Insegurança alimentar e nutricional e fatores associados entre frequentadores de Restaurantes Comunitários do Distrito Federal

Autores

  • Stefanie Eugênia dos Anjos Campos Coelho Universidade de Brasília
  • Muriel Bauermann Gubert Universidade de Brasília

DOI:

https://doi.org/10.20396/san.v20i1.8634622

Palavras-chave:

Fatores socioeconômicos. Programas e políticas de alimentação e nutrição. Segurança alimentar e nutricional.

Resumo

O objetivo do estudo foi verificar o nível de Insegurança Alimentar (IA) entre frequentadores dos Restaurantes Comunitários do Distrito Federal (DF) e suas variáveis associadas, além de observar a focalização desta estratégia contribuindo para o planejamento das ações e políticas públicas. Foi realizado nos 11 Restaurantes Comunitários no DF em 2011. O tamanho da amostra representativa dessa população foi calculado em 610 indivíduos. Os instrumentos utilizados foram a Escala Brasileira de Medida da Insegurança Alimentar e questões socioeconômicas e de percepção do estado de saúde. Observou-se predominância de indivíduos do sexo masculino, trabalhadores e grande parte dos entrevistados pertenciam à classe social C. A Insegurança Alimentar e Nutricional Leve foi verificada em 26,1%, Moderada em 11,7% e Grave em 6,7% dos domicílios dos entrevistados. As prevalências de IA (leve, moderada e grave), sobretudo a IA Grave estavam associadas significativamente a menor renda e escolaridade, participação em programa de transferência de renda, menor frequência nos restaurantes e menor número de refeições realizadas/dia. Verificaram-se altas prevalências de IA (leve, moderada e grave), especialmente a IA Grave no público estudado quando comparadas à situação do Brasil e do DF. O programa idealmente é destinado a indivíduos de baixa renda e famílias em risco de Insegurança Alimentar e Nutricional, porém, no DF grande parte dos frequentadores pertence à classe de rendimento médio.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Stefanie Eugênia dos Anjos Campos Coelho, Universidade de Brasília

Mestranda em Nutrição Humana do Programa de Pós-graduação em Nutrição Humana, Universidade de Brasília (UnB), DF. Correspondência: Quadra 8, Cl 4, Apto 205, Sobradinho, Brasília, DF. CEP 73005-080. Tel. (61) 8479-4206.

Muriel Bauermann Gubert, Universidade de Brasília

Professora Adjunta do Departamento de Nutrição, UnB, DF.

Referências

Organização das Nações Unidas (ONU). Declaração Universal dos Direitos Humanos. Assinada em 1948 [acesso em 16 maio 2013]. Disponível em: http://unicrio.org.br/img/DeclU_D_HumanosVersoIntern et.pdf

Brasil. Lei Orgânica da Segurança Alimentar e Nutricional (LOSAN). In: CONSEA: Brasília; 2006.

Valente FLS. Fome, desnutrição e cidadania: inclusão social e direitos humanos. Saúde Soc. 2003;12(1):51-60.

Belick W. Perspectivas para Segurança Alimentar e Nutricional no Brasil. Saúde Soc. 2003;12(1):12-20.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) 2004 – Suplemento Segurança Alimentar. Rio de Janeiro: IBGE; 2006.

Panigassi G, Segall-Corrêa AM, Marin-León L, Pérez- Escamilla R, Sampaio MFA, Maranha LK. Insegurança Alimentar: um indicador de iniquidade. Cad Saúde Pública. 2008;24(10):2376-84.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) 2008. Rio de Janeiro: IBGE; 2009.

Companhia de Planejamento do Distrito Federal. Pesquisa Domiciliar Socioeconômica (PEDS). Brasília: CODEPLAN; 2009.

Companhia de Planejamento do Distrito Federal. Síntese de Informações Socioeconômicas. Brasília: CODEPLAN; 2010.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) – Segurança Alimentar e Nutricional, 2009. Rio de Janeiro: IBGE; 2010.

Brasil. Ministério do Desenvolvimento e Combate a Fome (MDS). Segurança Alimentar e Nutricional [acesso em 10 nov 2012]. Disponível em: http://www.mds.gov.br/segurancaalimentar

Brasil. Ministério do Desenvolvimento e Combate a Fome (MDS). Restaurantes Populares [acesso em 10 nov 2012]. Disponível em: http://www.mds.gov.br/segurancaalimentar/equipamentos/ restaurantespopulares

Secretaria de Estado de Desenvolvimento Social do Distrito Federal. Subsecretaria de Segurança Alimentar e Nutricional. Restaurantes Comunitários. Brasília: SEDEST [acesso em 10 set 2013]. Disponível em: http://www.sedest.df.gov.br/segurancaalimentar/ restaurantes-comunitarios.html

Secretaria de Estado de Desenvolvimento Social do Distrito Federal. Subsecretaria de Segurança Alimentar e Nutricional. Restaurantes Comunitários no DF. Brasília: SEDEST [acesso em 10 set 2013]. Disponível em: http://www.sedest.df.gov.br/images/Endere%C3%A7os%2 0Restaurantes%20Comunit%C3%A1rios.pdf

Brasil. Ministério da Saúde. Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico (VIGITEL) 2010. Série G. Estatística e Informação em Saúde. 1ª Edição. Brasil: MS; 2011.

Brasil. Ministério da Saúde. Sistema de Vigilância Alimentar e Nutricional (SISVAN). Norma técnica de Orientações para coleta e análise de dados antropométricos em serviços de saúde. Série G. Estatística e Informação em Saúde. 1ª Edição. Brasil: MS; 2011.

Associação Brasileira de Empresas de Pesquisa (ABEP). Critério de Classificação Econômica Brasil/2008 [acesso em 10 nov]. Disponível em: http://www.abep.org/novo/Content.aspx?SectionID=84

Santos LPM, Araújo MPN, Martins MC, Veloso IS, Assunção MP, Santos SMC. Avaliação de políticas públicas de segurança alimentar e combate à fome no período 1995- 2002. 2 – Programa de Alimentação do Trabalhador. Cad Saúde Pública. 2007;23(8):1931-45.

Brasil. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS). Pesquisa revela perfil de usuários de restaurantes populares, 2005 [acesso em 08 jun 2011]. Disponível em: http://www.ibope.com.br/opiniao_publica/downloads/opp _restaurantespopulares_set05.pdf

Gobato RC, Panigassi G, Villalba JP. Identificação do perfil de usuários de um Restaurante Popular do Município de Campinas. Seg Alim Nutr. 2010;17(2):14-25.

Companhia de Planejamento do Distrito Federal. Síntese de Informações Socioeconômicas. Brasília: CODEPLAN; 2010.

Gubert MB, Santos LMP. Determinantes da Insegurança Alimentar no Distrito Federal. Com Ciências Saúde. 2009;20(2):143-50.

Salles-Costa R, Pereira RA, Vasconcellos MTL, Veiga GV, Marins VMR, Jardim BC, et al. Associação entre fatores socioeconômicos e insegurança alimentar: estudo de base populacional na Região Metropolitana do Rio de Janeiro, Brasil. Rev Nutr. 2008;21:99-109.

Brasil. Ministério do Desenvolvimento e Combate a Fome (MDS). Restaurantes Populares [acesso em 16 jul 2013]. Disponível em: http://www.mds.gov.br/bolsafamilia

Segall-Corrêa AM, Marin-Leon L, Pérez-Escamilla R, Helito H, Pacheco LMS, Souza RP. Transferência de renda e a insegurança alimentar no Brasil: análise dos dados nacionais. Rev Nutr. 2008;21(Suppl.):39-51.

Burlandy L. Transferência condicionada de renda e segurança alimentar e nutricional. Ciênc Saúde Colet. 2007;12(6):1441-51.

Brasil. Ministério da Saúde. Guia Alimentar para a População Brasileira. Brasília: Ministério da Saúde; 2008.

Brasil. Ministério da Saúde. Mais da metade da população brasileira tem excesso de peso. [acesso em 10 set 2013]. Disponível em: http://portalsaude.saude.gov.br/portalsaude/noticia/12926/ 162/mais-da-metade-da-populacao-brasileira-tem-excessode- peso.html

Branquinho AS. Perfil nutricional da clientela atendida nos Restaurantes Comunitários do Distrito Federal [dissertação]. Brasília: Universidade de Brasília; 2010. 109 p.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Pesquisa de Orçamento Familiar (2008-2009) – Suplemento de antropometria e estado nutricional de crianças, adolescentes e adultos no Brasil. Rio de Janeiro: IBGE; 2010.

Batista Filho M, Rissin A. A transição nutricional no Brasil: tendências regionais e temporais. Cad Saúde Pública. 2003;19(Supl. 1):181-91.

Popkin BM. An overview on the nutrition transition and its health implications: the Bellagio meeting. Public Health Nutr. 2002;5(1A):93-103.

Popkin BM. Contemporary Nutricional Transition: determinants of diet and its impact on body composition. Proc Nutr Soc. 2011;70(1):82-91.

Burity V, Franceschini T, Valente F, Recine E, Leão M, Carvalho MF. Módulo 1: Segurança Alimentar e Nutricional e o Direito Humano à Alimentação Adequada. In: Direito Humano à Alimentação Adequada no contexto da Segurança Alimentar e Nutricional. Brasília: ABRANDH; 2010. p. 26- 28.

Downloads

Como Citar

1.
Coelho SE dos AC, Gubert MB. Insegurança alimentar e nutricional e fatores associados entre frequentadores de Restaurantes Comunitários do Distrito Federal. Segur. Aliment. Nutr. [Internet]. 3º de fevereiro de 2015 [citado 28º de outubro de 2021];20(1):52-61. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/san/article/view/8634622

Edição

Seção

Artigo de Segurança Alimentar e Nutricional