Avaliação da situação de insegurança alimentar em uma comunidade quilombola de Sergipe

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/san.v24i2.8650336

Palavras-chave:

Alimentação. Segurança alimentar. Comunidade quilombola.

Resumo

Mesmo com avanços significativos em relação a políticas e programas no combate à miséria e à fome, Comunidades Remanescentes de Quilombo perpassam por disparidades envolvendo o Direito à alimentação, concretizando um desafio atingir parcelas mais vulneráveis da população. Assim, objetivou-se avaliar a prevalência de Insegurança Alimentar intradomiciliar em domicílios de uma comunidade quilombola de um município da Grande Aracaju-SE e seus aspectos associados. Com um total de 26 domicílios, totalizaram-se informações de 88 moradores em relação ao perfil socioeconômico, à insegurança alimentar intradomiciliar, ao acesso a programas sociais, entre outros. Os dados foram analisados descritivamente, a partir de frequências relativas e medidas de tendência central. Foi aplicado o teste de Qui-Quadrado nas associações entre insegurança alimentar e outras variáveis. A prevalência de Insegurança Alimentar Moderada ou Grave (IAMG) encontrada foi de 52,2%, também foram encontradas associações significativas entre a situação de IAMG com variáveis de acesso a serviços de saúde e saneamento básico. Conclui-se que a prevalência de insegurança alimentar na comunidade é bastante elevada, estando associada a condições precárias de saneamento básico, acesso deficiente a serviços de saúde e a políticas públicas, revelando condição de vulnerabilidade referente à garantia de segurança alimentar e nutricional e do direito humano à alimentação adequada.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Dhenef Alves Andrade, Universidade Federal de Sergipe

Nutricionista formada pela Universidade Federal de Sergipe

Roberto dos Santos Lacerdo, Universidade Federal de Sergipe

Biomédico. Mestre em Saúde Coletiva. Doutorando em Desenvolvimento e Meio Ambiente-Universidade Federal de Sergipe

Tatiana Canuto da Silva, Universidade Federal de Sergipe

Nutricionista. Mestranda em Ciências da Saúde- Universidade Federal de Sergipe.

Silvia Maria Voci, Universidade Federal de Sergipe

Professora Doutoura do Departamento de Nutrição da Universidade Federal de Sergipe. Coordenadora do Observatório de Segurança Alimentar e Nutricional do estado de Sergipe.

Referências

Magalhães R. Avaliação de políticas e iniciativas públicas de segurança alimentar e nutricional: dilemas e perspectivas metodológicas. Ciência & Saúde Coletiva. 2014; 19(5):1339-1346.

BRASIL. Lei no11.346, de 15 de setembro de 2006. Cria o Sistema Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional - SISAN com vistas em assegurar o direito humano à alimentação adequada e dá outras providências. 15 de set. 2006; Brasilia, DF.

Azevedo ED, Ribas MTGO. Estamos seguros? Reflexões sobre indicadores de avaliação da segurança alimentar e nutricional. Revista de Nutrição. 2016; 29(2):241–251.

BRASIL. Emenda Constitucional nº 64, de 4 de fevereiro de 2010. Altera o art. 6º da Constituição Federal, para introduzir a alimentação como direito social. Brasília, 4 fev. 2010. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/emendas/emc/emc64.htm. Acesso em: 25 ago. 2016.

BRASIL. Decreto nº 4.887, de 20 de novembro de 2003. Regulamenta o procedimento para identificação, reconhecimento, delimitação, demarcação e titulação das terras ocupadas por remanescentes das comunidades dos quilombos de que trata o art. 68 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias; 20 de nov. de 2003; Brasilia, DF.

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. Quilombos do Brasil: Segurança Alimentar e Nutricional em territórios titulados. Brasília, 2013.

Fundação Cultural Palmares. Quadro geral de comunidades remanescentes de quilombos. Julho de 2017. Disponível em: http: http://www.palmares.gov.br/wp-content/uploads/2017/08/quadro-geral-07-07-2017.pdf Acesso em 07 de 2017.

Monego ET, Peixoto MRG, Cordeiro MM, Costa RM. (In) segurança alimentar de Comunidades Quilombolas do Tocantins. Segurança alimentar e nutricional. 2010; 17(1):37–47.

Carvalho AS, Silva DO. Perspectivas de segurança alimentar e nutricional no Quilombo de Tijuaçu, Brasil: a produção da agricultura familiar para a alimentação escolar. Interface. 2014; 18(50):521-532.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa Suplementar de Segurança Alimentar-PNAD 2013: Percepção das famílias em relação ao acesso aos alimentos; dez. 2014. Disponivel em: http://www.ibge.gov.br/home/presidencia/noticias/imprensa/ppts/00000020112412112014243818986695.pdf Data de acesso: 13 ago. de 2016.

Foley W,Ward P, Carter P, Coveney J, Tsourtos G, Taylor A. An ecological analysis of factors associated with food insecurity in South Australia. Public Helth Nutricion. 2009; 13(2):215-21.

Sabóia RCB, Santos MM. Prevalência de insegurança alimentar e fatores associados em domicílios cobertos pela Estratégia Saúde da Família em Teresina, Piauí. Epidemiol. Serv. Saúde. 2015; 24(3):749-758.

Silva CCS, Oliveira KBB, Alves AS, Neves JA, Modesto CAC, Vianna RPT. Associação entre consumo alimentar e (in)segurança alimentar e nutricional em São José dos Ramos – PB. Brazilian Journal of Food Technology; 2012. p. 23-30.

Kepple AW, Segall-Corrêa AM. Conceituando e medindo segurança alimentar e nutricional. Cienc Saude Coletiva. 2011; 16(1):187-99.

Cordeiro MM, Monego ET, Martins KA. Overweight in Goiás’quilombola students and food insecurity in their families. Revista de Nutrição; jul./ago. 2014. 27(4):405-412.

Freitas MCS, Pena PGL. Segurança alimentar e nutricional: a produção do conhecimento com ênfase nos aspectos da cultura. Revista de Nutrição; jan./fev. 2007.20(1):69-81.

Ferreira HS, Souza MECA, Moura FA, Horta BL. Prevalência e fatores associados à Insegurança Alimentar e Nutricional em famílias dos municípios do norte de Alagoas, Brasil. Ciência & Saúde Coletiva. 2014; 19(5):1533-1542.

Ribeiro G, Morais FMO, Pinho L. (In) segurança alimentar de comunidade quilombola no norte de Minas Gerais. Cienc Cuid Saúde. 2015; 14(3):1245-1250.

Pedraza DF, Sales MC. (In)segurança alimentar e nutricional: desenvolvimento de um indicador do problema e experimentação em famílias da Paraíba, Brasil. Interações. 2014; 15(1):79-88.

Fávaro T, Ribas DLB, Zorzatto J R, Segall-Corrêa AM, Panigassi G. Segurança alimentar em famílias indígenas Teréna, Mato Grosso do Sul, Brasil. Cad. Saúde Pública. 2007; 23(4):785-793

Neiva ACGR, Sereno JRB, Santos AS, Fioravanti MCS. Caracterização socioeconômica e cultural da comunidade quilombola Kalunga de Cavalcante, Goiás, Brasil: dados preliminares. In: IX Simpósio Nacional Cerrado. II Simpósio Internacional Savanas Tropicais. ParlaMundi, Brasília: 2008

Instituto Brasileiro de Análises Sociais e Econômicas. Repercussões do programa bolsa família na segurança alimentar e nutricional das famílias beneficiadas (2007-2008): documento síntese. Disponível em: http://www.ibase.br/userimages/ibase_bf_sintese_site.pdf. Acesso em 12 fev. 2017.

Silva MHP. Assistência à saúde em comunidades quilombolas: revisão sistemática. Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2015.

Guerrero AFH, Silva DO, Toledo LM, Guerrero JCH, Teixeira P. Mortalidade Infantil em Remanescentes de Quilombos do Município de Santarém - Pará, Brasil. Revista Saúde e Sociedade; 2007. 16 (2): 103-110.

Andrade EC, Leite ICG, Vieira MT, Abramo C, Tibiriçá SHC, Silva PL. Prevalência de parasitoses intestinais em comunidade quilombola no Município de Bias Fortes, Estado de Minas Gerais, Brasil. Epidemiol. Serv. Saúde. 2011; 20(3).

Cavalcante IMS. Acesso e Acessibilidade aos Serviços de Saúde em Três Quilombos na Amazônia Paraense: um olhar Antropológico. Dissertação de Mestrado. Belém: PPGSSE/UFPA/UFAM/FIOCRUZ, 2011.

Gomes A, Harvey G, Xavier L, Carneiro S, Silva TD, Nascimento V, Barreto VS, Sant’anna W. Estratégias para o desenvolvimento e o enfrentamento ao racismo. Subsídios para o debate. Brasília: III Conferência Nacional de Promoção da Igualdade racial(CONAPIR), Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial da Presidência da República (SEPPIR-PR), 2013

Gubert MB, Benício MHA, Santos LMP. Estimativas da insegurança alimentar Grave nos municípios brasileiros. Cadernos de Saúde Pública. 2010; 26(8):1595-1605.

Bezerra MGS, Mesquita GV, Santos MM, Martins MCC, Moura MEB, Alberto NSMC. Insegurança Alimentar em famílias assistidas pela Estratégia Saúde da Família. Revista de Enfermagem; jan de 2016. 10(Supl. 1) :248-55.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Pesquisa Nacional por Amostras em Domicílio – PNAD (2009); 2010.

Rosa LI. A Insegurança Alimentar em famílias participantes do serviço de proteção e atendimento integral à família da cidade de Gravataí, RS. Universidade do Vale do Rio dos Sinos; 2012.

Downloads

Publicado

2017-12-14

Como Citar

1.
Andrade DA, Lacerdo R dos S, Silva TC da, Voci SM. Avaliação da situação de insegurança alimentar em uma comunidade quilombola de Sergipe. Segur. Aliment. Nutr. [Internet]. 14º de dezembro de 2017 [citado 18º de outubro de 2021];24(2):125-40. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/san/article/view/8650336

Edição

Seção

Artigo de Segurança Alimentar e Nutricional

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)