Banner Portal
O uso de azeite de dendê na fortificação de alimentos
PDF

Palavras-chave

Vitamina A. Hipovitaminose A. Azeite de dendê. Fortificação.

Como Citar

RODRIGUES, Patrícia Helena Cravo; PINTO-E-SILVA, Maria Elisabeth Machado; SZARFARC, Sophia Cornbluth. O uso de azeite de dendê na fortificação de alimentos. Segurança Alimentar e Nutricional, Campinas, SP, v. 18, n. 2, p. 53–59, 2015. DOI: 10.20396/san.v18i2.8634677. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/san/article/view/8634677. Acesso em: 24 maio. 2024.

Resumo

O objetivo do trabalho foi incluir o azeite de dendê como fonte de vitamina A em alimentos de consumo habitual da população brasileira e avaliar sua estabilidade e aceitação. Foram desenvolvidas as preparações: sequilho salgado, sequilho doce e biscoito de polvilho em suas formulações originais e as acrescidas de azeite de dendê. A vitamina A foi determinada pela quantificação de β caroteno presente nas amostras do azeite de dendê e nas preparações. Para a análise sensorial, utilizou-se o teste afetivo de aceitabilidade. As preparações desenvolvidas tiveram como parâmetro as originais para posterior análise. Com relação ao teor de vitamina A, todos os produtos com dendê tiveram concentrações significativas deste nutriente quando comparados aos biscoitos sem dendê. Pela análise sensorial, os produtos apresentaram aceitabilidade no atributo aceitação global. O azeite de dendê se manteve como fonte de vitamina A quando utilizado como ingrediente de preparações, mesmo se submetido a um processamento térmico, e mostrou ser uma boa fonte complementar deste nutriente. Assim, o azeite de dendê pode ser utilizado no enriquecimento de alimentos pela sua contribuição em retinol visando o controle da hipovitaminose A.

https://doi.org/10.20396/san.v18i2.8634677
PDF

Referências

. Brasil ALD, Morais MG. Hipovitaminose A: prevalência, diagnóstico e tratamento. In: Cardoso AL, Lopes LA, Taddei JA de AC. Tópicos atuais em nutrição pediátrica. São Paulo: Sociedade de Pediatria de São Paulo; 2004. p. 45-57.

. Brasil. Ministério da Saúde. Unicef. Cadernos de Atenção Básica: Carências de micronutrientes. Brasília: Ministério da Saúde, 2007. 60 p. (Série A. Normas e Manuais Técnicos).

. Sarni RS, Kochi C, Ramalho RA, Schoeps DO, Sato K, Mattoso LCQ et al. Vitamin A: blood level and dietetics intake in stunted children and adolescents without hormonal disease. Rev Assoc Med Bras. 2002;48(1):48-53.

. Geraldo RRC, Paiva SAR, Pitas AMCS, Godoy I, Campana AO. Distribuição da hipovitaminose A no Brasil nas últimas quatro décadas: ingestão alimentar, sinais clínicos e dados bioquímicos. Rev Nutr. 2003;16(4):443-60.

. Brasil. Ministério da Saúde. Pesquisa Nacional de Demografia e Saúde da Criança e da Mulher – PNDS 2006: dimensões do processo reprodutivo e da saúde da criança/ Ministério da Saúde, Centro Brasileiro de Análise e Planejamento. Brasília: Ministério da Saúde, 2009. 300 p.: il. (Série G. Estatística e Informação em Saúde).

. Batista Filho M, Rissin A. Deficiências nutricionais: ações específicas do setor de saúde para o seu controle. Cad Saude Publ. 1993;9(2):130-5.

. Azevedo MMS, Cabral PC, Diniz AS, Fisberg M, Fisberg RM, Arruda IKG. Deficiência de vitamina A em pré-escolares da cidade do Recife, Nordeste do Brasil. ALAN. 2010;60(1):36-41.

. Ebong PE, Owu DU, Isong EU. Influence of palm oil (Elaesis guineensis) on health. Plant Foods Hum Nutr. 1999;53(3):209-22.

. Nagendran B, Unnithan UR, Choo YM, Sundram K. Characteristics of red palm oil, α-carotene- and vitamin E-rich refined oil for food uses. Food Nutr Bull. 2000;21(2):189-93.

. Sambanthamurthi R, Sundram K, Tan Y-A. Chemistry and biochemistry of palm oil. Prog Lipid Res. 2000;39(6):507-58.

. Carvalho PRN, Collins CA, Rodriguez-Amaya DB. Comparison of provitamin A determination by normalphase gravity-flow chromatography and reversed phase high performance liquid chromatography. Chromatographia. 1992;33(3-4):133-37.

. Dutcosky SD. Análise sensorial de alimentos. 3ª ed. Curitiba: Champagnat; 2011.

. Brasil. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução RDC nº 269, de 22 de setembro de 2005. Regulamento técnico sobre Ingestão Diária Recomendada (IDR) para proteína, vitaminas e minerais. Diário Oficial da União, Brasília, 23 set. 2005. Seção 1, p. 372.

. Roncada MJ. Vitaminas lipossolúveis. In: Dutra-de- Oliveira JE, Marchini JS. Ciências nutricionais. São Paulo: Sarvier, 1998. p. 167-77.

. Manorama R, Rukmini C. Effect of processing on β-carotene retention in crude palm oil and its products. Food Chem. 1991;42(3):253-64.

. Brasil. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Portaria nº 31, de 13 de janeiro de 1998. Regulamento técnico referente a alimentos adicionados de nutrientes essenciais. Diário Oficial da União, Brasília, 16 jan. 1998. Seção 1, p. 4.

. World Health Organization. Indicators for assessing vitamin A deficiency and their application for monitoring and evaluating interventions programs. Micronutrients Series. Geneva: WHO/UNICEF; 1996.

. Martins MC, Oliveira YP de, Coitinho DC, Santos LMP. Panorama das ações de controle da deficiência de vitamina A no Brasil. Rev Nutr. 2007;20(1):5-18.

. Diniz AS. Combate à deficiência de vitamina A: linhas de ação e perspectivas. Rev Bras Saude Mater Infant. 2001;1(1):31-6.

. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística [homepage]. Pesquisa de Orçamentos Familiares – POF 2002-2003. Análise da disponibilidade domiciliar de alimentos e do estado nutricional no Brasil [acesso em 11 jun 2011]. Disponível em: http://www.ibge. gov.br/home/estatistica/populacao/condicaodevida/pof/2003medidas/pof2003medidas.pdf

. Fisberg M, Barros MJL. Introdução. In: Fisberg M, Barros MJL. O papel dos nutrientes no crescimento e desenvolvimento infantil. São Paulo: Sarvier; 2008. p. 1-10.

. Brasil. Portal da Saúde [homepage]. MS incentiva a criação de políticas de alimentação saudável. Brasília: Ministério da Saúde [acesso em 27 set 2010]. Disponível em: http://portal.saude.gov.br/portal/saude/default.cfm

A revista Segurança Alimentar e Nutricional utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.