Influência da mídia no comportamento alimentar de crianças e adolescentes

  • Neila Camargo de Moura Universidade de São Paulo
Palavras-chave: Marketing. Comportamento alimentar. Adolescente. Criança.

Resumo

No Brasil, alimentos são os produtos mais freqüentemente anunciados, sendo que quase 60% deles pertencem ao grupo representado, na pirâmide alimentar, por gorduras, óleos, açúcares e doces. De um modo geral, crianças e adolescentes não têm maturidade suficiente para controlar suas decisões de compra e acabam dando preferência para a compra e consumo de guloseimas, pobres em substâncias nutritivas, acarretando, com freqüência, a obesidade infantil. O aumento da obesidade infantil pode estar relacionado com a influência negativa do marketing. Estima-se que crianças e adolescentes gastem em média 5-6 horas por dia assistindo televisão aberta e o número de comerciais que estimulam o consumo de alimentos pobres em nutrientes aumentou de 11 para 40 por hora nas últimas duas décadas. Esse artigo tem por objetivo elaborar uma revisão sobre a influência do marketing no comportamento alimentar de crianças e adolescentes e apontar como o tempo excessivo gasto com a televisão pode levar à inatividade física e conseqüente obesidade desse público.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Neila Camargo de Moura, Universidade de São Paulo

Doutoranda - Programa de Pós-Graduação em Energia Nuclear na Agricultura do Centro de Energia Nuclear na Agricultura da Universidade de São Paulo. Rua Ipiranga, 2581, bloco 3 , apt 204 - Cep: 13417-390 - Piracicaba - São Paulo – SP.

Referências

DOERKEN, M. Classroom combat-teaching and television. Educational Television Publications, New Jersey, Englewood Cliffts,1984.

BARCUS, F.E. The nature of television advertising to children. In Palmer, E.L; Dorr, A. (eds) Children and the faces of television : teaching , violence, selling, Nova York, Academic Press, 1980.

DENNISON, B. A. An intervention to reduce television viewing by preschool children. Arch. Pediatr. Adolesc. Med., v.58, p. 170-176, 2004.

McNEAL, J. U. Children as consumers of commercial and social products. Washington, DC: Pan American Health Organization, 2000. 104 p.

VALKENBURG, P. M.; CANTOR, J. The development of a child into a consumer. Appl. Dev. Psychol., v.22, p. 61- 72, 2001.

HAWKES, C. Marketing food to children : the global regulatory environment. Marketing food to children. Geneva, World Health Organization, 2004.

HILL, J.O; PETERS, J.C. Environmental contributions to the obesity epidemic. Science, 1998.

INSTITUTE OF MEDICINE OF THE NATIONAL ACADEMIES (IOM). Committee on Food Marketing and the Diets of Children and Youth. Food Marketing to Children and Youth: Threat or Opportunity?. Whashington, 2006, p.ES 2-13.

HALPERN,G. Comerciais veiculados em programação infanto juvenil de canais abertos de TV e sua relação com a escolha de alimentos em amostra de escolares. Dissertação de mestrado. Universidade Federal de São Paulo, 2003.

LANG,T.; MILLSTONE, E. The atlas of food. Easthscan Books, 2002.

COMITÊ PERMANENTE DE NUTRIÇÃO DO SISTEMA DAS NAÇÕES UNIDAS (SCN). Declaração preliminar do grupo de trabalho sobre Nutrição, Ética e Direitos Humanos e Nutrição ao Longo do Ciclo de Vida. Brasil, 2006.

WARD, S. The effects of television advertising on consumer socialization.In Adler, R.P.; Lesser,G.S.; Meringoff, L.K.; Robertson, T.S.; Rossiter, J.R.; Ward,S. (eds) The effects of television advertising on children- Review and recommendation. Lexington, Mass., D.C. Heath ando Co. Lexington Books, 1980.

GOLDBERG, M.; GORN, G. Some unintended consequences of TV advertising to children. Journal of Consumer Research 5, p.22-29, 1978.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Pesquisa de orçamentos familiares 2002-2003: Primeiros resultados: Brasil e regiões, Rio de Janeiro, 2004.

BORZEKOWSKI, D.L.; ROBINSON, T.N. The 30- second effect: an experiment revealing the impact of television commercials on food preferences of preschoolers. Journal American Diet Association, v.101, n.1, p. 42-6, jan., 2001.

INSTITUTO BRASILEIRO DE OPINIÃO PÚBLICA E ESTATÍSTICA (IBOPE) Investimento publicitário. Disponível em: <http://www.almanaqueibope.com.br>. Acesso em: nov. de 2006.

WOODWARD, D. R. Does television affect teenagers’ food choices? Journal of Human Nutrition and Dietetics, v.10, n. 4, p. 229-235, aug., 1997.

BYRD-BREDBENNER, C.; GRASSO, D. What is television trying to make children swallow? content analysis of the nutrition information in prime-time advertisements. Journal of Nutrition Education, v. 32, n.4, p. 187-195, jul./aug., 2000.

ORTEGA, R. M. Claims and erros in food and nutrition advertisements broadcast by two Spanish television channels. Journal of Human Nutrition and Dietetics, v. 8, p. 353-362, 1995.

SILVA, R.C. R; MALINA, R.M. Level of physical activity in adolescents from Niterói, Rio de Janeiro, Brazil. Caderno Saúde Pública, v.16.n.4, p.1091-1097, 2000.

GOMES, V.B.; SIQUEIRA, K.S.; SCHIERI, R. Physical activity in a probabilistic sample in the city of Rio de Janeiro. Caderno Saúde Pública, v.17,n.4, p.969-976, 2001.

STRASBURGER, V. C. Children, adolescents and the media. Curr. Probl. Pediatr. Adolesc. Health Care, v.34, p.54-113, 2004.

DAMIANI, D.; CARVALHO, D.P.; OLIVEIRA R.G. Obesidade na infância: um grande desafio. Pediatria Moderna, v.36, n.8, p.489-523, ago.2000.

SAITO, I.M. Nutrição. In: COATES,V.; FRANÇOSO, L.A.; BEZNOS, G.W. Medicina do adolescente.São Paulo:Sarvier, p.37-50,1993.

GRAZINI, J.T. Analogia entre comerciais de alimentos e hábito alimentar de adolescentes. São Paulo, 1996. 68 p. Dissertação (Mestrado) – Escola Paulista de Medicina, Universidade federal de São Paulo.

REATO, L.F.N. Mídia x Adolescente. Pediatria Moderna, v.37, p.37-40, maio 2001. Edição especial.

GAMBARDELLA, A.M.D.; FRUTUOSO, M.F.P.; FRANCHI, C. Prática alimentar de adolescente. Revista de Nutrição, v.12, n.1, p.55-63, jan./abr.1999.

INSTITUTO MIDIATIVA. Brasileiro vê TV mais de 5 horas por dia. Disponível em: http://www.midiativa.org.br/index.php/midiativa/con tent/ view/full/2717. Acesso em: 14 mar. 2006.

GORTMAKER, S. L. Reducing obesity via a schoolbased interdisciplinary intervention among youth: planet health. Arch. Pediatr. Adolesc. Med., v.153, p.409-418, 1999.

FORD, B. S. Primary care interventions to reduce television viewing in African-American children. Am. J. Prev. Med., v.22, p. 106-109, 2002.

FIATES, G.M.R.; AMBONI, R.D.M.C. TEIXEIRA, E. Marketing, hábitos alimentares estado nutricional: Aspectos polêmicos quando o tema é o consumidor infantil. Alimentos e Nutrição, v.17, n.1, p.105-112, 2006.

ROSE, G. M.; BOUSH, D.; SHOHAM, A. Family communication and children’s purchasing influence: a cross-national examination. J. Business Res., v.55, p.867- 873, 2002.

GUINARD, J. X. Sensory and consumer testing with children. Trends Food Sci. Technol., v.11, p.273-283, 2001.

BIRCH, L. L.; FISHER, J. O. Development of eating behaviors among children and adolescents. Pediatrics, v.101, p.539-549, 1998. [28] INSTITUTO MIDIATIVA. Brasileiro vê TV mais de 5 horas por dia. Disponível em: http://www.midiativa.org.br/index.php/midiativa/con tent/ view/full/2717. Acesso em: 14 mar. 2006.

OLIVARES, S. C. Publicidad televisiva y preferencias alimentarias en escolares de la Región Metropolitana. Rev. Méd. Chile, v.127, p.791-799, 1999.

COON, K. A.; TUCKER, K. L. Television and children’s consumption patterns. A review of the literature. Minerva Pediatr., v.54, p.423-436, 2002. DAMIANI et al., 2000.

RONQUE, E. R. V. Prevalência de sobrepeso e obesidade em escolares de alto nível socioeconômico em Londrina, Paraná, Brasil. Revista Nutrição, v.18, n.6, p.709- 717, 2005.

Como Citar
Moura, N. C. de. (1). Influência da mídia no comportamento alimentar de crianças e adolescentes. Segurança Alimentar E Nutricional, 17(1), 113-122. https://doi.org/10.20396/san.v17i1.8634805
Seção
Artigo de Segurança Alimentar e Nutricional