Banner Portal
Preço de hortaliças orgânicas segundo canal de comercialização
PDF

Palavras-chave

Segurança alimentar e nutricional. Abastecimento. Alimentos orgânicos. Preços.

Como Citar

ARANTES, Rafael Rioja; RECINE, Elisabetta. Preço de hortaliças orgânicas segundo canal de comercialização. Segurança Alimentar e Nutricional, Campinas, SP, v. 25, n. 1, p. 13–22, 2018. DOI: 10.20396/san.v25i1.8650637. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/san/article/view/8650637. Acesso em: 13 abr. 2024.

Resumo

O estudo comparou os preços de hortaliças provenientes de sistemas de produção orgânica e convencional em quatro canais de abastecimento com características distintas em Brasília-DF. Os preços de 25 alimentos foram coletados em dois períodos, novembro de 2015 e abril de 2016, nos seguintes locais: duas feiras ecológicas “de rua”, galpão da agricultura familiar e Mercado Orgânico, ambos localizados na Central de Abastecimento (CEASA-DF) e em três grandes supermercados concorrentes. As análises verificaram as diferenças absoluta e relativa de preços dos orgânicos entre si, e dos orgânicos com os convencionais dos supermercados. Foi constatado que hortaliças orgânicas comercializadas em supermercados chegam a custar mais que o triplo do preço em relação às orgânicas de canais alternativos, e que a cesta contendo os 16 alimentos pesquisados chega a custar mais que o dobro nos supermercados. No comparativo geral com as convencionais, ainda que estas custem mais barato, as orgânicas apresentaram preços competitivos e inclusive menores dependendo do canal. O estudo indica que são relativamente enganosas as afirmações e a divulgação de informações relativas aos preços de alimentos orgânicos que não considerem a pluralidade dos canais de abastecimento. 

https://doi.org/10.20396/san.v25i1.8650637
PDF

Referências

Leu A. Consolidated annual report of IFOAM: Organics International (2016) [Internet]. Germany: Head Office Charles-de-Gaulle-Str; 2016 [acesso em 16 dez 2016]. Disponível em: http://www.ifoam.bio/sites/default/files/annual_report_2016.pdf

Ormond JG, Paula SR, Faveret PS, Rocha LT. Agricultura orgânica: quando o passado é futuro. BNDES Setorial [Internet], 2002 [acesso em 15 jan 2014]; 15:3-34. Disponível em: https://web.bndes.net/bib/jspui/handle/1408/2479

Brasil. Mais orgânicos na mesa do brasileiro em 2017 [Internet]. 2017 [acesso em 18 jan 2017]. Disponível em: http://www.mda.gov.br

Câmara Interministerial de Agroecologia e Produção Orgânica. Plano Nacional de Agroecologia e Produção Orgânica. Brasília (DF); 2013.

Brasil. Decreto no 7.794, de 20 de agosto de 2012. Institui a Política Nacional de Agroecologia e Produção Orgânica. Diário Oficial da União. 21 ago 2012.

Wezel A., Bellon S, Dore T, Francis C, Vallod D, David C. Agroecology as a science, a movement and a practice: a review. Paris: INRA; 2009.

ABA. Estatuto da Associação Brasileira de Agroecologia – ABA. Rio de Janeiro: ABA; 2015.

Brasil. Decreto no 6.323, de 27 de dezembro de 2007. Regulamenta a Lei no 10.831, de 23 de dezembro de 2003, que dispõe sobre a agricultura orgânica, e dá outras providências. Diário Oficial da União. 28 dez 2007.

Brasil. Lei no 10.831, de 23 de dezembro de 2003. Dispõe sobre a agricultura orgânica e dá outras providências. Diário Oficial da União. 24 dez 2003.

Companhia de Planejamento do Distrito Federal. O Mercado de Produtos Orgânicos: Mecanismos de Controle [Internet], 2015 [acesso em 15 jul 2015]. Disponível em: http://www.codeplan.df.gov.br/images/CODEPLAN/PDF/pesquisa_socioeconomica/politicas_sociais/2015/Mercado_Produtos_Organicos_2015.pdf

Almeida IL. Caracterização de consumidores, tendência de mercado e estratégias para o crescimento do segmento de hortaliças no Distrito Federal e Entorno [dissertação]. Brasília: Universidade de Brasília; 2012.

Emater. Informativo da produção agrícola do Distrito Federal ano safra: 2009/2010. Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural. Brasília (DF): Emater; 2010.

Carneiro FF, Pignati W, Rigotto RM, Augusto LG, Rizzolo A, Faria NM. et al. Segurança alimentar e nutricional e saúde. In: Carneiro FF (org). Rio de Janeiro: ABRASCO; 2012. p. 46-89.

Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Programa de Análise de Resíduos de Agrotóxicos em Alimentos (PARA): Relatório das análises de amostras monitoradas no período de 2013 a 2015. Brasília (DF): ANVISA; 2016.

Greenpeace. Segura este abacaxi! Os agrotóxicos que vão parar na sua mesa [Internet]. 2017 [acesso em 15 out 2017]. Disponível em: http://greenpeace.org.br/agricultura/segura-este-abacaxi.pdf

Faria NM, Fassa AG, Facchini LA. Intoxicação por agrotóxicos no Brasil: os sistemas oficiais de informação e desafios para realização de estudos epidemiológicos. Ciênc. Saúde Coletiva [Internet]. 2007 [acesso em 2015 nov 8]; 12(1):1225-38. Disponível em: http://www.redalyc.org

Marinho AM. Contextos e contornos da modernização agrícola em municípios do Baixo Jaguaribe – CE: o espelho do (des)envolvimento e seus reflexos na saúde, trabalho e ambiente [dissertação]. São Paulo: Universidade de São Paulo; 2010.

Pignati WA, Machado JH, Cabral JF. Acidente rural ampliado: o caso das “chuvas” de agrotóxicos sobre a cidade de Lucas do Rio Verde. Ciênc. Saúde Coletiva [Internet]. 2007 [acesso em 2015 nov 8]; 12(1):105-140. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232007000100014.

Palma DC. Agrotóxicos em leite humano de mães residentes em Lucas do Rio Verde, MT [dissertação]. Cuiabá: Universidade Federal do Mato Grosso; 2011.

Nero LA, Mattos MR, Beloti V, Barros MA, Netto DP, Franco BD. Organofosforados e carbamatos no leite produzido em quatro regiões leiteiras no Brasil: ocorrência e ação sobre Listeriamonocytogenes e Salmonella spp. Ciênc. Tecnol. Aliment. 2007;27(1):201-204.

Brasil. Lei no 11.346, de 15 de setembro de 2006. Cria o Sistema Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional – SISAN com vistas em assegurar o direito humano à alimentação adequada e dá outras providências. Diário Oficial da União. 28 set 2006.

HLPE. Food losses and waste in the context of sustainable food systems. A report by the High Level Panel of Experts on Food Security and Nutrition of the Committee on World Food Security [Internet]. 2014 [acesso em 15 out 2017]. Disponível em: http://www.fao.org/3/a-i3901e.pdf

FAO. Sustainable diets and biodiversity: directions and solutions for policy, research and action. Rome: FAO; 2012.

Hoppe A, Vieira LM, Barcellos MD. Consumer behaviour towards organic food in Porto Alegre: an application of the theory of planned behaviour. Rev. Econ. Sociol. Rural [Internet]. 2013 [acesso em 2014 mar 10];51(1):69-90. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S010320032013000100004.

McCarthy B, Murphy L. Who’s buying organic food and why? Political consumerism, demographic characteristics and motivations of consumers in North Queensland. Tour. & Manag. Studies. 2013;9(1):72-79.

Pieniak Z, Aertsens J, Verbeke W. Subjective and objective knowledge as determinants of organic vegetables consumption. Elsevier. 2010;21:581–588.

Ceasa. Calendário de comercialização de hortaliças. Centrais de Abastecimento do Distrito Federal, DF [Internet]. 2015 [acesso em 10 nov 2015]. Disponível em: http://www.ceasa.df.gov.br

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa de orçamentos familiares 2008-2009: Análise do consumo alimentar pessoal no Brasil. Rio de Janeiro: IBGE; 2011.

Instituto Terra Mater, Instituto Kairós. Produtos sem veneno são sempre mais caros? [Internet]. 2016 [acesso em 10 jan 2017]. Disponível em: http://institutokairos.net

Santiago OA, Gentil DO. Estudo comparativo da comercialização de hortaliças orgânicas e convencionais em Manaus, Amazonas. Revista Brasileira de Agroecologia. 2014;9(3):124-139.

Gomes AS, Noqueira RB, Rosado PL. Determinantes da demanda de hortaliças orgânicas em Ilhéus. Conj. & Planej. 2009;162:66-71.

Santos G. Preço alto ainda limita consumo de orgânicos; diferença chega a 270% [Internet]. Folha de São Paulo. 2015 jul 05 [acesso em 15 jul 2015]. Disponível em: http://www1.folha.uol.com.br

Marin T, Ferraz Y. Produtos orgânicos custam até 652% mais caro [Internet]. Diário do Grande ABC. 2013 jul 10 [acesso em 20 jul 2013]. Disponível em: http://www.dgabc.com.br

Preiss PV. Comida orgânica é mais cara: questionando o mito [Internet]. Porto Alegre: SlowFood Brasil; 2013 [acesso em 15 abr 2014]. Disponível em: https://www.slowfoodbrasil.com

Redação. Comércio honesto vende produtos orgânicos pelo preço do produtor [Internet]. São Paulo: Catraca Livre; 2016 [acesso em 15 mai 2016]. Disponível em: https://catracalivre.com.br

Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor. Mapa de feiras orgânicas [Internet]. São Paulo: Idec; 2015 [acesso em 15 out 2015]. Disponível em: https://feirasorganicas.org.br

Soares WL, Porto MF. Atividade agrícola e externalidade ambiental: uma análise a partir do uso de agrotóxicos no cerrado brasileiro. Ciênc. Saúde Coletiva [Internet]. 2007 [acesso em 2017 out 05];12(1):131-143. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232007000100016.

Soares WL, Porto MF. Estimating the social cost of pesticide use: An assessment from acute poisoning in Brazil: challages to sustainability and environmental justice. Ciênc. Saúde Coletiva [Internet]. 2009 [acesso em 2017 out 05];14(6):1983-1994. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232009000600006.

A revista Segurança Alimentar e Nutricional utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.