A rentabilidade da pecuária de corte no Brasil

Autores

  • Mariane Crespolini dos Santos Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP).
  • Walter Belik Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP).
  • Sergio de Zen Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz” (ESALQ).
  • Luiz Henrique de Almeida Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP).

DOI:

https://doi.org/10.20396/san.v21i2.8634589

Palavras-chave:

Pecuária de corte. Rentabilidade. Uso da terra. Desenvolvimento rural.

Resumo

Este artigo teve como objetivo realizar uma análise da pecuária de corte no Brasil. Iniciamos apresentando a abordagem institucionalista para o entendimento do processo de desenvolvimento econômico e a sua relevância para a dinâmica. Na sequência é apresentada a evolução histórica da pecuária de corte no Brasil dando destaque para a questão das externalidades provocadas pela sua expansão e o mercado global de alimentos. Na parte empírica, trabalhamos com os dados de 193 propriedades modais de pecuária de corte obtidas em levantamento do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea/Esalq/USP), no período de 2002 a 2014, em 13 estados brasileiros, onde concentra-se 90% do rebanho nacional. Nesse levantamento foi possível verificar que, em mais de 40% das propriedades de pecuária de corte as receitas não são suficientes para cobrir os custos efetivos e as depreciações, e em mais de 90% as receitas não remuneram o custo de oportunidade do capital investido. As motivações dos pecuaristas para continuarem na atividade são elucidadas, mas, sem dúvida o aparato institucional brasileiro favorece as características do modelo produtivo predominante.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mariane Crespolini dos Santos, Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP).

Mestranda em Desenvolvimento Econômico. Universidade Estadual de Campinas – UNICAMP. Correspondência: Av. 31 de Março no 1.001, Paulicéia – Piracicaba – SP. Telefones: (19) 3302-9247 e (19) 983144-690. CEP: 13424-305.

Walter Belik, Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP).

Professor Titular do Instituto de Economia da Universidade Estadual de Campinas – UNICAMP.

Sergio de Zen, Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz” (ESALQ).

Professor Doutor da Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz” – ESALQ. Universidade de São Paulo – USP.

Luiz Henrique de Almeida, Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP).

Mestrando em Desenvolvimento Econômico. Universidade Estadual de Campinas – UNICAMP.

Referências

Sen A. The concept of development. In: Chenery H, Srinivasan T, editors. Handbook of development economics. [local desconhecido]: Elsevier; 1988. p. 9-26.

Lavoie M. Introduction to post-Keynesian economics. Londres: PalgraveMacmillan, 2009. 184 p.

Ronald HC. The nature of the firm. Econom. 1937;4(16):386-405.

North DC. Five propositions about institutional change. In: Knight J, Sened I, editors. Explaining social institutions. Ann Arbor: Michigan Universiy Press; 1995. p. 15-26.

Fligstein N. Markets as politics: a political-cultural approach to market institutions. Am. Sociol. Rev. 1996;61(4):656-73.

Abramovay R. Para uma teoria dos estudos territoriais. In: Ortega AC, Almeida Filho N. Desenvolvimento territorial, segurança alimentar e economia solidária. Campinas: Alínea; 2007. p. 19-37.

Kageyama A. Desenvolvimento rural: conceito e medida. Cad Cien Tecnol. 2004;21(3):379-408.

Brasil. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF, 5 out. 1998. Artigos 184 a 186.

Furtado C. Formação econômica do Brasil. São Paulo: Companhia Editora Nacional; 1979. 242 p.

Garfield S. As raízes de uma planta que hoje é o Brasil: os índios e o Estado-Nação na era Vargas. Rev Bras. Hist. 2000;20(39):15-42.

Santiago AA. O Zebu na Índia, no Brasil e no mundo. Campinas: Instituto Campineiro de Ensino Agrícola; 1972. 744 p.

Ichihara SM. Desmatamento e recuperação de pastagens degradadas na região Amazônica: uma abordagem através das análises de projetos. [dissertação]. Piracicaba: Universidade de São Paulo; 2003.

Brasil. Lei 8.629, de 25 de fevereiro de 1993. Dispõe sobre a regulamentação dos dispositivos constitucionais relativos à reforma agrária, previstos no Capítulo III, Título VII, da Constituição Federal. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 26 fev. 1993. Item II do parágrafo 2º do Art. 6º.

Brasil. Lei 8.629, de 25 de fevereiro de 1993. Dispõe sobre a regulamentação dos dispositivos constitucionais relativos à reforma agrária, previstos no Capítulo III, Título VII, da Constituição Federal. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 26 fev. 1993. Item II do parágrafo 2º do Art. 6º.

Reydon BPA. Regulação institucional da propriedade da terra no Brasil: uma necessidade urgente. In: Ramos P. Dimensões do agronegócio brasileiro: políticas, instituições e perspectivas. Brasília: Ministério do Desenvolvimento Agrário (BR); 2007. (NEAD-Estudos 15).

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Efetivo dos rebanhos, 2014 Disponivel em: http://www.sidra.ibge.gov.br/bda/tabela/listabl.asp?z=t&o=24&i=P&c=3939

Neiva AH. A imigração na política brasileira de povoamento. Rev Bras Munic. 1949;2(6):220-44.

Rivero S, Almeida O, Ávila S, Oliveira, W. Pecuária e desmatamento: uma análise das principais causas diretas do desmatamento na Amazônia. Nov Econ. 2009;19(1):41-66.

Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais – Inpe. Projeto Prodes – Programa de Cálculo do Desflorestamento da Amazônia, 2014. Disponível em: http://www.obt.inpe.br/prodes/index.php

Margulis S. Causas do desmatamento da amazônia brasileira. Brasília: Banco Mundial, 2003. 100 p.

Almeida MHSP. Análise econômico-ambiental da intensificação da pecuária de corte no Centro-Oeste brasileiro [dissertação]. Piracicaba: Universidade de São Paulo; 2010.

Valentim JF, Andrade CMS. Tendências e perspectivas da pecuária bovina na Amazônia brasileira. Amazon Cien Desenvolv. 2099;4(8):9-32.

Timmer CP. The macro dimensions of food security: economic growth, equitable distribution, and food price stability. Food Policy. 2000;25(3);283-95.

Van der Ploeg JD. Componeses e impérios alimentares: lutas por autonomia e sustentabilidade na era da globalização. Porto Alegre: UFRGS, 2008. Capítulo 9, Império, alimentos e agricultura: uma síntese; p. 255-84.

North DC. Understanding institutions. In: Menard C, editor. Institutions contracts and organizations – perspectives from new institutional economics. Chelteenham: Edward Elgar; 2000. p. 07-10.

Mcmichael P. A food regime genealogy. J Peasant Stud. 2009;36(1):139-69.

Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada – dados primários – Projeto Custo de Produção em Pecuária de Corte, 2002-2014. Cepea. Piracicaba. Disponível em: http://cepea.esalq.usp.br/boi/?page=372

Thiollent M. Metodologia da pesquisa-ação. São Paulo: Cortez; 1986. 108 p.

Plaxico JS, Tweenten LG. Representative farms for policy and projection research. J Farm Econ. 1963;45(5): 1458-65.

Matsunaga M, Bemelmans PF, Toledo PEN, Dulley RD, Okawa H, Pedroso IA. Metodologia de custo de produção utilizado pelo IEA. Agric São Paulo.1976;23(1):123-39.

Downloads

Como Citar

1.
Santos MC dos, Belik W, Zen S de, Almeida LH de. A rentabilidade da pecuária de corte no Brasil. Segur. Aliment. Nutr. [Internet]. 27º de abril de 2015 [citado 7º de dezembro de 2021];21(2):505-17. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/san/article/view/8634589

Edição

Seção

Artigo de Segurança Alimentar e Nutricional