Alimentos orgânicos

a opinião de consumidores de um município no sudoeste do Paraná

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/san.v29i00.8654503

Palavras-chave:

Agroecologia, Consumidores, Aquisição de alimentos, Orgânicos

Resumo

O presente estudo procurou conhecer a opinião dos consumidores de um município de pequeno porte da região sudoeste do Paraná em relação aos alimentos orgânicos, buscando identificar os fatores que possam interferir na sua aquisição e no consumo. Utilizou-se como instrumento para coleta de dados um questionário elaborado para este fim a partir de outros estudos já realizados e um questionário socioeconômico. A maioria dos participantes da pesquisa era adulta (86%; n=327), do gênero feminino (77%; n=294), residia na área urbana do município (80%; n=308) e o nível de escolaridade concentrou-se no ensino superior (42%; n=159). Quanto ao conhecimento sobre alimentos orgânicos, 96% (n=368) os entrevistados relataram que conhecem tais alimentos e o critério mais importante para sua aquisição é “fazer bem a saúde” (55%; n=211). Por outro lado, foi destacada a existência de poucos locais para adquirí-los (64%; n= 245), prevalecendo, assim, o baixo consumo pelo grupo (53%; n= 205). A maioria respondeu que confia nas universidades (76%; n= 291) e em profissionais nutricionistas (77%; n= 294) como referência sobre o tema e mais de um terço não confia nas mídias como agentes formadores de opinião (39%; n= 149).  O principal fator que interfere na aquisição e no consumo de orgânicos é a falta de locais destinados à venda dos mesmos, o que restringe o acesso à população.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Alane Marília Garcia, Universidade Federal da Fronteira Sul

Graduada em Nutrição pela Universidade Federal da Fronteira Sul.

Rozane Aparecida Toso Bleil, Universidade Federal da Fronteira Sul

Doutorado em Alimentos e Nutrição pela Universidade Estadual de Campinas. Professora adjunto IV no Curso de Nutrição da Universidade Federal da Fronteira Sul.

Jucieli Weber, Universidade Federal da Fronteira Sul

Doutorado em Ciências dos Alimentos pela Universidade Federal de Santa Catarina. Professora Adjunto III no Curso de Nutrição da Universidade Federal da Fronteira Sul.

Referências

Archanjo LR, Brito KFW, Sauerbeck S. Os alimentos orgânicos em Curitiba: consumo e significado. Cadernos de Debate. 2001;8: 1-6.

Sá MA, Gonçalves EB, Souza VAB, Lapolli EM. Produtores orgânicos e a sustentabilidade. Rev. Bras. de Agroecologia. 2014;9(2):84-97.

Borguini RG, Torres EAF. Alimentos Orgânicos: Qualidade Nutritiva e Segurança do Alimento. Segurança Alimentar e Nutricional. 2006;13(2):64-75. DOI: https://doi.org/10.20396/san.v13i2.1833

Silva AT, Silva ST. Panorama da agricultura orgânica no Brasil. Segurança Alimentar e Nutricional. 2016;23:1031-1040. DOI: https://doi.org/10.20396/san.v23i0.8635629

Food and Agriculture Organization on United Nations (FAO)/Organização Mundial da Saúde (OMS). Codex Alimentarius: Alimentos Producidos Orgánicamente. 2001.

Paraná é líder no País em cultivo de orgânicos com certificação [Internet]. Diário de Maringá – Sustentabilidade [Acesso em 2018 set 22]. Disponível em: https://maringa.odiario.com/parana/2018/09/parana-e-lider-no-pais-em-cultivo-de-organicos-com-certificacao/2518759

Governo do Paraná, Agropecuária e Agroecologia. Programa Paraná Mais Orgânico: certificação [Internet]. Curitiba – PR: 2018 [Acesso em 2018 set 22]. Disponível em: https://www.governodigital.pr.gov.br/servicos/Agropecuaria/Agroecologia/Programa-Mais-Organico-Certificacao-4n3nlGoZ

Gil AC. Como elaborar projetos de pesquisa. 4.ed. [Internet]. São Paulo: Atlas; 2002 [Acesso em 2020 jul 15]. Disponível em: https://professores.faccat.br/moodle/pluginfile.php/13410/mod_resource/content/1/como_elaborar_projeto_de_pesquisa_-_antonio_carlos_gil.pdf

Levine DM, Berenson ML, Stephan D. Estatística: teoria e aplicações usando Microsoft Excel em Português. Rio de Janeiro: LTC; 2000.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE. Censo Demográfico 2010 [Internet]. Brasília: IBGE; 2017 [Acesso em 2020 jul 15]. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/brasil/pr/realeza/panorama

Associação Brasileira de Empresas de Pesquisa – ABEP. Critério de Classificação Econômica Brasil [Internet]. São Paulo; 2016 [Acesso em 2020 jul 15]. Disponível em: http://www.abep.org/criterio-brasil.

Hoppe A, Barcellos MD, Vieira LM, Matos CA. Comportamento do consumidor de produtos orgânicos: uma aplicação da teoria do comportamento planejado. Revista de Administração e Contabilidade da Unisinos – BASE. 2012;9(2):174-188. DOI: https://doi.org/10.4013/base.2012.92.06

Andrade LSM, Bertoldi MC. Atitudes e motivações em relação ao consumo de alimentos orgânicos em Belo Horizonte – MG. Brazilian Journal of Food Technology. 2012;4:31-40. DOI: https://doi.org/10.1590/S1981-67232012005000034

Zamberlan L, Sparemberguer A, Cappellari G, Sausen JO, Baggio DK. Alimentos orgânicos: atributos, consequências e valores percebidos no consumo. Revista de la Agrupación Joven Iberoamericana de Contabilidad y Administración de Empresas – AJOICA. 2017;17:14-28.

Wee CS, Ariff MSBM, Zakuan N, Tajudin MNM, Ismail K, Ishak N. Consumers perception, purchase intention and actual purchase behavior of organic food products. Review of Integrative Business & Economics Research. 2014;3(2):378-397.

Barbosa SC, Matteuci MBA, Leandro WM, Leite AF, Cavalcante ELS, Almeida GQE. Perfil do consumidor e oscilações de preços de produtos agroecológicos. Pesquisa Agropecuária Tropical. 2011;41(4):602-609. DOI: https://doi.org/10.5216/pat.v41i4.11854

Oliveira FCR, Hoffmann R. Consumo de alimentos orgânicos e de produtos light ou diet no Brasil: fatores condicionantes e elasticidades-renda. Segurança Alimentar e Nutricional. 2015;22(1):541-557. DOI: https://doi.org/10.20396/san.v22i1.8641571

Buzin EJWK. Mercado de produção de orgânicos em Goiânia: venda direta. Goiânia: Universidade Federal de Goiás; 2016.

Moura FA, Nogueira CM, Gouvêa MA. Atributos determinantes na compra de consumidores de alimentos orgânicos. Agroalimentaria. 2012;18(35):75-86.

Cavallet LE et al. Conhecimento da população sobre produto orgânico na região litorânea do Paraná. Revista Brasileira de Agroecologia. 2013;8(2):62-74.

Ditlevsen K, Sandøe P, Lassen J. Healthy food is nutritious, but organic food is healthy because it is pure: The negotiation of healthy food choices by Danish consumers of organic food. Food Quality and Preference. 2018;71:46-53. DOI: https://doi.org/10.1016/j.foodqual.2018.06.001

Bosona T, Gebresenbet G. Swedish consumers’ perception of food quality and sustainability in relation to organic food production. MDPI Foods. 2018;7(4):54-71. DOI: https://doi.org/10.3390/foods7040054

Andrade JC, Deliza R, Galvão MTEL, Frewer LJ, Beraquet NJ. Percepção do consumidor frente aos riscos associados aos alimentos, sua segurança e rastreabilidade. Brazilian Journal of Food Technology. 2013;16(3):184-191. DOI: https://doi.org/10.1590/S1981-67232013005000023

Magnusson MK, Arvola A, Koivisto Hursti UK, Aberg L, Sjo¨de´n PO. Attitudes towards organic foods among Swedish consumers. British Food Journal. 2001;103(3):209-226. DOI: https://doi.org/10.1108/00070700110386755

Lima PAL, Brunini MA, Kanesiro LA, Maciel Junior VA, Colombro RB. Perfil do consumidor de produtos orgânicos na cidade de São Joaquim da Barra – SP. Nucleus. 2011;8(11):67-80. DOI: https://doi.org/10.3738/1982.2278.516

Singh A, Verma P. Factors influencing Indian consumers' actual buying behaviour towards organic food products. Journal of Cleaner Production. 2017;167:473-483. DOI: https://doi.org/10.1016/j.jclepro.2017.08.106

Cunha D, Antunes A, Rocha J, Dutra T, Manfrinato C, Oliveira J, Rostagno M. Differences between organic and conventional leafy green vegetables perceived by university students: Vegetables attributes or attitudinal aspects? British Food Journal. 2019;121(7):1579-1591. DOI: https://doi.org/10.1108/BFJ-08-2018-0503

Downloads

Publicado

2022-08-19

Como Citar

GARCIA, A. M.; BLEIL, R. A. T.; WEBER, J. Alimentos orgânicos: a opinião de consumidores de um município no sudoeste do Paraná. Segurança Alimentar e Nutricional, Campinas, SP, v. 29, n. 00, p. e022008, 2022. DOI: 10.20396/san.v29i00.8654503. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/san/article/view/8654503. Acesso em: 9 dez. 2022.

Edição

Seção

Artigos Originais