Identificação do perfil de usuários de um restaurante popular do município de Campinas

Autores

  • Renata Cristina Gobato Universidade Estadual de Campinas
  • Giseli Panigassi Universidade Paulista
  • Juliana Pasti Villalba Universidade Estadual de Campinas

DOI:

https://doi.org/10.20396/san.v17i2.8634789

Palavras-chave:

Restaurante Bom Prato. Restaurantes populares. Segurança alimentar e nutricional.

Resumo

Os restaurantes populares são unidades de alimentação e nutrição destinadas ao preparo e comercialização de refeições saudáveis, ofertadas a preços acessíveis à população, que devem localizar-se preferencialmente em grandes centros urbanos. Tais restaurantes devem proporcionar a complementação alimentar dos grupos mais vulneráveis que, por falta de tempo ou recursos, não conseguem ter acesso a uma refeição saudável pelo menos uma vez por dia. O objetivo da pesquisa foi conhecer o perfil de usuários de um restaurante popular do Município de Campinas e refletir sobre a contribuição do restaurante popular para a segurança alimentar e nutricional dos usuários. Trata-se de um estudo transversal, o qual entrevistou 129 usuários. A partir de um questionário estruturado com questões de múltipla escolha, delineou-se o perfil dos usuários. A coleta dos dados foi realizada nos meses de agosto e setembro de 2008. A média de idade dos usuários é de 47,7 anos, sendo que 41% possuem trabalho remunerado; 15,5% têm como única refeição o almoço adquirido no “Restaurante Bom Prato” e possuem em média renda familiar de 2,4 salários mínimos. Observou-se que 94,6% dos entrevistados consomem carne, 88,4% consomem frutas e 90,3% verduras e/ou legumes no restaurante Bom Prato, enquanto que no jantar em casa apenas 58,9% consomem carne, 28,7% frutas e 41,5% verduras e/ou legumes. Concluiu-se que o “Restaurante Bom Prato” é importante para a segurança alimentar e nutricional de seus usuários, pois proporcionou à amostra, uma maior variedade de grupos de alimentos no almoço comparada ao jantar em casa e também comparada ao tipo de refeição realizada pelos pesquisados antes de sua inauguração.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Renata Cristina Gobato, Universidade Estadual de Campinas

Nutricionista Pós-Graduada em Nutrição no Sistema Digestório pela Faculdade de Ciências Médicas, Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Correspondência: Rua Samuel Fragoso de Coimbra, 457, CEP 13271-280, Valinhos, SP.

Giseli Panigassi, Universidade Paulista

Profa. Universidade Paulista (UNIP). Dra. em Saúde Coletiva pela Faculdade de Ciências Médicas (FCM), Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP).

Juliana Pasti Villalba, Universidade Estadual de Campinas

Profa. Universidade Paulista (UNIP). Dra. em Saúde Coletiva pela Faculdade de Ciências Médicas (FCM), Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP).

Referências

Uchimura KY, Bosi MLM. Programas de comercialização de alimentos: uma análise das modalidades de intervenção em interface com a cidadania. Rev Nutr. 2003;16(4):387-397.

Cerri C, Santos AC. Fome: história de uma cicatriz social. Brasília: 2002 [acesso em 12 set. 2008]. Disponível em: http://www.presidencia.gov.br/mesa/nt/a_09.htm

Silva RR. Principais políticas de combate à fome implementadas no Brasil. Textos & Contextos. 2006;5(1).

Cohn A. Políticas sociais e pobreza no Brasil. In: Planejamento e Políticas Públicas, IPEA, número 12, jun./dez. 1995. p. 1-18.

Peliano AM. O mapa da fome: informações sobre a indigência por Municípios da Federação. Documento de Política nº 15, Brasília: IPEA, 1993.

Brasil. Ministério Extraordinário de Segurança Alimentar e Combate à Fome. Secretaria de Programas de Segurança: Ações Integradas de Segurança Alimentar e Nutricional. Brasília, 2003 [acesso em 05 mar 2008]. Disponível em: http://www.ptrj.org.br/docs/docs%20fome%20zero/Doctr abalho_programasfomezero.doc

Burlandy L. Comunidade Solidária: engenharia institucional, focalização e parcerias no combate à fome, à pobreza e à desnutrição [tese]. Rio de Janeiro: Escola Nacional de Saúde Pública (ENSP), Fundação Oswaldo Cruz, 2003.

Dalt S, Gouvêa VHC. A Questão da Segurança Alimentar e Nutricional frente ao Combate à Fome e à Pobreza no Brasil. Campinas, 2006 [acesso em 13 mar 2008]. Disponível em: http://www.abep.nepo.unicamp.br/encontro2006/docspdf/ ABEP2006_666.pdf

Instituto Cidadania. Projeto Fome Zero. Uma Proposta de Política de Segurança Alimentar para o Brasil. Versão 3, São Paulo, 2001 [acesso em 03 mar 2008]. Disponível em: http://www.fomezero.gov.br/download/livro_projeto%20f ome.pdf

São Paulo. Secretaria de Agricultura e Abastecimento. Projeto de Restaurantes Populares Bom Prato. Decreto nº 45.547, de 26 de Dezembro de 2000 [acesso em 08 mar 2008]. Disponível em: http://www.codeagro.sp.gov.br/bom_prato/bom_prato.ph p

Brasil. Portal do Governo Federal. Fome Zero, 2006 [acesso em 01 set 2008]. Disponível em: http://www.fomezero.gov.br

Instituto Polis. Mapeamento e Caracterização de Restaurantes Populares, 2005 [acesso em 13 mar 2008]. Disponível em: http://www.polis.org.br/download/174.pdf

Costa D. Experiência Brasileira em restaurantes populares. Bol Oficina Sanit Panam. 1947;26(5):415-21.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Síntese de Indicadores Sociais 2003. Estudos e Pesquisas. Informação Demográfica e Socioeconômica, número 12. Rio de Janeiro; 2004.

Secretaria de Habitação da Prefeitura Municipal de Campinas e Companhia e Habitação Popular de Campinas – Cohab. Campinas: Relatório técnico; 2003.

Brasil. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome/ASCOM. Pesquisa revela perfil de usuários de restaurantes populares, 2005 [acesso em 08 abr 2008]. Disponível em: http://www.ibope.com.br/opinião_publica/downloads/opp _restaurantes populares_set05.pdf

Philippi ST. Nutrição e Técnica Dietética. 2ª ed. São Paulo: Manole; 2006.

World Health Organization. Global Strategy on Diet, Physical Activity and Health, 2002 [cited 2009 jan 20]. Available: http://www.who.int/dietphysicalactivity/strategy/eb11344/ strategy_english_web.pdf

Maluf RS. Análise dos resultados da pesquisa Mapeamento e caracterização de restaurantes populares - Instituto Polis 2005 [acesso em 13 mar 2008]. Disponível em: http://www.polis.org.br/download/170.pdf

Araújo FALV, Almeida MI, Bastos VC. Aspectos alimentares e nutricionais dos usuários do “restaurante popular Mesa do Povo”. Saude Soc. 2007;16(1):117-133.

Downloads

Como Citar

1.
Gobato RC, Panigassi G, Villalba JP. Identificação do perfil de usuários de um restaurante popular do município de Campinas. Segur. Aliment. Nutr. [Internet]. 9º de fevereiro de 2015 [citado 17º de outubro de 2021];17(2):14-25. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/san/article/view/8634789

Edição

Seção

Artigo de Segurança Alimentar e Nutricional

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)