O peixe e a saúde: das recomendações para o consumo às possibilidades ambientais de atendê-lo

Autores

  • Julicristie Machado de Oliveira Universidade Estadual de Campinas

DOI:

https://doi.org/10.20396/san.v20i1supl.8634592

Palavras-chave:

Ambiente. Peixe. Recomendações nutricionais. Segurança alimentar e nutricional.

Resumo

As demandas pelos peixes sofreram alterações nos últimos anos, especialmente devido à associação entre a ingestão deste item aos benefícios à saúde. O objetivo desta reflexão é problematizar estas questões, a partir de um paralelo entre as recomendações nutricionais, a pressão pelo consumo e as possibilidades ambientais de atendê-lo. As instituições nacionais e internacionais recomendam a ingestão de porções que variam de 75-112 g de peixes, ao menos duas vezes por semana. Estudos epidemiológicos e sócio-antropológicos apontam que o consumo de peixe está inserido em um padrão moderno de consumo alimentar e associado a melhores condições socioeconômicas, e é considerado nos discursos como “comida de rico”, “comida grã-fina”, “...coisas importadas, o que é de melhor”. As estimativas apontam um consumo de pescados de 8,3 a 10,0 kg/pessoa/ano no Brasil, considerados abaixo do recomendado, 12,0 kg/pessoa/ano. A divulgação científica sobre os benefícios da ingestão dos ácidos graxos poliinsaturados ômega-3, aliada à grande exploração da mídia, potencializam a busca por peixes, especialmente o salmão e o atum. Porém, na contramão destas pressões, estudos são produzidos para se discutir de forma mais aprofundada os impactos ambientais das demandas por estes alimentos, evidenciando as relações de interdependência entre padrões de consumo e as impossibilidades ambientais..

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Julicristie Machado de Oliveira, Universidade Estadual de Campinas

Doutora em Nutrição em Saúde Pública. Faculdade de Ciências Aplicadas, Faculdade de Ciências Aplicadas (FCA)/Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), Limeira, SP. Correspondência: FCA/UNICAMP. Rua Pedro Zaccaria, 1300. Caixa Postal 1068. CEP 13484-350, Limeira, SP. Tel. (19) 3701-6720.

Referências

Sartori AGO, Amancio RD. Pescado: importância nutricional e consumo no Brasil. Segurança Alimentar e Nutricional. 2012;19:83-93.

O'Keefe Jr JH, Harris WS. From Inuit to Implementation: Omega-3 Fatty Acids Come of Age. Mayo Clinic Proceedings. 2000;75:607-14.

Kris-Etherton PM, William SH, Appel LJ. Fish Consumption, Fish Oil, N-3 Fatty Acids, and Cardiovascular Disease. Circulation. 2002;106:2747-57.

Wang C, Harris WS, Chung M, Lichtenstein AH, Balk EM, Kupelnick B, Jordan HS, Lau J. n-3 Fatty acids from fish or fish-oil supplements, but not alfa-linolenic acid, benefit cardiovascular disease outcomes in primary- and secondary-prevention studies: a systematic review. Am J Clin Nutr. 2006;84:5-17.

Santos RD, Gagliardi ACM, Xavier HT, Magnoni CD, Cassani R, Lottenberg AM, et al. Sociedade Brasileira de Cardiologia. I Diretriz sobre o consumo de Gorduras e Saúde Cardiovascular. Arq Bras Cardiol. 2013;100(1Supl. 3):1-40.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Coordenação-Geral da Política de Alimentação e Nutrição. Guia alimentar para a população brasileira: promovendo a alimentação saudável/Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Coordenação-Geral da Política de Alimentação e Nutrição. Brasília: Ministério da Saúde, 2006.

Brasil. Ministério da Pesca e Aquicultura. Boletim Estatístico da Pesca e Aquicultura. Brasília: Ministério da Pesca e Aquicultura, 2010.

Neumann AICP, Martins IS, Marcopito LF, Araujo EAC. Padrões alimentares associados a fatores de risco para doenças cardiovasculares entre residentes de um município brasileiro. Rev Panam Salud Pública. 2007;22:329-39.

Ferreira VA, R Magalhães. Obesidade e pobreza: o aparente paradoxo. Um estudo com mulheres da Favela da Rocinha, Rio de Janeiro, Brasil. Cad Saúde Pública. 2005;21:1792-1800.

Vieira AC. Alimentação e saúde: a dieta dos enfermos da Santa Casa de Misericórdia, Vila Rica, 1790-1822. Anais do XXVI Simpósio Nacional de História – ANPUH, São Paulo, 2011, 1-15.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008-2009: Aquisição alimentar domiciliar per capita. Rio de Janeiro: IBGE; 2010.

FAO. National Aquaculture Sector Overview. Brazil. Rome: FAO, 2013 [acesso em 12 dez 2013]. Disponível em: http://www.fao.org/fishery/countrysector/naso_brazil/e n

Naylor RL, Goldburg RJ, Primavera JH, Nils K, Beveridge MCM, Clay, Carl Folke J, Lubchenco J, MooneyH, Troell M. Effect of aquaculture on world fish supplies. Nature. 2000;405:1017-102.

Oliveira JM, Luzia LA, Rondó PHC. Ácidos Graxos Poli-insaturados Ômega-3: saúde cardiovascular e sustentabilidade ambiental. Segurança Alimentar e Nutricional. 2012;19:89-96.

Downloads

Como Citar

OLIVEIRA, J. M. de. O peixe e a saúde: das recomendações para o consumo às possibilidades ambientais de atendê-lo. Segurança Alimentar e Nutricional, Campinas, SP, v. 20, n. 1supl, p. 141–146, 2015. DOI: 10.20396/san.v20i1supl.8634592. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/san/article/view/8634592. Acesso em: 25 set. 2022.

Edição

Seção

Artigo de Segurança Alimentar e Nutricional