A carne consumida em São Paulo: da recomendação ao impacto ambiental

  • Aline Martins de Carvalho Universidade de São Paulo
  • Nicole Samanta Dantas Reis Universidade de São Paulo
  • Regina Mara Fisberg Universidade de São Paulo
  • Dirce Maria Lobo Marchioni Universidade de São Paulo
Palavras-chave: Carne. Consumo de alimentos. Impacto ambiental. Recomendação.

Resumo

O objetivo do estudo foi analisar o impacto ambiental gerado pelo consumo de carne bovina no Município de São Paulo em 2008 e verificar sua possível redução a partir da adesão às recomendações nutricionais. Utilizaramse os dados do Inquérito de Saúde de São Paulo, composto por 1.102 adultos e idosos. Para estimativa da ingestão habitual de carne bovina, utilizaram-se dois Recordatórios Alimentares de 24 horas e o Multiple Source Method. O impacto ambiental foi estimado, considerando-se que são emitidos para produção de um quilo de carne bovina 44 kg de equivalentes de CO2. Observou-se que o paulistano consome mais carne que o recomendado, e a carne bovina é a mais consumida. Estimou-se que foram liberados 3,2 quilos de equivalentes de CO2/por dia/pessoa, isto é, 13 milhões de toneladas durante o ano de 2008. Se o paulistano consumisse a quantidade de carne recomendada pelo Ministério da Saúde, a emissão diária seria de 1,7 quilos de equivalentes de CO2/por dia/pessoa, quase metade da emissão atual. Conclui-se que houve um alto consumo de carne bovina, assim como alta emissão de gases de efeito estufa. A redução de consumo poderia restringir pela metade os gases emitidos, além de diminuir o risco para doenças crônicas..

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Aline Martins de Carvalho, Universidade de São Paulo
Mestre em Nutrição em Saúde Pública. Departamento de Nutrição da Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo (USP).
Nicole Samanta Dantas Reis, Universidade de São Paulo
Mestre em Nutrição em Saúde Pública. Departamento de Nutrição da Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo (USP).
Regina Mara Fisberg, Universidade de São Paulo
Mestre em Nutrição em Saúde Pública. Departamento de Nutrição da Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo (USP).
Dirce Maria Lobo Marchioni, Universidade de São Paulo

Professor Associado do Departamento de Nutrição da Faculdade de Saúde Pública da USP. Correspondência: Departamento de Nutrição, Faculdade de Saúde Pública, USP. Av. Dr. Arnaldo, 715 - Cerqueira César, São Paulo, SP. CEP 00000-000. Tel : 3061-7856, fax: 3061-7804.

Referências

Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Coordenação-Geral da Política de Alimentação e Nutrição. Guia alimentar para a população brasileira: promovendo a alimentação saudável. Brasília: Ministério da Saúde; 2006.

Núcleo de Estudos e Pesquisas em Alimentação, Universidade Estadual de Campinas. Tabela brasileira de composição de alimentos. 4ª ed. Campinas: Núcleo de Estudos e pesquisas em Alimentação, Universidade Estadual de Campinas; 2011.

World Cancer Research Fund, American Institute for Cancer Research, Food, Nutrition, Physical Activity, and the Prevention of Cancer: a Global Perspective, Washington DC: AICR; 2007.

McAfee AJ, McSorley EM, Cuskelly GJ, Moss BW, Wallace JMW, Bonham MP, et al. Red meat consumption: An overview of the risks and benefits. Meat Scienc. 2010;84:1-13.

Daniel CR, Cross AJ, Koebnick C, Sinha R. Trends in meat consumption in the USA. Public Health Nutr. 2011;14(4):575-83.

Carvalho AM, César CLG, Fisberg RM, Marchioni DML. Excessive meat consumption in Brazil: diet quality and environmental impacts. Public Health Nutr. In press.

Horrigan L, Lawrende RS, Walker P. How sustainable agriculture can address environmental and human health harms of industrial agriculture. Environ Health Perspect. 2002;110:445-456.

Steinfeld H, Gerber P, Wassenaar T, CastelV, Rosales M, Haan C. Livestock's long shadow: environmental issues and options. Food and Agriculture Organization of the United Nations: Roma; 2006.

McMichael A, Powles JW, Butler CD, Uauy R. Food, livestock production, energy, climate change, and health. Lancet. 2007;370:1253-1263.

Garnett T. Cooking up a storm. Food, greenhouse gas emissions and our changing climate; Food Climate Research Network, Centre for Environmental Strategy, University of Surrey, 2008 [acesso em 05 junho 2012]. Disponível em: http://www.fcrn.org.uk/sites/default/files/CuaS_web.pdf

Cedeberg C, Persson UM, Neovius K, Molander S, Clift R. Including carbon emissions from deforestation in the carbon footprint of Brazilian beef. Environ Sci Technol. 2011;45:1773-1779.

Castro MA, Barros RR, Bueno MB, César CLG, Fisberg RM. Trans fatty acids intake among the population of the city of São Paulo, Brazil. Rev Saude Pública. 2009;43:991-97.

Fisberg RM, Marchioni DML. Manual para estudos populacionais de alimentação, nutrição e saúde: a experiência do inquérito de saúde em São Paulo (ISA). Grupo de Avaliação de Consumo Alimentar (GAC); 2012.

Raper N, Perloff B, Ingwersen L, Steinfeldt L, Anand J. An overview of USDA’s Dietary Intake Data System. Journal of Food Composition and Analysis. 2004;17:545-555.

Dwyer J, Picciano MF, Raiten DJ. Future directions for the integrated CSFII, NHANES: What We Eat in America, NHANES. J Nutr. 2003;133:576S-81S.

Beaton GH. Approaches to analysis of dietary data: relationship between planned analyses and choice of methodology. Am J Clin Nutr. 1994;59:253S-61S.

Haubrock J, Nöthlings U, Volatier JL, Dekkers A, Ocke M, Harttig U, et al. Estimating usual food intake distributions by using the multiple source method in the EPIC-Potsdam Calibration Study. J Nutr. 2011;1:9-920.

Harttig U, Haubrock J, Knüppel S, Boeing H, EFCOVAL Consortium. The MSM program: web-based statistics package for estimating usual dietary intake using the Multiple Source Method. Eur J Clin Nutr. 2011;65:S87-S91.

Pinheiro ABV, Lacerda EM de A, Benzecry EH, Gomes MC da S, Costa VM da. Tabela para Avaliação de Consumo Alimentar em Medidas Caseiras. 4ª ed. São Paulo: Ed. Atheneu; 2000.

Fisberg RM, Villar BS. Manual de receitas e Medidas caseiras para Cálculo de Inquéritos Alimentares: manual elaborado para auxiliar o processamento de inquéritos alimentares. São Paulo: Signus; 2002.

NDSR – Nutrition Data System for Research. [computer program]. Version 2005. Minneapolis: University of de Minnesota; 2005.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Indicadores IBGE: Pesquisa de orçamentos familiares 2008- 2009: despesas, rendimentos e condições de vida. Rio de Janeiro: IBGE; 2010.

Stata Corp. Stata statistical software: release 10. TX: Stata Corp LP; 2007.

Carisson-Kanyama A, González AD. Potencial contributions of food consumption patterns to climate change. Am J Clin Nutr. 2009;89:1704S-9S.

McMichael A, Powles JW, Butler CD, Uauy R. Food, livestock production, energy, climate change, anh health. Lancet. 2007;370:1253-1263.

Micha R, Wallace SK, Mozaffarian D. Red and Processed Meat Consumption and Risk of Incident Coronary Heart Disease, Stroke, and Diabetes Mellitus: A Systematic Review and Meta-Analysis. Circulation. 2010;121:2271-83.

Como Citar
Carvalho, A. M. de, Reis, N. S. D., Fisberg, R. M., & Marchioni, D. M. L. (1). A carne consumida em São Paulo: da recomendação ao impacto ambiental. Segurança Alimentar E Nutricional, 20(1supl), 136-140. https://doi.org/10.20396/san.v20i1supl.8634591
Seção
Artigo de Segurança Alimentar e Nutricional