Temperaturas de armazenamento e distribuição dos alimentos

Autores

  • Máguida Josiani Wiethölter Centro Universitário Univates
  • Patricia Fassina Centro Universitário Univates

DOI:

https://doi.org/10.20396/san.v24i1.8646468

Palavras-chave:

Alimentação institucional. Controle de qualidade. Segurança alimentar.

Resumo

Objetivou-se avaliar a temperatura dos equipamentos e das preparações de uma Unidade de Alimentação e Nutrição conforme a Portaria CVS 5/2013. Estudo transversal realizado entre agosto e setembro de 2015. Foram aferidas temperaturas das câmaras de congelamento, descongelamento, resfriamento e hortifrútis, 2 pass throughs quente e 1 frio, geladeiras de salada e sobremesa, 3 balcões térmicos de distribuição a quente e a frio, sendo as temperaturas das preparações aferidas nos referidos balcões em dois momentos: inicial, nas cubas, e final, após a exposição dos alimentos. Foram calculadas estatísticas descritivas com o pacote estatístico SPSS 18.0. Observou-se adequacidade nas câmaras de descongelamento (1,6°C±0,7), congelamento (-13,6°C±3,0) e resfriamento (1,8°C±0,9), pass through quente 1 (78,7°C±1,7) e 2 (79,8°C±1,7), pass through frio (3,9°C±0,8), geladeiras de sobremesa (2,6°C±0,7) e saladas (4,0°C±0,9) e balcões frios 1, 2 e 3 (4,5±2,2, 5,1±1,1 e 5,5±1,7, respectivamente). A câmara de hortifrútis (8,4°C±0,9) apresentou temperaturas acima. Os balcões quente 1 (74,4°C±4,4), 2 (74,8°C±7,0) e 3 (73,0°C±9,6) apresentaram temperaturas abaixo daquelas preconizadas pela legislação. As preparações dos três balcões apresentaram adequacidade de temperaturas, exceto as saladas 1 e 2, que estavam acima da média (21,8±5,8 e 19,6±2,5, respectivamente). Foram encontradas inconformidades da temperatura de alguns equipamentos e das saladas na distribuição.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Máguida Josiani Wiethölter, Centro Universitário Univates

Acâdemica do Curso de Nutrição, Univates.

Patricia Fassina, Centro Universitário Univates

Docente do Curso de Nutrição, Univates.

Referências

Penedo AO, Jesus RB de, Silva S das CF, Monteiro MAM, Ribeiro R de C. Avaliação das temperaturas dos alimentos durante o preparo e distribuição em restaurantes comerciais de Belo Horizonte-MG. Demetra. 2015;10(2):429-440.

Melo JC de, Cruz NTS, Beserra ML dos S. Segurança alimentar nos restaurantes de Teresina – PI. Revista Interdisciplinar. 2014 abr./mai./jun.; 7(2):60-69.

Ri DD, Figueira V, Souza RP de; Basso C, Medina VB. Temperatura dos equipamentos e dos alimentos durante a distribuição em um restaurante de Santa Maria. Disc. Scientia. Série: Ciências da Saúde, Santa Maria. 2011; 12(1):139-145.

Monteiro MAM, Ribeiro R de C, Fernandes BDA, Sousa JF de R, Santos LM. Controle das temperaturas de armazenamento e de distribuição de alimentos em restaurantes comerciais de uma instituição pública de ensino. Demetra. 2014; 9(1):99-106.

Brasil. Ministério da Saúde. Vigilância epidemiológica das doenças transmitidas por alimentos – VE-DTA [acesso em 04 mar. 2015]. Disponível em: http://www.anrbrasil.org.br/new/pdfs/2014/3_PAINEL_1_ApresentacaoRejaneAlvesVigilanciaEpidemiologica-VE-DTA-Agosto_2014_PDF.pdf.

Bozatski LC, Moura PN de, Novello D. Análise do binômio tempo x temperatura na distribuição de alimentos em unidades de alimentação e nutrição comerciais do município de Guarapuava, Paraná. Unicentro. 2011.

Ricardo FO, Morais MP de, Martins AC, Carvalho S. Controle de tempo e temperatura na produção de refeições de restaurantes comerciais na cidade de Goiânia-GO. Demetra. 2012; 7(2):85-96.

Santos VFN dos, Bassi S de M. Avaliação da temperatura dos equipamentos e alimentos servidos em Unidades de Alimentação e Nutrição na cidade de São Paulo. Linkania Revista Científica. 2015; 5(1):110-125.

Rennó F de F, Weber ML, Gonçalves ÉS. Análise do nível de segurança das refeições produzidas em complexo hoteleiro de grande porte na região centro-oeste do Brasil. J Health Sci Inst. 2013; 31(3):296-300.

São Paulo. Portaria CVS 5, de 09 de abril de 2013. Aprova o regulamento técnico sobre boas práticas para estabelecimentos comerciais de alimentos e para serviços de alimentação, e o roteiro de inspeção, anexo. Diário Oficial [do Estado]. São Paulo, SP, 19 de abr. 2013 [acesso em 13 jan. 2016]. Disponível em: http://www.cvs.saude.sp.gov.br/up/PORTARIA%20CVS-5_090413.pdf.

São José JFB, Coelho AIM, Ferreira KR. Avaliação das boas práticas em unidade de alimentação e nutrição no município de Contagem-MG. Alim. Nutr. 2011 jul./set.; 22(3):479-487.

Alves, MG, Ueno M. Restaurantes self-service: segurança e qualidade sanitária dos alimentos servidos. Rev. Nutr. 2010 ago.; 23(4):573-580.

Rocha B, Batista L da S, Borges BMA, Paiva AC. Avaliação das condições higiênico-sanitárias e da temperatura das refeições servidas em restaurantes comerciais do tipo self-service. Perquirĕre: Revista do Núcleo Interdisciplinar de Pesquisa e Extensão do UNIPAM. 2010 ago; 7(1):30-40.

Dalpubel V, Busch L, Giovanoni A. Relação entre alimento seguro e a temperatura de preparações quentes do buffet de uma unidade de alimentação e nutrição no Vale do Taquari, RS. Revista Destaques Acadêmicos. 2012; 4(3).

Almeida, KM de et al. Hygienic, sanitary, physical, and functional conditions of Brazilian public school food services. Rev. Nutr. 2014 jun.; 27(3):343-356.

Conzatti S, Adami FS, Fassina P. Monitoramento do tempo e temperatura de refeições transportadas de uma unidade de alimentação e nutrição. Revista UNINGÁ Review. 2015 out./dez.; 24(1):07-12.

Downloads

Publicado

2017-06-29

Como Citar

1.
Wiethölter MJ, Fassina P. Temperaturas de armazenamento e distribuição dos alimentos. Segur. Aliment. Nutr. [Internet]. 29º de junho de 2017 [citado 28º de outubro de 2021];24(1):17-25. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/san/article/view/8646468

Edição

Seção

Artigo de Ciência e Tecnologia dos Alimentos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)