Articulação intersetorial como estratégia de gestão na Política de Segurança Alimentar e Nutricional no Brasil: análise do Programa Cozinha Comunitária

Autores

  • Narjara Incalado Garajau Centro Universitário UNA.
  • Maria Lúcia Miranda Afonso Centro Universitário UNA.

DOI:

https://doi.org/10.20396/san.v23i0.8635603

Palavras-chave:

Insegurança Alimentar. Gestão Social. Intersetorialidade. Política Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional. Programa Cozinha Comunitária.

Resumo

Insegurança alimentar, fome e falta de acesso à alimentação adequada são fenômenos complexos que vão além da escassez de alimentos. Seu enfrentamento requer a articulação entre as diferentes políticas públicas e setores sociais, adotando uma nova abordagem de gestão dos programas sociais de segurança alimentar. Pretende-se discutir a intersetorialidade como uma estratégia de gestão no contexto da Política Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional, que visa assegurar o Direito Humano à Alimentação Adequada por meio de programas como o Programa Cozinha Comunitária. Uma pesquisa quanti-qualitativa foi realizada no município de Contagem (MG), incluindo a aplicação de formulários a 128 beneficiários e a realização de entrevistas qualitativas semiestruturadas com gestores e técnicos. Os resultados quantitativos apontaram que os beneficiários tinham renda média abaixo de um salário mínimo, com predominância da inserção feminina e tempo médio de vinculação ao programa de 12 meses. A análise das entrevistas mostrou que a intersetorialidade apresenta-se como uma perspectiva inovadora na gestão do Programa Cozinha Comunitária, viabilizando uma nova relação entre os beneficiários e os gestores, visando à garantia do direito humano à segurança alimentar.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Narjara Incalado Garajau, Centro Universitário UNA.

Graduada em Serviço Social pela PUC Minas Gerais (2004), Especialista em Gestão Pública pela FACISA (2006), Mestre em Gestão Social, Educação e Desenvolvimento Local, pelo Centro Universitário UNA. Professora do curso de graduação em Serviço Social do Centro Universitário UNA-BH. Assistente Social preceptora de estágio do Centro Universitário UNA-BH.

Maria Lúcia Miranda Afonso, Centro Universitário UNA.

Graduada em Psicologia pela UFMG (1976), Mestrado em Educação pela UFMG ( 1981), Doutorado em Educação e Pós Doutorado pela UFSJ (2009). Atualmente é professora do Mestrado em Gestão social, Educação e Desenvolvimento Local (Mestrado Profissional e interdisciplinar) e coordenadora da Especialização em Intervenção Psicossocial no Contexto das Políticas Públicas, no Centro Universitário UNA .

Referências

Vasconcelos G de, Assis F de. Avaliação nutricional de coletividades. 4.ed. Florianópolis: Editora UFSC; 2008.

Burity V, Franceschini T, Valente F, Recine E, Leão M, Carvalho MF. Direito humano à alimentação adequada no contexto da segurança alimentar e nutricional. Brasília (DF): ABRANDH; 2010.

Abramovay R. O que é fome. São Paulo: Brasiliense; 1991.

Organização das Nações Unidas – ONU. Declaração Universal dos Direitos Humanos (1948) [internet]. 2009 [acesso em 12 jul 2016]. Disponível em http://www.dudh.org.br

Buarque SC. Construindo o desenvolvimento local sustentável. 4.ed. Rio de Janeiro: Garamond; 2001.

Brasil. Construção do Sistema e da Política Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional: a experiência brasileira. Brasília; 2009

Brasil. Constituição (1988). Ementa constitucional no 64, de 04 de fevereiro de 2010. Altera o art. 6o da Constituição Federal, para introduzir a alimentação como direito social. 2010.

Junqueira LAP. Descentralização, intersetorialidade e rede como estratégias de gestão da cidade. Revista FEA-PUC-SP. 1999;1:57-72.

Inojosa RM. Sinergia em políticas e serviços públicos: desenvolvimento social com intersetorialidade. Cadernos Fundap. 2001;22:102-110.

Silveira C. Desenvolvimento local e novos arranjos socioinstitucionais: algumas referências para a questão da governança. In: Dowbor L, Pochmann M. Políticas para o Desenvolvimento Local. São Paulo: Perseu Abramo; 2010. p.41-65.

Maia M. Gestão Social: reconhecendo e construindo referências. Textos & Contextos. 2005;4:1-18.

Garajau NI. Articulação intersetorial: uma estratégia de gestão social para o pograma cozinha comunitária [dissertação]. Belo Horizonte: UNA; 2013.

Brasil. Ministério de Desenvolvimento Social e Combate à Fome. Revista de SAN – Trajetória e Relatos da Construção de uma Política Nacional. Brasília (DF); 2008.

Downloads

Publicado

2016-12-21

Como Citar

1.
Garajau NI, Afonso MLM. Articulação intersetorial como estratégia de gestão na Política de Segurança Alimentar e Nutricional no Brasil: análise do Programa Cozinha Comunitária. Segur. Aliment. Nutr. [Internet]. 21º de dezembro de 2016 [citado 19º de abril de 2021];23:1065-79. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/san/article/view/8635603

Edição

Seção

Artigo Número Especial