Banner Portal
Potencialidades e fragilidades da educação a distância no contexto da atenção básica
PDF

Palavras-chave

Educação a distância
Atenção primária a saúde
Segurança alimentar e nutricional.
Distance learning
Primary health care
Food policy.

Como Citar

RUSSO, N. C.; NUNES, K. R.; VIEIRA, C. M.; KOMURO, J. E.; OLIVEIRA, M. R. M. de. Potencialidades e fragilidades da educação a distância no contexto da atenção básica: estudo exploratório qualitativo. Segurança Alimentar e Nutricional, Campinas, SP, v. 26, p. e019020, 2019. DOI: 10.20396/san.v26i0.8653634. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/san/article/view/8653634. Acesso em: 1 mar. 2024.

Resumo

A educação a distância como estratégia para o incremento das ações de alimentação e nutrição na atenção primária no SUS é o tema central desse artigo, com o objetivo de avaliar o processo de educação a distância para a promoção da segurança alimentar e nutricional no contexto da atenção básica. Os dados foram gerados a partir da interação dos educandos e tutores, categorizados a partir do referencial de análise de conteúdo, os resultados a luz da teoria da Problematização e apoiada pelo arcabouço teórico da Saúde Coletiva. Categorias de análise destacam-se: O processo educacional e o educando em ambiente virtual; O papel do tutor na modalidade de EAD: Ações intersetoriais e territorialização. Concluiu-se que a educação a distância é uma tecnologia que promove mudanças, quando utilizada para aproximar teoria e prática, ressignificar o trabalho e empoderar o educando para ações de transformação na atenção básica

https://doi.org/10.20396/san.v26i0.8653634
PDF

Referências

Marin MJS, Nascimento EN, Tonhom SFR, Alves SBDA, Otani MAP, Girotto MAet al. Educação permanente: avanços de uma especialização em Saúde da Família na modalidade a distância. RECIIS. 2017;11(4):1-12.

Tavares APC, Leite BS, Silveira IA, Santos TD, Brito WAP, Camacho ACLF. Analysis of Brazilian publications on distance education in nursing: integrative review. Rev. Bras. Enferm. 2018; 71(1): 214-222.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Matriz de ações de alimentação e nutrição na atenção básica de saúde. Série A. Normas e Manuais Técnicos. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2009.

Oliveira MRM, Vieira CM, Galesi, LF. A dimensão presencial de articulação da rede-SANS. In: O tecido da Rede-SANS: histórico, narrativas e reflexões [Internet].2016.São Paulo: CulturaAcadêmica;2016.

Dougiamas M, Taylor P. MOODLE: Using Learning Communities to Create an Open Source Course Management System. Ed-Media [Internet] 2003. [Acesso em 08 out 2018]. Disponível em: http://dougiamas.com/writing/edmedia2003

Associação Brasileira de Educação a Distância (org). Censo EAD. BR: relatório analítico da aprendizagem a distância no Brasil 2016. Curitiba: InterSaberes; 2017.

Bardin L. Análise de conteúdo. 5. ed. Lisboa: Edições 70; 2009.

Bordenave JD, Pereira, AM. Estratégias de ensino aprendizagem. 4.ed. Petrópolis: Vozes, 1982.

Berbel NAN. Metodologia da problematização aplicada a situações de ensino superior. Semina. 1995;16(2):9-19.

Carvalho JS. Educação cidadã a distância: uma perspectiva emancipatória a partir de Paulo Freire [tese].São Paulo: Universidade de São Paulo; 2015.

Amarilla Filho P. Educação a distância: uma abordagem metodológica e didática a partir dos ambientes virtuais. Educação em Revista. 2011;27(2):41-72.

Gadotti M. Perspectivas atuais da educação. São Paulo em Perspectiva. 2000;14(2):03-11.

Cogo ALP. Educação a distância como um espaço de pesquisa para a enfermagem [editorial]. Rev Gaúcha Enferm. 2011;32(2):216.

Sacramento MO. A percepção das emoções na educação a distância: um estudo do processo de ensino e aprendizagem no ambiente online. Ciência (in) Cena Bahia. 2015;(2):17-27.

Freire P. Pedagogia do oprimido. 50a ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra; 2011.

Nogueira VS. A linguagem escrita na educação a distância: possibilidades de comunicação e constituição do sujeito/aluno. In: Anais do XV ENDIPE – Encontro Nacional de Didática e Prática de Ensino. Convergências e tensões no campo da formação e do trabalho docente: políticas e práticas educacionais [Internet]; 2010; Belo Horizonte. Belo Horizonte: ENDIPE; 2010.Disponível em: http://w3.ufsm.br/kosmos/textos/vanessa_endipe.pdf

Abreu-e-Lima DM, Alves MN. O feedback e sua importância no processo de tutoria a distância. Pro-Posições. 2011;22(2):189-205.

Zeferino A, Domingues R, Amaral E. Feedback como estratégia de aprendizado no ensino médico. Revista Brasileira de Educação Médica. 2007;31(2):176-179.

Burlandy L. Segurança Alimentar e Nutricional: intersetorialidade e as ações de nutrição. Saúde em Revista. 2004;6(13):9-15.

Jaime PC, Delmuè DCC, Campello T, Silva DO, Santos LMP. Um olhar sobre a agenda de alimentação e nutrição nos trinta anos do Sistema Único de Saúde. Ciênc. Saúde coletiva [Internet]. 2018 [acesso em 05 out 2018]; 23(6):1829-1836. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo

Ferreira VSC, Silva LMV. Intersetorialidade em saúde: um estudo de caso. In: HartzZMA, Silva LMV. Avaliação em saúde: dos modelos teóricos à prática na avaliação deprogramas e sistemas de saúde. Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ; 2005. p. 103-150.

Raffestin C. Por uma Geografia do Poder. Tradução de Maria Cecília França. São Paulo: Ática; 1993.

Gondim GMM, Monken M, Rojas LI, Barcellos C, Peiter P, Navarro M, et al. O território da saúde: a organização do sistema de saúde e a territorialização. In: Miranda AC, Barcellos C, Moreira JC, Monken M. Território, saúde e ambiente. Rio de Janeiro: Fiocruz; 2008. p.237-255.

Instituto de Economia Agrícola – IEA. Política de Segurança Alimentar eNutricional e a Articulação do Território Brasileiro: questões a debater. Análises e Indicadores do Agronegócio [Internet]. 2011[acesso em 05 out 2018]; 9. Disponível em: http://www.iea.sp.gov.br/ftpiea/AIA/AIA-34-2011.pdf.

A revista Segurança Alimentar e Nutricional utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.