Segurança alimentar e nutricional e agroindústrias familiares: políticas públicas e ações locais

Autores

  • Marcio Gazolla Universidade Federal de Santa Maria

DOI:

https://doi.org/10.20396/san.v21i2.8634629

Palavras-chave:

Agroindústria familiar. Segurança alimentar e nutricional. Políticas públicas. Ações locais. Informalidade institucional.

Resumo

O objetivo do trabalho é evidenciar as dificuldades que as agroindústrias familiares possuem para reproduzirem-se perante as instituições reguladoras da produção e consumo de alimentos. Isso faz com que elas contribuam em menor medida do que poderiam fazer com os processos de geração de segurança alimentar e nutricional (SAN) as populações, especialmente as locais de pequenos municípios. O trabalho foi realizado no Rio Grande do Sul (RS), no Norte gaúcho, utilizando-se uma metodologia quali-quantitativa, com dados primários e secundários de pesquisa. O artigo evidencia que as ações locais, tanto públicas como privadas, têm muito que avançar para viabilizar as reais necessidades das agroindústrias para que as mesmas possam efetivamente contribuir com a SAN. Uma das principais dificuldades que a atuação das entidades e instituições não consegue remover são os altos índices de informalidade que envolve as agroindústrias (mais de 72% das experiências existentes).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marcio Gazolla, Universidade Federal de Santa Maria

Doutor em Desenvolvimento Rural. Professor da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM-CAFW) – Campus de Frederico Westphalen (RS). Correspondência: Campus da UFSM. Linha 7 de Setembro, s/n. Caixa Postal: 54 CEP: 98400-000. Frederico Westphalen – RS. Telefone: (55) 3744-8915.

Referências

Maluf RS. Segurança alimentar e nutricional. Petrópolis: Vozes; 2007. 174p. (Coleção Conceitos Fundamentais).

Belik W. A política brasileira de segurança alimentar e nutricional: concepção e resultados. Segur Aliment Nutr. 2012;19(2):94-110.

Hoffmann R. A agricultura familiar produz 70% dos alimentos consumidos no Brasil? Segur Aliment Nutr 2014;21(1):417-21.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo Agropecuário [CD-ROM]. Brasília: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística; 2006.

Gazolla M. Conhecimentos, produção de novidades e ações institucionais: cadeias curtas das agroindústrias familiares [tese]. Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul; 2012.

Stuiver M, Van der Wiskerke JSC. The power of experience: farmers knowledge and sustainable innovations in agriculture. In: Ploeg JD, Van der Wiskerke JSC, editors. Seeds of transition: essays on novelty production, niches and regimes in agriculture. Wageningen: Royal Van Gorcum; 2004. 356 p.

Deponti C, Schneider S. O retrato da extensão rural a partir dos dados do Censo Agropecuário 2006. In: Anais do 50º Congresso da Sociedade Brasileira de Economia, Administração e Sociologia Rural [Internet]. 2012 jul 22-25; Vitória: Sociedade Brasileira de Economia, Administração e Sociologia Rural; 2012 [acesso 15 out 2014] Disponível em: http://icongresso.itarget.com.br/useradm/anais/?clt=ser.2.

Chér R. Empreendedorismo na veia: um aprendizado constante. Rio de Janeiro: Elsiever; 2008. 228 p.

Raupp AK. Políticas públicas e agroindústrias de pequeno porte da agricultura familiar: considerações de experiências do Rio Grande do Sul [dissertação]. Rio de Janeiro: Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro; 2005.

Touzard, J.M. Construction institutionnelle des indications géographiques et des signes de qualité. [S.l.: s.n], 2010. 20 p.

Wesz Júnior VJ. Políticas públicas de agroindustrialização: uma análise do Pronaf Agroindústria. In: Anais do Congresso da Sociedade de Economia, Sociologia e Administração Rural, 47 [CD-ROM]. 2009 jul 26-30; Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul; 2009.

Brasil. Lei no 11.718, de 20 de junho de 2008. Acrescenta artigo à Lei no 5.889, de 8 de junho de 1973, criando o contrato de trabalhador rural por pequeno prazo; estabelece normas transitórias sobre a aposentadoria do trabalhador rural; prorroga o prazo de contratação de financiamentos rurais de que trata o § 6º do art. 1o da Lei no 11.524, de 24 de setembro de 2007; e altera outras leis. Diário Oficial da União, 23 jun 2008. 18 p [Acesso em: 12 out. 2012]. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2008/lei/l11718.htm.

Long N. Sociologia del desarollo: una perspectiva centrada em el ator. Ciudad de México: Centro de Investigaciones y Estudios Superiores; 2006. 504 p. (Coleción Investigaciones).

Wilkinson J. Mercados, redes e valores: o novo mundo da agricultura familiar. Porto Alegre: Editora da Universidade Federal do Rio Grande do Sul; 2008. 213p. (Estudos Rurais.).

Scott JC. Formas cotidianas de resistência camponesa. Rev Raiz. 2002;21(1):10-31.

Maluf RS. Mercados agroalimentares e agricultura familiar no Brasil: agregação de valor, cadeias integradas e circuitos regionais. Ens. FEE. 2004;25(1):299-322.

Downloads

Como Citar

1.
Gazolla M. Segurança alimentar e nutricional e agroindústrias familiares: políticas públicas e ações locais. Segur. Aliment. Nutr. [Internet]. 27º de abril de 2015 [citado 8º de maio de 2021];21(2):527-40. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/san/article/view/8634629

Edição

Seção

Artigo de Segurança Alimentar e Nutricional