Condições higiênico sanitárias de Unidades de Alimentação e Nutrição de escolas públicas do estado do Tocantins

Autores

  • Lisandra Lustoza Ferro Universidade Federal do Tocantins http://orcid.org/0000-0002-7095-4673
  • Claudia Jaqueline Fialho Universidade Federal do Tocantins
  • Caroline Roberta Freitas Pires Universidade Federal do Tocantins.
  • Natália de Barros Teles Universidade Federal do Tocantins.
  • Viviane Ferreira dos Santos Universidade Federal do Tocantins.

DOI:

https://doi.org/10.20396/san.v25i2.8651815

Palavras-chave:

Alimentação escolar. Unidades de alimentação e nutrição. Condições higiênico sanitárias.

Resumo

Este trabalho visou avaliar condições higiênico sanitárias das Unidades de Alimentação e Nutrição de 35 escolas públicas do estado do Tocantins, de 12 municípios selecionados pelo FNDE, monitoradas pelo Centro Colaborador em Alimentação e Nutrição da Universidade Federal do Tocantins (CECANE/UFT). Utilizou-se um formulário semiestruturado para avaliar as Unidades de Alimentação e Nutrição Escolares, com perguntas acerca dos manipuladores, edifícios e instalações da área de preparo de alimentos, equipamentos e utensílios, higienização ambiental e saneamento, área de armazenamento, controle de qualidade e controle de estoque. A coleta de dados foi realizada entre os meses de maio a dezembro de 2016 e os dados obtidos a partir do checklist foram transformados em percentuais. Foram indicadas as principais inconformidades em relações às legislações vigentes (como resolução 216/2004 e Lei 11.947/2009). Dentre os resultados encontrados destaca-se incongruidades acerca dos manipuladores de alimentos, área de preparo dos alimentos, equipamentos e utensílios, higienização ambiental e saneamento, armazenamento dos alimentos, controle de qualidade e controle de estoque. Concluiu-se que há a necessidade de capacitação permanente dos manipuladores e intervenções de gestores, para garantir as condições higiênico sanitárias das unidades escolares públicas do estado do Tocantins e propiciar a oferta da alimentação segura.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lisandra Lustoza Ferro, Universidade Federal do Tocantins

Graduanda de Nutrição da Universidade Federal do Tocantins.

Claudia Jaqueline Fialho, Universidade Federal do Tocantins

Professora adjunta do curso de Nutrição da Universidade Federal do Tocantins.

Caroline Roberta Freitas Pires, Universidade Federal do Tocantins.

Professora do Curso de Nutrição da Universidade Federal do Tocantins.

Natália de Barros Teles, Universidade Federal do Tocantins.

Graduanda do curso de Nutrição.

Viviane Ferreira dos Santos, Universidade Federal do Tocantins.

Graduada em Nutrição.

Referências

Oliveira IG. Alimentação Escolar no discurso de manipuladores de alimentos de escolas brasileiras. [Dissertação]. Goiânia: Universidade Federal de Goiás; 2017. 89p.

Rezer DS. Alimentação escolar: Recursos humanos e equipamentos em escolas públicas de Porto Alegre/RS [monografia]. Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul; 2015. 38p.

Brasil. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução da Diretoria Colegiada nº 216 de 15 de setembro de 2004. Dispõe do Regulamento Técnico de Boas Práticas para Serviços de Alimentação. Diário Oficial [da República Federativa do Brasil], Brasília, 15 de set. 2004.

Brasil. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução nº 275 de 21 de outubro de 2002. Dispõe sobre o Regulamento Técnico de Procedimentos Operacionais Padronizados aplicados aos Estabelecimentos Produtores/Industrializadores de alimentos e Lista de verificação das Boas Práticas de Fabricação em Estabelecimentos Produtores/Industrializadores de Alimentos. Diário Oficial [da República Federativa do Brasil], Brasília, 23 de outubro de 2003.

Ferreira MA, São José JFB, Tomazini APB, Martini HSD, Milagres RCM, Pinheiro-Sant’Ana HM. Avaliação da adequação às boas práticas em unidades de alimentação e nutrição. Revista Instituto Adolfo Lutz. São Paulo. 2011; 70(2):230-235. Disponível em: http://periodicos.ses.sp.bvs.br/pdf/rial/v70n2/v70n2a20.pdf.

Cardoso RCV, Góes JAW, Almeida RCC, Guimarães AG, Barreto DL, Silva AS e et al. Programa nacional de alimentação escolar: há segurança na produção de alimentos em escolas de Salvador (Bahia)? Rev. Nutri. Campinas.2010; 23(5): 801-811.

Stedefeldt E, Cunha DT, Silva JÊA, Silva SM, Oliveira ABA. Instrumento de avaliação das Boas Práticas em Unidades de Alimentação e Nutrição Escolar: da concepção à validação. Revista Ciência saúde coletiva. 2013; 18(4):947-953. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232013000400006&lng=en.

WHO. World Health Organization. WHO campaigns - World Health Day 2015: Foodsafety<http://www.who.int/campaigns/world-health-day/2015/event/en/.Acesso em 22 de junho de 2017.

Brasil. Lei nº 11.947, de 16 de junho de 2009. Dispõe sobre o atendimento da alimentação escolar e do Programa Dinheiro Direto na Escola aos alunos da educação básica e dá outras providências. Diário Oficial [da República Federativa do Brasil], Brasília, 17 jun. 2009.

Campos AKC. Avaliação das condições higiênico-sanitárias de manipuladores de alimentos e utensílios de mesa de escolas públicas municipais de Natal, RN [dissertação]. Natal: Universidade Federal do Rio Grande do Norte; 2009. 50 p.

Oliveira ABA. Condição higiênico-sanitária da água, alimentos e ambiente de preparo da alimentação em escolas públicas atendidas pelo Programa Nacional de Alimentação Escolar no Município de Porto Alegre [tese]. Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul; 2011. 168 p. Disponível em:http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1415-52732010000500010&lng=en&nrm=isso.

Brasil. Conselho Federal de Nutricionistas. Resolução/CFN número 465, de 23 de agosto de 2010. Dispõe sobre as atribuições do Nutricionista, estabelece parâmetros numéricos mínimos de referência no âmbito do Programa de Alimentação Escolar e dá outras providências. Diário Oficial [da República Federativa do Brasil], Brasília, 16 jun. 2010.

Souza AA, Bezerra OMPA, Bonomo E, Silva CAM. Atuação de nutricionistas responsáveis técnicos pela alimentação escolar de municípios de Minas Gerais e Espírito Santo. Ciência & Saúde Coletiva. Rio de Janeiro. 2017, 22(2):593-606. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232017000200593&lng=en&nrm=iso&tlng=pt

Almeida KM, Andre MCP, Campos MRH, Diaz MEP. Condições físicos, funcionais e higiênicas sanitárias das unidades de alimentação e nutrição de escolas da Região Centro-oeste, Brasil. Revista de Nutrição. Campinas. 2014; 27(3): 343-356. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1415-52732014000300343&script=sci_abstract&tlng=pt

Gonzalez CD, Perrella NG, Rodrigues RL, Gollücke APB; Schattan RB, Toledo LP. Conhecimento e percepção de risco sobre higiene alimentar em manipuladores de alimentos de restaurantes comerciais. Revista de Nutrição. São Paulo.2009; 34(3): 45- 56. Disponível em: http://files.bvs.br/upload/S/1519-8928/2009/v34n3/a004.pdf

Fernandes AGS, Fonseca ABC, Silva AA. Alimentação Escolar como espaço para educação em saúde: percepção das merendeiras do município do Rio de Janeiro, Brasil. Revista Ciências da Saúde Coletiva. Rio de Janeiro. 2014; 19(1):39-48. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232014000100039&lng=en&nrm=iso&tlng=pt.

Gomes NAAA, Campos MRH, Monego ET. Aspectos higiênico-sanitários no processo produtivo dos alimentos em escolas públicas do Estado de Goiás, Brasil. Revista de Nutrição. Campinas. 2012; 25(4):473-485. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1415-52732012000400005.

Beux J, Primon V, Busato MA. Condições higiênico - sanitárias em local de produção e distribuição de alimentos em escolas públicas sob a ótica da produção mais limpo. Revista da UNIFEBE. 2013; 1(11); 1-13. Disponível em: http://periodicos.unifebe.edu.br/index.php/revistaeletronicadaunifebe/article/view/148/78.

Cunha DT, Stedefeldt E, Rosso VV. Boas práticas e qualidade microbiológica nos serviços de alimentação escolar: uma revisão sistemática. Revista Brasileira Pesquisa Saúde. 2012; 14(4):108-121. Disponível em: http://periodicos.ufes.br/RBPS/article/view/5127/3853.

Almeida KM. Condições físico-funcionais e higienicossanitárias das unidades de alimentação e nutrição de escolas da região centro-oeste, Brasil [dissertação]. Goiânia: Universidade Federal do Goiás; 2013, 98p.

Hilário MBM, Leite M. Condições higiênico-sanitárias do serviço de alimentação, de duas escolas, do município de porto velho – RO [monografia]. Porto Velho: Faculdade São Lucas; 2015, 33p.

Cardoso RCV, Almeida RCC, Guimarães AG, Góes JAW, Santana AAC, Silva AS e et al.Qualidade da água utilizada em escolas atendidas pelo Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE), em Salvador-BA. Revista Instituto Adolfo Lutz. São Paulo. 2007, 66(3):287-291. Disponível em:http://periodicos.ses.sp.bvs.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0073-98552007000300012&lng=pt.

Brasil. Ministério da Educação. Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação. Resolução número 26, de 17 de junho de 2013. Dispõe sobre o atendimento da alimentação escolar aos alunos da educação básica no âmbito do programa nacional de alimentação escolar – PNAE. Diário Oficial [da República Federativa do Brasil], Brasília, 18 de jun. 2013.

Brasil. Ministério da Educação. Fundo Nacional do Desenvolvimento da Educação. Nota Técnica Nº 5002/2016/COSAN/CGPAE/DIRAE. Dispõe sobre controle de estoque de alimentos no PNAE.

Downloads

Publicado

2018-08-02

Como Citar

1.
Ferro LL, Fialho CJ, Pires CRF, Teles N de B, Santos VF dos. Condições higiênico sanitárias de Unidades de Alimentação e Nutrição de escolas públicas do estado do Tocantins. Segur. Aliment. Nutr. [Internet]. 2º de agosto de 2018 [citado 18º de outubro de 2021];25(2):118-30. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/san/article/view/8651815

Edição

Seção

Artigo de Ciência e Tecnologia dos Alimentos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)