Mapeando as desigualdades socioeconômicas na distribuição do comércio varejista local

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/san.v25i3.8651966

Palavras-chave:

Ambiente alimentar. Fatores sociodemográficos. Alimentação saudável. Comércios de alimento. Geoprocessamento.

Resumo

O presente estudo se propôs a caracterizar os diferentes tipos de equipamentos de varejo de alimentos presentes no ambiente alimentar e descrever sua distribuição no território segundo indicadores sociodemográficos. Para tanto, foram utilizados dados secundários do município de Jundiaí-SP. Foram verificadas a variedade e a densidade dos equipamentos de varejo, segundo dados sociodemográficos da região. Foram construídos mapas georreferenciados para ilustrar a distribuição espacial dos varejos de alimentos no município. Foi verificada uma maior concentração de varejos de alimentos nas áreas centrais da cidade. Nas áreas periféricas, com menor renda e menor escolaridade, foram encontradas maiores concentrações de pequenos comércios varejistas em relação aos Supermercados/Hipermercados. Em áreas com melhores indicadores sociodemográficos foram encontradas maiores concentrações de equipamentos varejistas do tipo padarias. Outros varejos de alimentos como feiras-livres, açougues e feiras direto do produtor concentraram-se nas áreas centrais da cidade. Concluiu-se que falta de variedade de locais que ofereçam alimentos in natura e minimamente processados em bairros periféricos podem levar a população a ter que enfrentar obstáculos para seguir as recomendações do Guia Alimentar para a População Brasileira e alcançar uma dieta saudável.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mariana Fernandes Fortes, Universidade de São Paulo

Discente de graduação em Nutrição na Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo. Departamento de Nutrição. Área de Nutrição, Saúde Pública e Saúde Coletiva.

Camila Aparecida Borges, Universidade de São Paulo

Pós-doutorado em andamento. Departamento de Nutrição - Faculdade de Saúde Pública. Universidade de São Paulo.

William Cabral de Miranda, Universidade de São Paulo

Pós-doutorando. Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas. Universidade de São Paulo.

Patricia Constante Jaime, Universidade de São Paulo.

Nutricionista. Professora associada do Departamento de Nutrição da Faculdade de Saúde Pública (FSP) da Universidade de São Paulo (USP). Mestre e Doutora em Saúde Pública pela FSP/USP. Pós-Doutora em Epidemiologia Nutricional pelo Núcleo de Pesquisas Epidemiológicas em Nutrição e Saúde - NUPENS / USP e em Políticas Públicas de Alimentação e Nutrição pela London School of Hygiene and Tropical Medicine, Reino Unido.

Referências

Canella DS, Levy RB, Martins APB, Claro RM; MoubaracJC.;Baraldi LG; et al. Ultra-processedfoodproductsandobesity in Brazilianhouseholds (20082009). PloSOne. 2014;9(3):e92752.

Louzada MLC, Baraldi LG, Steele EM, Martins APB, Canella DS, Moubarac JC, et al. Consumption of ultra-processed foods and obesity in Brazilian adolescents and adults. Prev Med. 2015 Jul29;81:9–15.

Ministério da Saúde (BR) Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Guia Alimentar para a População Brasileira/Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção Básica, Departamento de Atenção Básica.-2.ed.- Brasília: Ministério da Saúde, 2014.

Nutritional Environment Measurement Survey (Nems) Institute. Estados Unidos. 2015. Disponível em: http://www.med.upenn.edu/nems/index.shtml.

Morland K, Diez RAV, Wing S. Supermarkets, other food stores, and obesity: the atherosclerosis risk in communities study. Am J Prev Med. abril de 2006; 30(4):333–9.

Zenk SN, Lachance LL, Schulz AJ, Mentz G, Kannan S, Ridella W. Neighborhood retail food environment and fruit and vegetable intake in a multiethnic urban population. Am J Health PromotAJHP.abril de 2009; 23(4):255–64.

Gordon-larsen, Penny. Food availability/convenience and obesity. Advances in Nutrition: An International Review Journal. 2014; 5(6):809-817.

Van DHK, Oenema A, Ferreira I, Wendel-vos W, Giskes KVF, et al. A systematic review of environmental correlates of obesity-related dietary behaviors in youth. Health Educ Res. 2007; 22(2):203-26.

Sallis JF, Glanz K. Physical activity and food environments: Solutions to the obesity epidemic. Milbank. 2009; 87(1):123-54.

Rose D, Richards R. Food store access and household fruit and vegetable use among participants in the US Food Stamp Program. Public Health Nutrition. 2004; 7: 1081–1088.

Laraia BA. Et Al. Proximity of supermarkets is positively associated with diet quality index for pregnancy. Preventive medicine. 2004; 39(5):869-875.

Cummins S. Neighbourhood food environment and diet—Time for improved conceptual models?. Preventive medicine. 2007; 44(3):196-197.

Wrigley N. 'Food deserts' in British cities: policy context and research priorities. Urban studies. 2002; 39(11):2029-2040.

Franco M. et al. Neighborhood characteristics and availability of healthy foods in Baltimore. American journal of preventive medicine. 2008: 35(6):561-567.

Hendrickson D, Smith C, Eikenberry N. Fruit and vegetable access in four low-income food deserts communities in Minnesota. Agriculture and Human Values. 2006: 23(3):371-383.

Diez Roux, A.V.; Mair, C. Neighborhoods and health. Annals of the New York Academy of Sciences, New York. 2010; 1186:125-145.

Chung C, Myers J. Do the poor pay more for food? An analysis of grocery store availability and food price disparities. J ConsumAff. 1999;33(2):276–296

Shaffer A. The persistence of LA's grocery gap: the need for a new food policy and approach to market development. Occidental College Scholar. 2002.

Horowitz Cr, Colson Ka, Hebert Pl, Lancaster K. Barriers to buying healthy foods for people with diabetes: evidence of environmental disparities. Am J Public Health. 2004;94(9):1549–1554

Drewnowski, A. Obesity, diets, and social inequalities. Nutrition reviews, v. 67, n. suppl 1, p. S36-S39, 2009.

Duran AC. Ambiente alimentar urbano em São Paulo, Brasil: avaliação, desigualdades e associações com consumo alimentar [Tese apresentada ao Programa de Pós Graduação para obtenção do título de Doutora em Ciências]. [São Paulo]: Universidade de São Paulo. Faculdade de Saúde Pública; 2013.

IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e estatística. [Acesso em 28 jul 2017] Disponível em http://www.cidades.ibge.gov.br/v3/cidades/municipio/3525904

Costa JC et al. Food purchasing sites. Repercussions for healthy eating. Appetite. 2013; 70:99-103.

Lopes ACS; Menezes MC; Araújo, ML. O ambiente alimentar e o acesso a frutas e hortaliças:“Uma metrópole em perspectiva”. Saúde e Sociedade. 2017; 26:764-773.

Cunha ARAA; Campos JB. Sistema Ceasa: Uma rede complexa e assimétrica de logística. XIII Seminário sobre a economia Mineira. Anais. Diamantina/MG. 2008.

Duran, AC et al. The role of the local retail food environment in fruit, vegetable and sugar-sweetened beverage consumption in Brazil. Public health nutrition. 2016; 19(6):1093-1102.

Ghirardelli A, Quinn V, Foerster SB. Using geographic information systems and local food store data in California's low-income neighborhoods to inform community initiatives and resources. American journal of public health. 2010; 100(11):2156-2162.

Bawa K; Ghosh A. A model of household grocery shopping behavior. Marketing letters. 1999; 10(2):149-160.

Lima Filho, DO et al. Redes de cooperação no varejo alimentar de vizinhança: percepções dos associados. 2006.

O'connell M, Buchwald DS, Duncan GE. Food access and cost in American Indian communities in Washington State. Journal of the American Dietetic Association. 2011; 111(9):1375-1379.

World Health Organization. Diet, nutrition, and the prevention of chronic diseases: report of a joint WHO/FAO expert consultation. Vol. 916. World Health Organization, 2003.

Wang MC, Cubbin C, Ahn D, &Winkleby MA. Changes in neighbourhood food store environment, food behaviour and body mass index, 1981–1990. Public health nutrition, 11(9), 963-970, 2008.

Howard PH, Fitzpatrick M, &Fulfrost B. Proximity of food retailers to schools and rates of overweight ninth grade students: an ecological study in California. BMC Public Health, 11(1), 68, 2011.

Fornazier A &Belik W. Produção e consumo local de alimentos: novas abordagens e perspectivas para as políticas públicas. Segurança Alimentar e Nutricional, 20(2), 204-218, 2013.

Turismo Rural Circuito Das Frutas. (2017). Disponível em: https://www.circuitodasfrutas.com.br/

Souza-Esquerdo VFD & Bergamasco SMPP. Análise sobre o acesso aos programas de políticas públicas da agricultura familiar nos municípios do circuito das frutas (SP). Revista de Economia e Sociologia Rural, 52, 205-222, 2014.

Prefeitura do município de Jundiaí. (2017). Disponível em: https://www.jundiai.sp.gov.br/

Casa Civil (BR) Secretaria Especial de Agricultura Familiar e Desenvolvimento Agrário. Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar PRONAF. Disponível em: http://www.mda.gov.br/sitemda/secretaria/saf-creditorural/sobre-o-programa

Prefeitura de São Paulo. (2017). Disponível em: http://www.capital.sp.gov.br/noticia/prefeitura-lanca-programa-de-incentivo-a

Downloads

Publicado

2018-10-17

Como Citar

1.
Fortes MF, Borges CA, Miranda WC de, Jaime PC. Mapeando as desigualdades socioeconômicas na distribuição do comércio varejista local. Segur. Aliment. Nutr. [Internet]. 17º de outubro de 2018 [citado 6º de dezembro de 2021];25(3):45-58. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/san/article/view/8651966

Edição

Seção

Artigo de Segurança Alimentar e Nutricional