Ação educativa com idosos institucionalizados

Autores

  • Denise Andreo Serviço Social do Comércio (Sesc)
  • Gabriela Nobile Bublitz Universidade Paulista
  • Jéssica Andrade de Alencar Universidade Paulista

DOI:

https://doi.org/10.20396/san.v23i1.8645953

Palavras-chave:

Alimentação. Instituição de longa permanência para idosos. Idosos. Programa social. Transtornos alimentares.

Resumo

A deficiência nutricional em idosos vem aumentando juntamente com os transtornos alimentares e pode levar o indivíduo a diversos quadros, como: desnutrição, obesidade, hipertensão, diabetes, doenças cardiovasculares e a perda de apetite, que tem sido relacionada à ausência de elementos dentários, e que leva à diminuição do consumo de carnes e hortifrútis. Considerando ainda as demências, notadamente a Doença de Alzheimer, este quadro tornase ainda mais agravante. Este estudo objetivou incentivar o consumo de hortifrútis em idosos institucionalizados, para que estes possam ter uma dieta balanceada, de acordo com as necessidades nutricionais nesta fase do ciclo da vida. O presente trabalho foi realizado em uma Instituição de Longa Permanência (ILP) para idosos, no interior de São Paulo, pela equipe do Programa Mesa Brasil Sesc Rio Preto. Para incentivar a mudança no hábito alimentar, optou-se por dinâmicas que favoreçam a coordenação motora e a memorização, com o objetivo de evidenciar a importância dos hortifrútis para a saúde. O objetivo foi alcançado, pois o grupamento entendeu a importância de ingerir hortifrútis e como montar um prato saudável e completo nutricionalmente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Denise Andreo, Serviço Social do Comércio (Sesc)

Nutricionista, Mestre em Engenharia e Ciência de Alimentos e Coordenadora do Programa Mesa Brasil Sesc Rio Preto.

Gabriela Nobile Bublitz, Universidade Paulista

Alunas do Curso de Graduação em Nutrição, na Universidade Paulista, Campus JK.

Jéssica Andrade de Alencar, Universidade Paulista

Alunas do Curso de Graduação em Nutrição, na Universidade Paulista, Campus JK.

Referências

Sperotto FM, Spinelli RB. Avaliação nutricional em idosos independentes de uma instituição de longa permanência no município de Erechim, RS. Perspectiva. 2010;34:105-116.

Abdala AFV. Nutrição no Envelhecer. São Paulo: Atheneu; 2012.

Segalla R, Spinelli RB. Avaliação nutricional e aplicação de atividades de educação nutricional para idosos institucionalizados em um município do alto Uruguai, RS. Cataventos. 2012;4:97-118.

Segalla R, Spinelli RB. Avaliação e educação nutricional para idosos institucionalizados no município de Erechim, RS. Vivências. 2013;9:77-88.

Ministério da Saúde (BR), Secretaria Nacional de Programas Especiais de Saúde. Portaria no 810, de 22 de setembro de 1989. Aprova normas e os padrões para o funcionamento de casas de repouso, clínicas geriátricas e outras instituições destinadas ao atendimento de idosos, a serem observados em todo o território nacional. Diário Oficial União. 1989.

Toral N, Gubert MB, Schmitz BAS. Perfil da alimentação oferecida em instituições geriátricas do Distrito Federal. Rev. Nutr. 2006;19:29-37.

Campos MTFS, Monteiro JBR, Ornelas APRC. Fatores que afetam o consumo alimentar e a nutrição do idoso. Rev. Nutr. 2000;13:157-165.

Castro CP, Alves CMC, Lopes FF. Fatores sistêmicos associados à doença periodontal em Idosos. RBCEH. 2010;7:289-295.

Carlsson GE. Masticatory efficiency: the effect of age, the loss of teeth and prosthetic rehabilitation. Int Dent J. 1984;34:93-97.

Shuman JM. Nutrição no envelhecimento. In: Mahan LK, Stump SE. Alimentos, nutrição e dietoterapia. São Paulo: Roca; 1998. p.293-312.

Lemos ND, Gazzola JM, Ramos LR. Cuidando do paciente com Alzheimer: o impacto da doença no cuidador. Saúde Social. 2006;15:170-179.

Ballone GJ. Doença de Alzheimer [internet]; 2011 [acesso em 01 mar 2015]. Disponível em: http://www.psiqweb.med.br [13] Sesc – Serviço Social do Comércio. Mesa São Paulo: ação contra a fome e o desperdício, pela qualidade de vida. São Paulo; 2000.

Garcia ANM, Romani S, Lira PIC. Indicadores antropométricos na avaliação nutricional de idosos: um estudo comparativo. Rev. Nutr. 2007;20:371-378.

Silva MV. Oficina da saúde: Grupos de educação nutricional com idosos portadores de doenças crônicas não transmissíveis na Unidade de Saúde Parque Orlanda. In: IV Mostra Acadêmica UNIMEP [internet]; 2006; Piracicaba. Piracicaba: UNIMEP; 2006 [acesso em 15 jan 2014]. Disponível: http://www.unimep.br/phpg/mostraacademica

Sesc – Serviço Social do Comércio. Mesa Brasil Sesc São Paulo: 10 anos. 2 ed. São Paulo; 2006.

Brasil. Lei no 11.346, de 15 de setembro de 2006. Cria o Sistema Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional – SISAN com vistas em assegurar o direito humano à alimentação adequada e dá outras providências. Diário Oficial da União. 18 set 2006.

Downloads

Publicado

2016-10-18

Como Citar

1.
Andreo D, Bublitz GN, Alencar JA de. Ação educativa com idosos institucionalizados. Segur. Aliment. Nutr. [Internet]. 18º de outubro de 2016 [citado 20º de outubro de 2021];23(1):868-73. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/san/article/view/8645953

Edição

Seção

Artigo de Segurança Alimentar e Nutricional