Banner Portal
Pescado na alimentação escolar: caracterização nutricional
PDF

Palavras-chave

Segurança Alimentar e Nutricional. Comportamentos Saudáveis. Alimentação Escolar.

Como Citar

SILVA, Ramylla Rizia Monteiro da; PIRES, Caroline Roberta Freitas; KATO, Hellen Christina de Almeida; SOUSA, Diego Neves de; SANTOS, Viviane Ferreira dos. Pescado na alimentação escolar: caracterização nutricional. Segurança Alimentar e Nutricional, Campinas, SP, v. 24, n. 2, p. 169–179, 2017. DOI: 10.20396/san.v24i2.8649892. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/san/article/view/8649892. Acesso em: 19 jun. 2024.

Resumo

O desenvolvimento de preparações a base de pescado ainda é pouco explorado na alimentação escolar. Pensando nisso, avaliou-se a composição nutricional de quatro preparações utilizando CMS de peixe, e comparou os resultados obtidos com os dados oriundos de tabelas de composição de alimentos. Após a elaboração da ficha técnica de cada receita, determinou-se o preço de cada preparação. As análises da composição centesimal das amostras foram feitas em triplicata. A comparação dos resultados da análise direta foi efetuada com os dados das tabelas de composição de alimentos: TACO (LIMA, 2006), FRANCO (2007) e IBGE (1996) sendo realizada pela estimativa de diferença. Os resultados mostraram que há grande diferença entre os valores de composição nutricional realizados por análise direta e indireta e que não há limitação para a inserção do pescado na alimentação escolar, visto a viabilidade do custo, do modo preparo e do valor nutricional de cada prato.
https://doi.org/10.20396/san.v24i2.8649892
PDF

Referências

Sturion GL, Silva MV, Ometto AMH, Furtuoso MCO, Pipitone MAP. Fatores condicionantes da adesão dos alunos ao Programa de Alimentação Escolar no Brasil. Rev. Nutri. 2005;18(2):167-181.

Brasil. Resolução no 26, de 17 de junho de 2013. Dispõe sobre o atendimento da alimentação escolar aos alunos da educação básica no âmbito do Programa Nacional de Alimentação Escolar – PNAE. Diário Oficial da União. 17 jun 2009.

Triches RM, Schneider S. Alimentação Escolar e Agricultura Familiar: reconectando o consumo à produção. Saúde Soc. 2010;19(4):933-945.

Saraiva EB, Silva APF, Sousa AA, Cerqueira GF, Chagas CMS, Toral N. Panorama da compra de alimentos da agricultura familiar para o Programa Nacional de Alimentação Escolar. Ciênc. Saúde Coletiva. 2013;18(4):927-

Ministério da Pesca e Aquicultura – MPA. Pesca no Brasil [internet]. Brasília; 2016 [acesso em 08 ago 2016]. Disponível em: http://www.mpa.gov.br/index.php/pesca.

Maia EL, Oliveira CCS de, Santiago AP, Cunha FEA, Holanda FCAF, Sousa JA. Composição química e classes de lipídios em peixe de água doce curimatã comum (Prochiloduscerensis). Ciênc. Tecnol. Aliment. 1999;19(3):433-437.

Ogawa M, Maia EL. Manual de pesca. São Paulo: Livraria Varela; 1999.

Pescador R. Aspectos nutricionais dos lipídeos no peixe: uma revisão de literatura. Brasília: Universidade de Brasília; 2006. Trabalho de Conclusão de Curso.

Food and Agriculture Organizations – FAO. The State of World Fisheries and Aquaculture. Fisheries and Aquaculture Department. Rome: FAO; 2009.

Food and Agriculture Organization – FAO. Consumo per capita de peixes cresce no Brasil, diz FAO [internet]. Roma; 2010 [acesso em 10 ago 2015]. Disponível em: https://nacoesunidas.org/consumo-per-capita-de-peixescresce-no-brasil-diz-fao.

Gonçalves AA, Passos MG, Biedrzycki A. Tendência do consumo de pescado na cidade de Porto Alegre: um estudo

através de análise de correspondência. Estudos Tecnológicos. 2008;4:21-36.

Olsen SO, Ruiz S. Adolescents influence in family meal decisions. Appetite. 2008;51:646-653.

Vitorassi DC. Desenvolvimento de quibe de carne mecanicamente separada de tilápia com adição de linhaça

(Linumusitatissimum l.) para inserção na merenda escolar. Curitiba: Tecnológica Federal do Paraná; 2012. Trabalho de Conclusão de Curso.

Vidal JMA. Utilização de resíduos da filetagem de Tilápia do Nilo (Oreochromisniloticus) na obtenção de concentrado proteico de peixe: caracterização físico-química e sensorial [dissertação]. Fortaleza: Universidade Federal do Ceará; 2007.

Lima DM. Tabela brasileira de composição de alimentos – TACO. Campinas: NEPA-UNICAMP; 2006.

Food and Agriculture Organization – FAO. Human energy requirements: report of a joint FAO/WHO/UNU expert consultation. Rome: FAO; 2001.

Association of Official Analytical Chemists (AOAC). Official methods of analysis of AOAC International. 17.ed. Gaitheersburg: AOAC; 2000.

Kamer JHV de, Ginkel LV. Rapid determination of crude fiber in cereais. Cereal Chemistry. 1952;29(4):239-251.

Brasil. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Rotulagem nutricional obrigatória:

manual de orientação às indústrias de Alimentos. 2a versão. Brasília: Ministério da Saúde; 2005.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE. Estudo nacional de despesa familiar: tabela de composição de alimentos. Rio de Janeiro: IBGE; 1996.

Franco G. Tabela de composição química dos alimentos. 9 ed. São Paulo: Editora Atheneu; 2007.

Silva MR, Silva MS, Silva PRM, Oliveira AG, Amador ACC, Naves MM. Composição em nutrientes e valor energético de pratos tradicionais de Goiás, Brasil. Ciênc. Tecnol. Aliment. 2003;23:140-145.

Mesquita FR. Linhagens de feijão: composição química e digestibilidade protéica [dissertação]. Lavras: Universidade Federal de Lavras; 2005.

Santos PCP, Nespolo CR, Oliveira FA, Veríssimo CM, Vivan BD. Composição centesimal e valor energético de

pratos tradicionais do Rio Grande do Sul. Braz. J. Food Technol. 2009;2:57-64.

Torres EAFS, Campos NC, Duarte M, Garbelotti ML, Philippi ST, Rodrigues RSM. Composição centesimal e valor

calórico de alimentos de origem animal. Ciênc. Tecnol. Aliment. 2000;20(2):145-150.

Ribeiro P, Morais TB, Colugnati FB, Sigulem DM. Tabelas de composição química de alimentos: análise

comparativa com resultados laboratoriais. Rev. Saúde Pública. 2003;37(2):216-225.

Silva MR, Silva MS, Silva PRM, Oliveira AG, Amador ACC, Naves MM. Composição em nutrientes e valor

energético de pratos tradicionais de Goiás, Brasil. Ciênc. Tecnol. Aliment. 2003;23:140-145.

Ribeiro MA, Stamford TLM, Eulálio C, Filho J. Valor nutritivo de refeições coletivas: tabelas de composição de alimentos versus análises em laboratório. Rev. Saúde Pública. 1995;29(2);120-126.

Harrison GG. Fostering data quality in food composition databases: applications and implications for public health. Journal of Food Composition and Analysis. 2004;17(3):259-265.

Tardido AP, Falcão MC. O impacto da modernização na transição nutricional e obesidade. Rev. Bras. Nutr. Clin. 2006;21(2):117-124.

A revista Segurança Alimentar e Nutricional utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.