Potencialidades da compra institucional na promoção de sistemas agroalimentares locais e sustentáveis: o caso de um restaurante universitário

Autores

  • Suellen Secchi Martinelli Universidade Federal de Santa Catarina
  • Panmela Soares Universidad de Alicante
  • Rafaela Karen Fabri Universidade Federal de Santa Catarina
  • Graziella Regina Alba Campanella Universidade Federal de Santa Catarina
  • Oscar José Rover Universidade Federal de Santa Catarina
  • Suzi Barletto Cavalli Universidade Federal de Santa Catarina

DOI:

https://doi.org/10.20396/san.v22i1.8641574

Palavras-chave:

Agricultura familiar. Compra local. Unidade de alimentação e nutrição. Programa de aquisição de alimentos.

Resumo

O objetivo foi analisar a potencialidade da compra institucional de alimentos para a promoção de sistemas sustentáveis e localizados de produção. Analisou-se a demanda de alimentos de um Restaurante Universitário do Sul do Brasil a partir da quantidade e da variedade dos alimentos presentes em listas de compras. Os alimentos foram categorizados em grupos e de acordo com a forma de produção e grau de processamento. Os dados evidenciam grande potencial de compra do restaurante, correspondendo a aproximadamente 77 toneladas mensais. Verificou-se uma grande demanda por alimentos com algum grau de processamento, como higienização e cortes em 100% das hortaliças e 22% das frutas, o que pode limitar o acesso dos agricultores familiares num primeiro momento, mas representar um ganho potencial àqueles que se organizarem. A aquisição de alimentos orgânicos ainda é restrita (5% do total), porém evidencia interesse e esforço crescente para adquiri-los. Os resultados demonstram o potencial do restaurante para a promoção de sistemas sustentáveis e localizados de produção, principalmente diante do interesse da compra de alimentos orgânicos e da grande demanda de alimentos, com e sem processamento. A modalidade “Compra Institucional” do Programa de Aquisição de Alimentos pode auxiliar nesse processo, beneficiando agricultores e consumidores do restaurante.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Suellen Secchi Martinelli, Universidade Federal de Santa Catarina

Universidade Federal de Santa Catarina, Programa de Pós-Graduação em Nutrição. Bolsista de Doutorado da FAPESC – Fundação de Amparo à Pesquisa e Inovação do Estado de Santa Catarina.

Panmela Soares, Universidad de Alicante

Universidad de Alicante, Facultad de Ciencias de La Salud, Departamento de Enfermeria Comunitária, Medicina Preventiva y Salud Pública e História de la Ciencia. Bolsista de Doutorado da Fundação CAPES, Ministério da Educação Brasil, Brasília – DF.

Rafaela Karen Fabri, Universidade Federal de Santa Catarina

Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Ciências da Saúde, Departamento de Nutrição.

Graziella Regina Alba Campanella, Universidade Federal de Santa Catarina

Universidade Federal de Santa Catarina, Restaurante Universitário da UFSC.

Oscar José Rover, Universidade Federal de Santa Catarina

Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Ciências Agrárias, Departamento de Zootecnia e Desenvolvimento Rural, Programa de Pós-Graduação em Agroecossistemas.
6 Universidade

Suzi Barletto Cavalli, Universidade Federal de Santa Catarina

Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Ciências da Saúde, Departamento de Nutrição, Programa de Pós-Graduação em Nutrição.

Referências

Food and Agriculture Organization – FAO. International Year of Family Farming, 2014. Rome: 66th session; 2011.

Brasil, Ministério da Educação e Ministério do Desenvolvimento Agrário. O encontro da agricultura familiar com a alimentação escolar. Brasília (DF); 2009.

Food and Agriculture Organization – FAO, Banco Interamericano de desenvolvimento – BID. Políticas para la agricultura familiar en América Latina y el Caribe. Santiago: Oficina Regional de la FAO para América Latina y el Caribe; 2007.

Lowder SK, Skoet J, Singh S. What do we really know about the number and distribution of farms and family farms in the world? Background paper for The State of Food and Agriculture. ESA Working Paper. Rome: FAO; 2014.

Brasil. Lei no 11.947, de 16 de junho de 2009. Dispõe sobre o atendimento da alimentação escolar e do Programa Dinheiro Direto na Escola aos alunos da educação básica; altera as Leis no 10.880, de 9 de junho de 2004, 11.273, de 6 de fevereiro de 2006, 11.507, de 20 de julho de 2007; revoga dispositivos da Medida Provisória no 2.178-36, de 24 de agosto de 2001, e a Lei no 8.913, de 12 de julho de 1994; e dá outras providências. Diário Oficial da União. 17 set 2009.

Brasil. Decreto no 7.775, de 4 de julho de 2012. Regulamenta o Art. 19 da Lei no 10.696, de 2 de julho de 2003, que institui o Programa de Aquisição de Alimentos, e o Capítulo III da Lei no 12.512, de 14 de outubro de 2011, e dá outras providências. Diário Oficial da União. 05 jul 2012.

Brasil. Resolução no 50, de 26 de setembro de 2012. Dispõe sobre a sistemática de funcionamento da modalidade de execução Compra Institucional, no âmbito do Programa de Aquisição de Alimentos da Agricultura Familiar – PAA. Diário Oficial da União. 27 set 2012.

Brasil. Decreto no 8.473, de 22 de junho de 2015. Estabelece, no âmbito da Administração Pública Federal, o percentual mínimo destinado à aquisição de gêneros alimentícios de agricultores familiares e suas organizações, empreendedores familiares rurais e demais beneficiários da Lei no 11.326, de 24 de julho de 2006, e dá outras providências. Diário Oficial da União. 2015. 23 jun 2015.

Brasil. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. Compra Institucional amplia oportunidades para agricultura familiar 2015 [internet]. [acesso em 20 fev 2015]. Disponível em: http://www.mds.gov.br/saladeimprensa/noticias/2015/janeiro/compra-institucional-amplia-oportunidades-para-agricultura-familiar

Sabourin E. Acesso aos mercados para a agricultura familiar: uma leitura pela reciprocidade e a economia solidária. Rev Econ NE. 2014;45 Spec No:21-35.

Sabourin E, Samper M, Le Coq JF, Massardier G, Sotomayor O. El surgimiento de políticas públicas para la agricultura familiar en América Latina: trayectorias, tendencias y perspectivas. Cad Ciên Tecnol. 2014;31(2):189-226.

Guanziroli CE. Agricultura familiar e reforma agrária no século XXI. Rio de Janeiro: Editora Garamond; 2001.

Belik W, Domene SMA. Experiências de programas combinados de alimentação escolar e desenvolvimento local em São Paulo – Brasil. Agroalimentaria. 2012;18(34):57-72.

Fornazier A, Belik W. Produção e consumo local de alimentos: novas abordagens e perspectivas para políticas púbicas. Segurança Alimentar e Nutricional. 2013;20(2):204-218.

Soares P. Análise do programa de aquisição de alimentos na alimentação escolar em um município de Santa Catarina [dissertação]. Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina; 2011.

Cavalli SB, Melgarejo L, Sousa AA, Lopes SJ, Soares P, Martinelli SS, et al. Estratégias de Gestão da Qualidade dos Vegetais e Frutas Fornecidos pelo Programa de Aquisição de Alimentos (PAA) para a Alimentação Escolar. Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina, MCT, CNPq, MDS; 2012 (Contract no 563662/2010-7).

Izumi BT, Alaimo K, Hamm MW. Farm-to-School Programs: Perspectives of School Food Service Professionals. JNEB. 2010;42(2):83-91.

Chaim N, Belik W. São Bernardo do Campo: Atuação Pioneira em favor da Agricultura Familiar. In: Corá MAJ, Belik W (editores). Projeto Nutre SP: análise da inclusão da agricultura familiar na alimentação escolar no estado de São Paulo. São Paulo: Instituto Via Pública; 2012. p. 144.

Taylor JC, Johnson RK. Farm to School as a strategy to increase children's fruit and vegetable consumption in the United States: Research and recommendations. Nutrition Bulletin. 2013;38(1):70-79.

Zimmermann SA, Ferreira AP. El programa de adquisición de alimentos de la agricultura familiar em Mirandiba – PE. In: Scotto G (editor). Aun hay tiempo para el sol: pobrezas rurales y programas sociales Pobrezas rurales y programas sociales Brasil – Venezuela – Guatemala – Una mirada desde lo local. Rio de Janeiro: Actionaid; 2008. p. 28-64.

Vieira DFA, Del-Grossi ME. Influência do programa de aquisição de alimentos na comercialização dos produtos da agricultura familiar: o caso do município de Paracatu em Minas Gerais. Sociedade e Desenvolvimento Rural. 2010;4(2):28.

Becker C, Sacco dos Anjos F. Segurança alimentar e desenvolvimento rural: limites e possibilidades do Programa de Aquisição de Alimentos da agricultura familiar, em municípios do sul gaúcho. Segurança Alimentar e Nutricional. 2010;17(12):61-72.

FAO, IFAD, WFP. The State of Food Insecurity in the World 2014. Strengthening the enabling environment for food security and nutrition. Rome: Food and Agriculture Organization of the United Nations; 2014.

Brasil. Dados cadastrais das Instituições de Ensino Superior no Brasil: Portal Brasileiro de Dados Abertos [internet]; 2011 [acesso em 05 mar 2015]. Disponível em: http://dados.gov.br/dataset/instituicoes-de-ensino-superior/resource/20bf16da-6a37-4e3a-9e6a-cfe335641d4d.

Soares P, Martinelli SS, Melgarejo L, Cavalli SB. Fornecimento de alimentos da agricultura familiar para a alimentação escolar: o exemplo do Programa de Aquisição de Alimentos. Segurança Alimentar e Nutricional. 2013;20(1):41-51.

Marques AA, Fernandes MGM, Leite IN, Viana RT, Gonçalves MCR, de Carvalho AT. Reflections by family farmers on the dynamics of providing their products for school food: the case of Araripe, Ceará, Brazil. Saúde Soc. 2014;23(4):1316-1328.

Proença RPC. Qualidade nutricional e sensorial na produção de refeições. Florianópolis: UFSC; 2005.

Soares P, Martinelli SS, Melgarejo L, Davó-Blanes MC, Cavalli SB. Potencialidades e dificuldades para o abastecimento da alimentação escolar mediante a aquisição de alimentos da agricultura familiar em um município brasileiro. Ciênc. Saúde Coletiva. 2015;20(6):1891-1900.

Borjes LC, Cavalli SB, da Costa Proença RP. Proposal of vegetable classification considering nutritional and sensory characteristics and preparation techniques. Rev Nutr. 2010;23(4):645-654.

Martinelli SS, Soares S, Fabri RK, Veiros MB, Cavalli SB. Qualidade da alimentação escolar: método para avaliação da Aquisição de Gêneros Alimentícios (AGA). Alimentação Escolar. 2015. No prelo.

Delgado GC, Conceição JCP, Oliveira JJ. Avaliação do programa de aquisição de alimentos da agricultura familiar (PAA). Brasília: Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão, IPEA – Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada; 2005.

Müller A, Fialho M, Schneider S. A inovação institucional e a atuação dos atores locais na implementação do Programa de Aquisição de Alimentos no Rio Grande do Sul. Sociedade e Desenvolvimento Rural. 2007;1(1):1-21.

Turpin ME. A alimentação escolar como fator de desenvolvimento local por meio do apoio aos agricultores familiares. Segurança Alimentar e Nutricional. 2009;16(Supl 2):20-42.

Gomes CAO, Alvarenga ALB, Junior MF, Cenci SA, de Alimentos EA. Hortaliças minimamente processadas: Embrapa Informação Tecnológica. Rio de Janeiro: Embrapa Agroindústria de Alimentos; 2005.

Proença RPC. Inovações Tecnológicas na Produção de Alimentação Coletiva. Florianópolis: Insular; 2000.

Prezotto LL. Uma concepção de agroindústria rural de pequeno porte. Revista de Ciências Humanas. 2002 (31):133-153.

Hanashiro MM, Belik W, Leite BC, Bambini MD, Vian CEdF, editors. Relações de coordenação na cadeia produtiva dos produtos minimamente processados. 46th Congress; 2008 July 20-23; Rio Branco, Acre, Brasil: Sociedade Brasileira de Economia, Administracao e Sociologia Rural (SOBER).

Pereira EL, Rodrigues A, Ramalhosa E. Influence of working conditions and practices on fresh-cut lettuce salads quality. Food Control. 2013;33(2):406-412.

Triches RM, Schneider S. Alimentação escolar e agricultura familiar: reconectando o consumo à produção. Saúde Soc. 2010;19(4):933-945.

Oliveira D, Gazolla M, Schneider S. Produzindo novidades na agricultura familiar: agregação de valor e agroecologia para o desenvolvimento rural. Cad Ciên Tecnol. 2011;28(1):17-49.

Federação das Indústrias do Estado de São Paulo – FIESP, Instituto de Tecnologia de Alimentos – ITAL. Brasil Food Trends. São Paulo; 2010.

Vieira PF, Cazella AA, Cerdan C, Carrière J-P. Desenvolvimento territorial sustentável no Brasil: subsídios para uma política de fomento. Florianópolis: APED; 2010.

Wilkinson J. A pequena produção e sua relação com os sistemas de distribuição. Porto Alegre: EdUFRGS; 2008.

Baldwin C, Wilberforce N, Kapur A. Restaurant and food service life cycle assessment and development of a sustainability standard. Int J Life Cycle Assess. 2011;01;16(1):40-49.

Wang YF, Chen SP, Lee YC, Tsai CT. Developing green management standards for restaurants: An application of green supply chain management. Int J Hospitality Management. 2013;34(1):263-273.

Sharma A, Moon J, Strohbehn C. Restaurant's decision to purchase local foods: Influence of value chain activities. Int J Hospitality Management. 2014;39:130-143.

Sustainable Food Policy. A Guide to Developing a Sustainable Food Purchasing Policy; 2007.

Brasil. Decreto no 7.794, de 20 de agosto de 2012. Institui a Política Nacional de Agroecologia e Produção Orgânica. Diário Oficial da União. 21 ago 2012.

Brasil. Lei no 11.346, de 15 de setembro de 2006. Cria o Sistema Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional – SISAN – com vistas em assegurar o direito humano à alimentação adequada e dá outras providências. Diário Oficial da União; 18 set 2006.

Biological Farmers of Australia Group. Annual Report. Biological Farmers of Australia Limited; 2011.

Schneider MK, Lüscher G, Jeanneret P, Arndorfer M, Ammari Y, Bailey D, et al. Gains to species diversity in organically farmed fields are not propagated at the farm level. Nature Communications. 2014;5.

Baranski M, Srednicka-Tober D, Volakakis N, Seal C, Sanderson R, Stewart GB, et al. Higher antioxidant and lower cadmium concentrations and lower incidence of pesticide residues in organically grown crops: a systematic literature review and meta-analyses. Br J Nutr. 2014;112(5):794-811.

Ponisio LC, M’Gonigle LK, Mace KC, Palomino J, Valpine PD, Kremen C. Diversification practices reduce organic to conventional yield gap. Proceedings of the Royal Society B: Biological Sciences. 2015;282(1799).

Lima EE, Sousa AA. Alimentos orgânicos na produção de refeições escolares: limites e possibilidades em uma escola pública em Florianópolis. Rev Nutr. 2011;24(2):263-273.

Silva APF, Sousa AA. Alimentos orgânicos da agricultura familiar no Programa Nacional de alimentação Escolar do Estado de Santa Catarina, Brasil. Rev Nutr. 2013;26(6):701-714.

Harmon AH, Gerald BL. Position of the American Dietetic Association: food and nutrition professionals can implement practices to conserve natural resources and support ecological sustainability. J Am Diet Assoc. 2007;107(6):1033-1043.

Veiros M, Proença RPdC. Princípios da sustentabilidade na produção de refeições. Revista Nutrição em Pauta. 2010:45-49.

Gabriel CG, Calvo MCM, Vasconcelos FAG, Lacerda JT, Freitas SFT, Schmitz BAS. Evaluation of municipal management of the Brazilian National School Nutrition Program in the largest cities of Santa Catarina State, Brazil. Cad Saúde Pública. 2014;30(9):2017-2023.

Oosterveer P, Guivant J, Spaargaren G. Alimentos verdes em supermercados globalizados: uma agenda teórico-metodológica. In: Guivant J, Spaargaren G, Rial C. (organizadores). Novas práticas alimentares no mercado global. Florianópolis: UFSC; 2010. p. 15-57.

Villar BS, Schwartzman F, Januario BL, Ramos JF. Situação dos municípios do estado de São Paulo com relação à compra direta de produtos da agricultura familiar para o Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE). Rev Bras Epidemiol. 2013;16(1):223-226.

Saraiva EB, Silva APF, Sousa AA, Cerqueira GF, Chagas CMS, Toral N. Panorama da compra de alimentos da agricultura familiar para o Programa Nacional de Alimentação Escolar. Ciênc Saúde Coletiva. 2013;18(4):927-935.

Downloads

Publicado

2015-11-04

Como Citar

1.
Martinelli SS, Soares P, Fabri RK, Campanella GRA, Rover OJ, Cavalli SB. Potencialidades da compra institucional na promoção de sistemas agroalimentares locais e sustentáveis: o caso de um restaurante universitário. Segur. Aliment. Nutr. [Internet]. 4º de novembro de 2015 [citado 7º de dezembro de 2021];22(1):558-73. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/san/article/view/8641574

Edição

Seção

Artigo de Segurança Alimentar e Nutricional