Perfil dos voluntários de universidade brasileira a respeito do consumo de pescado

Autores

  • Erika da Silva Maciel Universidade de São Paulo
  • Júlia Santos Vasconcelos Universidade de São Paulo
  • Jaqueline Girnos Sonati Universidade Estadual de Campinas
  • Luciana Kimie Savay-da-Silva Universidade de São Paulo
  • Juliana Antunes Galvão Universidade de São Paulo
  • Marília Oetterer Universidade de São Paulo

DOI:

https://doi.org/10.20396/san.v19i1.8634669

Palavras-chave:

Comunidade universitária. Consumo de pescado. Estilo de vida.

Resumo

O objetivo deste trabalho foi descrever as características dos consumidores e não consumidores de pescado tendo por base uma amostra de integrantes de comunidade universitária paulista. O instrumento utilizado foi um questionário on line, constituído de itens relacionados ao consumo de pescado e principais características envolvidas nesse processo. Em conjunto foi utilizado o questionário International Physical Activity Questionaire, para avaliação do Nível de Atividade Física e informações antropométricas (peso e altura) autorreferidas. A amostra foi composta por 1966 voluntários da Universidade de São Paulo (Brasil). Quanto ao Nível de Atividade Física dos indivíduos que não consomem pescado observou-se que 29,2% não atenderam a recomendação mínima de atividade física semanal, grupo que agrega os sedentários e os indivíduos insuficientemente ativos A e B. Foi observado que 22% apresentaram estado nutricional classificado como sobrepeso ou obesidade grau I. A maioria dos voluntários (27,11%) apresentou frequência de consumo de pescado de uma vez por semana. Do total, 5,13% não consumiram o pescado, destacando-se motivos como: sabor não atraente; falta de hábito; problemas de saúde (alergias); não saber preparar; dificuldade de avaliar o produto pela aparência; e indisponibilidade do produto no local de compra habitual. Fatores como preço e qualidade também se mostraram interferentes na decisão dos voluntários quanto ao consumir ou não o produto.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Erika da Silva Maciel, Universidade de São Paulo

Doutora Universidade de São Paulo (USP), Campus “Luiz de Queiroz”, Piracicaba, SP. Correspondência: Avenida Pádia Dias 11, Bairro Agronomia, CEP 13418-900. Piracicaba, SP. Fone/fax: 55 (19) 34294150. Ramal: 36.

Júlia Santos Vasconcelos, Universidade de São Paulo

Graduanda em Ciência dos Alimentos, Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz” (ESALQ), USP.

Jaqueline Girnos Sonati, Universidade Estadual de Campinas

Doutora, Faculdade de Educação Física da Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP).

Luciana Kimie Savay-da-Silva, Universidade de São Paulo

Mestre, Departamento de Agroindústria, Alimentos e Nutrição, ESALQ (USP).

Juliana Antunes Galvão, Universidade de São Paulo

Doutora, Departamento de Agroindústria, Alimentos e Nutrição, ESALQ (USP).

Marília Oetterer, Universidade de São Paulo

Profa. Titular, Departamento de Agroindústria, Alimentos e Nutrição, ESALQ (USP).

Referências

Trondsen T, Scholderer J, Lund E, Eggen AE. Perceived barriers to consumption of fish among Norwegian women. Appetite. 2003;41(3):301-14.

Mina K, Fritschi L, Knuiman M. A valid semiquantitative food frequency questionnaire to measure fish consumption. Eur J Clin Nutr. 2007;61(8):1023-31.

Burger J. Fishing, fish consumption, and awareness about warnings in a university community in central New Jersey in 2007, and comparisons with 2004. Environ Res. 2008;108(1):107-16.

Piber Neto E. Enriquecimento do ovo: utilização de óleos de peixes e alga marinha como fontes de ácidos graxos poliinsaturados ômega-3 em rações de galinhas [dissertação]. São Paulo: Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia, Universidade de São Paulo, 2006. 72 p.

Souza PHM, Souza Neto MH, Maia GA. Componentes funcionais nos alimentos. Boletim da Sociedade Brasileira de Ciência e Tecnologia de Alimentos. 2003;37(2):127-135.

Pieniak Z, Verbeke W, Scholderer J. Health-related beliefs and consumer knowledge as determinants of fish consumption. J Hum Nutr Diet. 2010;23(5):480-88.

Oetterer M. Industrialização do pescado cultivado. Guaíba: Editora Agropecuária; 2002. 200 p.

Matsudo SM, Matsudo VR, Araújo T, Andrade D, Andrade E, Oliveira L, et al. Nível de atividade física na população do Estado de São Paulo: análise de acordo com o gênero, idade e nível sócio-econômico, distribuição geográfica e de conhecimento. Revista Brasileira de Ciência e Movimento.2002:10(4):41-50.

Craig CL, Marshall A, Sjöström M, Bauman AE, Booth ML, Ainsworth BE, et al. International physical activity questionnaire: 12-country reliability and validity. Med Sci Sports Exerc. 2003;35(8):1381-95.

Food and Agriculture Organization. The State of world fisheries and aquaculture (SOFIA) 2008: 2008. Rome, 2009. 196 p.

Guedes AEL, Lyra CO, Cunha MV, Bandeira AVM, Henriques VMC, Soares FB, et al. Em torno da mesa: alimentando sensibilidades e competências: relato de uma experiência educativa em Macau, RN, Brasil. Seg Alim Nutr. 2008;15(1):1-14.

Danelon MAS, Danelon MS, Silva MV. Serviços de alimentação destinados ao público escolar: análise da convivência do Programa de Alimentação Escolar e das cantinas. Seg Alim Nutr. 2006;13(1):85-94.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa de Orçamentos Familiares – POF 2002-2003: microdados [acesso em 26 ago 2012]. Disponível em:http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/condicaodevida/pof/2002analise/microdados.shtm

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa de Orçamentos Familiares – POF 2008-2009: microdados [acesso em 26 ago 2012]. Disponível em: http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/condicaodevida/pof/2008_2009/microdados.shtm

Wiefels R, Pereira G, Marquez Escudero H, Ayala M. Present and future markets for fish and fish products from small scale fisheries in Latin America: with special attention to the cases of México, Peru and Brazil. Rome: FAO, INFOPESCA, 2005. 33 p. [cited 2010 out 06]. Available from:http://www.infopesca.org/Downloads/publicaciones_libre_acceso/art13.pdf

Brasil. Ministério da Pesca e Aquicultura (MPA). Campanha vai ressaltar os benefícios do consumo de pescado e o seu preparo. Brasília: MPA; 2009 [acesso em 26 ago 2012]. Disponível em: http://www.mpa.gov.br/mpa/seap/html/Comercializacao/semana_do_peixe_int2009.html

Brasil. Ministério da Pesca e Aquicultura - MPA (2010) Boletim Estatístico da Pesca e Aquicultura 2008-2009. [acesso em 26 ago 2012]. Disponível em: http://www.sepaq.pa.gov.br/files/u1/anuario_da_pesca_completo.pdf

Birgisdottir BE, Kiely M, Martinez JA, Thorsdottir I. Validity of a food frequency questionnaire to assess intake of seafood in adults in three European countries. Food Control. 2008;19(7):648-53.

Mathias J, Baez JR. Análise setorial: a indústria do pescado. São Paulo: Panorama Setorial/Gazeta Mercantil, Legislação e estatísticas; 2003.

Food and Agriculture Organization. Food Outlook.: global market analysis. Meat and meat products [cited 2011 nov 21]. Available from: http://www.fao.org/docrep/012/ak341e/ak341e09.htm

Instituto de Economia Agrícola (IEA). Preços médios mensais no varejo [acesso em 21 nov 2011]. Disponível em: http://www.iea.sp.gov.br/out/index.php

Companhia de Entrepostos e Armazéns Gerais de São Paulo (CEAGESP). Preços no atacado [acesso em 21 nov 2011]. Disponível em: http://www.ceagesp.gov.br/cotacoes

Uilde AG, Farah TG, Flávia MM. Caracterização do consumo de carnes no Brasil. Revista Nacional da Carne. 2002;310:1-12.

Baldini M, Pasqui F, Bordoni A, Maranesi M. Is the Mediterraneanlifestyle still a reality? Evaluation of food consumption and energy expenditure in Italian and Spanish university students. Public Health Nutr. 2009;12(2):148-55.

Sonati J, Vilarta R. Novos padrões alimentares e as relações com os domínios da qualidade de vida e saúde. In:Vilarta R. (Org.). Novos padrões alimentares e as relações com os domínios da qualidade de vida e saúde. Campinas: IPES; 2010. p. 85-91.

Munõz MA, Fíto M, Marrugat J, Covas MI, Schröder H, et al. Adherence to the Mediterranean diet is associated with better mental and physical health. Br J Nutr. 2009:101(12),1821-27.

Tyrovolas S, Panagiotakos DB. The role of Mediterranean type of diet on the development of cancer and cardiovascular disease, in the elderly: a systematic review. Maturitas. 2010;65(2):122-30.

Maciel ES, Oetterer M. O desafio da alimentação como fator de qualidade de vida na última década. In: Vilarta R. (Org.). Novos padrões alimentares e as relações com os domínios da qualidade de vida e saúde. Campinas: IPES; 2010. p. 18-26.

Engel JF, Blackwell RD, Miniard PW. Consumer behavior. 6º ed. Forth Worth: The Dryden Press; 1990.

Arima HK. Consumo dos diferentes tipos de carne ainda é uma questão de preço. Situação européia. TecnoCarnes. 1996;6(3):1.

Souki GQ, Salazar GT, Antonialli LM, Pereira CA. Atributos que afetam a decisão de compra dos consumidores de carne bovina. OR & A. Revista de Administração da UFLA. 2003;5(2):36-51.

Kubitza F. Com a palavra os consumidores. Revista Panorama da Aquicultura. 2002;69:48-53.

Hobbs JE. Consumer demand for traceability. In: International agricultural Trade Research Consortium Annual Meeting, 2002, Monterey, CA. Saskatoon: Department of Agricultural Economics, University of Saskachewan, 2003. Working Paper, 3.

Downloads

Como Citar

MACIEL, E. da S.; VASCONCELOS, J. S.; SONATI, J. G.; SAVAY-DA-SILVA, L. K.; GALVÃO, J. A.; OETTERER, M. Perfil dos voluntários de universidade brasileira a respeito do consumo de pescado. Segurança Alimentar e Nutricional, Campinas, SP, v. 19, n. 1, p. 60–70, 2015. DOI: 10.20396/san.v19i1.8634669. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/san/article/view/8634669. Acesso em: 3 out. 2022.

Edição

Seção

Artigo de Segurança Alimentar e Nutricional

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)