Banner Portal
Determinantes da insegurança alimentar no Brasil em 2004 e 2009
PDF

Palavras-chave

Segurança alimentar. Modelos de lógite. Brasil.

Como Citar

HOFFMANN, Rodolfo. Determinantes da insegurança alimentar no Brasil em 2004 e 2009. Segurança Alimentar e Nutricional, Campinas, SP, v. 20, n. 2, p. 219–235, 2013. DOI: 10.20396/san.v20i2.8634599. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/san/article/view/8634599. Acesso em: 28 maio. 2024.

Resumo

Os dados sobre insegurança alimentar nos domicílios brasileiros coletados na Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) em 2004 e 2009 são analisados com o objetivo de avaliar quais são as características de cada domicílio que afetam a probabilidade de ele apresentar insegurança alimentar moderada ou grave. Confirma-se a forte relação negativa entre nível da renda domiciliar per capita e a insegurança alimentar. Como entre 2004 e 2009 ocorreu substancial crescimento da renda e redução da desigualdade, com crescimento mais intenso da renda dos relativamente pobres, poderia se prever a queda na incidência de insegurança alimentar. Isso efetivamente ocorre para a insegurança alimentar moderada (cuja incidência cai de 12,3% para 6,5% dos domicílios) e para a insegurança alimentar grave (cuja incidência cai de 6,3% para 4,9% dos domicílios). Estranhamente, a incidência de insegurança alimentar leve aumenta de 16,1% em 2004 para 18,7% em 2009. O modelo de lógite estimado mostra que a redução na incidência de insegurança alimentar moderada ou grave foi maior do que o esperado com base no conjunto de variáveis explanatórias considerado. Quando se considera apenas a insegurança alimentar grave ocorre o inverso: a redução foi menor do que a esperada. Esses resultados são discutidos tendo em vista o caráter parcialmente subjetivo da escala usada para medir o grau de insegurança alimentar.
https://doi.org/10.20396/san.v20i2.8634599
PDF

Referências

Segall Corrêa AM, Escamilla RP, Maranha LK, Sampaio MFA (Org.). (In)Segurança alimentar no Brasil: validação de metodologia para acompanhamento e avaliação. Relatório Técnico. UNICAMP, Faculdade de Ciências Médicas; 2003.

Hoffmann R. Determinantes da insegurança alimentar no Brasil: análise dos dados da PNAD de 2004. Seg Alim Nutr. 2008;15(1):49-61.

Rocha C, Burlandy L, Magalhães R. (Org.). Segurança Alimentar e Nutricional: perspectivas, aprendizados e desafios para as políticas públicas. Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ; 2013.

Maluf RS, Menezes F, Valente FL. Contribuição ao tema da segurança alimentar no Brasil. Revista Cadernos de Debate, NEPA-UNICAMP. 1996;6:66-88.

Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA). A segurança alimentar e nutricional e o direito humano à alimentação no Brasil. Brasília: IPEA; 2002.

Belik W. Perspectivas para segurança alimentar e nutricional no Brasil. Saúde Soc. 2003;12(1):12-20.

Takagi MA. Implantação da política de segurança alimentar e nutricional no Brasil: seus limites e desafios [tese de doutorado]. Campinas: Instituto de Economia-Unicamp; 2006.

Conselho Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional (CONSEA). A segurança alimentar e nutricional e o direito humano à alimentação adequada no Brasil. Brasília: CONSEA; 2010.

Burity V, Franceschini T, Valente F, Recine E, Leão M, Carvalho MF. Direito, humano à alimentação adequada no contexto da segurança alimentar e nutricional. Brasília: ABRANDH; 2010.

Almeida Filho N, Ramos P. (org.) Segurança alimentar: produção agrícola e desenvolvimento territorial. Campinas:Editora Alínea; 2010.

Burlandy L, Magalhães R, Frozi DS. Políticas públicas de segurança alimentar e nutricional. In: Rocha C, Burlandy L, Magalhães R. (org.). Segurança Alimentar e Nutricional: perspectivas, aprendizados e desafios para as políticas públicas. Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ; 2013. p. 89-107.

Sen A. Poverty and famines: an essay on entitlement and deprivation. Oxford University Press; 1981.

Gubert MB. Modelo preditivo de insegurança alimentar grave para os municípios brasileiros [tese de doutorado]. Brasília: Universidade de Brasília; 2009.

Santos JV, Gigante DP, Domingues MR. Prevalências de insegurança alimentar em Pelotas, Rio Grande do Sul, Brasil, e estado nutricional de indivíduos que vivem nessa condição. Cad Saúde Pública. 2010;26(1):41-49.

Panigassi G, Segall-Corrêa AM, Marin-León L, Pérez-Escamilla R, Sampaio MFA, Maranha LK. Insegurança alimentar como indicador de iniquidade: análise de inquérito populacional. Cad Saúde Pública. 2008;24(10):2376-2384.

Monteiro CA. O mapa da pobreza no Brasil. Cadernos de Nutrição. 1992;4:1-6.

Monteiro CA. Fome, desnutrição e pobreza: além da semântica. Saúde Soc. 2003;12(1):7-11.

Monteiro CA. A dimensão da pobreza, da desnutrição e da fome no Brasil. Estud Av. 2003;17(48):7-20.

Gans O. Cost effectiveness of food security systems: na assessment based on an econometric model of consumer demand. The case of Indonesia. Economics. 1999;59:96-116.

Sampaio MFA, Kepple AW, Segall-Corrêa AM, Oliveira JTA, Maranha LK, Marin-Leon L, et al. (In)Segurança alimentar: experiência de grupos focais com populações rurais do Estado de São Paulo. Seg Alim Nutr. 2006;13(1):64-77.

Bickel G, Nord M, Price C, Hamilton W, Cook J. Guide to measuring household food security. Revised 2000. USDA; 2000.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Segurança alimentar: 2004. Rio de Janeiro: IBGE; 2006.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Segurança alimentar 2004/2009. Rio de Janeiro: IBGE; 2010.

A revista Segurança Alimentar e Nutricional utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.