(3):216-223.

Bernardi E, Caldeira MF, Nascimento JS. Identificação de fungos filamentosos em erva-mate (ilex paraguariensis st. hil.). Arq Inst.Biol., 2005;72(4):489-493.

Pereira ML, Chang YK. Contaminantes do trigo e farinha e medidas de sanitização na indústria de moagem e panificação. Higiene Alimentar, 1993;7(26):20-29.

Pelczar Jr M, Chan ECS, Krieg NR. Microbiologia: Conceitos e Aplicações. 2ª edição, v.02. São Paulo: McGraw-Hill, 1997.

Robinson RK, Phill MAD. Microbiologia lactológica. Zaragoza: Acribia, 1987.

Leitão MFF. Tratado de microbiologia: Microbiologia de Alimentos, Sanitária e Industrial. São Paulo: Manole, v.1, 1988.

Schintu M, Meloni P, Sal M, Contu A. Esperienze sul controllo microbiologico di paste fresche di produzione artigianale – L'Igiene Moderna, 1996;(105):55-62.

Banwart GJ. Basic food microbiology. In: Westport CT: The AVI Publishing Company, Inc., p.51-62., 1981.

Franco B, Landgraf M. Microbiologia dos Alimentos. São Paulo: Atheneu, 1996.

Pinto AFMA. Papel dos Microrganismos na Produção e na Transformação de Alimentos. Terra Fértil, 1996.

Brasil, Resolução RDC no 12, de 02/01/2001. Estabelece regulamento técnico sobre os padrões microbiológicos para alimentos [acesso em 26 março 2012]. Disponível em: http://www.anvisa.org.br

Apha. American Public Health Association – Compendium of Methods for the Microbiological Examination of Foods. 4ª edição. Washington DC: APHA, 2001.

Speck ML. Compendium of methods for the microbiological examination of foods. Washington D.C.: APHA, 1976.

SAS Institute Inc. SAS/STAT Guide for personal Computers. Version 6.0. Cary, NC., 1998.

Ciacco CF, Chang YK. Tecnologia de massas alimentícias. São Paulo: Ícone, 127p, 1986

Zhang D, Moore WR. Effect of Wheat Bran Particle Size on Dough Rheological Properties. J. Sci. Food Agric. 1997,(74):490-496.

Macêdo JAB. Águas & Águas. Juiz de Fora: ORTOFARMA, 505p, 2000.

Levine MM. Escherichia coli that causes diarhoea enterotoxigenic, enteropathogenic, enteroinvasive, enterohaemorragic and enteroadherent. Journal Infections Disease, U.S.A., 1987;(155):377- 389.

Silva N. Manual de métodos de análise microbiológica de alimentos. São Paulo: Livraria Varela,1997, p. 31.

Wright EJ, Webb MC, Highley, E. Stored grain in Australia. Proceedings of the Australian Postharvest Technical Conference, Canberra, 25–27 June, 2003.

Ferreira Neto CJ, Figueirêdo RMF, Queiroz AJM. Avaliação sensorial e da atividade de água em farinhas de mandioca temperadas. Ciênc Agrotec., Lavras, 2005;29(4):795-802.

Atui MB, Lazzari FA, Zamboni CQ. Efeito do processamento do milho em grão no nível de matérias estranhas encontradas no grits e fubá. Rev Inst Adolfo Lutz, 1998;(57):57-63.

Molard R, Gahagnier B. Microbiologia em moinhos. Ceará: SENAI/Centro Regional de Treinamento em Moagem e Panificação, 1993. p.17-51.

Vieira AP, Badiale-Furlong E, Oliveira ML. Ocorrência de micotoxinas e características físicoquímicas em farinhas comerciais. Ciênc Tecnol Alim. 1999;(19):221-225.

Maijala R, Ranta J, Seuna E. The efficiency of the Finnish Salmonella Control Programme. Food Control 2005;16(8):669-675.

Baruffaldi R, Oliveira MN. Fundamentos de tecnologia dos alimentos. São Paulo: Atheneu, v. 3, 1998, 317p.

Germano PML, Germano MIS. Higiene e Vigilância Sanitária de Alimentos. São Paulo: Varela, 2001. 629p.

Hazelwood D, McLEAN AC. Manual de higiene para manipuladores de alimentos. São Paulo: Varela, 1996. 140p.

A revista Segurança Alimentar e Nutricional utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.