Banner Portal
Temperaturas de armazenamento e distribuição dos alimentos
PDF

Palavras-chave

Alimentação institucional. Controle de qualidade. Segurança alimentar.

Como Citar

WIETHÖLTER, Máguida Josiani; FASSINA, Patricia. Temperaturas de armazenamento e distribuição dos alimentos. Segurança Alimentar e Nutricional, Campinas, SP, v. 24, n. 1, p. 17–25, 2017. DOI: 10.20396/san.v24i1.8646468. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/san/article/view/8646468. Acesso em: 14 abr. 2024.

Resumo

Objetivou-se avaliar a temperatura dos equipamentos e das preparações de uma Unidade de Alimentação e Nutrição conforme a Portaria CVS 5/2013. Estudo transversal realizado entre agosto e setembro de 2015. Foram aferidas temperaturas das câmaras de congelamento, descongelamento, resfriamento e hortifrútis, 2 pass throughs quente e 1 frio, geladeiras de salada e sobremesa, 3 balcões térmicos de distribuição a quente e a frio, sendo as temperaturas das preparações aferidas nos referidos balcões em dois momentos: inicial, nas cubas, e final, após a exposição dos alimentos. Foram calculadas estatísticas descritivas com o pacote estatístico SPSS 18.0. Observou-se adequacidade nas câmaras de descongelamento (1,6°C±0,7), congelamento (-13,6°C±3,0) e resfriamento (1,8°C±0,9), pass through quente 1 (78,7°C±1,7) e 2 (79,8°C±1,7), pass through frio (3,9°C±0,8), geladeiras de sobremesa (2,6°C±0,7) e saladas (4,0°C±0,9) e balcões frios 1, 2 e 3 (4,5±2,2, 5,1±1,1 e 5,5±1,7, respectivamente). A câmara de hortifrútis (8,4°C±0,9) apresentou temperaturas acima. Os balcões quente 1 (74,4°C±4,4), 2 (74,8°C±7,0) e 3 (73,0°C±9,6) apresentaram temperaturas abaixo daquelas preconizadas pela legislação. As preparações dos três balcões apresentaram adequacidade de temperaturas, exceto as saladas 1 e 2, que estavam acima da média (21,8±5,8 e 19,6±2,5, respectivamente). Foram encontradas inconformidades da temperatura de alguns equipamentos e das saladas na distribuição.

https://doi.org/10.20396/san.v24i1.8646468
PDF

Referências

Penedo AO, Jesus RB de, Silva S das CF, Monteiro MAM, Ribeiro R de C. Avaliação das temperaturas dos alimentos durante o preparo e distribuição em restaurantes comerciais de Belo Horizonte-MG. Demetra. 2015;10(2):429-440.

Melo JC de, Cruz NTS, Beserra ML dos S. Segurança alimentar nos restaurantes de Teresina – PI. Revista Interdisciplinar. 2014 abr./mai./jun.; 7(2):60-69.

Ri DD, Figueira V, Souza RP de; Basso C, Medina VB. Temperatura dos equipamentos e dos alimentos durante a distribuição em um restaurante de Santa Maria. Disc. Scientia. Série: Ciências da Saúde, Santa Maria. 2011; 12(1):139-145.

Monteiro MAM, Ribeiro R de C, Fernandes BDA, Sousa JF de R, Santos LM. Controle das temperaturas de armazenamento e de distribuição de alimentos em restaurantes comerciais de uma instituição pública de ensino. Demetra. 2014; 9(1):99-106.

Brasil. Ministério da Saúde. Vigilância epidemiológica das doenças transmitidas por alimentos – VE-DTA [acesso em 04 mar. 2015]. Disponível em: http://www.anrbrasil.org.br/new/pdfs/2014/3_PAINEL_1_ApresentacaoRejaneAlvesVigilanciaEpidemiologica-VE-DTA-Agosto_2014_PDF.pdf.

Bozatski LC, Moura PN de, Novello D. Análise do binômio tempo x temperatura na distribuição de alimentos em unidades de alimentação e nutrição comerciais do município de Guarapuava, Paraná. Unicentro. 2011.

Ricardo FO, Morais MP de, Martins AC, Carvalho S. Controle de tempo e temperatura na produção de refeições de restaurantes comerciais na cidade de Goiânia-GO. Demetra. 2012; 7(2):85-96.

Santos VFN dos, Bassi S de M. Avaliação da temperatura dos equipamentos e alimentos servidos em Unidades de Alimentação e Nutrição na cidade de São Paulo. Linkania Revista Científica. 2015; 5(1):110-125.

Rennó F de F, Weber ML, Gonçalves ÉS. Análise do nível de segurança das refeições produzidas em complexo hoteleiro de grande porte na região centro-oeste do Brasil. J Health Sci Inst. 2013; 31(3):296-300.

São Paulo. Portaria CVS 5, de 09 de abril de 2013. Aprova o regulamento técnico sobre boas práticas para estabelecimentos comerciais de alimentos e para serviços de alimentação, e o roteiro de inspeção, anexo. Diário Oficial [do Estado]. São Paulo, SP, 19 de abr. 2013 [acesso em 13 jan. 2016]. Disponível em: http://www.cvs.saude.sp.gov.br/up/PORTARIA%20CVS-5_090413.pdf.

São José JFB, Coelho AIM, Ferreira KR. Avaliação das boas práticas em unidade de alimentação e nutrição no município de Contagem-MG. Alim. Nutr. 2011 jul./set.; 22(3):479-487.

Alves, MG, Ueno M. Restaurantes self-service: segurança e qualidade sanitária dos alimentos servidos. Rev. Nutr. 2010 ago.; 23(4):573-580.

Rocha B, Batista L da S, Borges BMA, Paiva AC. Avaliação das condições higiênico-sanitárias e da temperatura das refeições servidas em restaurantes comerciais do tipo self-service. Perquirĕre: Revista do Núcleo Interdisciplinar de Pesquisa e Extensão do UNIPAM. 2010 ago; 7(1):30-40.

Dalpubel V, Busch L, Giovanoni A. Relação entre alimento seguro e a temperatura de preparações quentes do buffet de uma unidade de alimentação e nutrição no Vale do Taquari, RS. Revista Destaques Acadêmicos. 2012; 4(3).

Almeida, KM de et al. Hygienic, sanitary, physical, and functional conditions of Brazilian public school food services. Rev. Nutr. 2014 jun.; 27(3):343-356.

Conzatti S, Adami FS, Fassina P. Monitoramento do tempo e temperatura de refeições transportadas de uma unidade de alimentação e nutrição. Revista UNINGÁ Review. 2015 out./dez.; 24(1):07-12.

A revista Segurança Alimentar e Nutricional utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.