Segurança alimentar e nutricional e tecnologias sociais em educação alimentar e nutricional: notas sobre um projeto de pesquisa e extensão

Autores

  • Lígia Amparo-Santos Universidade Federal da Bahia
  • Micheli Dantas Soares Universidade Federal do Recôncavo da Bahia
  • Lilian Miranda Magalhães Universidade Federal da Bahia
  • Amélia Borba Costa Reis Universidade Federal da Bahia
  • Débora Cruz Porcino Universidade Federal da Bahia
  • Michele Oliveira dos Santos Universidade Federal da Bahia
  • Iane Carine Freitas da Silva Universidade Federal da Bahia
  • Jasilaine Andrade Passos Universidade Federal da Bahia

DOI:

https://doi.org/10.20396/san.v20i1supl.8634594

Palavras-chave:

Educação alimentar e nutricional. Paulo freire. Segurança alimentar e nutricional. Tecnologias sociais.

Resumo

Este ensaio pretende refletir sobre um projeto de pesquisa e extensão no campo de Tecnologias Sociais em Educação Alimentar e Nutricional com vistas a favorecer a ampliação da garantia da Segurança Alimentar e Nutricional e a promoção da alimentação saudável de comunidades populares. Partindo da compreensão que o empreendimento concilia marcos referenciais da educação a uma complexa trama de dimensões que conforma o fenômeno da alimentação humana, discutiremos, inicialmente, o cenário no qual o debate sobre a emergência de novas configurações de Educação Alimentar e Nutricional se desenha no campo das políticas públicas, culminando com a proposição de um marco referencial para o referido campo. Em seguida, serão apresentados os fundamentos teóricos e metodológicos que animaram a proposição do projeto. Neste quesito, o enfoque da discussão centra-se nos marcos referenciais da educação e das ciências sociais em saúde em diálogo com as ciências da nutrição. Posteriormente, descreve-se o contexto do estudo e a experiência de Educação Alimentar e Nutricional desenvolvida, ao lado de uma análise dos alcances e limites à luz dos princípios metodológicos propostos e efetivamente concretizados.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lígia Amparo-Santos, Universidade Federal da Bahia

Profª Adjunta, Escola de Nutrição, Universidade Federal da Bahia (UFBA). Coordenadora do Núcleo de Estudos e Pesquisas em Alimentação e Cultura (NEPAC). Correspondência: Av. Araújo Pinho, 32, Canela, Salvador, BA. CEP 40110-150. Membro do NEPAC, Escola de Nutrição (UFBA).

Micheli Dantas Soares, Universidade Federal do Recôncavo da Bahia

Profª Adjunta do Centro de Ciências da Saúde, Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB). Membro do NEPAC, Escola de Nutrição (UFBA).

Lilian Miranda Magalhães, Universidade Federal da Bahia

Mestre em Alimentos, Nutrição e Saúde, Escola de Nutrição. Nutricionista e Professora Substituta da Escola de Nutrição (UFBA). Membro do NEPAC, Escola de Nutrição (UFBA).

Amélia Borba Costa Reis, Universidade Federal da Bahia

Nutricionista, Mestranda do Programa de Pós-graduação em Alimentos, Nutrição e Saúde, Escola de Nutrição (UFBA). Membro do NEPAC, Escola de Nutrição (UFBA).

Débora Cruz Porcino, Universidade Federal da Bahia

Nutricionista, Mestranda do Programa de Pós-graduação em Alimentos, Nutrição e Saúde, Escola de Nutrição (UFBA). Membro do NEPAC, Escola de Nutrição (UFBA).

Michele Oliveira dos Santos, Universidade Federal da Bahia

Nutricionista, Mestranda do Programa de Pós-graduação em Alimentos, Nutrição e Saúde, Escola de Nutrição (UFBA). Membro do NEPAC, Escola de Nutrição (UFBA).

Iane Carine Freitas da Silva, Universidade Federal da Bahia

Nutricionista, Mestranda do Programa de Pós-graduação em Alimentos, Nutrição e Saúde, Escola de Nutrição (UFBA). Membro do NEPAC, Escola de Nutrição (UFBA).

Jasilaine Andrade Passos, Universidade Federal da Bahia

Nutricionista, Mestranda do Programa de Pós-graduação em Alimentos, Nutrição e Saúde, Escola de Nutrição (UFBA). Membro do NEPAC, Escola de Nutrição (UFBA).

Referências

Costa CA, Bógus CM. Significados e apropriações da noção de Segurança Alimentar e Nutricional pelo segmento da sociedade civil do Conselho Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional. Saúde Soc. 2012;21(1):103-114.

Boog MCF. Educação nutricional: passado, presente, futuro. Rev Nutr. 1997;10(1):5-19.

Valente F. Em busca de uma educação nutricional crítica. In: Valente F. Fome e desnutrição: determinantes sociais. São Paulo: Cortez; 1986.

Lima ES, et al. Educação nutricional: da ignorância alimentar à representação social na pós-graduação do Rio de Janeiro, 1980-1998. Hist Ciênc Saúde Manguinhos. 2003;10(2):602-635.

Santos LAS. Educação alimentar e nutricional no contexto da promoção de práticas alimentares saudáveis. Rev Nutr. 2005;18(5):681-92.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Política Nacional de Alimentação e Nutrição. Brasília, DF: MS; 2012 [acesso em 5 jun 2013]. Disponível em: http://dab.saude.gov.br/portaldab/pnan.php

Instituto da Cidadania. Projeto Fome Zero: uma proposta de política de segurança alimentar para o Brasil. São Paulo; 2001.

Brasil. Política Nacional de Promoção da Saúde. Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde. 3. ed. Brasília, DF: MS; 2010 [acesso em 22 abril 2012]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/politica_nacion al_promocao_saude_3ed.pdf

Brasil. Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção básica, Coordenação-Geral da Política de Alimentação e Nutrição. Guia Alimentar para a população brasileira: Promovendo a Alimentação Saudável. Série A. Normas e Manuais Técnicos, Brasília – DF, 2006.

Brasil. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. Marco de referência de educação alimentar e nutricional para as políticas públicas. Brasília, DF: MDS; 2012 [acesso 2013 jun5]. Disponível em: http://www.ideiasnamesa.unb.br/files/marco_EAN_visuali zacao.pdf

AlzateYT. Desde laeducación para lasalud: hacialapedagogía de laeducación alimentaria y nutricional. Perspect Nutr Hum. 2006;16:21-40.

Instituto de Tecnologia Social (ITS). Caderno Tecnologia Social - Conhecimento e Cidadania, 2007. Nº 01 [acesso em 8 maio 2012]. Disponível em: http://www.itsbrasil.org.br

Rodrigues I, Barbieri JC. A emergência da tecnologia social: revisitando o movimento da tecnologia apropriada como estratégia de desenvolvimento sustentável. Rev Adm Pública. 2008;42(6):1069-94.

Lassance Jr AE, Pedreira JS. Tecnologias sociais e políticas públicas. In: Lassance Jr AE, et al. Tecnologia social: uma estratégia para o desenvolvimento. Fundação Banco do Brasil – Rio de Janeiro: 2004.

Bonilha MC, Sachuk MI. Identidade e tecnologia social: um estudo junto às artesãs da Vila Rural Esperança. Cadernos EbapeBr. 2011:9(2):412-437.

Santos LAS. O fazer Educação Alimentar e Nutricional: algumas contribuições para reflexão. Ciênc Saúde Coletiva. 2012;17(2):455-62.

Brasil. Lei Nº 11.346, de 15 de setembro de 2006. Cria o Sistema Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional – SISAN com vistas em assegurar o direito humano à alimentação adequada e dá outras providências. Presidência da República - Brasília, 15 de setembro de 2006; 185º da Independência e 118º da República [acesso em 21 abril 2012]. Disponível em: http://www4.planalto.gov.br/consea/legislacao/decretonb0- 7-272-de-25-de-agosto-de-2010/view

Brasil. Resolução FNDE/CD Nº 38 de 16 de julho de 2009. Dispõe sobre o atendimento da alimentação escolar aos alunos da educação básica no Programa Nacional de Alimentação Escolar – PNAE. Brasilia, DF: MEC, 2009.

Soares MD. Práticas de cuidado alimentar de crianças e sentidos atribuídos aos discursos sobre alimentação e nutrição por cuidadores domiciliares. [Tese] Salvador: UFBA; 2011. 256 p.

Amparo-Santos L. Avanços e desdobramentos do marco de referência da educação alimentar e nutricional para políticas públicas no âmbito da universidade e para os aspectos culturais da alimentação. Rev Nutr. 2013:26(5):595- 600.

Azevedo E. Reflexões sobre riscos e o papel da ciência na construção do conceito de alimentação saudável. Rev Nutr. 2008: 21(6):717-723

Brandão CR. O que é método Paulo Freire. São Paulo: Brasiliense, 1981.

Moreira MA. Aprendizagem significativa. Brasília: Editora Universidade de Brasília; 1999.

Fávero MH. A pesquisa de intervenção na psicologia da educação matemática: aspectos conceituais e metodológicos. Educar em Revista. 2011;1:47-62.

Geertz C. Uma descrição densa: por uma teoria interpretativa da cultura. In: Geertz C. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: LTC, 1989. p. 3-21.

Minayo MCS, Assis SG, Souza ER. (Org). Avaliação por Triangulação de Métodos: Abordagem de Programas Sociais. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz; 2005. 244 p.

Martins JB. Contribuições epistemológicas da abordagem multirreferencial para a compreensão dos fenômenos educacionais. Rev Bras Educ. 2004;26:85-94.

Freire P. Pedagogia do Oprimido. Rio de Janeiro: Ed. Paz e Terra, 1975.

Downloads

Como Citar

AMPARO-SANTOS, L.; SOARES, M. D.; MAGALHÃES, L. M.; REIS, A. B. C.; PORCINO, D. C.; SANTOS, M. O. dos; SILVA, I. C. F. da; PASSOS, J. A. Segurança alimentar e nutricional e tecnologias sociais em educação alimentar e nutricional: notas sobre um projeto de pesquisa e extensão. Segurança Alimentar e Nutricional, Campinas, SP, v. 20, n. 1supl, p. 156–168, 2015. DOI: 10.20396/san.v20i1supl.8634594. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/san/article/view/8634594. Acesso em: 4 fev. 2023.

Edição

Seção

Artigo de Segurança Alimentar e Nutricional

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)