Determinantes da insegurança alimentar no Brasil em 2004 e 2009

Autores

  • Rodolfo Hoffmann Universidade de São Paulo

DOI:

https://doi.org/10.20396/san.v20i2.8634599

Palavras-chave:

Segurança alimentar. Modelos de lógite. Brasil.

Resumo

Os dados sobre insegurança alimentar nos domicílios brasileiros coletados na Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) em 2004 e 2009 são analisados com o objetivo de avaliar quais são as características de cada domicílio que afetam a probabilidade de ele apresentar insegurança alimentar moderada ou grave. Confirma-se a forte relação negativa entre nível da renda domiciliar per capita e a insegurança alimentar. Como entre 2004 e 2009 ocorreu substancial crescimento da renda e redução da desigualdade, com crescimento mais intenso da renda dos relativamente pobres, poderia se prever a queda na incidência de insegurança alimentar. Isso efetivamente ocorre para a insegurança alimentar moderada (cuja incidência cai de 12,3% para 6,5% dos domicílios) e para a insegurança alimentar grave (cuja incidência cai de 6,3% para 4,9% dos domicílios). Estranhamente, a incidência de insegurança alimentar leve aumenta de 16,1% em 2004 para 18,7% em 2009. O modelo de lógite estimado mostra que a redução na incidência de insegurança alimentar moderada ou grave foi maior do que o esperado com base no conjunto de variáveis explanatórias considerado. Quando se considera apenas a insegurança alimentar grave ocorre o inverso: a redução foi menor do que a esperada. Esses resultados são discutidos tendo em vista o caráter parcialmente subjetivo da escala usada para medir o grau de insegurança alimentar.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rodolfo Hoffmann, Universidade de São Paulo

Prof. Sênior da Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz” (ESALQ), Universidade de São Paulo (USP), com apoio do CNPq. O autor agradece a Josimar Gonçalves de Jesus e Henrique Coelho Kawamura pela leitura crítica de uma versão preliminar do artigo. Correspondência: ESALQ-LES, Cx. Postal 9. CEP 13.418-900. Piracicaba-SP.

Referências

Segall Corrêa AM, Escamilla RP, Maranha LK, Sampaio MFA (Org.). (In)Segurança alimentar no Brasil: validação de metodologia para acompanhamento e avaliação. Relatório Técnico. UNICAMP, Faculdade de Ciências Médicas; 2003.

Hoffmann R. Determinantes da insegurança alimentar no Brasil: análise dos dados da PNAD de 2004. Seg Alim Nutr. 2008;15(1):49-61.

Rocha C, Burlandy L, Magalhães R. (Org.). Segurança Alimentar e Nutricional: perspectivas, aprendizados e desafios para as políticas públicas. Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ; 2013.

Maluf RS, Menezes F, Valente FL. Contribuição ao tema da segurança alimentar no Brasil. Revista Cadernos de Debate, NEPA-UNICAMP. 1996;6:66-88.

Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA). A segurança alimentar e nutricional e o direito humano à alimentação no Brasil. Brasília: IPEA; 2002.

Belik W. Perspectivas para segurança alimentar e nutricional no Brasil. Saúde Soc. 2003;12(1):12-20.

Takagi MA. Implantação da política de segurança alimentar e nutricional no Brasil: seus limites e desafios [tese de doutorado]. Campinas: Instituto de Economia-Unicamp; 2006.

Conselho Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional (CONSEA). A segurança alimentar e nutricional e o direito humano à alimentação adequada no Brasil. Brasília: CONSEA; 2010.

Burity V, Franceschini T, Valente F, Recine E, Leão M, Carvalho MF. Direito, humano à alimentação adequada no contexto da segurança alimentar e nutricional. Brasília: ABRANDH; 2010.

Almeida Filho N, Ramos P. (org.) Segurança alimentar: produção agrícola e desenvolvimento territorial. Campinas:Editora Alínea; 2010.

Burlandy L, Magalhães R, Frozi DS. Políticas públicas de segurança alimentar e nutricional. In: Rocha C, Burlandy L, Magalhães R. (org.). Segurança Alimentar e Nutricional: perspectivas, aprendizados e desafios para as políticas públicas. Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ; 2013. p. 89-107.

Sen A. Poverty and famines: an essay on entitlement and deprivation. Oxford University Press; 1981.

Gubert MB. Modelo preditivo de insegurança alimentar grave para os municípios brasileiros [tese de doutorado]. Brasília: Universidade de Brasília; 2009.

Santos JV, Gigante DP, Domingues MR. Prevalências de insegurança alimentar em Pelotas, Rio Grande do Sul, Brasil, e estado nutricional de indivíduos que vivem nessa condição. Cad Saúde Pública. 2010;26(1):41-49.

Panigassi G, Segall-Corrêa AM, Marin-León L, Pérez-Escamilla R, Sampaio MFA, Maranha LK. Insegurança alimentar como indicador de iniquidade: análise de inquérito populacional. Cad Saúde Pública. 2008;24(10):2376-2384.

Monteiro CA. O mapa da pobreza no Brasil. Cadernos de Nutrição. 1992;4:1-6.

Monteiro CA. Fome, desnutrição e pobreza: além da semântica. Saúde Soc. 2003;12(1):7-11.

Monteiro CA. A dimensão da pobreza, da desnutrição e da fome no Brasil. Estud Av. 2003;17(48):7-20.

Gans O. Cost effectiveness of food security systems: na assessment based on an econometric model of consumer demand. The case of Indonesia. Economics. 1999;59:96-116.

Sampaio MFA, Kepple AW, Segall-Corrêa AM, Oliveira JTA, Maranha LK, Marin-Leon L, et al. (In)Segurança alimentar: experiência de grupos focais com populações rurais do Estado de São Paulo. Seg Alim Nutr. 2006;13(1):64-77.

Bickel G, Nord M, Price C, Hamilton W, Cook J. Guide to measuring household food security. Revised 2000. USDA; 2000.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Segurança alimentar: 2004. Rio de Janeiro: IBGE; 2006.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Segurança alimentar 2004/2009. Rio de Janeiro: IBGE; 2010.

Downloads

Publicado

2013-02-11

Como Citar

1.
Hoffmann R. Determinantes da insegurança alimentar no Brasil em 2004 e 2009. Segur. Aliment. Nutr. [Internet]. 11º de fevereiro de 2013 [citado 18º de outubro de 2021];20(2):219-35. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/san/article/view/8634599

Edição

Seção

Artigo de Segurança Alimentar e Nutricional

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 > >>