Condições socioambientais relacionadas com a (In)Segurança Alimentar e Nutricional de quilombolas de uma Reserva Extrativista Marinha

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/san.v28i00.8657472

Palavras-chave:

Qualidade da água, Saneamento básico, Saúde da comunidade

Resumo

Existe íntima relação entre saúde, ambiente e alimentação. Condições precárias de vida influenciam na saúde, inclusive na Segurança Alimentar e Nutricional. Objetivou-se avaliar os aspectos socioambientais relacionados com a Segurança Alimentar e Nutricional de quilombolas de uma Reserva Extrativista Marinha. No período de junho de 2014 a setembro de 2016 foi aplicada entrevista semiestruturada, com questões sobre o perfil socioeconômico das famílias e de infraestrutura da comunidade e coletadas amostras de água estuarina. Observou-se que 65,2% tinham as famílias chefiadas por mulheres, 56,5% possuíam ensino fundamental incompleto e 47,9% tinham a renda mensal de até um salário mínimo. O saneamento básico era precário, pois inexistia coleta de lixo e o esgotamento sanitário era a céu aberto em 91,3% dos domicílios. A contagem de coliformes totais e termotolerantes variou de 0,88 a 1,64 log NMP.100mL-1 e 0,72 a 1,55 log NMP.100mL-1 respectivamente, com valores acima do permitido no período chuvoso nos pontos 1, 2 e 3 para coliformes termotolerantes no 90o percentil. As condições precárias de saneamento básico, a contaminação microbiológica da água estuarina próxima aos domicílios e a baixa escolaridade dos moradores demonstraram a vulnerabilidade socioambiental da comunidade estudada, estando diretamente relacionadas com a Insegurança Alimentar e Nutricional.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Edileide Santana da Cruz, Universidade Federal do Recôncavo da Bahia

Mestranda em Microbiologia Agrícola, pela Universidade Federal do Recôncavo da Bahia, Centro de Ciências Agrárias, Ambientais e Biológicas. Estagiária voluntária da Incubadora de Empreendimentos Solidários.

Isabella de Matos Mendes da Silva, Universidade Federal do Recôncavo da Bahia

Complexo Multidisciplinar de Estudos e Pesquisa em Saúde da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia

Fernanda Freitas, Universidade Federal do Recôncavo da Bahia

Doutora em Ciência Animal Tropical e professora adjunta da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia.

Fábio Santos de Oliveira, Universidade Federal do Recôncavo da Bahia

Doutor em Química Analítica pela Universidade Federal da Bahia. Professor Associado II da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia - Centro de Ciências da Saúde.

Valéria Macedo Almeida Camilo, Universidade Federal do Recôncavo da Bahia

Doutora em Desenvolvimento e Meio Ambiente pela Universidade Estadual de Santa Cruz. Professora Adjunta da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia.

Referências

Brasil. Decreto no 4.887, de 20 de novembro de 2003. Regulamenta o procedimento para identificação, reconhecimento, delimitação, demarcação e titulação das terras ocupadas por remanescentes das comunidades dos quilombos. Diário Oficial da União. 2003 nov 20.

Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. Quilombos das Américas: articulação de comunidades afrorrurais: documento síntese. Brasília: IPEA; 2012.

Brasil. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Senado Federal: Centro Gráfico; 1988.

Brasil. Decreto no 6. 040, de 7 de fevereiro de 2007. Instituiu a Política Nacional de Desenvolvimento Sustentável dos Povos e Comunidades Tradicionais. Diário Oficial da União. 2007 fev 8.

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. Chamada Nutricional Quilombola: Sumário Executivo. Resumo Executivo. Brasília: MDS; 2007b.

Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial. Subsecretaria de Políticas para Comunidades Tradicionais. Programa Brasil Quilombola: comunidades quilombolas brasileiras: regularização fundiária e políticas públicas [Internet]. Brasília, DF; 2009 [acesso em 2019 mar 4 mar]. Disponível em: http://www.seppir.gov.br/.arquivos/pbq.pdf.

Brasil. Lei no 11. 346, de 15 de setembro de 2006. Cria o Sistema Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional – SISAN com vistas em assegurar o direito humano à alimentação adequada e dá outras providências. Diário Oficial da União. 2006 set 16.

Burlandy LA. Construção da política de segurança alimentar e nutricional no Brasil: estratégias e desafios para a promoção da intersetorialidade no âmbito federal de governo. Ciência & Saúde Coletiva. 2009;14(3):851-860.

Matiello Júnior E, Gonçalves A, Martinez JFM. Superando riscos na atividade física relacionada à saúde. Movimento. 2008;14(1):39-61.

Martins A. Conflitos ambientais em Unidades de Conservação: dilemas da gestão territorial no Brasil. Revista Bibliográfica de Geografía y Ciencias Sociales. 2012:17(989):01-11.

Medeiros R, Araújo FFS. Dez anos do sistema nacional de unidades de conservação da natureza: lições do passado, realizações presentes e perspectivas para o futuro. Brasília: Ministério do Meio Ambiente; 2011.

Brasil. Decreto S/N, de 11 de agosto de 2000. Cria a Reserva Extrativista Marinha Baía do Iguape [Internet]. Diário Oficial da União. 2000 ago 11 [acesso em 2019 mar 25]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/dnn/2000/Dnn8999.htm.

Araújo MHS. Projeto Terra de Direitos: Apoio à Defesa e Proteção dos Direitos Políticos e Civis das Comunidades Remanescentes de Quilombo do Recôncavo Baiano [mapa]. Cachoeira; 2018.

Amorozo MCM, Ming LC, Silva SMP. Métodos de coleta e análise de dados em etnobiologia e disciplinas correlatas. In: Anais do Seminário de Etnobiologia e Etnoecologia do Sudeste; 2002. Rio Claro, Brasil. Rio Claro: UNESP; 2002. p. 204.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa Nacional de Saúde: 2013: acesso e utilização dos serviços de saúde, acidentes e violências. Rio de Janeiro: IBGE; 2015.

Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade. Documento Final de Caracterização da Unidade Reserva Extrativista Baía do Iguape. Brasília: ICMBIO; 2016.

Conselho Nacional de Saúde (Brasil). Resolução no 466, de 12 de dezembro de 2012. Aprova normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos. Diário Oficial da União. 2012 dez 12.

Conselho Nacional do Meio Ambiente (Brasil). Resolução no 357, de 17 de março de 2005. Dispõe sobre a classificação dos corpos de água e diretrizes ambientais para o seu enquadramento, bem como estabelece as condições e padrões de lançamento de efluentes, e dá outras providências. Diário Oficial da União. 2005 mar 18.

American Public Health Association. Standard Methods for the Examination of Water and Wastewater. 19th ed. American Public Health Association, American Water Works Association, Water Environment Federation: Washington; 2005.

Microsoft. Office Excel (Version 14.0) [Programa de computador]. 1 CD-ROM; 2010

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa de Orçamentos Familiares – POF 2008/2009. Rio de Janeiro: IBGE; 2010.

Silva DO, Guerreiro AFH, Guerrero CH, Toledo LM. A rede de causalidade da insegurança alimentar e nutricional de comunidades quilombolas com a construção da rodovia BR-163, Pará, Brasil. Revista de Nutrição. 2008;21:83-87.

Santos RC, Silva MS. Condições de vida e itinerários terapêuticos de quilombolas de Goiás. Saúde e Sociedade 2014 [Internet]. São Paulo; 2014 [acesso em 2019 abr 25];23(3):1049-1063 Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/sausoc/v23n3/0104-1290-sausoc-23-3-1049.pdf.

Kopruszynski CP, Costa VMHM. Programas de transferência condicionada de renda e segurança alimentar e nutricional. Segurança Alimentar e Nutricional. 2016;23(n.esp):996-1007.

Amorim MM, Tomazi L, Silva RAA, Gestinari RS, Figueiredo TB. Avaliação das condições habitacionais e de saúde da Comunidade Quilombola Boqueirão, Bahia, Brasil. Bioscience Journal. 2013;29(4):1049-1057.

Panigassi G, Segall-Corrêa AM, Marín-León L, Pérez-Escamilla R, Sampaio MFA, Maranha LK. Insegurança alimentar como indicador de iniquidade: análise de inquérito populacional. Cadernos de Saúde Pública. 2008;24(10):2376-2384.

Ministério do Desenvolvimento Social. Combate à Fome Cadernos de Estudos Desenvolvimento Social em Debate. Brasília: Secretaria de Avaliação e Gestão da Informação; 2014a.

Camilo VMA, Freitas F, Neiva GS, Costa TS, Silva IMM. Processamento artesanal de sururu (Mytella guyanensis) pelas marisqueiras da RESEX Baía do Iguape: avaliação da qualidade antes e após intervenção educativa. Vigilância Sanitária em Debate: Sociedade, Ciência & Tecnologia. 2016;6(4):34-42.

Sousa LM, Martins KA, Cordeiro MM, Monego ET, Silva SU, Alexandre VP. Alimentação escolar nas comunidades quilombolas: desafios e potencialidades. Ciência & Saúde Coletiva. 2013;18(4):987-992.

Ministério da Saúde. Fundação Nacional de Saúde. Manual de controle da qualidade da água para técnicos que trabalham em ETAS/Ministério da Saúde, Fundação Nacional de Saúde. Brasília: Funasa; 2014b.

Monego ET, Peixoto MRG, Cordeiro MM, Costa RM. (In)segurança alimentar de comunidades quilombolas do Tocantins. Segurança Alimentar e Nutricional. 2010;17(1):37-47.

Freitas F, Neiva GS, Cruz ES, Santana JM, Silva IMM, Mendonça FS. Qualidade microbiológica e fatores ambientais de áreas estuarinas da Reserva Extrativista Marinha Baía do Iguape (Bahia) destinadas ao cultivo de ostras nativas. Engenharia Sanitária e Ambiental. 2017; 22(4):723-729.

Doi SA, Oliveira AJFC, Barbieri E. Determinação de coliformes na água e no tecido mole das ostras extraídas em Cananéia, São Paulo, Brasil. Engenharia Sanitária e Ambiental. 2015;20(1):111-118.

Food and Agriculture Organization. Report of the joint FAO/IOC/WHO ad hoc expert consultation on Biotoxins in bivalve molluscs [Internet]. Noruega: FAO; 2005 [acesso em 2019 nov 06]. Disponível em: https://unesdoc.unesco.org/ark:/48223/pf0000139421.

Souza DS, Ramos AP, Nunes FF, Moresco V, Taniguchi S, Leal DA et al. Evaluation of tropical water sources and mollusks in southern Brazil using microbiological, biochemical, and chemical parameters. Ecotoxicology and Environmental Safety. 2012;76(2):153-161.

Downloads

Publicado

2021-04-08

Como Citar

1.
Cruz ES da, Silva I de MM da, Freitas F, Oliveira FS de, Camilo VMA. Condições socioambientais relacionadas com a (In)Segurança Alimentar e Nutricional de quilombolas de uma Reserva Extrativista Marinha. Segur. Aliment. Nutr. [Internet]. 8º de abril de 2021 [citado 20º de setembro de 2021];28(00):e021018. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/san/article/view/8657472

Edição

Seção

Artigos Originais