Avaliação nutricional de Butiá (Butia yatai) processado

Palavras-chave: Fruta nativa. Segurança Alimentar Nutricional. Guia alimentar para a população brasileira.

Resumo

O consumo de frutas nativas é fundamental para a saúde da sociedade. No Rio Grande do Sul, destaca-se a relevância socioambiental de diferentes espécies de butiá. Entretanto, o Guia Alimentar para População Brasileira, lançado em 2014 com objetivo de fomentar escolhas alimentares mais saudáveis, pondera que o processamento mínimo pode influenciar negativamente no teor nutricional dos alimentos. Portanto, este trabalho teve como objetivo avaliar como o processo de despolpa de Butia yatay interfere, ao longo de três meses de armazenamento, na composição do alimento, particularmente no valor calórico, no teor de fibras e na estabilidade do ácido ascórbico. Foram utilizados frutos de Butia yatay coletados e analisados entre os meses de março e junho de 2017, analisando-se parâmetros físico-químicos e centesimais da fruta e da polpa de Butia yatay. Do ponto de vista físico-químico, a polpa, quando comparada à fruta, apresenta maior teor de umidade, de açúcares dissolvidos e teor de ácido cítrico. A polpa apresentou aumento de 24,5% na quantidade energética total, porém, quando se trata das fibras alimentares totais, houve redução de 47,9%. O teor de ácido ascórbico diminuiu 44,6% durante o período estudado. Tanto a fruta como a polpa apresentaram alto teor de fibras alimentares. Portanto, foi possível identificar que o processo de beneficiamento do Butia yatay acarreta em mudanças nas características da fruta para a polpa, mas ambos os alimentos podem ser considerados nutritivos para compor a base da alimentação regional.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Josué Schneider Martins, Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Mestre em Ciência e Tecnologia de Alimentos. Pesquisas na área de Agroecologia e de Segurança Alimentar e Nutricional. 
Eduardo Madruga Melo, Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Graduando em Engenharia de Alimentos da Universidade Federal do Rio Grande do Sul.
Lucas Prestes Fallavena, Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Mestre em Ciência e Tecnologia de Alimentos pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul.
Plinho Franscisco Hertz, Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Professor do Programa de Pós-Graduação em Ciência e Tecnologia de Alimentos

Referências

Hoffman JF, Barbieri RL, Rombaldi CV, Chaves, FC. Butia spp. (Aracaceae): An overview. Scientia Horticulturae. n. 179: 122-131, 2014.

Faria JP, Almeida F, Silva LCR, Vieira RF, Agostini-Costa TS. Caracterização da polpa do coquinho-azedo (Buta capitata var capitata). Rev. Bras. Frutic., Jaboticabal – SP, v. 30, n.3, p.827-829, Setembro, 2008. [internet]. [Acesso em 15 fev. 2017]. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-29452008000300045

Food and Agriculture Organizations. Sustainable Diets and Biodiversity. Roma, 2010. [internet]. [Acesso em 15 fev 2018]. Disponível em http://www.fao.org/docrep/016/i3004e/i3004e.pdf

Takeuti D, Oliveira JM. Para além dos aspectos nutricionais: uma visão ambiental do sistema alimentar. Segurança Alimentar e Nutricional, Campinas, 20(2):194-203, 2013. Disponível em https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/san/article/view/8634597/2518

Barbieri RL. Vida no Butiazal. Brasília (DF), Embrapa, 2015. Disponível em: https://www.embrapa.br/noticias-rss/-/asset_publisher/HA73uEmvroGS/content/id/21473788

Buttow MV, Barbieri RL, Neitzke RS, Heiden G. Conhecimento Tradicional Associado ao uso de Butiás (Butia spp., Arecaceae) no sul do Brasil. Rev. Bras. Frut., Jaboticabal – SP, v. 31, n. 4, p.1069-1075, Dezembro 2009. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0100-29452009000400021&script=sci_abstract&tlng=pt

Kohler M, Brack P. Frutas nativas no Rio Grande do Sul: Cultivando e valorizando a diversidade. Revista Agriculturas, v. 13, n. 2, junho 2016. Disponível em: http://aspta.org.br/wp-content/uploads/2016/08/Agriculturas_V13N2-Artigo01.pdf

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Guia Alimentar para População Brasileira, 2ª edição. Brasília (DF), 2014. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/guia_alimentar_populacao_brasileira_2ed.pdf

Monteiro CA, Levy RB, Claro RM, Castro IRR, Cannon G. A new classification of foods based on the extend and purpouse of their processing. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 26(11):2039- 2049, nov, 2010. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-311X2010001100005

Monteiro CA, Cannon G, Levy RB, Moubarac JC, Laime P, Martins AP, Canella D, Louzada M, Parra D. NOVA The star shines bright. Wolrd Nutrition Volume 7, number 1-3, january-march 2016. Disponível em: http://archive.wphna.org/wp-content/uploads/2016/01/WN-2016-7-1-3-28-38-Monteiro-Cannon-Levy-et-al-NOVA.pdf

Salgado SM, Guerra NB, Melo Filho AB. Polpa de fruta congelada: Efeito do processamento sobre o conteúdo de fibra alimentar. Rev. Nutr., Campinas, 12(2): 303-308, set/dez, 1999. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rn/v12n3/v12n3a09

Instituto Adolfo Lutz. Métodos físico-químicos para análise de alimentos. Versão eletrônica, São Paulo, 2008. Disponível em: http://www.ial.sp.gov.br/resources/editorinplace/ial/2016_3_19/analisedealimentosial_2008.pdf

Tonietto A, Schlindwein G, Tonietto SM, Bezerra AES, Duprat ACD, Costa AA. Qualidade de polpa de butiá obtida por processamento industrial. In. XX Congresso Brasileiro de Fruticultura. 54th Annual Meeting of the Interamerican Society for Tropical Horticulture. Centro de convenções, Vitória (ES), 2008.

Eslabão MP, Pereira PEE, Barbieri RL, Heiden G. Mapeamento da distribuição geográfica de butia (arecaceae). In: 18º Encontro de pós-graduação UFPEL. Pelotas, 2016. Disponível em: https://www.embrapa.br/busca-de-publicacoes/-/publicacao/1058641/mapeamento-da-distribuicao-geografica-de-butia-arecaceae

Martins JS, Melo EM, Cardoso FD, Ramos MO, Hertz, PF. Comparação de rendimento e de parâmetros físico-químicos entre diferentes formas de processamento de polpa de Butia catarinensis. Cadernos de Agroecologia, v. 13, n. 1, 2018.

Nunes AM, Fachinello JC, Radmann EB, Bianchi VJ, Schwartz E. Caracteres Morfológicos e Físico-químicos de butiazeiros (Butia capitata) na região de Pelotas, Brasil. Interciência, Vol. 35, n. 7, p. 500-505, Jul 2010. Disponível em: http://www.redalyc.org/pdf/339/33914381005.pdf

Dal Magro NG, Coelho SRM, Haida KS, Berté SD, Moraes SS. Comparação físico-química de frutos congelados de Butia eriospatha (Mart.) Becc. Do Paraná e Santa Catarina (BR). Revista Varia Scientia v.06, n.11, p.33-42, 2006. Disponível em: http://e-revista.unioeste.br/index.php/variascientia/article/view/704/594

Brasil. Tabela Brasileira de Composição de alimentos/NEPA-UNICAMP. Campinas, 2004. Disponível em: http://www.cfn.org.br/wp-content/uploads/2017/03/taco_4_edicao_ampliada_e_revisada.pdf

Berskow GT, Hoffmann JF, Teixeira AM, Fachinello JC, Chaves FC, Rombaldi CV. Bioactive and yield potential of jelly palms (Butia odorata Barb. Rodr.) Food Chemistry 172: 699-704, 2015. Disponível em: https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0308814614014964?via%3Dihub

Ferrão TS, Ferreira DF, Flores DW, Bernardi G, Link D, Barin J, Wagner R. Evaluation of composition and quality parameters of jelly palm (Butia odorata) fruits from different regions of Souther Brazil. Food Research International 54: 57-62, 2013.

Brasil. Agencia Nacional de Vigilância Sanitária. Regulamento Térmico sobre Informação Nutricional Complementar. Resolução de Diretoria Colegiada (RDC) n° 54, de 12 de novembro de 2012. Disponível em: http://portal.anvisa.gov.br/documents/%2033880/2568070/rdc0054_12_11_2012.pdf/c5ac23fd-974e-4f2c-9fbc-48f7e0a31864

Bertin RL, Schulz M, Amante ER. Estabilidade de vitaminas no processamento de alimentos: uma revisao. B.CEPPA, v. 34, n. 2, jul/dez, 2016. Disponível em: http://revistas.ufpr.br/alimentos/article/view/53177/32560

Brasil. Agencia Nacional de Vigilância Sanitária. Regulamento Técnico sobre a ingestão diária recomendada (IDR) de proteína, vitamina e minerais. Resolução de Diretoria Colegiada (RDC) n° 269 de setembro de 2005. Disponível em: http://portal.anvisa.gov.br/documents/33916/394219/RDC_269_2005.pdf/2e95553c-a482-45c3-bdd1-f96162d607b3

Krolow ACR, Vizzotto M, Barbieri RL, Fonseca LX. Processing and characterization of Butia capitata from Rio Grande do Sul. International Conference on Food Innovation, Universidad Politécnica de Valencia, 2010.

Pereira MC, Steffens RS, Jablonski A, Hertz PF, Rios AO, Vizzotto M, Flores SH. Characterizations, bioactive compounds and antioxidant potential of three Brazillian fruits. Journal of Food Composition and Analysis n. 29: 19-24, 2013.

Jacna TJ, Hermes VS, Flores SH, Rios AO. Bioactive compounds in pindo palm (Butia capitata) juice and in pomace resulting of the extration process. J Sci Food Agric n. 96: 1216-1222, 2016.

Publicado
2019-03-27
Como Citar
Martins, J. S., Melo, E. M., Fallavena, L. P., & Hertz, P. F. (2019). Avaliação nutricional de Butiá (Butia yatai) processado. Segurança Alimentar E Nutricional, 26, e019012. https://doi.org/10.20396/san.v26i0.8654389
Seção
Artigo de Ciência e Tecnologia dos Alimentos