Potencialidades e fragilidades da educação a distância no contexto da atenção básica

estudo exploratório qualitativo

Palavras-chave: Educação a distância, Atenção primária a saúde, Segurança alimentar e nutricional., Distance learning, Primary health care, Food policy.

Resumo

A educação a distância como estratégia para o incremento das ações de alimentação e nutrição na atenção primária no SUS é o tema central desse artigo, com o objetivo de avaliar o processo de educação a distância para a promoção da segurança alimentar e nutricional no contexto da atenção básica. Os dados foram gerados a partir da interação dos educandos e tutores, categorizados a partir do referencial de análise de conteúdo, os resultados a luz da teoria da Problematização e apoiada pelo arcabouço teórico da Saúde Coletiva. Categorias de análise destacam-se: O processo educacional e o educando em ambiente virtual; O papel do tutor na modalidade de EAD: Ações intersetoriais e territorialização. Concluiu-se que a educação a distância é uma tecnologia que promove mudanças, quando utilizada para aproximar teoria e prática, ressignificar o trabalho e empoderar o educando para ações de transformação na atenção básica

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Natália Conteçote Russo, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho

Enfermeira graduada e Mestre em enfermagem pela Faculdade de Medicina de Botucatu - Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho.

Karina Rubia Nunes, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho

Possui mestrado e doutorado em Saúde Coletiva pela Faculdade de Ciências Médicas e Biológicas de Botucatuda Universidade Estadual Paulista.

Carla Maria Vieira, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho

Doutora pelo Dpto. Psicologia Médica e Psiquiatria da Faculdade de Ciências Médicas da Universidade Estadual de Campinas. Vínculo atual com a Universidade Estadual Paulista de Botucatu, como bolsista em programa de Pós doutorado.

Jéssica Emy Komuro, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho

Mestre pelo programa de pós-graduação em Enfermagem, departamento de Enfermagem da Faculdade de Medicina de Botucatu da Universidade Estadual Paulista.

Maria Rita Marques de Oliveira, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho

Docente da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho no Instituto de Biociências de Botucatu (Curso de Nutrição). Orientadora nos Programas de Pós-Graduação em Alimentos e Nutrição da Faculdade de Ciências Farmacêuticas.

Referências

Marin MJS, Nascimento EN, Tonhom SFR, Alves SBDA, Otani MAP, Girotto MAet al. Educação permanente: avanços de uma especialização em Saúde da Família na modalidade a distância. RECIIS. 2017;11(4):1-12.

Tavares APC, Leite BS, Silveira IA, Santos TD, Brito WAP, Camacho ACLF. Analysis of Brazilian publications on distance education in nursing: integrative review. Rev. Bras. Enferm. 2018; 71(1): 214-222.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Matriz de ações de alimentação e nutrição na atenção básica de saúde. Série A. Normas e Manuais Técnicos. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2009.

Oliveira MRM, Vieira CM, Galesi, LF. A dimensão presencial de articulação da rede-SANS. In: O tecido da Rede-SANS: histórico, narrativas e reflexões [Internet].2016.São Paulo: CulturaAcadêmica;2016.

Dougiamas M, Taylor P. MOODLE: Using Learning Communities to Create an Open Source Course Management System. Ed-Media [Internet] 2003. [Acesso em 08 out 2018]. Disponível em: http://dougiamas.com/writing/edmedia2003

Associação Brasileira de Educação a Distância (org). Censo EAD. BR: relatório analítico da aprendizagem a distância no Brasil 2016. Curitiba: InterSaberes; 2017.

Bardin L. Análise de conteúdo. 5. ed. Lisboa: Edições 70; 2009.

Bordenave JD, Pereira, AM. Estratégias de ensino aprendizagem. 4.ed. Petrópolis: Vozes, 1982.

Berbel NAN. Metodologia da problematização aplicada a situações de ensino superior. Semina. 1995;16(2):9-19.

Carvalho JS. Educação cidadã a distância: uma perspectiva emancipatória a partir de Paulo Freire [tese].São Paulo: Universidade de São Paulo; 2015.

Amarilla Filho P. Educação a distância: uma abordagem metodológica e didática a partir dos ambientes virtuais. Educação em Revista. 2011;27(2):41-72.

Gadotti M. Perspectivas atuais da educação. São Paulo em Perspectiva. 2000;14(2):03-11.

Cogo ALP. Educação a distância como um espaço de pesquisa para a enfermagem [editorial]. Rev Gaúcha Enferm. 2011;32(2):216.

Sacramento MO. A percepção das emoções na educação a distância: um estudo do processo de ensino e aprendizagem no ambiente online. Ciência (in) Cena Bahia. 2015;(2):17-27.

Freire P. Pedagogia do oprimido. 50a ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra; 2011.

Nogueira VS. A linguagem escrita na educação a distância: possibilidades de comunicação e constituição do sujeito/aluno. In: Anais do XV ENDIPE – Encontro Nacional de Didática e Prática de Ensino. Convergências e tensões no campo da formação e do trabalho docente: políticas e práticas educacionais [Internet]; 2010; Belo Horizonte. Belo Horizonte: ENDIPE; 2010.Disponível em: http://w3.ufsm.br/kosmos/textos/vanessa_endipe.pdf

Abreu-e-Lima DM, Alves MN. O feedback e sua importância no processo de tutoria a distância. Pro-Posições. 2011;22(2):189-205.

Zeferino A, Domingues R, Amaral E. Feedback como estratégia de aprendizado no ensino médico. Revista Brasileira de Educação Médica. 2007;31(2):176-179.

Burlandy L. Segurança Alimentar e Nutricional: intersetorialidade e as ações de nutrição. Saúde em Revista. 2004;6(13):9-15.

Jaime PC, Delmuè DCC, Campello T, Silva DO, Santos LMP. Um olhar sobre a agenda de alimentação e nutrição nos trinta anos do Sistema Único de Saúde. Ciênc. Saúde coletiva [Internet]. 2018 [acesso em 05 out 2018]; 23(6):1829-1836. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo

Ferreira VSC, Silva LMV. Intersetorialidade em saúde: um estudo de caso. In: HartzZMA, Silva LMV. Avaliação em saúde: dos modelos teóricos à prática na avaliação deprogramas e sistemas de saúde. Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ; 2005. p. 103-150.

Raffestin C. Por uma Geografia do Poder. Tradução de Maria Cecília França. São Paulo: Ática; 1993.

Gondim GMM, Monken M, Rojas LI, Barcellos C, Peiter P, Navarro M, et al. O território da saúde: a organização do sistema de saúde e a territorialização. In: Miranda AC, Barcellos C, Moreira JC, Monken M. Território, saúde e ambiente. Rio de Janeiro: Fiocruz; 2008. p.237-255.

Instituto de Economia Agrícola – IEA. Política de Segurança Alimentar eNutricional e a Articulação do Território Brasileiro: questões a debater. Análises e Indicadores do Agronegócio [Internet]. 2011[acesso em 05 out 2018]; 9. Disponível em: http://www.iea.sp.gov.br/ftpiea/AIA/AIA-34-2011.pdf.

Publicado
2019-06-10
Como Citar
Russo, N. C., Nunes, K. R., Vieira, C. M., Komuro, J. E., & Oliveira, M. R. M. de. (2019). Potencialidades e fragilidades da educação a distância no contexto da atenção básica. Segurança Alimentar E Nutricional, 26, e019020. https://doi.org/10.20396/san.v26i0.8653634
Seção
Artigo de Nutrição em Saúde Pública