Atuação dos profissionais de saúde na investigação de suspeitas de surtos de DTA´s nos hospitais de Uberlândia, Minas Gerais

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/san.v26i0.8654576

Palavras-chave:

Vigilância sanitária, Toxinfecções alimentares, Saúde pública.

Resumo

Os programas de orientação de riscos à população contribuem para a redução de Doenças Transmitidas por Alimentos (DTA’s). Quando há suspeita de surto de DTA’s, os hospitais e unidades de saúde devem comunicar à Vigilância Epidemiológica Municipal para que o processo de investigação do surto tenha início. O objetivo do presente estudo foi identificar as falhas existentes no processo de investigação de surtos de DTA’s em dois hospitais da rede privada e dois hospitais da rede pública de Uberlândia, MG. Um total de 19 médicos pediatras ou clínicos gerais, que atendem casos de suspeita de surtos de DTA’s, responderam dois questionários, sendo um de investigação e outro de pesquisa de opinião. Houve a sugestão de elaboração de uma ficha de DTA’s de rápido preenchimento a ser utilizada durante o atendimento de casos suspeitos, com a descrição dos sintomas apresentados pelos pacientes no prontuário, local de ocorrência dos surtos e identificação do alimento consumido. O desenvolvimento de uma ficha própria por paciente e seu preenchimento compulsório pelos médicos facilitariam a inter-relação entre as vigilâncias municipais e o órgão de saúde. Estas medidas permitiriam maior eficácia nos processos de investigação de DTA’s, visto que a interação entre os órgãos é deficiente, contribuindo para subnotificações de surtos de DTA’s.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Eliane Cristina Lombardi, Instituto Federal do Triângulo Mineiro

Mestre em Tecnologia de Alimentos. Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Triângulo Mineiro, Uberaba – MG.

         

Deborah Santesso Bonnas, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará

Doutora em ciência dos alimentos.

           

Fernanda Barbosa Borges Jardim, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Triângulo Mineiro

Doutora em alimentos e nutrição.

           

Katiuce Aparecida de Oliveira, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Triângulo Mineiro

Mestre em Ciencia e Tecnologia dos alimentos.

           

Ricardo Tomaz da Silva, Universidade Federal de Uberlândia

Doutorado em Ciências Veterinárias.

           

Referências

Nunes M, Cergole-Novella MC, Tiba MT, Zanon CA, Bento ISS, Pashualinoto AL, Silva AA, Thomaz I, Walendy CH. Surto de doença transmitida por alimentos nos municípios de Mauá e Ribeirão Pires – SP. Higiene Alimentar. 2017;31(264/265):97-102.

Sirtoli DB, Camarella L. O papel da vigilância sanitária na prevenção das doenças transmitidas por alimentos (DTA). Revista Saúde e Desenvolvimento. 2018;12(10):197-209.

Santos ACRB. Diagnóstico situacional da capacidade de resposta da rede hospitalar de emergência a eventos associados a viajantes internacionais em cidade – sede da Copa de 2014 – estudo de caso de Brasília. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2013.

Tonello IMS, Nunes RMS, Panaro AP. Prontuário do paciente: a questão de sigilo e a lei de acesso à informação. Revista Informação e Informação. 2013;18(2):193-210.

Brasil.Ministério da Saúde.Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância Epidemiológica. Manual integrado de vigilância, prevenção e controle de doenças transmitidas por alimentos.Brasília: Editora do Ministério da Saúde,2010.

Figueiredo MSD, Bisognin RP, Klein RL. Estudo do perfil epidemiológico dos surtos de doenças de transmissão hídrica e alimentar no Rio Grande do Sul: uma revisão dos registros no Estado. Revista Brasileira de Geografia Médica e da Saúde. 2017;13(25):48-64.

Eckhardt F. Estudo do procedimento adotado no preparo de alimentos em restaurantes do município de Bento Gonçalves [trabalho e conclusão de curso]. Bento Gonçalves: Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul, 2010.

Brasil. Ministério da Saúde. Conselho Nacional de Saúde. Resolução no 466, de 12 de dezembro de 2012. Trata de pesquisas em seres humanos. Brasília: Diário Oficial da União, 13 dez 2012.

CDC – Centro de Controle e Prevenção de Doenças. Surtos de Alimentos [internet]. 2017 [acesso em 16 mai 2017]. Disponível em: https://www.cdc.gov.

Silva Y. Doenças transmitidas por alimentos no município do Rio de Janeiro: Perfil Epidemiológico e Controle [dissertação]. Rio de Janeiro:Fundação Oswaldo Cruz, 2009.

Oliveira JJ. Surtos Alimentares de Origem Bacteriana: uma revisão [dissertação].Goiânia: Universidade Federal de Goiás, 2012.

Downloads

Publicado

2019-11-22

Como Citar

1.
Lombardi EC, Bonnas DS, Jardim FBB, Oliveira KA de, Silva RT da. Atuação dos profissionais de saúde na investigação de suspeitas de surtos de DTA´s nos hospitais de Uberlândia, Minas Gerais. Segur. Aliment. Nutr. [Internet]. 22º de novembro de 2019 [citado 20º de outubro de 2021];27:e020005. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/san/article/view/8654576

Edição

Seção

Artigos Originais

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)