Consumo de energia e nutrientes e a adesão ao Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE) por escolares de um município paulista

Autores

  • Giovana Eliza Pegolo Universidade Estadual Paulista
  • Marina Vieira da Silva Universidade de São Paulo

DOI:

https://doi.org/10.20396/san.v17i2.8634792

Palavras-chave:

Alimentação escolar. Consumo alimentar. Merenda escolar. Segurança alimentar e nutricional.

Resumo

O objetivo do estudo foi avaliar o consumo de energia e nutrientes e a adesão ao Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE) por escolares com idade entre 7 e 14 anos. Estudo transversal, realizado com 150 crianças e adolescentes, ambos os gêneros, matriculados na rede pública de ensino de Piedade (SP). O consumo alimentar foi obtido por Recordatório 24 horas. Para a análise do consumo de energia e nutrientes foram utilizadas como referência as Dietary Reference Intakes e os valores obtidos foram analisados de acordo com os percentis de consumo. Os dados referentes ao PNAE foram obtidos por meio de entrevista individual contendo questões referentes à alimentação oferecida nas unidades de ensino. Metade da amostra revelou consumo de energia inferior ao valor médio estimado (1890 kcal). A maioria dos escolares exibiu ingestão de fibras, cálcio e vitamina A insuficiente (90%, 90% e 75%, respectivamente). Para as demais vitaminas e minerais, foi observado, para menor proporção de alunos, consumo inferior ao conteúdo preconizado. No que diz respeito ao PNAE, 81,3% informaram consumir as refeições distribuídas na escola. Cerca de metade (52%) registrou frequência de adesão considerada efetiva (de quatro a cinco vezes por semana). Quanto à opinião sobre o PNAE, 66,4% dos alunos entrevistados declararam que não apreciam as preparações e/ou alimentos oferecidos. Tendo em vista a ampla adesão ao PNAE e a expressiva proporção de alunos que revelaram consumo insatisfatório para a maioria das vitaminas e minerais analisados, estudos que envolvam o planejamento das refeições distribuídas nas escolas poderão contribuir para complementar a ingestão de energia e nutrientes necessários para o crescimento e desenvolvimento.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Giovana Eliza Pegolo, Universidade Estadual Paulista

Dra. em Nutrição, Área: Ciências Nutricionais, Faculdade de Ciências Farmacêuticas (FCFAR), Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” (UNESP), Araraquara, SP. Correspondência: Rua 1, 2921, CEP 15704-006, Jales, SP.

Marina Vieira da Silva, Universidade de São Paulo

Profa. Dra. Departamento de Agroindústria, Alimentos e Nutrição, Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz” (ESALQ), Universidade de São Paulo (USP), Piracicaba, SP.

Referências

Velasco J, Mariscal-Arca M, Rivas A, Caballero ML, Hernández-Elizondo J, Olea-Serrano F. Valoración de la dieta de escolares granadinos e influencia de factores sociales. Nutr Hosp. 2009;24(2):193-99.

Pérez-Cueto FJA, Almanza-López MJ, Pérez-Cueto JD, Eulert ME. Estado nutricional y características de la dieta de un grupo de adolescentes de la localidad rural de Calama, Bolívia. Nutr Hosp. 2009;24(1):46-50.

Castro IRR, Cardoso LO, Engstrom EM, Levy RB, Monteiro CA. Vigilância de fatores de risco para doenças não transmissíveis entre adolescentes: a experiência da cidade do Rio de Janeiro, Brasil. Cad Saude Publica. 2008;24(10):2279-88.

Daniels SR. Complications of obesity in children and adolescents. Int J Obes. 2009;33(suppl.1):60-65.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa de Orçamentos Familiares – POF 2008-2009. Antropometria e estado nutricional de crianças, adolescentes e adultos no Brasil. Rio de Janeiro, 2010 [acesso em 08 set 2010]. Disponível em: http://www.ibge.gov.br

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa Nacional da Saúde do Escolar 2009 [acesso em 15 maio 2010]. Disponível em: http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/pe nse/pense.pdf

Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação. Alimentação escolar [acesso em 15 maio 2010]. Disponível em: http://www.fnde.gov.br/index.php/programasalimentacao- escolar

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo 2000 [acesso em 10 jul 2009]. Disponível em: http://www.ibge.gov.br

Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento. Atlas de desenvolvimento humano do Brasil – 2003 [acesso em 02 maio 2005]. Disponível em: http://www.pnud.org.br

Anção MS, Cuppari L, Draibe AS, Sigulem D. Programa de apoio à nutrição – Nutwin [CD-ROM]. São Paulo: Departamento de Informática em Saúde, Unifesp/EPM; 2002.

Institute of Medicine. Dietary Reference Intakes for calcium, phosphorus, magnesium, vitamin D, and fluoride. Washington (DC): National Academy Press, 1997 [acesso em 10 maio 2010]. Disponível em: http://www.nap.edu

Institute of Medicine. Dietary Reference Intakes for thiamin, riboflavin, niacin, vitamin B6, folate, vitamin B12, pantothenic acid, biotin, and choline. Washington (DC): National Academy Press, 1998 [acesso em 10 maio 2010]. Disponível em: http://www.nap.edu

Institute of Medicine. Dietary Reference Intakes for vitamin A, vitamin K, arsenic, boron, chromium, copper, iodine, iron, manganese, molybdenum, nickel, silicon, vanadium, and zinc. Washington (DC): National Academy Press, 2000 [acesso em 10 maio 2010]. Disponível em: http://www.nap.edu

Institute of Medicine. Dietary Reference Intakes for vitamin C, vitamin E, selenium, and carotenoids. Washington (DC): National Academy Press, 2000 [acesso em 10 maio 2010]. Disponível em: http://www.nap.edu

Institute of Medicine. Dietary reference intakes for water, potassium, sodium, chloride, and sulfate. Washington (DC): National Academy Press, 2004 [acesso em 10 maio 2010]. Disponível em: http://www.nap.edu

Institute of Medicine. Dietary reference intakes: energy, carbohydrate, fiber, fat, fatty acids, cholesterol, protein and amino acids. Washington (DC): National Academy Press, 2005 [acesso em 10 maio 2010]. Disponível em: http://www.nap.edu

Lichtenstein AH, Appel LJ, Brands M, Carnethon M, Daniels S, Franch HA, et al. Diet and Lifestyle Recommendations Revision 2006. A Scientific Statement from the American Heart Association Nutrition Committee. Circulation. 2006;114(1):82-96.

Sas Institute Inc. The Statistical Analysis System [computer program]. Version 8. Cary: SAS Institute Inc.; 1998.

Sawaya AL. Desnutrição: conseqüências em longo prazo e efeitos da recuperação nutricional. Est Avanç. 2006;20(58):147-58.

Zimmet P, Alberti G, Kaufman F, Tajima N, Silink M, Arslanian S, et al. The metabolic syndrome in children and adolescents: the IDF consensus. Pediatr Diabetes. 2007;8(5):299-306.

Caroba DCR, Silva MV. Consumo alimentar de adolescentes matriculados na rede pública de ensino de Piracicaba-SP. Seg Alim Nutr. 2005; 12(1):55-66.

Ribeiro ES. Energia e nutrientes na dieta dos escolares: contrastes entre municípios brasileiros [dissertação]. Piracicaba: Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz”, Universidade de São Paulo; 2005.

Maestro V. Padrão alimentar e estado nutricional: caracterização de escolares de município paulista [dissertação]. Piracicaba: Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz”, Universidade de São Paulo; 2002.

Caroba DCR. A escola e o consumo alimentar de adolescentes matriculados na rede pública de ensino [dissertação]. Piracicaba: Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz”, Universidade de São Paulo; 2002.

Garcia GCB, Gambardella AMD, Frutuoso MFP. Estado nutricional e consumo alimentar de adolescentes de um centro de juventude da cidade de São Paulo. Rev Nutr. 2003;16(1):41-50.

Neutzling MB, Araújo CLP, Vieira MFA, Hallal PC, Menezes AMB. Frequência de consumo de dietas ricas em gordura e pobres em fibra entre adolescentes. Rev Saude Publica. 2007;41(3):336-342.

Vitolo MR, Campagnolo PDB, Gama CM. Fatores associados ao risco de consumo insuficiente de fibra alimentar entre adolescentes. J Pediatr. 2007;83(1):47-52.

World Health Organization. Diet, nutrition and the prevention of chronic diseases. Geneva, 2003. 160 p. (Who technical report series, 916).

Santos MA, Rezende EG, Lamounier JA, Galvão MAM, Bonomo E, Leite RC. Hipovitaminose A em escolares da zona rural de Minas Gerais. Rev Nutr. 2005;18(3):331-39.

Sarni RS, Kochi C, Ramalho RA, Schoeps DO, Sato K, Mattoso LCQ. Vitamina A: nível sérico e ingestão dietética em crianças e adolescentes com déficit estatural de causa não hormonal. Rev Assoc Med Bras. 2002;48(1):48-53.

Vitolo MR, Canal Q, Campagnolo PDB, Gama CM. Fatores associados ao risco de ingestão insuficiente de folato entre adolescentes. J Pediatr. 2006;82(2):121-26.

Pereira GAP, Genaro OS, Pinheiro MM, Szejnfeld VL, Martini LA. Cálcio dietético – estratégias para otimizar o consumo. Rev Bras Reumatol. 2009;49(2):164- 180.

Prasad AS. Zinc deficiency in women, infants and children. J Am Coll Nutr. 1996;15(2):113-20.

Sturion GL. Programa de alimentação escolar: avaliação do desempenho em dez municípios brasileiros [tese]. Campinas: Faculdade de Engenharia de Alimentos, Universidade Estadual de Campinas; 2002.

Hoffmann R, Silva MV. Determinantes do consumo da merenda escolar no Brasil. In: XV Congresso Latinoamericano de Nutrición – SLAN, Chile; 2009. p. 561.

Silva MV. O consumo da alimentação escolar no Brasil. In: 10º Congresso Nacional da Sociedade Brasileira de Alimentação e Nutrição – SBAN, São Paulo; 2009. p. 460.

Bleil RAT, Salay E, Silva MV. Adesão ao Programa de Alimentação Escolar por alunos de instituições públicas de ensino no município de Toledo, PR. Seg Alim Nutr. 2009;16(1):65-85.

Panciera AL, Sturion GL, Silva MV. Subsídios para o gerenciamento do programa de alimentação escolar. In: Anais do 6º Simpósio Latino-Americano de Ciência de Alimentos – SLACA; 2005.

Flávio EF, Barcelos MFP, Lima AL. Avaliação química e aceitação da merenda escolar de uma escola estadual de Lavras-MG. Ciênc Agrotec. 2004;28(4):840-47.

Sturion GL, Silva MV, Ometto AMH, Furtuoso MCO, Pipitone MAP. Fatores condicionantes da adesão dos alunos ao programa de alimentação escolar no Brasil. Rev Nutr. 2005;18(2):167-81.

Muniz VM, Carvalho AT. O Programa Nacional de Alimentação Escolar em município do estado da Paraíba: um estudo sob o olhar dos beneficiários do Programa. Rev Nutr. 2007;20(3):285-96.

Brasil. Ministério da Educação. Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação – FNDE. Conselho Deliberativo. Resolução/CD/FNDE nº 38, de 16 de julho 2009. Dispõe sobre o atendimento da alimentação escolar aos alunos da educação básica no Programa Nacional de Alimentação Escolar – PNAE [acesso em 20 ago 2010]. Disponível em: http://www.fnde.gov.br/index.php/programasalimentacao- escolar

Pegolo GE. Condicionantes do estado nutricional de escolares da rede pública de ensino em município com agricultura familiar [dissertação]. Piracicaba: Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz”, Universidade de São Paulo; 2005.

Downloads

Como Citar

1.
Pegolo GE, Silva MV da. Consumo de energia e nutrientes e a adesão ao Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE) por escolares de um município paulista. Segur. Aliment. Nutr. [Internet]. 9º de fevereiro de 2015 [citado 30º de novembro de 2021];17(2):50-62. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/san/article/view/8634792

Edição

Seção

Artigo de Segurança Alimentar e Nutricional

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 3 > >>