Banner Portal
Odds Ratio versus Razão de Prevalências ou Modelo de Lógite versus Regressão de Poisson
PDF

Palavras-chave

Odds Ratio. Razão de prevalências. Modelo de lógite. Regressão de Poisson.

Como Citar

HOFFMANN, Rodolfo. Odds Ratio versus Razão de Prevalências ou Modelo de Lógite versus Regressão de Poisson. Segurança Alimentar e Nutricional, Campinas, SP, v. 23, n. 1, p. 816–825, 2016. DOI: 10.20396/san.v23i1.8647217. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/san/article/view/8647217. Acesso em: 27 maio. 2024.

Resumo

São analisadas as limitações e as vantagens do uso da Regressão de Poisson, em comparação com o modelo de lógite, quando o desfecho é uma variável binária. São discutidos exemplos nos quais todas as variáveis são binárias e também um exemplo com variável explanatória contínua. O modelo deve ser escolhido considerando as características do fenômeno analisado. A preferência pelo uso da razão de prevalências, e não da odds ratio, na análise dos resultados, não deve ser motivo decisivo na escolha do modelo de relação entre as variáveis.
https://doi.org/10.20396/san.v23i1.8647217
PDF

Referências

Cramer JS. The origins and development of the logit model. Versão atualizada do capítulo 9 – Logit models from economics and otheer fields. Cambridge: Cambridge University Press; 2003.

Rodrigues MS. Dicionário brasileiro de estatística. 2. ed. Rio de Janeiro: IBGE; 1970.

Zou G. A modified Poisson regression approach to prospective studies with binary data. Am. J. Epidemiol. 2004;159(7):702-706.

Barros AJD, Hirakata VN. Alternatives for logistic regression in cross-sectional studies: an empirical comparison of models that directly estimate the prevalence ratio. BMC Med. Res. Methodol. 2003;3:21.

Spiegelman D, Hertzmark E. Easy SAS calculations for risk or prevalence ratios and diferences. Am. J. Epidemiol. 2005;162(3):199-200.

Hoffmann R. Brasil, 2013: mais segurança alimentar. Segur. Aliment. Nutr. 2014;21(2):422-36.

Petersen MR, Deddens JA. A comparison of two methods for estimating prevalence ratios. BMC Med. Res. Methodol. 2008;8:9. DOI: http://doi.org/10.1186/1471-2288-8-9.

Deddens JA, Petersen MR. Approaches for estimating prevalence ratios. Occup. Environ. Med. 2008;65:501-506.

Petersen MR, Deddens JA. RE: Easy SAS calculations for risk or prevalence rations and differences. Am. J. Epidemiol. 2006;163(12):1158-1159.

Spiegelman D, Hertzmark E. The authors reply. Am. J. Epidemiol. 2006;163(12):1159-1161.

Tian L, Liu K. RE: Easy SAS calculations for risk or prevalence rations and diferences. Am. J. Epidemiol. 2006;163(12):1157-1158.

Coutinho LMS, Scazufca M, Menezes PR. Methods for estimating prevalence ratios in cross-sectional studies. Rev. Saúde Pública. 2008;42(6):1-6.

Francisco PMSB, Donalisio MR, Barros MBA, Cesar CLG, Carandina L, Goldbaum M. Medidas de associação em estudo transversal com delineamento complexo: razão de chances e razão de prevalência. Rev. Bras. Epidemiol. 2008;11(3):347-55.

Oliveira NF, Santana VS, Lopes AA. Razões de proporçõs e uso do método delta para intervalos de confiança em regressão logística. Rev. Saúde Pública. 1977;31(1):90-9.

Kale PL, Costa AJL, Luiz RR. Medidas de efeito e medida de associação. In: Medronho RA. Epidemiologia. São Paulo: Editora Atheneu; 2002. p. 115-125.

A revista Segurança Alimentar e Nutricional utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.