Banner Portal
Perfil dos organizadores e sua visão sobre as feiras livres de Juiz de Fora, Minas Gerais
PDF

Palavras-chave

Segurança alimentar e nutricional
Feiras livres
Organizadores.

Como Citar

MARQUES, N. P. A.; RIBEIRO, N. R.; MARTINS, B. X.; CAMPOS, I. C. S.; FIGUEIREDO, P. C.; BINOTI, M. L. Perfil dos organizadores e sua visão sobre as feiras livres de Juiz de Fora, Minas Gerais. Segurança Alimentar e Nutricional, Campinas, SP, v. 26, p. e019017, 2019. DOI: 10.20396/san.v26i0.8651274. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/san/article/view/8651274. Acesso em: 1 mar. 2024.

Resumo

As feiras livres são canais de comercialização de produtos oriundos, em sua maioria, da agricultura familiar e possuem estreita relação com a Segurança Alimentar e Nutricional. Foi realizado um estudo descritivo transversal, por meio de entrevistas com os organizadores das feiras livres da cidade de Juiz de Fora, avaliando variáveis socioeconômicas, demográficas e satisfação com o trabalho. Os dados foram tabulados e descritos por meio de frequências. Todos os participantes eram do gênero masculino com idade (média) de 55 anos (±9,2 anos), casados e residentes da cidade. A maioria cursou 1o a 3o grau do ensino médio; possui renda familiar média de mais de 5 salários; estão satisfeitos com a função que exercem e tempo de trabalho maior que 5 anos. Relataram a existência de apoio dos órgãos superiores; boa receptividade dos consumidores e feirantes; importância de sua função; dificuldades e respectivas melhorias. As feiras livres contam com uma equipe para sua organização e gestão que depende de apoio para o bom desenvolvimento dos projetos. Por meio do presente trabalho, percebe-se o quão importante é o acesso ao conhecimento, para que se possa promover as ações de Segurança Alimentar e Nutricional.

https://doi.org/10.20396/san.v26i0.8651274
PDF

Referências

Figueiredo NC, Freitas AML. Agricultura familiar: um estudo sobre a contribuição do Mercado Municipal de Montes Claros – MG para o trabalho e renda de pequenos produtores. Revista Espacios. 2016;37(01):14.

Mascarenhas G, Dolzani MCS. Feira livre: territorialidade popular e cultura na metrópole contemporânea. Revista Eletrônica Ateliê Geográfico. 2008;02(4):72-87.

Brasil. Conselho Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional. A segurança alimentar e nutricional e o direito humano à alimentação adequada no Brasil: indicadores e monitoramento: da Constituição de 1988 aos dias atuais. Brasília: CONSEA; 2010.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Guia alimentar para a população brasileira. 2.ed. Brasília: Ministério da Saúde; 2014.

Grisa C, Schneider S. Políticas públicas de desenvolvimento rural no Brasil. Porto Alegre: UFRGS; 2015.

Azevedo MBA, Nunes EM. As feiras da agricultura familiar: um estudo na rede Xique Xique nos territórios Açu-Mossoró e Sertão do Apodi (RN). Revista GeoTemas. 2013;03(20):59-74.

Prefeitura de Juiz de Fora – MG. Secretaria de Agropecuária e Abastecimento [internet]. Juiz de Fora; 2017. [acesso em 2017 fev. 23]. Disponível em: https://www.pjf.mg.gov.br/secretarias/saa.

Lameirão A. Mercado de trabalho, desigualdade social e de gênero. In: Anais do Seminário de Pós-Graduação em Ciências Sociais, 2011; Vitória. Vitória: UFES; 2011. p. 1-15.

Hoffmann R. Distribuição de renda e crescimento econômico. Estudos Avançados. 2001;15(41):67-76.

Sousa FHMS, Bonfim RM. Oportunidades e desafios para a inserção de pequenos produtores em mercados modernos. In: Navarro Z, Campos SK. A pequena produção rural e as tendências do desenvolvimento agrário brasileiro: ganhar tempo é possível? Brasília: CGEE; 2013. p. 71-100.

Reis MC. Os impactos das mudanças na demanda por trabalho qualificado sobre o desemprego por nível de qualificação durante os anos noventa no Brasil. Revista Brasileira de Economia. 2006;60(03):297-319.

Leone ET, Maia AG, Baltar PE. Mudanças na composição das famílias e impactos sobre a redução da pobreza no Brasil. Revista Economia e Sociedade. 2010;19(1):59-77.

Brasil. Lei no 11346, de 15 de setembro de 2006. Cria o Sistema Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional (SISAN) com vistas em assegurar o direito humano à alimentação adequada e dá outras providências. Diário Oficial da União. 2006 set. 18.

Alves JN, Silva AH, Vizzoto AD, Leo RM. Gestão de pessoas: gestores e colaboradores rumo a um novo horizonte. Revista Interdisciplinar de ensino, pesquisa e extensão. 2013;01(1):1-14.

Bustamante PC, Durães PG. O impacto da feira livre do bairro Major Prates da cidade de Montes Claros na renda dos feirantes. Revista Desenvolvimento Social. 2015;14(01):106-128.

Gazolla M. Segurança alimentar e nutricional e agroindústrias familiares: políticas públicas e ações locais. Segur. Aliment. Nutr. 2014;21(2):527-540.

Novelli JMN. Estado, administração e burocracia pública no Brasil (1995 a 2009). Crítica e Sociedade: revista de cultura política. 2011;1(1):124-138.

Queiroz TAN, Azevedo FF. Circuitos da economia urbana: arranjos espaciais e dinâmica das feiras livres em Natal – RN. Revista Sociedade e Território. 2012,24(1):115-133.

Minas Gerais. Lei no 22.806, de 29 de dezembro de 2017. Dispõe sobre a Política Estadual de Segurança Alimentar e Nutricional Sustentável Pesans e organiza o Sistema Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional Sisan no âmbito do Estado. Diário Oficial de Belo Horizonte. 2017 dez. 29.

Silva D, Castro JRB, Lopes KPS, Silva AO. Caracterização e análise da feira livre de Cruz das Almas – BA sob a ótica do planejamento e gestão municipal. Revista Caminhos da Geografia. 2014;15(49):1-13.

A revista Segurança Alimentar e Nutricional utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.