Pescado na alimentação escolar: caracterização nutricional

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/san.v24i2.8649892

Palavras-chave:

Segurança Alimentar e Nutricional. Comportamentos Saudáveis. Alimentação Escolar.

Resumo

O desenvolvimento de preparações a base de pescado ainda é pouco explorado na alimentação escolar. Pensando nisso, avaliou-se a composição nutricional de quatro preparações utilizando CMS de peixe, e comparou os resultados obtidos com os dados oriundos de tabelas de composição de alimentos. Após a elaboração da ficha técnica de cada receita, determinou-se o preço de cada preparação. As análises da composição centesimal das amostras foram feitas em triplicata. A comparação dos resultados da análise direta foi efetuada com os dados das tabelas de composição de alimentos: TACO (LIMA, 2006), FRANCO (2007) e IBGE (1996) sendo realizada pela estimativa de diferença. Os resultados mostraram que há grande diferença entre os valores de composição nutricional realizados por análise direta e indireta e que não há limitação para a inserção do pescado na alimentação escolar, visto a viabilidade do custo, do modo preparo e do valor nutricional de cada prato.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ramylla Rizia Monteiro da Silva, Universidade Federal do Tocantins

Tem experiência na área de Nutrição, com ênfase em Nutrição, atuando principalmente no seguinte tema: nutrição clínica. Ministrou monitoria nas disciplinas: Fisiopatologia da Nutrição e Microbiologia de Alimentos.

Caroline Roberta Freitas Pires, Universidade Federal do Tocantins

Possui graduação em Nutrição pela Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri. Mestrado em Ciência dos Alimentos pela Universidade Federal de Lavras. Doutorado em Ciência dos Alimentos pela Universidade Federal de Lavras. Atualmente é professora da Universidade Federal do Tocantins. Tem experiência na área de Nutrição e na área de Ciência e Tecnologia de Alimentos, com ênfase em Bioquímica e Fisiologia Pós-Colheita de Frutos e Hortaliças, atuando principalmente nos seguintes temas: pós-colheita, química de alimentos, tecnologia de alimentos, processamento mínimo e conservação de alimentos

Hellen Christina de Almeida Kato, Embrapa Pesca e Aquicultura

Mestre em Ciência e Tecnologia de Alimentos da Universidade Federal do Pará, enfoque em Gastronomia e Ciência e Tecnologia de Alimentos (Pescados). É Pesquisadora B da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária - EMBRAPA, atuando na Transferência de Tecnologia na Unidade Pesca e Aquicultura (Palmas - TO). Tem experiência nas áreas de tecnologia do pescado, gastronomia molecular, desnaturação proteica, bioquímica, processamento mínimo, boas práticas de manipulação de alimentos, análise sensorial e higiene alimentar.

Diego Neves de Sousa, Embrapa Pesca e Aquicultura

Doutorando em Desenvolvimento Rural pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. É Gestor de Cooperativas e mestre em Extensão Rural, ambos pela Universidade Federal de Viçosa. Tenho interesse em temas de pesquisa na área de Organização Social e Produtiva, Comunicação e Educação Cooperativista, Comunicação para Transferência de Tecnologia, Políticas Públicas da Agricultura Familiar e Extensão Rural e Pesqueira. Atuo no setor de Transferência de Tecnologia da Embrapa Pesca e Aquicultura, em Palmas (TO)

Viviane Ferreira dos Santos, Universidade Federal do Tocantins

Acadêmica do curso de Nutrição da Universidade Federal do Tocantins. Integrante do grupo de Pesquisa Para o SUS (PPSUS)

Referências

Sturion GL, Silva MV, Ometto AMH, Furtuoso MCO, Pipitone MAP. Fatores condicionantes da adesão dos alunos ao Programa de Alimentação Escolar no Brasil. Rev. Nutri. 2005;18(2):167-181.

Brasil. Resolução no 26, de 17 de junho de 2013. Dispõe sobre o atendimento da alimentação escolar aos alunos da educação básica no âmbito do Programa Nacional de Alimentação Escolar – PNAE. Diário Oficial da União. 17 jun 2009.

Triches RM, Schneider S. Alimentação Escolar e Agricultura Familiar: reconectando o consumo à produção. Saúde Soc. 2010;19(4):933-945.

Saraiva EB, Silva APF, Sousa AA, Cerqueira GF, Chagas CMS, Toral N. Panorama da compra de alimentos da agricultura familiar para o Programa Nacional de Alimentação Escolar. Ciênc. Saúde Coletiva. 2013;18(4):927-

Ministério da Pesca e Aquicultura – MPA. Pesca no Brasil [internet]. Brasília; 2016 [acesso em 08 ago 2016]. Disponível em: http://www.mpa.gov.br/index.php/pesca.

Maia EL, Oliveira CCS de, Santiago AP, Cunha FEA, Holanda FCAF, Sousa JA. Composição química e classes de lipídios em peixe de água doce curimatã comum (Prochiloduscerensis). Ciênc. Tecnol. Aliment. 1999;19(3):433-437.

Ogawa M, Maia EL. Manual de pesca. São Paulo: Livraria Varela; 1999.

Pescador R. Aspectos nutricionais dos lipídeos no peixe: uma revisão de literatura. Brasília: Universidade de Brasília; 2006. Trabalho de Conclusão de Curso.

Food and Agriculture Organizations – FAO. The State of World Fisheries and Aquaculture. Fisheries and Aquaculture Department. Rome: FAO; 2009.

Food and Agriculture Organization – FAO. Consumo per capita de peixes cresce no Brasil, diz FAO [internet]. Roma; 2010 [acesso em 10 ago 2015]. Disponível em: https://nacoesunidas.org/consumo-per-capita-de-peixescresce-no-brasil-diz-fao.

Gonçalves AA, Passos MG, Biedrzycki A. Tendência do consumo de pescado na cidade de Porto Alegre: um estudo

através de análise de correspondência. Estudos Tecnológicos. 2008;4:21-36.

Olsen SO, Ruiz S. Adolescents influence in family meal decisions. Appetite. 2008;51:646-653.

Vitorassi DC. Desenvolvimento de quibe de carne mecanicamente separada de tilápia com adição de linhaça

(Linumusitatissimum l.) para inserção na merenda escolar. Curitiba: Tecnológica Federal do Paraná; 2012. Trabalho de Conclusão de Curso.

Vidal JMA. Utilização de resíduos da filetagem de Tilápia do Nilo (Oreochromisniloticus) na obtenção de concentrado proteico de peixe: caracterização físico-química e sensorial [dissertação]. Fortaleza: Universidade Federal do Ceará; 2007.

Lima DM. Tabela brasileira de composição de alimentos – TACO. Campinas: NEPA-UNICAMP; 2006.

Food and Agriculture Organization – FAO. Human energy requirements: report of a joint FAO/WHO/UNU expert consultation. Rome: FAO; 2001.

Association of Official Analytical Chemists (AOAC). Official methods of analysis of AOAC International. 17.ed. Gaitheersburg: AOAC; 2000.

Kamer JHV de, Ginkel LV. Rapid determination of crude fiber in cereais. Cereal Chemistry. 1952;29(4):239-251.

Brasil. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Rotulagem nutricional obrigatória:

manual de orientação às indústrias de Alimentos. 2a versão. Brasília: Ministério da Saúde; 2005.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE. Estudo nacional de despesa familiar: tabela de composição de alimentos. Rio de Janeiro: IBGE; 1996.

Franco G. Tabela de composição química dos alimentos. 9 ed. São Paulo: Editora Atheneu; 2007.

Silva MR, Silva MS, Silva PRM, Oliveira AG, Amador ACC, Naves MM. Composição em nutrientes e valor energético de pratos tradicionais de Goiás, Brasil. Ciênc. Tecnol. Aliment. 2003;23:140-145.

Mesquita FR. Linhagens de feijão: composição química e digestibilidade protéica [dissertação]. Lavras: Universidade Federal de Lavras; 2005.

Santos PCP, Nespolo CR, Oliveira FA, Veríssimo CM, Vivan BD. Composição centesimal e valor energético de

pratos tradicionais do Rio Grande do Sul. Braz. J. Food Technol. 2009;2:57-64.

Torres EAFS, Campos NC, Duarte M, Garbelotti ML, Philippi ST, Rodrigues RSM. Composição centesimal e valor

calórico de alimentos de origem animal. Ciênc. Tecnol. Aliment. 2000;20(2):145-150.

Ribeiro P, Morais TB, Colugnati FB, Sigulem DM. Tabelas de composição química de alimentos: análise

comparativa com resultados laboratoriais. Rev. Saúde Pública. 2003;37(2):216-225.

Silva MR, Silva MS, Silva PRM, Oliveira AG, Amador ACC, Naves MM. Composição em nutrientes e valor

energético de pratos tradicionais de Goiás, Brasil. Ciênc. Tecnol. Aliment. 2003;23:140-145.

Ribeiro MA, Stamford TLM, Eulálio C, Filho J. Valor nutritivo de refeições coletivas: tabelas de composição de alimentos versus análises em laboratório. Rev. Saúde Pública. 1995;29(2);120-126.

Harrison GG. Fostering data quality in food composition databases: applications and implications for public health. Journal of Food Composition and Analysis. 2004;17(3):259-265.

Tardido AP, Falcão MC. O impacto da modernização na transição nutricional e obesidade. Rev. Bras. Nutr. Clin. 2006;21(2):117-124.

Downloads

Publicado

2017-12-19

Como Citar

1.
Silva RRM da, Pires CRF, Kato HC de A, Sousa DN de, Santos VF dos. Pescado na alimentação escolar: caracterização nutricional. Segur. Aliment. Nutr. [Internet]. 19º de dezembro de 2017 [citado 19º de outubro de 2021];24(2):169-7. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/san/article/view/8649892

Edição

Seção

Artigo de Nutrição em Saúde Pública

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)