Alimentos industrializados: abordagem da indústria, consumidores e governo

Autores

  • Mariana Scudeller Vicentini Universidade de São Paulo

DOI:

https://doi.org/10.20396/san.v22i1.8641609

Palavras-chave:

Indústria de alimentos. Obesidade. Marketing. Políticas governamentais.

Resumo

Nos últimos anos têm sido intensas as mudanças no comportamento dos consumidores de diversos países, especialmente no tocante ao aumento do consumo de alimentos industrializados e entre esses, os que são conhecidos como ultraprocessados. Este fato está de acordo com o crescimento deste tipo de indústria, que também promove medidas que podem influenciar a compra de tais produtos, como marketing e desenvolvimento de embalagens/produtos que geram praticidade ao consumidor. Porém, esse acréscimo na ingestão de ultraprocessados, juntamente com outros fatores, tem sido reconhecido por alguns autores como responsável pelo incremento nos índices de sobrepeso e obesidade, o que pode acarretar prejuízos à saúde do consumidor. Ademais, este aumento tem ocorrido em todas as faixas etárias da população brasileira, sendo mais grave entre os adolescentes. Além dessa variável, outros determinantes, como renda, classe social e local da habitação também podem influenciar nestes índices. Neste sentido, o governo brasileiro tem buscado medidas para minimizar o impacto dos alimentos industrializados na saúde da população, assim como o crescimento nas taxas de obesidade. Contudo, apesar das medidas já tomadas, ainda há muitos desafios, notadamente, à maior fiscalização em relação à legislação destes produtos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mariana Scudeller Vicentini, Universidade de São Paulo

Mestre em Ciências. Programa de Pós Graduação em Ciência e Tecnologia de Alimentos, Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz” – ESALQ/USP.

Referências

Sistema Conselhos Federal e Regionais de Nutricionistas. O papel do Nutricionista na Atenção Primária à Saúde. Brasília (DF); 2008.

Monteiro CA, Cannon G. The impact of Transnational “Big Food” Companies on the South: a view form Brazil. PLoS Medicine. 2012;9(7):1-5.

Stuckler D, Mckee M, Ebrahim S, Basu S. Manufacturing Epidemics: the role of global in increased consumption of unhealthy commodities including processed foods, alcohol, and tobacco. PLoS Med. 2012;9(6):1-8.

ABIA – Associação Brasileira das Indústrias de Alimentação. O setor em números [internet] [acesso em 28 jun 2015]. Disponível em: http://www.abia.org.br

Sarantópoulos CIGL, Rego RA. Brasil Pack Trends 2020. Campinas: ITAL; 2012.

Geraldo APG. Avaliação de estratégias de comunicação e da memória visual na embalagem de alimentos processados dirigidos ao público infantil [dissertação]. São Paulo: Universidade de São Paulo; 2010.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE. Pesquisa de Orçamentos Familiares (POF) 2008-2009: análise doconsumo alimentar pessoal no Brasil. Rio de Janeiro; 2011.

Enes CC, Slater B. Obesidade na adolescência e seus principais fatores determinantes. Rev Bras Epidemiol. 2010;13(1):163-171.

Ministério da Saúde. Quase metade da população brasileira está acima do peso [internet] [acesso em 03 abr 2013]. Disponível em: http://portalsaude.saude.gov.br

Wanderley EM, Ferreira VA. Obesidade: uma perspectiva plural. Ciênc Saúde Coletiva. 2010;15(1):185-194.

Monteiro CA, Levy RB, Claro RM, Castro IRR, Cannon G. Increasing consumption of ultra-processed foods and likely impact on human health: evidence from Brazil. Public Health Nutr. 2010;14(1):5-13.

Carneiro M. Alimentação fora de casa cresce 15% em dez anos. Folha de São Paulo [internet]. 22 set 2012 [acesso em 10 jun 2013]. Disponível em: http://www1.folha.uol. com.br/mercado/1157644-alimentacao-fora-de-casa-cresce-15-ao-ano-em-uma-decada.shtml

Monteiro CA. Invited commentary: nutrition and health. The issue is not food, nor nutrients, so much as processing. Public Health Nutr. 2009;12(5):729-731.

Filho MB, Melo MNT. Alimentos e brinquedos. Cad Saúde Pública. 2013;29(1):10-12.

Rodrigues VA, Fiates GMR. Hábitos alimentares e comportamento de consumo infantil: influência da renda familiar e do hábito de assistir à televisão. Rev Nutr. 2012;25(3):353-362.

Maciel E. O gostoso e o saudável: uma análise da utilização de apelos de saúde na rotulagem de alimentos e sua convergência com o conteúdo nutricional [dissertação]. São Paulo: Universidade de São Paulo; 2012.

Barros RR. Consumo de alimentos industrializados e fatores associados em adultos e idosos residentes no Município de São Paulo [dissertação]. São Paulo: Universidade de São Paulo; 2008.

Mendis S, Alwan A. A prioritized research agenda for prevention and control of non communicable diseases. Geneva: World Health Organization; 2011.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE. Pesquisa de Orçamentos Familiares (POF) 2008-2009: Antropometria e Estado Nutricional de Crianças, Adolescentes e Adultos no Brasil. Rio de Janeiro; 2011.

Levy RB, Castro IRR, Cardoso LO, Tavares LF, Sardinha LMV, Gomes FS, et al. Consumo e comportamento alimentar entre adolescentes brasileiros: Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar (PeNSE), 2009. Ciênc Saúde Coletiva. 2010;15(2):3085-3097.

Toral N, Conti MA, Slater B. A alimentação saudável na ótica dos adolescentes: percepções e barreiras à sua implementação e características esperadas em materiais educativos. Cad Saúde Pública. 2009;25(11):2386-2394.

Toral N, Slater B, Cintra IP, Fisberg M. Comportamento alimentar de adolescentes em relação ao consumo de frutas e verduras. Rev Nutr. 2006;19(3):331-340.

Caldeira KMS. Excesso de peso e sua relação com a duração do aleitamento materno em pré-escolares de um município de Minas Gerais, MG [dissertação]. São Paulo: Universidade de São Paulo; 2013.

Leite FHM, Oliveira MA, Cremm EC, Abreu DSC, Maron LR, Martins PA. Availability of processed foods in the perimeter of public schools in urban areas. J Pediatr. 2012;88(4):328-334.

Leal D. Crescimento da alimentação fora do domicílio. Segurança Alimentar e Nutricional. 2010;17(1):123-132.

Cohen DA, Farley TA. Eating as an automatic behavior. Preventing Chronic Disease: Public Health Research, Practice, and Policy. 2008;5(1):1-7.

Ministério da Saúde. Doenças ligadas à obesidade custam R$ 488 milhões [internet] [acesso em 13 jun 2013]. Disponível em: http://portalsaude.saude.gov.br

Brasil, Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica. Curso técnico de formação para os funcionários da educação: alimentação saudável e sustentável. Brasília (DF); 2007.

Brasil, Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. Dez passos para uma alimentação saudável para crianças menores de dois anos: um guia para o profissional da saúde na atenção básica. Brasília (DF); 2010.

Brasil, Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Coordenação-Geral de Política de Alimentação e Nutrição. Guia Alimentar para a População Brasileira: promovendo a alimentação saudável. Brasília (DF); 2006.

Brasil, Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. Política Nacional de Alimentação e Nutrição. Brasília (DF); 2011.

Ministério da Saúde. Ministério da Saúde lança software de controle de peso [internet] [acesso em 13 jun 2013]. Disponível em: http://portalsaude.saude.gov.br

Smith ACL. Rotulagem de alimentos: avaliação da conformidade frente à legislação e propostas para a sua melhoria [dissertação]. São Paulo: Universidade de São Paulo; 2010.

Brasil, Ministério da Saúde, Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Você sabe o que está comendo? Manual de orientação aos consumidores. Educação para o consumo saudável. Brasília (DF); 2005.

Downloads

Publicado

2015-11-04

Como Citar

1.
Vicentini MS. Alimentos industrializados: abordagem da indústria, consumidores e governo. Segur. Aliment. Nutr. [Internet]. 4º de novembro de 2015 [citado 29º de janeiro de 2022];22(1):671-82. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/san/article/view/8641609

Edição

Seção

Artigo de Segurança Alimentar e Nutricional