Condição de (in)segurança alimentar e fatores associados de famílias com crianças menores de cinco anos de idade do estado do Maranhão

Autores

  • Naruna Pereira Rocha Universidade Federal de Viçosa
  • Sophia Cornbluth Szarfarc Universidade de São Paulo
  • Pedro Israel Cabral de Lira Universidade Federal de Pernambuco
  • Leopoldina Augusta Souza Sequeira Universidade Federal de Pernambuco
  • Victor Nogueira da Cruz Silveira Universidade Federal do Maranhão
  • Maria Tereza Borges Araújo Frota Universidade Federal do Maranhão

DOI:

https://doi.org/10.20396/san.v25i3.8651030

Palavras-chave:

Insegurança alimentar e nutricional. Famílias. Crianças. Mulheres.

Resumo

Este trabalho teve por objetivo analisar a condição de (In) Segurança Alimentar e fatores associados em famílias com crianças menores de cinco anos de idade no Estado do Maranhão. Trata-se de um estudo transversal de base populacional, descritivo e analítico, composto por 978 famílias atendidas pela Estratégia de Saúde da Família, no estado do Maranhão, em 2010. A situação de insegurança alimentar foi avaliada pelo questionário socioeconômico e demográfico em visitas domiciliares, além da Escala Brasileira de Insegurança Alimentar. Foram encontradas 70,5% das famílias em situação de insegurança alimentar. Correlação positiva entre a insegurança alimentar e os fatores demográficos e sociais, tais como localização do domicílio, coexistência de três ou mais crianças com idade inferior a cinco anos, baixa renda familiar, escolaridade e classe social foram encontrados. Concluiu-se que os resultados deste trabalho revelam uma expressiva frequência de famílias com crianças menores de cinco anos sobrevivendo em situação de vulnerabilidade e confirmam os resultados divulgados por pesquisas nacionais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Naruna Pereira Rocha, Universidade Federal de Viçosa

Doutoranda em Ciência da Nutrição pela Universidade Federal de Viçosa. Atuação na saúde pública, materno-infantil e nutrição clínica.

Sophia Cornbluth Szarfarc, Universidade de São Paulo

Doutora em Nutrição pela Universidade de São Paulo. Professora adjunta do departamento de Nutrição da Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo. Atua na área de análise nutricional de populações.

Pedro Israel Cabral de Lira, Universidade Federal de Pernambuco

PhD em medicina pela Universidade de Londres. Atua no departamento de Nutrição da Universidade Federal de Pernambuco nas áreas de nutrição materno-infantil, baixo peso ao nascer e projetos em saúde e nutrição.

Leopoldina Augusta Souza Sequeira, Universidade Federal de Pernambuco

Doutora em Nutrição pela Universidade Federal de Pernambuco. Professora titular do departamento de Nutrição da UFPE e atua nas áreas de saúde coletiva, avaliação nutricional e nutrição materno-infantil.

Victor Nogueira da Cruz Silveira, Universidade Federal do Maranhão

Nutricionista pela Universidade Federal do Maranhão. Atua em pesquisas nas áreas de nutrição em saúde pública, nutrição materno-infantil e programas especiais em alimentação e nutrição.

Maria Tereza Borges Araújo Frota, Universidade Federal do Maranhão

Docente do Departamento de Ciências Fisiológicas da Universidade Federal do Maranhão com atuação nas áreas de Segurança Alimentar e Nutricional, Aleitamento Materno, Estado nutricional e Saúde coletiva.

Referências

Oliveira JS, Lira PIC, Maia SR, Sequeira LAS, Amorim RCA, Batista Filho M. Insegurança alimentar e estado nutricional de crianças de Gameleira, zona da mata do Nordeste brasileiro. Rev. Bras. Saúde Mater. Infant. 2010;10(2):237-245.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE. Pesquisa Suplementar de Segurança Alimentar. Rio de Janeiro: IBGE; 2014.

Valente F, Franceschini T, Burity V. A exigibilidade do direito humano à alimentação adequada [Internet]. Brasília (DF): ABRANDH; 2007 [acesso em 01 mar 2017]. Disponível em: http://www.abrandh.org.br

Brasil. Conselho Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional – CONSEA. Lei no 11.346, de 15 de setembro de 2006. Cria o Sistema Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional – SISAN com vistas em assegurar o direito humano à alimentação adequada e dá outras providências. Diário Oficial da União. 15 set 2006.

Albuquerque MFM. A segurança alimentar e nutricional e o uso da abordagem de direitos humanos no desenho das políticas públicas para combater a fome e a pobreza. Rev. Nutr. 2009;22(6):895-903.

Conselho Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional. Conceitos: Segurança Alimentar e Nutricional e Soberania Alimentar. Brasília (DF): CONSEA; 2017.

Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento. Desenvolvimento Humano nas Macrorregiões Brasileiras. Brasília (DF): PNUD; 2013.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE. Pesquisa de Orçamentos Familiares: despesas, rendimentos e condições de vida. Rio de Janeiro: IBGE; 2010.

Araújo MSS, Sousa SMPS, Nascimento TS. (In)Segurança Alimentar no Estado do Maranhão. Boletim do Grupo de Avaliação e Estudo da Pobreza e de Políticas Direcionadas à Pobreza – GAEPP – Universidade Federal do Maranhão. São Luis: GAEPP; 2014.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios. Rio de Janeiro: PNAD; 2014.

Associação Brasileira de Empresas de Pesquisa. Critério de classificação econômica Brasil. Rio de Janeiro: ABEP; 2015.

Ministério da Saúde. Pesquisa Nacional de Demografia e Saúde da Criança e da Mulher – PNDS 2006: dimensões do processo reprodutivo e da saúde da criança. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2009.

Oliveira JS, Lira PIC, Veras ICL, Maia SR, Lemos MCC, Andrade SLLS, et al. Estado nutricional e insegurança alimentar de adolescentes e adultos em duas localidades de baixo índice de desenvolvimento humano. Rev. Nutr. 2009;22(4):453-465.

Cabral MJ, Vieira KA, Sawaya AL, Florêncio TMMT. Perfil socioeconômico, nutricional e de ingestão alimentar de beneficiários do Programa Bolsa Família. Estud. Av. 2013;27(78):71-87.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo Demográfico: IBGE Cidades – 12o Recenseamento Geral do Brasil. Rio de Janeiro: IBGE; 2010.

Oliveira JS, Lira PIC, Andrade SLLS, Sales AC, Maia SR, Batista Filho M. Insegurança Alimentar e estado nutricional de crianças de São João do Tigre, no semi-árido do Nordeste. Rev. Bras. Epidemiol. 2009;12(3):413-423.

Panigassi G, Segall-Correa AM, Marin-León L, Pérez-Escamilla R, Maranha LK, et al. Insegurança alimentar intrafamiliar e perfil de consumo de alimentos. Rev. Nutr. 2008;21(Suppl):135s-144s.

Belik W. Perspectivas para Segurança Alimentar e Nutricional no Brasil. Saúde Soc. 2003;12(1):12-20.

Barros RP, Henriques R, Mendonça RSA. Estabilidade inaceitável: desigualdade e pobreza no Brasil. Rio de Janeiro: IPEA; 2001.

Hoffmann R. Determinantes da Insegurança Alimentar no Brasil: análise dos dados da PNAD 2004. Segur. Aliment. Nutr. 2008;15(1):49-61.

Romani SAM, Lira PIC. Fatores determinantes do crescimento infantil. Rev. Bras. Saúde Mat. Infant. 2004;4(1):15-23.

Olinto MTA, Victora CG, Barros FC, Tomasi E. Determinantes da desnutrição infantil em uma população de baixa renda: um modelo de análise hierarquizado. Cad. Saúde Pública. 1993;9(Suppl 1):14-27.

Monteiro CA, Freitas ICM. Evolução de condicionantes socioeconômicos da saúde na infância na cidade de São Paulo (1984-1996). Rev. Saúde Pública. 2000;34(6 Suppl):8-12.

Martins APB, Canella DS, Baraldi LG, Monteiro CA. Transferência de renda no Brasil e desfechos nutricionais: revisão sistemática. Rev. Saúde Pública. 2013;47(6):1159-1171.

Camelo, TS. Alimentação e nutrição e saúde em programas de transferência de renda: evidências para o Programa Bolsa família. Revista Economia. 2009;10(4):685-713.

Instituto Maranhense de Estudos Socioeconômicos e Cartográficos – IMESC. Produto interno bruto do Estado do Maranhão: período de 2004-2008. São Luís: IMESC; 2010.

Pires IE, Ferreira CA. Potencialidade do Nordeste do Brasil para Reflorestamento. Curitiba: EMBRAPA-URPFCS; 1982 (Circular Técnica, 6).

Silva OP. A exclusão social no semiárido brasileiro [monografia]. Fortaleza: Universidade Federal do Ceará; 2010.

Downloads

Publicado

2018-10-17

Como Citar

1.
Rocha NP, Szarfarc SC, Lira PIC de, Sequeira LAS, Silveira VN da C, Frota MTBA. Condição de (in)segurança alimentar e fatores associados de famílias com crianças menores de cinco anos de idade do estado do Maranhão. Segur. Aliment. Nutr. [Internet]. 17º de outubro de 2018 [citado 28º de outubro de 2021];25(3):71-80. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/san/article/view/8651030

Edição

Seção

Artigo de Segurança Alimentar e Nutricional

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)