Resíduos de agrotóxicos no leite humano e seus impactos na saúde materno-infantil: resultados de estudos brasileiros

  • Vanessa Fracaro Menck Universidade Estadual de Campinas
  • Kathleen Grace Cossella Universidade Estadual de Campinas
  • Julicristie Machado de Oliveira Universidade Estadual de Campinas
Palavras-chave: Agrotóxicos. Leite humano. Amamentação. Neonatos. Defeitos congênitos.

Resumo

Os resíduos de alguns agrotóxicos podem ser detectados muitos anos após a exposição devido a sua alta estabilidade e característica lipossolúvel. O leite humano é um bom indicador da exposição ambiental e materna em decorrência da sua representativa fração lipídica e consequente presença de diversos xenobióticos. O objetivo deste artigo foi sistematizar os estudos brasileiros que avaliaram os resíduos de agrotóxicos no leite humano, que estimaram a exposição de gestantes e lactantes aos agrotóxicos e sua relação com desenvolvimento de defeitos congênitos. Os estudos foram identificados utilizando-se as seguintes palavras-chave (e seus equivalentes em inglês): “agrotóxicos”, “pesticidas”, “leite materno”, “leite humano”, “gestante”, “recém nascido” e “Brasil”. Foram selecionados 21 estudos, e em todos foi detectada a presença de ao menos um resíduo de agrotóxico no leite humano. Mulheres que tiveram maior número de gestações e que amamentaram por período mais longo apresentaram menores quantidades de resíduos. Exposição ocupacional e dieta rica em alimentos de origem animal, assim como a menor renda e escolaridade dos pais, estão possivelmente associadas a maiores concentrações de resíduos. A exposição durante a gestação mostra-se mais nociva ao desenvolvimento fetal.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Vanessa Fracaro Menck, Universidade Estadual de Campinas
Graduada em Nutrição pela Faculdade de Ciências Aplicadas – FCA, Universidade Estadual de Campinas – UNICAMP.
Kathleen Grace Cossella, Universidade Estadual de Campinas
Graduada em Nutrição pela Faculdade de Ciências Aplicadas – FCA, Universidade Estadual de Campinas – UNICAMP.
Julicristie Machado de Oliveira, Universidade Estadual de Campinas
Professora Doutora. Faculdade de Ciências Aplicadas – FCA, Universidade Estadual de Campinas – UNICAMP.

Referências

Landim R. Brasil já é o terceiro maior exportador agrícola do mundo. Jornal O Estado de São Paulo [internet]. 06 mar 2010 [Acesso em 8 jun 2013]. Disponível em: http://www.estadao.com.br

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento – MAPA. Assessoria de Gestão Estratégica. ‘Projeções do agronegócio de 2009/10 a 2019/2020. Brasília (DF); 2010.

Sindicato Nacional das Indústrias de Defensivos Agrícolas (SINDAG). Dados de produção e consumo de agrotóxicos. Sindag News [internet]; 2013 [acesso em10 jun 2013]. Disponível em: http://sindag.org.br

Associação Brasileira de Saúde Coletiva. Dossiê: Agrotóxicos, Segurança Alimentar e Saúde. 2012;1(1):15-16.

Moreira P, Simões P, Dores V, Strussmann M. Contaminação de águas superficiais e de chuva por agrotóxicos em uma região de Mato Grosso. Ciênc Saúde Coletiva. 2012;17(6):1557-1568.

Palma DCA. Agrotóxicos em leite humano de mães residentes em Lucas do Rio Verde – MT [dissertação]. Cuiabá: Faculdade de Saúde Coletiva da Universidade Federal de Mato Grosso; 2011.

Meyer A, Sarcinelli PN, Moreira JC. Estarão alguns grupos populacionais brasileiros sujeitos à ação de disruptores endócrinos? Cad Saúde Pública. 1999;15(4):845-850.

Brasil, Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância Sanitária, Departamento Técnico-Normativo, Divisão de Meio Ambiente e Ecologia Humana, Organização Pan-Americana de Saúde. Manual de Vigilância da Saúde de Populações Expostas a Agrotóxicos. Brasília (DF); 1997.

FAO/WHO. Evaluation of certain veterinary drugresidues in food. Thirty-fourth report of the Joint FAO/WHO Expert Committee on Food Additives. Geneva: World Health Organization; 1989. (WHO Technical Report Series; 788).

D'Amato C, Torres JPM, Malm O. DDT (diclorodifeniltricloroetano): toxicidade e contaminação ambiental – uma revisão. Quím Nova. 2002;25(6a):995-1002.

Monteiro C, Levy RB, Claro RM, Castro RR, Cannon G. Increasing consumption of ultra-processed foods and likely impact on human health: evidence from Brazil. Public Health Nutr. 2011;14(1):5-13.

Dewey KG, Heinig MJ, Nommsen LA. Maternal weight loss patterns during prolonged lactation. Am J Clin Nutr. 1993;58:162-166.

Sant´ana L, Vassilieff I, Lieselotte, J. Levels of organochlorineinsecticides in milk of mothers from urban and rural areas of Botucatu, SP, Brazil. B. Environ Contam Tox. 1989;42(6):911-918.

Matuo Y, Lopes JN, Matuo T. Organochlorine pesticide residues in man milk in the Ribeirão Preto region, state of São Paulo, Brazil. Arch. Environ Contam Tox. 1992;22(2):167-175.

Bereta M, Dick T. Organochlorine compounds in human milk, Porto Alegre, Brazil. B. Environ Contam Tox. 1994;53(3):357-360.

Dorea J, Granja A, Romero M. Pregnancy-related changes in fatmass and total DDT in breastmilk and maternal adipose tissue. Ann Nutr Metab. 1997:41(4):250-254.

Oliveira M, Dores E. Níveis de praguicidas organoclorados no leite materno de uma população em Cuiabá – Mato Grosso. Rev Ecotoxicol Meio Ambiente. 1998;8:77-90.

Mello JL. Avaliação da contaminação por HCH e DDT, dos leites de vaca e humano, provenientes da Cidade dos Meninos, Duque de Caxias – RJ [dissertação]. Rio de Janeiro: Escola Nacional de Saúde Pública/Fiocruz; 1998.

Mesquita S. Avaliação da contaminação do leite materno por pesticidas organoclorados persistentes em mulheres doadoras do Banco de Leite do Instituto Fernandes Figueira, RJ [dissertação] Rio de Janeiro: Faculdade de Saúde Pública da Escola Nacional de Saúde Pública Sérgio Arouca; 2001.

FAO/WHO. Codex Alimentarius. Pesticide Residues in food – maximum residue limits. 2a. ed. Geneva: World Health Organization; 2006.

Corcellas C, Feo ML, Torres JP, Malm O, Ocampo-Duque W, Eljarrat E, et al. Pyrethroids in human breast milk: occurrence and nursing daily intake estimation. Environ Int. 2012;15(47):17-22.

Azeredo A, Torres JPM, Fonseca MF, Britto JL, Bastos WR, Azevedo e Silva CE, et al. DDT and its metabolites in breast milk from the Madeira River basin in theAmazon, Brazil. Chemosphere. 2008;73(Supl 1):S246–S251.

Gaspari L, Sampaio DR, Paris F, Audran F, Orsini M, Neto JB, Sultan C. High prevalence of micropenis in 2.710 male new borns from an intensive use pesticide area of North eastern Brazil. Int J Androl. 2012;35(3):253–264.

Gonçalves e Silva SR, Martins JL, Seixas S, Gomes da Silva DC, Lemos, SPP, Lemos, PVB. Defeitos congênitos e exposição a agrotóxicos no Vale do São Francisco. Rev Bras Ginecol Obstet. 2010;33(1):20-26.

Siqueira MT, Braga C, Cabral-Filho JE, Augusto LG, Figueiroa JN, Souza AI. Correlation between pesticide use in agriculture and adverse birth outcomes in Brazil: anecological study. B Environ Contam Toxicol. 2010;84(6):647-651.

Cremonese C, Freire C, Meyer A, Koifman A. Exposição a agrotóxicos e eventos adversos na gravidez no Sul do Brasil, 1996-2000. Cad Saúde Pública. 2012;28(7):1263-1272.

Ferreira J. Exposição pré-concepcional, gestacional e durante a lactação a pesticidas domésticos e outros contaminantes ambientais e leucemias em lactentes [dissertação]. Rio de Janeiro: Faculdade de Saúde Pública da Escola Nacional de Saúde Pública Sérgio Arouca; 2010.

Rudge C. Níveis de substâncias tóxicas persistentes (PTS) em sangue de parturientes de sete áreas selecionadas do Estado de São Paulo – Brasil [dissertação]. Botucatu: Faculdade de Medicina da Universidade Júlio de Mesquita Filho; 2010.

Silva G. Níveis de Agrotóxicos Organoclorados e Perfil Alimentar na Cidade dos Meninos Duque de Caxias, RJ, Brasil, entre 2003 e 2004 [dissertação]. Rio de Janeiro: Faculdade de Ciências da Saúde Pública e Meio Ambiente da Escola Nacional de Saúde Pública Sérgio Arouca; 2009.

Gibson G, Koifman S. Consumo de agrotóxicos e distribuição temporal da proporção de nascimentos masculinos no Estado do Paraná, Brasil. Rev Panam Salud Publica. 2008;24(4):240–247.

Freire F. Avaliação dos possíveis efeitos sobre o desfecho da gravidez em uma população de mulheres expostas cronicamente a agrotóxicos, na região do Vale de São Lourenço, Nova Friburgo, RJ [dissertação]. Rio de Janeiro: Faculdade de Saúde Pública da Escola Nacional de Saúde Pública Sérgio Arouca; 2005.

Sarcinelli PN. Estudo dos níveis de pesticidas organoclorados persistentes em mulheres grávidas e lactantes no Rio de Janeiro [tese]. Rio de Janeiro: Faculdade de Biologia Celular e Molecular da Fundação Oswaldo Cruz; 2001.

Sant´ana L, Vassilieff I, Lieselotte, J. Levels of organochlorine insecticides in milk of mothers from urban and rural areas of Botucatu, SP, Brazil. B Environ Contam Toxicol. 1989;42(6):911-918.

Brasil. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Portaria no 10/85 – SNVS – MS, de 8 de março de 1985. Atribui à DINAL a elaboração da relação de substâncias com ação tóxica sobre animais ou plantas, cujo registro pode ser autorizado no Brasil, em atividades agropecuárias e em produtos domissanitários. Aprova as monografias técnicas e as classificações toxicológicas das formulações mistas. Atualizada até 30.06.96. Diário Oficial da União. 14 mar 1985.

Oliveira RM. Estudo da contaminação do solo e pasto causada por hexaclorociclohexano (HCH) na Cidade dos Meninos em Duque de Caxias, RJ [dissertação]. Rio de Janeiro: Escola Nacional de Saúde Pública; 1994.

Braga AMCB. Contaminação ambiental por hexaclorociclohexano: estudo da exposição de escolares na Cidade dos Meninos, Duque de Caxias, Rio de Janeiro [dissertação]. Rio de Janeiro: Escola Nacional de Saúde Pública; 1996.

Mannetje A, Coakley J, Bridgen P, Brooks C, Harrad S, Smith AH, et al. Current concentrations, temporal trends and determinants of persistent organic pollutants in breastmilk of New Zealandwomen. Sci Total Environ. 2013;458-460:399-407.

Lu D, Wang D, Ni R, Lin Y, Feng C, Xu Q, et al. Organochlorine pesticides and their metabolites in human breast milk from Shanghai, China. Environ Sci Pollut Res Int. 2015;22(12).

Song S, Ma X, Tong L, Tian Q, Huang Y, Yin S, Sun H. Residue levels of hexa chlorocyclohexane and dichlorodiphenyltrichloroethane in human milk collected from Beijing. Environ Monit Assess. 2013;185(9):7225-7229.

Lee S, Kim S, Lee HK, Lee IS, Park J, Kim HJ, et al. Contamination of polychlorinated biphenyls and organochlorine pesticides in breast milk in Korea: time-course variation, influencing factors, and exposure assessment. Chemosphere. 2013;93(8):1578-1585.

Brasil, Ministério da Saúde, Secretaria de Política de Saúde, Organização Pan Americana da Saúde. Guia alimentar para crianças menores de dois anos. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2002.

Publicado
2015-11-04
Como Citar
Menck, V. F., Cossella, K. G., & Oliveira, J. M. de. (2015). Resíduos de agrotóxicos no leite humano e seus impactos na saúde materno-infantil: resultados de estudos brasileiros. Segurança Alimentar E Nutricional, 22(1), 608-617. https://doi.org/10.20396/san.v22i1.8641594
Seção
Artigo de Segurança Alimentar e Nutricional

Artigos mais lidos pelo mesmo (s) autor (es)