Comércio justo e segurança alimentar

Autores

  • Isabel Fernandes Pinto Viegas Universidade Estadual de Campinas

DOI:

https://doi.org/10.20396/san.v17i1.8634807

Palavras-chave:

Comércio justo. Economia solidária. Agricultura e segurança alimentar.

Resumo

O objetivo deste trabalho é relacionar o conceito de Segurança Alimentar em áreas rurais à certificação de Comércio Justo (Fair Trade) e verificar se o Comércio Justo é um dos caminhos para se promover a melhoria das condições de Segurança Alimentar por intermédio da maior inserção de produtores agrícolas marginalizados. A metodologia adotada foi revisão bibliográfica relacionando segurança alimentar, desenvolvimento rural, tendências do comércio internacional com suas consequências e Comércio Justo, tratando possíveis interações e limitações. As tendências recentes têm acentuado as dificuldades das populações agrícolas de países subdesenvolvidos em relação à competitividade, acesso ao mercado e aumentado sua vulnerabilidade com relação ao acesso aos recursos que poderiam garantir-lhes Segurança Alimentar. O Comércio Justo é apresentado como uma alternativa de desenvolvimento agrícola. Os preços mais altos dos seus produtos são fundamentais para garantir a sobrevivência de produtores menos eficientes e competitivos do que os padrões estabelecidos em termos globais. Implica no reconhecimento pelo consumidor de aspectos sociais, ambientais e da qualidade do produto. Ao garantir a inclusão crescente de produtores agrícolas marginalizados, o Comércio Justo poderia ser efetivo em possibilitar maiores rendimentos e um maior acesso econômico à satisfação de suas necessidades básicas, inclusive à Segurança Alimentar.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Isabel Fernandes Pinto Viegas, Universidade Estadual de Campinas

Pesquisadora APTA. Doutoranda do Programa de Desenvolvimento Econômico- Instituto de Economia – UNICAMP, Campinas, SP. Endereço: Rua Francisco
José Machado, 316, CEP: 13420-004. Piracicaba, SP. Tel. 19 81126606.

Referências

. Léon A, Martinez R, Espíndola E, Schejtman A. Pobreza, hambre y seguridad alimentaria en Centroamérica y Panamá. Santiago: CEPAL Serie Politica Sociales 88, mai/04, 114p.

. Buainain AM, Souza Filho HM, Silveira, JMJ. Inovação tecnológica na agricultura e a agricultura familiar. In: Lima DMA, Wilkinson J (Org.). Inovações nas Tradições da Agricultura Familiar. Brasília: CNPq, 2002, p. 47-81.

. Wilkinson J, Lima DMA, Medeiros J. O Desenvolvimento Científico e tecnológico e a Agricultura Familiar. In: Lima DMA, Wilkinson J. (Org.). Inovação nas Tradições da Agricultura familiar. 1 ed. Brasilia: Paralelo 15, 2002, v. 1, p. 23-39

. Wanderley MNB. Prefácio. In: Carneiro MJ, Maluf RS (org.). Para além da produção: multifuncionalidade e agricultura familiar. Rio de Janeiro: MAUAD, p.9-16, 2003.

. Maluf RS, Menezes, F. Caderno ‘Segurança Alimentar’ Disponível em: http://www.forumsocialmundial.org.br/download/tco nferencias_Maluf_Menezes_2000_por.pdf. Acesso em: 20/11/2009.

. Maluf RS. Segurança alimentar e nutricional com valorização da cultura alimentar. In: Miranda DS, Cornelli G. Cultura e alimentação: Saberes alimentares e sabores culturais. São Paulo: SESC, 2007. p143-150.

. FAO. Roma, Itália: Deposito de documentos de la FAO; [updated 2009 Set 1; citado 2008 Dez 15]. Disponível em: http://www.fao.org/DOCREP/MEETING/005/Y71 06s/Y7106S07.htm#P1382_147249

. FAO. Roma, Itália: Food And Agriculture Organization Of The United Nations; [updated 2008 Dez 12; citado 2008 Dez 15]. Disponível em: http://www.fao.org/docrep/003/w3613e/w3613e00.h tmf

. Gordillo de Anda G, Jiménez F. El nuevo eje de la Seguridad Alimentaria. Santiago: RLC-FAO, 2005.

. Mazoyer M, Roudart L. Crise agrária e crise geral. In:__ História das agriculturas do mundo: Do neolítico à crise contemporânea. Cap.11, p. 433-492, 1997.

. Stiglitz JE, Charlton A. Livre mercado para todos. Rio de Janeiro: Elsevier, 2007.

. FairTrade. FairTrade Labelling Organisation; [updated 2009 Set 1; citado 2008 Nov 10]. Disponível em: www.fairtrade.net

. FAO. Agricultural trade and poverty: Can trade work for the poor? Rome: FAO, 211p. 2005.

. UNGlobalCompact. New York, NY, USA: United Nations Global Compact [updated 2009 Set 1; citado 2008 Dez 15]. Disponível em: http://www.unglobalcompact.org/

. Green RH, Santos RR. Economia de red y reestructuracion del setor agroalimentario. Desarollo Econômico, v.32, n.126, p.199-225, jul-set/ 1992.

. Gordillo de Anda G. Elementos para la elaboracion de planes nacionales de seguridad alimentaria en America Latina. In: Belik, W. Politicas de Seguridad Alimentaria y Nutrición en America Latina. São Paulo: Hucitec, 2004.

. Singer P. Economia solidária: um modo de produção e distribuição. In: Singer P e Souza AR. A economia solidária no Brasil: a autogestão como resposta ao desemprego. São Paulo: Contexto, 2003, p. 11-28.

. ICLEI. Fair Trade and Solidarity Economy in Brazil. 2006. [citado 2008 Nov 10]; 36. Disponível em: http://www.buyfair.org/fileadmin/template/projects/ buyfair/files/Fair_Trade_Report_Brazil_Final.pdf

. Brasil. Presidência da República Casa Civil: Grupo de trabalho interministerial do cooperativismo. Proposta para implementação de plano para o desenvolvimento do cooperativismo. Brasília, fev. 2004. 159p.

. Bialakorski Neto S. Agronegócio Cooperativo. In: Batalha, MO (Coord.) Gestão Agroindustrial. São Paulo: Atlas, 2001. 2 ed., v.1, cap.12. p.628-655.

. Singer P. Economia solidária e socialismo. In: Ortega, A.C. e Almeida Fº, N. (orgs.) Desenvolvimento territorial, segurança alimentar e economia solidária. Campinas, Editora Alínea, 2007.

. Vasconcelos TAC. A economia solidária na construção social do desenvolvimento territorial. In: Ortega, A.C. e Almeida Fº, N. (orgs.) Desenvolvimento territorial, segurança alimentar e economia solidária. Campinas, Editora Alínea, 2007.

. Pérez JT, Rico PN, Arechaga AL. Para entender el comercio justo. Espanica, no.1, set-dez, p.5-23. 1999.

. Machado MD, Paulillo LF, Lambert A. Comércio Justo internacional: A inserção da citricultura brasileira. In: Paulillo, L.F. (Coord.) Agroindústria e Citricultura no Brasil. Rio de Janeiro: E-papers, 2006. Cap. 10 p. 427- 462.

. IFAT. Culemborg, Holanda: World Fair Trade Organisation; [updated 2009 Set 1; citado 2006 Nov 16] Disponível em http://www.wfto.com/

. FINE. Bruxelas, Belgica. Fair trade definition and principles: as agreed by FINE in December 2001. [updated 2009 Set 1; citado 2006 Nov 16] Disponível em: http://www.fairtradeadvocacy. org/documents/FAIRTRADEDEFINITIO Nnewlayout2.pdf

. Fairtrade Labelling Organisation. Generic Fairtrade Standards for Small Farmers´ Organisations. Dez. 2005.

. Van Hauwermwiren S. El comercio justo como alternativa para avanzar hacia la sustentabilidad. Ecologia Política, p.183-190. 1995.

. Sen A. Desenvolvimento como liberdade. São Paulo: Companhia da Letras, 2000. 409p.

. Sen A. Sobre ética e economia. São Paulo: Companhia da Letras, 1999. 144p.

. Saes MSM. Estratégias de diferenciação e apropriação da quase-renda na agricultura. São Paulo: Annablume, 2009. 197 p.

. Hudson I, Hudson M. Removing the Veil? Commodity Fetishism, Fair Trade, and the Environment. Organization Environment 2003; http://oae.sagepub.com/cgi/content/abstract/16/4/4 13 Acesso em: 03/10/2008.

Downloads

Como Citar

1.
Viegas IFP. Comércio justo e segurança alimentar. Segur. Aliment. Nutr. [Internet]. 9º de fevereiro de 2015 [citado 28º de outubro de 2021];17(1):133-4. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/san/article/view/8634807

Edição

Seção

Artigo de Segurança Alimentar e Nutricional