Condições higiênico-sanitárias de Unidades de Alimentação e Nutrição Hospitalares da Região Oeste de Santa Catarina

Autores

  • Maiara Tecchio Pederssetti Universidade Região de Chapecó – UNOCHAPECÓ
  • Tiffany Prokopp Hautrive Universidade Federal de Santa Catarina

DOI:

https://doi.org/10.20396/san.v23i1.8644531

Palavras-chave:

Serviços de alimentação. Vigilância sanitária. Higiene. Segurança alimentar.

Resumo

As Unidades de Alimentação e Nutrição Hospitalares (UANs) devem oferecer uma alimentação adequada, balanceada e segura. A alimentação desta clientela integra tratamento clínico e deve contribuir para a recuperação dos pacientes. O objetivo deste trabalho foi avaliar as condições higiênico-sanitárias de quatro UANs hospitalares da região oeste do estado de Santa Catarina (SC). Utilizou-se uma lista de verificação baseada nas resoluções RDC 216/04 e RDC 275/02 da vigilância sanitária avaliando 11 itens em relação às Boas Práticas de Fabricação (BPF) e aos Procedimentos Operacionais Padronizados (POPs). Os resultados obtidos mostraram algumas irregularidades nas UANs, principalmente naquelas que que não mantinham nutricionista no local. Apesar das irregularidades apresentadas, nenhuma UAN foi classificada no Grupo 3, considerado o de pior qualidade higiênico sanitária. As UANs A e B foram classificadas no Grupo 2 – Regular, e as UANs C e D foram classificadas no Grupo 1 – Bom. Apesar das quatro UANs apresentarem um bom percentual de adequação e nenhuma encontrarse na classificação Ruim, as UANs que se encaixaram no Grupo 2 merecem uma atenção especial quanto à qualidade higiênico sanitária, pois não possuem um profissional responsável no local aumentando o risco de contaminação alimentar durante o preparo de dietas hospitalares.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Akutsu RC, Botelho RA, Camargo EB, Sávio KLO, Araújo WC. Adequação das boas práticas de fabricação em serviços de alimentação. Rev. Nutr. 2005;18(3):419-27.

Ministério da Saúde (BR). Estudo de caso Brasil: a integração das ações de alimentação e nutrição nos planos de desenvolvimento nacional para o alcance das metas do milênio no contexto do direito humano a alimentação adequada. Brasília: Ministério da Saúde; 2005.

Organização Mundial de Saúde. Foodborne disease [internet]. Genebra; 2010 [acesso em 03 jun 2010]. Disponível em: hhtp: www.who.int

Genta TMS, Mauricio AA, Matioli G. Avaliação das boas práticas através de “check-list” aplicado em restaurantes selfservice da região central de Maringá, estado do Paraná. Acta Sci Health Sci. 2005;27(2):151-156.

Alves MG, Ueno M. Restaurantes self-service: segurança e qualidade sanitária dos alimentos servidos. Rev. Nutr. 2010;23(4):573-80.

Schneider AP. Fornecimento de hortifrutigranjeiros para unidades de alimentação e nutrição hospitalares. Ciênc. Tecnol. Aliment. 2006;26(2):253-58.

Martinelli C. Avaliação microbiológica de produtos cárneos distribuídos aos pacientes em um hospital particular de Volta Redonda – RJ [dissertação]. Rio de Janeiro: Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro; 2007.

Souza AA; Proença RPC. Tecnologias de gestão dos cuidados nutricionais: recomendações para qualificação do atendimento nas unidades de alimentação e nutrição hospitalares. Rev. Nutr. 2004,17(4):425-436.

Sousa CL, Neves, ECA, Lourenço LFH, Costa EB, Monteiro RRC. Diagnóstico das condições higiênico-sanitárias e microbiológicas de empresas fornecedoras de comidas congeladas light na cidade de Belém/PA. Alim. Nutr. 2009;20(3):375-81.

Badaró AC, Azeredo RM, Almeida ME. Vigilância Sanitária de Alimentos: uma revisão. Revista Digital de Nutrição: Nutrir Gerais. 2007,1(1):1-25.

Ministério da Saúde (BR). RDC no 275, de 21 de outubro de 2002. Dispõe sobre o regulamento técnico de procedimentos operacionais padronizados aplicados aos estabelecimentos produtores/industrializadores de alimentos. Diário Oficial da União. 06 nov 2002; Seção 1:126.

Farias JKR, Pereira MMS, Figueiredo EL. Avaliação de boas práticas e contagem microbiológica das refeições de uma unidade de alimentação hospitalar, do município de São Miguel do Guamá – Pará. Alim. Nutr. 2011;22(1):113-19.

Silva RF, Silva SF. Avaliação das condições higiênico-sanitárias

e implantação de boas práticas de fabricação em cozinhas hospitalares da cidade de Castanhal – Pará. Belém: Universidade do Estado do Pará; 2005. Trabalho de Conclusão de Curso.

Guedes T. Avaliação das condições higiênico sanitárias das cozinhas hospitalares de Asa Sul do Distrito Federal. Brasília: Universidade de Brasília; 2009. Trabalho de Conclusão de Curso.

Valejo FAM, Andrés CR, Mantovan FB, Rister GP, Santos GD, Andrade FF. Vigilância sanitária: avaliação e controle de qualidade dos alimentos. Rev. Hig. Alim. 2003;17(106):16-21.

Silva Júnior EA. Manual de controle higiênico-sanitário em serviços de alimentação. 6. ed. São Paulo: Varela, 2007.

Cruz AG, Cenci AS, Maia MCA. Pré- requisitos para implementação do sistema APPCC em uma linha de alface minimamente processada. Ciênc. Tecnol. Aliment. 2006;26(1):104-09.

Ministério da Saúde (BR). RDC no 216, de 15 de setembro de 2004. Dispõe sobre o regulamento técnico de Boas Práticas para serviços de alimentação. Diário Oficial da União. 16 set 2004.

Oliveira MN, Brasil ALD, Taddei JAAC. Avaliação das condições higiênico-sanitárias das cozinhas de creches públicas e filantrópicas. Ciência & Saúde Coletiva. 2008;13(3):1051-1060.

Ribeiro KL, Schmidt V. Caracterização de manipuladores de alimentos em escolas municipais de Viamão, RS. Rev. Hig. Alim. 2007,21(157):58-64.

Barros APN, Costa TF, Pereira SCL, Brito MJM, Monteiro MAM, Abreu MNS. Perfil sociodemográfico, de conhecimentos administrativos, em legislação sanitária de gerentes e segurança alimentar em unidades produtoras de refeições comerciais. Nutrire. 2011;36(2):61-76.

Saccol ALF, Rubim BA, Mesquita MO, Welter L. Importância de treinamentos de manipuladores em Boas Praticas. Disc. Scientia. Série: Ciências da Saúde. 2006;7(1): 91-99.

Souza LHL A manipulação inadequada dos alimentos: fator de contaminação. Rev. Hig. Alim. 2006;20(146):32-39.

Cardoso RCV, Souza EVA, Santos PQ. Unidades de alimentação e nutrição nos campi da Universidade Federal da Bahia: um estudo sob a perspectiva do alimento seguro. Rev. Nutr. 2005;18(5):669-680.

Silva Neto M. Diagnóstico situacional da utilização das ferramentas de segurança na produção de alimentos das cozinhas das Unidades de Alimentação e Nutrição dos Hospitais de Brasília – DF [dissertação]. Brasília: Universidade de Brasília; 2006.

Luchese RH, Borges JTS, Maia LH, Freitas AS. Análises de perigos e pontos críticos de controle na preparação da carne bovina assada em unidades de alimentação e nutrição. Rev. Hig. Alim. 2004;17(108):36-41.

Downloads

Publicado

2016-10-18

Como Citar

1.
Pederssetti MT, Hautrive TP. Condições higiênico-sanitárias de Unidades de Alimentação e Nutrição Hospitalares da Região Oeste de Santa Catarina. Segur. Aliment. Nutr. [Internet]. 18º de outubro de 2016 [citado 26º de novembro de 2021];23(1):849-58. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/san/article/view/8644531

Edição

Seção

Artigo de Segurança Alimentar e Nutricional