Banner Portal
Condição de (in)segurança alimentar e fatores associados de famílias com crianças menores de cinco anos de idade do estado do Maranhão
PDF

Palavras-chave

Insegurança alimentar e nutricional. Famílias. Crianças. Mulheres.

Como Citar

ROCHA, N. P.; SZARFARC, S. C.; LIRA, P. I. C. de; SEQUEIRA, L. A. S.; SILVEIRA, V. N. da C.; FROTA, M. T. B. A. Condição de (in)segurança alimentar e fatores associados de famílias com crianças menores de cinco anos de idade do estado do Maranhão. Segurança Alimentar e Nutricional, Campinas, SP, v. 25, n. 3, p. 71–80, 2018. DOI: 10.20396/san.v25i3.8651030. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/san/article/view/8651030. Acesso em: 28 mar. 2023.

Resumo

Este trabalho teve por objetivo analisar a condição de (In) Segurança Alimentar e fatores associados em famílias com crianças menores de cinco anos de idade no Estado do Maranhão. Trata-se de um estudo transversal de base populacional, descritivo e analítico, composto por 978 famílias atendidas pela Estratégia de Saúde da Família, no estado do Maranhão, em 2010. A situação de insegurança alimentar foi avaliada pelo questionário socioeconômico e demográfico em visitas domiciliares, além da Escala Brasileira de Insegurança Alimentar. Foram encontradas 70,5% das famílias em situação de insegurança alimentar. Correlação positiva entre a insegurança alimentar e os fatores demográficos e sociais, tais como localização do domicílio, coexistência de três ou mais crianças com idade inferior a cinco anos, baixa renda familiar, escolaridade e classe social foram encontrados. Concluiu-se que os resultados deste trabalho revelam uma expressiva frequência de famílias com crianças menores de cinco anos sobrevivendo em situação de vulnerabilidade e confirmam os resultados divulgados por pesquisas nacionais.

https://doi.org/10.20396/san.v25i3.8651030
PDF

Referências

Oliveira JS, Lira PIC, Maia SR, Sequeira LAS, Amorim RCA, Batista Filho M. Insegurança alimentar e estado nutricional de crianças de Gameleira, zona da mata do Nordeste brasileiro. Rev. Bras. Saúde Mater. Infant. 2010;10(2):237-245.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE. Pesquisa Suplementar de Segurança Alimentar. Rio de Janeiro: IBGE; 2014.

Valente F, Franceschini T, Burity V. A exigibilidade do direito humano à alimentação adequada [Internet]. Brasília (DF): ABRANDH; 2007 [acesso em 01 mar 2017]. Disponível em: http://www.abrandh.org.br

Brasil. Conselho Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional – CONSEA. Lei no 11.346, de 15 de setembro de 2006. Cria o Sistema Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional – SISAN com vistas em assegurar o direito humano à alimentação adequada e dá outras providências. Diário Oficial da União. 15 set 2006.

Albuquerque MFM. A segurança alimentar e nutricional e o uso da abordagem de direitos humanos no desenho das políticas públicas para combater a fome e a pobreza. Rev. Nutr. 2009;22(6):895-903.

Conselho Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional. Conceitos: Segurança Alimentar e Nutricional e Soberania Alimentar. Brasília (DF): CONSEA; 2017.

Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento. Desenvolvimento Humano nas Macrorregiões Brasileiras. Brasília (DF): PNUD; 2013.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE. Pesquisa de Orçamentos Familiares: despesas, rendimentos e condições de vida. Rio de Janeiro: IBGE; 2010.

Araújo MSS, Sousa SMPS, Nascimento TS. (In)Segurança Alimentar no Estado do Maranhão. Boletim do Grupo de Avaliação e Estudo da Pobreza e de Políticas Direcionadas à Pobreza – GAEPP – Universidade Federal do Maranhão. São Luis: GAEPP; 2014.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios. Rio de Janeiro: PNAD; 2014.

Associação Brasileira de Empresas de Pesquisa. Critério de classificação econômica Brasil. Rio de Janeiro: ABEP; 2015.

Ministério da Saúde. Pesquisa Nacional de Demografia e Saúde da Criança e da Mulher – PNDS 2006: dimensões do processo reprodutivo e da saúde da criança. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2009.

Oliveira JS, Lira PIC, Veras ICL, Maia SR, Lemos MCC, Andrade SLLS, et al. Estado nutricional e insegurança alimentar de adolescentes e adultos em duas localidades de baixo índice de desenvolvimento humano. Rev. Nutr. 2009;22(4):453-465.

Cabral MJ, Vieira KA, Sawaya AL, Florêncio TMMT. Perfil socioeconômico, nutricional e de ingestão alimentar de beneficiários do Programa Bolsa Família. Estud. Av. 2013;27(78):71-87.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo Demográfico: IBGE Cidades – 12o Recenseamento Geral do Brasil. Rio de Janeiro: IBGE; 2010.

Oliveira JS, Lira PIC, Andrade SLLS, Sales AC, Maia SR, Batista Filho M. Insegurança Alimentar e estado nutricional de crianças de São João do Tigre, no semi-árido do Nordeste. Rev. Bras. Epidemiol. 2009;12(3):413-423.

Panigassi G, Segall-Correa AM, Marin-León L, Pérez-Escamilla R, Maranha LK, et al. Insegurança alimentar intrafamiliar e perfil de consumo de alimentos. Rev. Nutr. 2008;21(Suppl):135s-144s.

Belik W. Perspectivas para Segurança Alimentar e Nutricional no Brasil. Saúde Soc. 2003;12(1):12-20.

Barros RP, Henriques R, Mendonça RSA. Estabilidade inaceitável: desigualdade e pobreza no Brasil. Rio de Janeiro: IPEA; 2001.

Hoffmann R. Determinantes da Insegurança Alimentar no Brasil: análise dos dados da PNAD 2004. Segur. Aliment. Nutr. 2008;15(1):49-61.

Romani SAM, Lira PIC. Fatores determinantes do crescimento infantil. Rev. Bras. Saúde Mat. Infant. 2004;4(1):15-23.

Olinto MTA, Victora CG, Barros FC, Tomasi E. Determinantes da desnutrição infantil em uma população de baixa renda: um modelo de análise hierarquizado. Cad. Saúde Pública. 1993;9(Suppl 1):14-27.

Monteiro CA, Freitas ICM. Evolução de condicionantes socioeconômicos da saúde na infância na cidade de São Paulo (1984-1996). Rev. Saúde Pública. 2000;34(6 Suppl):8-12.

Martins APB, Canella DS, Baraldi LG, Monteiro CA. Transferência de renda no Brasil e desfechos nutricionais: revisão sistemática. Rev. Saúde Pública. 2013;47(6):1159-1171.

Camelo, TS. Alimentação e nutrição e saúde em programas de transferência de renda: evidências para o Programa Bolsa família. Revista Economia. 2009;10(4):685-713.

Instituto Maranhense de Estudos Socioeconômicos e Cartográficos – IMESC. Produto interno bruto do Estado do Maranhão: período de 2004-2008. São Luís: IMESC; 2010.

Pires IE, Ferreira CA. Potencialidade do Nordeste do Brasil para Reflorestamento. Curitiba: EMBRAPA-URPFCS; 1982 (Circular Técnica, 6).

Silva OP. A exclusão social no semiárido brasileiro [monografia]. Fortaleza: Universidade Federal do Ceará; 2010.

A revista Segurança Alimentar e Nutricional utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.