Banner Portal
Tecnologia social, agroecologia e agricultura familiar: análises sobre um processo sociotécnico
PDF

Palavras-chave

Agricultura familiar. Agroecologia. Tecnologia social.

Como Citar

SERAFIM, Milena Pavan; JESUS, Vanessa Maria Brito de; FARIA, Janaína. Tecnologia social, agroecologia e agricultura familiar: análises sobre um processo sociotécnico. Segurança Alimentar e Nutricional, Campinas, SP, v. 20, n. 1supl, p. 169–181, 2015. DOI: 10.20396/san.v20i1supl.8634595. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/san/article/view/8634595. Acesso em: 21 maio. 2024.

Resumo

Tecnologia Social (TS), agroecologia e agricultura familiar são temas que possuem diversas convergências. A agroecologia constitui um campo de estudos e práticas que procura deter as formas de degradação e exploração da natureza e da sociedade através de ações sociais coletivas de caráter participativo na busca da implantação de sistemas de agriculturas alternativas. Já a proposta da TS vai ao encontro de tais pressupostos, contribuindo com o debate ao inserir o papel da tecnologia para diminuição de desigualdades socioeconômicas. E a agricultura familiar é reconhecida como o segmento desejado para materializar essas propostas, portadoras de um futuro mais justo e igualitário. Nesse sentido, o presente artigo aborda uma experiência que envolve tais campos tendo como objeto de estudo a TS Produção Agroecológica Integrada e Sustentável (PAIS). Ele tem como objetivo analisar a dinâmica sociotécnica da PAIS, explorando especialmente alguns de seus limites percebidos a partir dos resultados obtidos pela pesquisa de campo. Parte desses limites se refere aos entraves de funcionamento da tecnologia analisada.

https://doi.org/10.20396/san.v20i1supl.8634595
PDF

Referências

Toledo VM. Agroecologia, sustentabilidad y reforma agraria: la superioridad de la pequeña producción familiar. Agroecol e Desenv Rur Sustent. 2002;3(2):27-36.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística [Brasil]. Censo Agropecuário 2006 – Agricultura Familiar. Brasília (DF): IBGE; 2006 [acesso em 10 fev 2014]. Disponível em: http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/economia/agropecuaria/censoagro/2006/default.shtm

Almeida MLP. A apropriação do conhecimento público pelo setor privado na relação universidade-empresa: um estudo a partir do caso da UNICAMP [tese]. Campinas: Faculdade de Educação; 2001.

Rutkowski J. Sustentabilidade de empreendimentos solidários: que papel espera-se da tecnologia. In: Lianza S, Addor F. (Org.). Tecnologia e Desenvolvimento Social e Solidário. Porto Alegre: UFRGS Editora; 2005.

Jesus VMB. Análise do Sistema de Monitoramento e Avaliação da Rede de Tecnologia Social [dissertação]. São Carlos: Centro de Ciências Exatas e Tecnologia, Universidade Federal de São Carlos; 2010.

Dagnino R. Neutralidade da ciência e determinismo tecnológico. Campinas: Editora Unicamp; 2008.

Dagnino R, Brandão FC, Novaes HT. Sobre o marco analítico-conceitual da Tecnologia Social. In: Dagnino R. (Org.). Tecnologia Social: ferramenta para construir outra sociedade. Campinas: Ed. Komedi; 2010.

Otterloo A. A Experiência da Rede de Tecnologia Social (RTS). In: Otterloo et al. (Org.). Tecnologias Sociais: Caminhos para a sustentabilidade. Brasília (DF): Gráfica Brasil; 2009.

Thomas H, Fressoli M, Aguiar D. Procesos de construcción de “funcionamiento” de Organismos Animales Genéticamente Modificados: El caso de la vaca transgénica clonada (Argentina 1996-2006), Convergencia. 2006;13(42):153-180.

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento [Brasil]. Relatório de Gestão do Exercício de 2010. Brasília: MAPA; 2011 [acesso em 09 fev 2014]. Disponível em: http://www.agricultura.gov.br

Medaets J, Pettan K. Legislação e normas para a certificação de produtos orgânicos: políticas públicas e garantias da qualidade. In: Küster A, Martí JF. (Org.). Agricultura familiar, agroecologia e mercado no Norte e Nordeste do Brasil. Fortaleza (CE): Fundação Konrad Adenauer; 2004.

Campanhola C, Valarini P. A agricultura orgânica e seu potencial para o pequeno agricultor. Cadernos de Ciência & Tecnologia. 2001;18(3):69-101.

Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária [Brasil]. Relatório de Gestão do Exercício de 2010. Brasília (DF): INCRA; 2005.

Presidência da República. Balanço Geral da União 2010. Brasília: CGU, 2011.

Borges B. Projeto Mandala é apresentado a Marcos Palmeira e índio Xavante. Agência SEBRAE de Notícias. 2004 [acesso em 09 fev 2014]. Disponível em: http://www.agenciasebrae.com.br/noticia.kmf?noticia=2289 615&canal=199

SEBRAE. A agroecologia é uma atividade econômica em plena expansão - Entrevista com Aly N’Diaye. Revista SEBRAE AGRONEGÓCIOS. 2007;7:28-29.

Oliveira MB. Ciência: Força Produtiva ou mercadoria? Crítica Marxista. 2005,21:77-96.

Néder R. Direitos de propriedade comum das tecnologias sociais como ambiente de inovação social - Termo de referência para um marco regulatório. Observatório do Movimento pela Tecnologia Social na América Latina. Brasília (DF): Centro de Desenvolvimento Social; 2009.

Thomas H, Fressoli M, Lalouf A. Introdución. In: Thomas H, Buch A. (Org.). Actos, actores y artefactos. Herramientas para el análisis de los procesos de cambio tecnológico y cambio social. Bernal: Universidad Nacional de Quilmes Editorial; 2008.

A revista Segurança Alimentar e Nutricional utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.