Tecnologia social, agroecologia e agricultura familiar: análises sobre um processo sociotécnico

  • Milena Pavan Serafim Universidade Estadual de Campinas
  • Vanessa Maria Brito de Jesus Universidade Estadual de Campinas
  • Janaína Faria Universidade Estadual de Campinas
Palavras-chave: Agricultura familiar. Agroecologia. Tecnologia social.

Resumo

Tecnologia Social (TS), agroecologia e agricultura familiar são temas que possuem diversas convergências. A agroecologia constitui um campo de estudos e práticas que procura deter as formas de degradação e exploração da natureza e da sociedade através de ações sociais coletivas de caráter participativo na busca da implantação de sistemas de agriculturas alternativas. Já a proposta da TS vai ao encontro de tais pressupostos, contribuindo com o debate ao inserir o papel da tecnologia para diminuição de desigualdades socioeconômicas. E a agricultura familiar é reconhecida como o segmento desejado para materializar essas propostas, portadoras de um futuro mais justo e igualitário. Nesse sentido, o presente artigo aborda uma experiência que envolve tais campos tendo como objeto de estudo a TS Produção Agroecológica Integrada e Sustentável (PAIS). Ele tem como objetivo analisar a dinâmica sociotécnica da PAIS, explorando especialmente alguns de seus limites percebidos a partir dos resultados obtidos pela pesquisa de campo. Parte desses limites se refere aos entraves de funcionamento da tecnologia analisada.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Milena Pavan Serafim, Universidade Estadual de Campinas

Doutora em Política Científica e Tecnológica. Faculdade de Ciências Aplicadas (FCA), Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Correspondência: Rua Pedro Zaccaria, 1300 - Jd. Santa Luiza. CEP 13484-350. Limeira, SP.

Vanessa Maria Brito de Jesus, Universidade Estadual de Campinas
Mestre em Política Científica e Tecnológica. Departamento de Política Científica e Tecnológica (DPCT), Instituto de Geociências (IG), UNICAMP.
Janaína Faria, Universidade Estadual de Campinas
Mestre em Política Científica e Tecnológica. Departamento de Política Científica e Tecnológica (DPCT), Instituto de Geociências (IG), UNICAMP.

Referências

Toledo VM. Agroecologia, sustentabilidad y reforma agraria: la superioridad de la pequeña producción familiar. Agroecol e Desenv Rur Sustent. 2002;3(2):27-36.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística [Brasil]. Censo Agropecuário 2006 – Agricultura Familiar. Brasília (DF): IBGE; 2006 [acesso em 10 fev 2014]. Disponível em: http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/economia/agropecuaria/censoagro/2006/default.shtm

Almeida MLP. A apropriação do conhecimento público pelo setor privado na relação universidade-empresa: um estudo a partir do caso da UNICAMP [tese]. Campinas: Faculdade de Educação; 2001.

Rutkowski J. Sustentabilidade de empreendimentos solidários: que papel espera-se da tecnologia. In: Lianza S, Addor F. (Org.). Tecnologia e Desenvolvimento Social e Solidário. Porto Alegre: UFRGS Editora; 2005.

Jesus VMB. Análise do Sistema de Monitoramento e Avaliação da Rede de Tecnologia Social [dissertação]. São Carlos: Centro de Ciências Exatas e Tecnologia, Universidade Federal de São Carlos; 2010.

Dagnino R. Neutralidade da ciência e determinismo tecnológico. Campinas: Editora Unicamp; 2008.

Dagnino R, Brandão FC, Novaes HT. Sobre o marco analítico-conceitual da Tecnologia Social. In: Dagnino R. (Org.). Tecnologia Social: ferramenta para construir outra sociedade. Campinas: Ed. Komedi; 2010.

Otterloo A. A Experiência da Rede de Tecnologia Social (RTS). In: Otterloo et al. (Org.). Tecnologias Sociais: Caminhos para a sustentabilidade. Brasília (DF): Gráfica Brasil; 2009.

Thomas H, Fressoli M, Aguiar D. Procesos de construcción de “funcionamiento” de Organismos Animales Genéticamente Modificados: El caso de la vaca transgénica clonada (Argentina 1996-2006), Convergencia. 2006;13(42):153-180.

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento [Brasil]. Relatório de Gestão do Exercício de 2010. Brasília: MAPA; 2011 [acesso em 09 fev 2014]. Disponível em: http://www.agricultura.gov.br

Medaets J, Pettan K. Legislação e normas para a certificação de produtos orgânicos: políticas públicas e garantias da qualidade. In: Küster A, Martí JF. (Org.). Agricultura familiar, agroecologia e mercado no Norte e Nordeste do Brasil. Fortaleza (CE): Fundação Konrad Adenauer; 2004.

Campanhola C, Valarini P. A agricultura orgânica e seu potencial para o pequeno agricultor. Cadernos de Ciência & Tecnologia. 2001;18(3):69-101.

Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária [Brasil]. Relatório de Gestão do Exercício de 2010. Brasília (DF): INCRA; 2005.

Presidência da República. Balanço Geral da União 2010. Brasília: CGU, 2011.

Borges B. Projeto Mandala é apresentado a Marcos Palmeira e índio Xavante. Agência SEBRAE de Notícias. 2004 [acesso em 09 fev 2014]. Disponível em: http://www.agenciasebrae.com.br/noticia.kmf?noticia=2289 615&canal=199

SEBRAE. A agroecologia é uma atividade econômica em plena expansão - Entrevista com Aly N’Diaye. Revista SEBRAE AGRONEGÓCIOS. 2007;7:28-29.

Oliveira MB. Ciência: Força Produtiva ou mercadoria? Crítica Marxista. 2005,21:77-96.

Néder R. Direitos de propriedade comum das tecnologias sociais como ambiente de inovação social - Termo de referência para um marco regulatório. Observatório do Movimento pela Tecnologia Social na América Latina. Brasília (DF): Centro de Desenvolvimento Social; 2009.

Thomas H, Fressoli M, Lalouf A. Introdución. In: Thomas H, Buch A. (Org.). Actos, actores y artefactos. Herramientas para el análisis de los procesos de cambio tecnológico y cambio social. Bernal: Universidad Nacional de Quilmes Editorial; 2008.

Como Citar
Serafim, M. P., Jesus, V. M. B. de, & Faria, J. (1). Tecnologia social, agroecologia e agricultura familiar: análises sobre um processo sociotécnico. Segurança Alimentar E Nutricional, 20(1supl), 169-181. https://doi.org/10.20396/san.v20i1supl.8634595
Seção
Artigo de Segurança Alimentar e Nutricional