Banner Portal
Aspectos nutricionais e qualidade de vida após cirurgia bariátrica em pacientes da atenção primária à saúde
PDF

Palavras-chave

Obesidade mórbida. Cirurgia bariátrica. Atenção primária à saúde.

Como Citar

ROSSETTI, Francini Xavier; LORENZI, Manoela Nobrega; GOMES, Karyne Sant’Ana Gonzales. Aspectos nutricionais e qualidade de vida após cirurgia bariátrica em pacientes da atenção primária à saúde. Segurança Alimentar e Nutricional, Campinas, SP, v. 24, n. 1, p. 75–82, 2017. DOI: 10.20396/san.v24i1.8649757. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/san/article/view/8649757. Acesso em: 21 abr. 2024.

Resumo

O trabalho tem como objetivo avaliar aspectos nutricionais após cirurgia bariátrica em pacientes da Atenção Primária à Saúde. Estudo transversal exploratório com 30 pacientes cadastrados em quatro unidades de saúde de Curitiba (Paraná) submetidos à cirurgia bariátrica com período pós-operatório de 3 a 5 anos. Identificados dados sociodemográficos, clínico-cirúrgicos,  antropométricos e aplicado o Método BAROS. Associação entre sucesso cirúrgico e idade, peso e índice de massa corporal pré-operatórios e atuais, uso de suplementos e realização de tratamento clínico anterior a cirurgia verificados através dos testes Mann Whitney, ANOVA e Teste G. Todos realizaram gastroplastia com derivação intestinal. A média de idade foi 41,2 anos (DP=7,24), mulheres totalizaram 90% dos entrevistados. Índice de massa corporal médio pré-operatório e atual foram 47kg/m(DP=7,43)  e 32,25kg/m2 (DP=6,46) respectivamente. Percentual de perda do excesso de peso médio foi 70,27% (DP=23,86). Insucesso terapêutico observado em sete (23,4%) pacientes e dois (6,6%) apresentaram resultado insuficiente pelo Método BAROS. Ações de promoção, prevenção e tratamento precoce, desenvolvidas e ordenadas pela Atenção Primária em Saúde com participação de atores em articulação intersetorial - partindo da concepção de práticas alimentares saudáveis no contexto da Segurança Alimentar e Nutricional - podem reduzir a necessidade de cirurgias para tratamento da obesidade
https://doi.org/10.20396/san.v24i1.8649757
PDF

Referências

Ministério da Saúde. Vigitel Brasil 2014. Vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por meio de inquérito telefônico. Brasilia, DF: Ministério da Saúde, 2015.

Ministério da Saúde. Portaria 483, de 1º de abril de 2014. Redefine a Rede de Atenção à Saúde das Pessoas com Doenças Crônicas no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS) e estabelece diretrizes para a organização de suas linhas de cuidado. Diário Oficial da União 2 abr 2014; Seção 1.

Ministério da Saúde. Guia alimentar para a população brasileira. Brasilia, DF: Ministério da Saúde, 2014.

Ministério da Saúde. Cadernos de Atenção Básica n. 38: Estratégias para o cuidado da pessoa com doença crônica - Obesidade. Brasilia, DF: Ministério da Saúde, 2014

Ministério da Saúde. Portaria 425, de 19 de Março de 2013. Estabelece regulamento técni-co, normas e critérios para o Serviço de Assistência de Alta Complexidade ao Indivíduo com Obesidade. Diário Oficial da União 15 abr 2013; Seção 1.

Prevedello CF, Colpo E, Mayer ET, Copetti H. Análise do impacto da cirurgia bariátrica em uma população do centro do estado do Rio Grande do Sul utilizando o Método Ba-ros. Arq Gastroenterol. 2009; 46( 3 ): 199-203. http://dx.doi.org/10.1590/S0004-28032009000300011.

Scabim VM, Neto JE, Tess BH. Adesão ao seguimento nutricional ambulatorial pós-cirurgia bariátrica e fatores associados. Rev Nutr. 2012; 25( 4 ): 497-506. http://dx.doi.org/10.1590/S1415-52732012000400007.

Marcelino LF, Patricio ZM. A complexidade da obesidade e o processo de viver após a cirurgia bariátrica: uma questão se saúde coletiva. Ciênc. saúde coletiva. 2011; 16(12): 4767-4776. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232011001300025.

Departamento de Informática do SUS. Procedimentos hospitalares por local de mora-dia. [acesso em 05 de dezembro de 2014]. Disponível em: http://tabnet.datasus.gov.br/cgi/deftohtm.exe?%20sih/cnv/qrpr.def.

Oria HE, Moorehead MK. Bariatric Analysis and Reporting Outcome System (BAROS). Obes Surg. 1998; 8:487-99. http://dx.doi.org/10.1381/096089298765554043 .

Oria HE, Moorehead MK. Updated Bariatric Analysis and Reporting Outcome System (BAROS). Surg Obes Relat Dis. 2009; 5(1):60-6. http://dx.doi.org/10.1016/j.soard.2008.10.004.

Rocha QS, Mendonça SS, Fortes RC. Perda ponderal após gastroplastia em Y de Roux e importância do acompanhamento nutricional: uma revisão de literatura. Comun. Ciên. Sa-úde, 2011; 22(1):61-70.

Novais PFS, Junior IR, Leite CVS, Oliveira MRM. Evolução e classificação do peso cor-poral em relação aos resultados da cirurgia bariátrica - derivação gástrica em Y de Roux. Arq Bras Endocrinol Metab. 2010; 54( 3 ): 303-310. http://dx.doi.org/10.1590/S0004-27302010000300009.

Valezi AC, Junior JM, Menezes MA, Brito EM, Souza JCL. Evolução ponderal oito anos após derivação gástrica em Y-de-Roux. Rev. Col. Bras. Cir. 2011; 38( 4 ): 232-236. http://dx.doi.org/10.1590/S0100-69912011000400006.

Bastos ECL, Barbosa EMWG, Soriano GMS, Santos EA, Vasconcelos SML. Fatores de-terminantes do reganho ponderal no pós-operatório de cirurgia bariátrica. ABCD, Arqu. Bras. Cir. Dig. 2013; 26( Suppl 1 ): 26-32. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-67202013000600007.

Junior ABG, Ferraz EM, Barroso FL, Marchesini JB, Szegö T. Cirurgia da obesidade. 1ª ed. São Paulo: Atheneu; 2006.

Farias, G. Redução de peso após cirurgia bariátrica: diferenças clínicas e nutricionais entre bons e maus respondedores [mestrado]. Curitiba: Universidade Federal do Paraná; 2014.

Sociedade Brasileira de Cirurgia Bariátrica. Consenso Bariátrico Brasileiro. 2006. [acesso 2015 jan 20]. Disponível em: http://www.sbcb.org.br/arquivos/download/consenso_ baria-trico.pdf.

Ministério da Saúde. Portaria 424, de 19 de Março de 2013. Redefine as diretrizes para a organização da prevenção e do tratamento do sobrepeso e obesidade como linha de cuida-do prioritária da Rede de Atenção á Saúde das pessoas com Doenças Crônicas. Diário Oficial da União 28 jun 2013; Seção 1.

A revista Segurança Alimentar e Nutricional utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.