Banner Portal
Segurança alimentar e nutricional e tecnologias sociais em educação alimentar e nutricional: notas sobre um projeto de pesquisa e extensão
PDF

Palavras-chave

Educação alimentar e nutricional. Paulo freire. Segurança alimentar e nutricional. Tecnologias sociais.

Como Citar

AMPARO-SANTOS, Lígia; SOARES, Micheli Dantas; MAGALHÃES, Lilian Miranda; REIS, Amélia Borba Costa; PORCINO, Débora Cruz; SANTOS, Michele Oliveira dos; SILVA, Iane Carine Freitas da; PASSOS, Jasilaine Andrade. Segurança alimentar e nutricional e tecnologias sociais em educação alimentar e nutricional: notas sobre um projeto de pesquisa e extensão. Segurança Alimentar e Nutricional, Campinas, SP, v. 20, n. 1supl, p. 156–168, 2015. DOI: 10.20396/san.v20i1supl.8634594. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/san/article/view/8634594. Acesso em: 28 maio. 2024.

Resumo

Este ensaio pretende refletir sobre um projeto de pesquisa e extensão no campo de Tecnologias Sociais em Educação Alimentar e Nutricional com vistas a favorecer a ampliação da garantia da Segurança Alimentar e Nutricional e a promoção da alimentação saudável de comunidades populares. Partindo da compreensão que o empreendimento concilia marcos referenciais da educação a uma complexa trama de dimensões que conforma o fenômeno da alimentação humana, discutiremos, inicialmente, o cenário no qual o debate sobre a emergência de novas configurações de Educação Alimentar e Nutricional se desenha no campo das políticas públicas, culminando com a proposição de um marco referencial para o referido campo. Em seguida, serão apresentados os fundamentos teóricos e metodológicos que animaram a proposição do projeto. Neste quesito, o enfoque da discussão centra-se nos marcos referenciais da educação e das ciências sociais em saúde em diálogo com as ciências da nutrição. Posteriormente, descreve-se o contexto do estudo e a experiência de Educação Alimentar e Nutricional desenvolvida, ao lado de uma análise dos alcances e limites à luz dos princípios metodológicos propostos e efetivamente concretizados.

https://doi.org/10.20396/san.v20i1supl.8634594
PDF

Referências

Costa CA, Bógus CM. Significados e apropriações da noção de Segurança Alimentar e Nutricional pelo segmento da sociedade civil do Conselho Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional. Saúde Soc. 2012;21(1):103-114.

Boog MCF. Educação nutricional: passado, presente, futuro. Rev Nutr. 1997;10(1):5-19.

Valente F. Em busca de uma educação nutricional crítica. In: Valente F. Fome e desnutrição: determinantes sociais. São Paulo: Cortez; 1986.

Lima ES, et al. Educação nutricional: da ignorância alimentar à representação social na pós-graduação do Rio de Janeiro, 1980-1998. Hist Ciênc Saúde Manguinhos. 2003;10(2):602-635.

Santos LAS. Educação alimentar e nutricional no contexto da promoção de práticas alimentares saudáveis. Rev Nutr. 2005;18(5):681-92.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Política Nacional de Alimentação e Nutrição. Brasília, DF: MS; 2012 [acesso em 5 jun 2013]. Disponível em: http://dab.saude.gov.br/portaldab/pnan.php

Instituto da Cidadania. Projeto Fome Zero: uma proposta de política de segurança alimentar para o Brasil. São Paulo; 2001.

Brasil. Política Nacional de Promoção da Saúde. Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde. 3. ed. Brasília, DF: MS; 2010 [acesso em 22 abril 2012]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/politica_nacion al_promocao_saude_3ed.pdf

Brasil. Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção básica, Coordenação-Geral da Política de Alimentação e Nutrição. Guia Alimentar para a população brasileira: Promovendo a Alimentação Saudável. Série A. Normas e Manuais Técnicos, Brasília – DF, 2006.

Brasil. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. Marco de referência de educação alimentar e nutricional para as políticas públicas. Brasília, DF: MDS; 2012 [acesso 2013 jun5]. Disponível em: http://www.ideiasnamesa.unb.br/files/marco_EAN_visuali zacao.pdf

AlzateYT. Desde laeducación para lasalud: hacialapedagogía de laeducación alimentaria y nutricional. Perspect Nutr Hum. 2006;16:21-40.

Instituto de Tecnologia Social (ITS). Caderno Tecnologia Social - Conhecimento e Cidadania, 2007. Nº 01 [acesso em 8 maio 2012]. Disponível em: http://www.itsbrasil.org.br

Rodrigues I, Barbieri JC. A emergência da tecnologia social: revisitando o movimento da tecnologia apropriada como estratégia de desenvolvimento sustentável. Rev Adm Pública. 2008;42(6):1069-94.

Lassance Jr AE, Pedreira JS. Tecnologias sociais e políticas públicas. In: Lassance Jr AE, et al. Tecnologia social: uma estratégia para o desenvolvimento. Fundação Banco do Brasil – Rio de Janeiro: 2004.

Bonilha MC, Sachuk MI. Identidade e tecnologia social: um estudo junto às artesãs da Vila Rural Esperança. Cadernos EbapeBr. 2011:9(2):412-437.

Santos LAS. O fazer Educação Alimentar e Nutricional: algumas contribuições para reflexão. Ciênc Saúde Coletiva. 2012;17(2):455-62.

Brasil. Lei Nº 11.346, de 15 de setembro de 2006. Cria o Sistema Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional – SISAN com vistas em assegurar o direito humano à alimentação adequada e dá outras providências. Presidência da República - Brasília, 15 de setembro de 2006; 185º da Independência e 118º da República [acesso em 21 abril 2012]. Disponível em: http://www4.planalto.gov.br/consea/legislacao/decretonb0- 7-272-de-25-de-agosto-de-2010/view

Brasil. Resolução FNDE/CD Nº 38 de 16 de julho de 2009. Dispõe sobre o atendimento da alimentação escolar aos alunos da educação básica no Programa Nacional de Alimentação Escolar – PNAE. Brasilia, DF: MEC, 2009.

Soares MD. Práticas de cuidado alimentar de crianças e sentidos atribuídos aos discursos sobre alimentação e nutrição por cuidadores domiciliares. [Tese] Salvador: UFBA; 2011. 256 p.

Amparo-Santos L. Avanços e desdobramentos do marco de referência da educação alimentar e nutricional para políticas públicas no âmbito da universidade e para os aspectos culturais da alimentação. Rev Nutr. 2013:26(5):595- 600.

Azevedo E. Reflexões sobre riscos e o papel da ciência na construção do conceito de alimentação saudável. Rev Nutr. 2008: 21(6):717-723

Brandão CR. O que é método Paulo Freire. São Paulo: Brasiliense, 1981.

Moreira MA. Aprendizagem significativa. Brasília: Editora Universidade de Brasília; 1999.

Fávero MH. A pesquisa de intervenção na psicologia da educação matemática: aspectos conceituais e metodológicos. Educar em Revista. 2011;1:47-62.

Geertz C. Uma descrição densa: por uma teoria interpretativa da cultura. In: Geertz C. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: LTC, 1989. p. 3-21.

Minayo MCS, Assis SG, Souza ER. (Org). Avaliação por Triangulação de Métodos: Abordagem de Programas Sociais. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz; 2005. 244 p.

Martins JB. Contribuições epistemológicas da abordagem multirreferencial para a compreensão dos fenômenos educacionais. Rev Bras Educ. 2004;26:85-94.

Freire P. Pedagogia do Oprimido. Rio de Janeiro: Ed. Paz e Terra, 1975.

A revista Segurança Alimentar e Nutricional utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.