Insegurança alimentar em comunidades quilombolas

um estudo transversal

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/san.v28i00.8658888

Palavras-chave:

Segurança alimentar, Nutrição, Populações vulneráveis, Quilombolas

Resumo

Este estudo tem objetivo de analisar os fatores associados à insegurança alimentar e nutricional em comunidades quilombolas do estado do Tocantins, Região Norte do Brasil. Estudo de desenho transversal, realizado em 4 comunidades quilombolas do Norte do Brasil. Foram analisadas características socioeconômicas e demográficas por meio de um formulário semiestruturado e, o nível de insegurança alimentar foi mensurado pela Escala Brasileira de Insegurança Alimentar. Para analisar a aderência dos dados quantitativos à distribuição normal, utilizou-se o teste de Shapiro-Wilk. Para analisar a associação entre as características socioeconômicas e a prevalência de insegurança alimentar utilizou-se o teste de Qui-quadrado. Para estimar os fatores associados a insegurança alimentar, utilizou-se regressão de Poisson com variância robusta. O nível de significância adotado foi de 5%. Verificou-se uma prevalência de 71,2% (n=47) em situação de insegurança alimentar. Dos indivíduos que viviam em situação de insegurança alimentar, 15,79% (n=3) apresentavam alteração dos níveis de hemoglobina. Pode-se observar uma prevalência de insegurança alimentar de 71,2% e que ser mulher chefe de família aumenta as chances de insegurança alimentar e nutricional entre os quilombolas do estado do Tocantins.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Erika da Silva Maciel, Universidade de São Paulo

Doutora em qualidade de alimentos pelo CENA- USP. Pós doutora pelo Departamento de Agroindústria, alimentos e nutrição (USP-ESALQ). Pós doutorado em Ciência, Departamento de Clínica Médica (FCM-USP). Docente da Universidade Federal do Tocantins (UFT).

Bhárbara Karolline Rodrigues Silva, Faculdade de Medicina do ABC

Laboratório de Epidemiologia e Análise de Dados, Santo André

Eloise Schott, Universidade Federal do Tocantins

Docente da Universidade Federal do Tocantins

Hellen Christina de Almeida Kato, Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária

Pesquisadora da Embrapa Pesca e Aquicultura Palmas

Fernando Peixoto Rodrigues Quaresma, Universidade Federal do Tocantins

Doutor em Ciências da Saúde Fundação de Medicina do ABC. Professor nos Cursos de Enfermagem da UFT. Tutor Residência Multiprofissional da Fundação Escola de Saúde Pública de Palmas (FESP).

Francisco Winter dos Santos Figueiredo, Centro Universitário Saúde ABC

Docente do Centro Universitário Saúde ABC (FMABC) – Laboratório de Epidemiologia e Análise de Dados

Fernando Adami, Centro Universitário Saúde ABC

Docente do Centro Universitário Saúde ABC (FMABC) – Laboratório de Epidemiologia e Análise de Dados

Referências

Silva EKPS, Medeiros DS, Martins PC, et al. Insegurança alimentar em comunidades rurais no Nordeste brasileiro: faz diferença ser quilombola? Cad Saúde Pública. 2017;33(4). DOI:10.1590/0102-311X00005716

Soares DA, Barreto SM. Sobrepeso e obesidade abdominal em adultos quilombolas, Bahia, Brasil. 2014;30(2):341-354. Cad. Saúde Pública. 2014;30(2):341-354.

Soares DA, Barreto SM. Indicadores nutricionais combinados e fatores associados em população Quilombola no Sudoeste da Bahia, Brasil. Cien Saude Colet. 2015;20(3):821-832. DOI: 10.1590/1413-81232015203.03922014

Volochko A, Batista LE. Saúde nos Quilombos. São Paulo: Instituto de Saúde; 2009.

PNUD. Política Nacional de Saúde da População Negra: uma questão de equidade. Doc. resultante. Brasília: PNUD; 2001.

Alves KPS, Jaime PC. A Política Nacional de alimentação e Nutrição e seu diálogo com a Política Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional. Cien Saude Colet. 2014;19(11):4331-4340. DOI: 10.1590/1413-812320141911.08072014

Pinto AR, Borges JC, Novo MP, Pires PS. Quilombos do Brasil: Segurança Alimentar e Nutricional em Territórios Titulados. Cad Estud Desenvolv Soc em Debate. 2014;26(17):04-66.

Santos TG, Silveira JAC, Longo-Silva G, Ramires EKNM, Menezes RCE. Tendência e fatores associados à insegurança alimentar no Brasil: Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios 2004, 2009 e 2013. Cad Saude Publica. 2018;34(4):1-17. DOI: 10.1590/0102-311x00066917

FAO. O Estado da Segurança Alimentar e Nutricional no Brasil 2015. Agendas Converg [Internet]. 2015 [acesso em 2020 mar 20];44. Disponível em: http://www.sim.salvador.ba.gov.br

Voci SM, Slater B. Consistência interna da Escala Brasileira de Insegurança Alimentar aplicada por entrevista telefônica e preenchida pelo entrevistado Internal. Nutrire. 2015;40(3):318-327.

Monego ET, Gondim R, Cordeiro MDM, Costa RM. (In)Segurança Alimentar de Comunidades Quilombolas do Tocantins. Segur Aliment Nutr. 2010;17(1):37-47.

Ribeiro G, Morais FMO, Pinho L. (In)Segurança alimentar de comunidade quilombola no norte de Minas Gerais. Ciência, Cuid e Saúde. 2015;14(3):1245. DOI: 10.4025/cienccuidsaude.v14i3.21845

Sousa LA, Medeiro DS, Lima GP, Santos LM. Insegurança Alimentar de Famílias Residentes numa Comunidade de Zona Rural de Vitória da Conquista – BA. Saúde.com. 2016;12(1):444-453. DOI: 10.22481/RSC.V12I1.316

Von Elm E, Altman DG, Egger M, Pocock SJ, Gøtzsche PC, Vandenbroucke JP. The strengthening the reporting of observational studies in epidemiology (STROBE) statement: Guidelines for reporting observational studies. Int J Surg. 2014;12(12):1495-1499. DOI: 10.1016/j.ijsu.2014.07.013

Bezerra VM, Medeiros DS, Gomes KO, et al. Inquérito de Saúde em Comunidades Quilombolas de Vitória da Conquista, Bahia, Brasil (Projeto COMQUISTA): aspectos metodológicos e análise descritiva. Cien Saude Colet. 2014;19(6):1835-1847. DOI: 10.1590/1413-81232014196.01992013

Associação Brasileira de Empresas de Pesquisa – ABEP. Critério Brasil 2015 e atualização da distribuição de classes para 2016. Critério Classif Econômica Bras. 2016:1-6.

Sardinha LMV. Escala Brasileira de Insegurança Alimentar – EBIA: análise psicométrica de uma dimensão da Segurança Alimentar e Nutricional. Ministério do Desenvolv Soc e Combat à Fome [Internet]. 2014 [acesso em 2020 abr 15];1-15. Disponível em: https://aplicacoes.mds.gov.br/sagirmps/simulacao/estudos_tecnicos/pdf/73.pdf

Pozza L, Santos D. Proposta de versão curta da Escala Brasileira de Insegurança Alimentar. Rev Saúde Pública. 2014;48(5):783-789. DOI: 10.1590/S0034-8910.2014048005195

Agência Nacional de Vigilância Sanitária – ANVISA. Manual de Vigilância Sanitária sobre o transporte de material biológico [Internet]. 2015 [acesso em 2020 abr 15]. Disponível em: http://www.pncq.org.br/uploads/2015/notícias/Manual de Transporte de Material Biolo_gico.pdf

IBGE. Pesquisa Nacional de Amostragem Domiciliar: Segurança Alimentar [Internet]. 2014 [acesso em 2020 mar 15]. Disponível em: http://www.ibge.gov.br

Grossi PK, Oliveira SB, Bitencourt JV. Mulheres quilombolas e divisão sexual do trabalho na sociedade contemporânea. In: Anais do Encontro Internacional e Nacional de Política Social; Vitória; 2018. 2018;1(1):1-15.

Quaresma FRP, Silva Maciel E, Santos Figueiredo FW, Adami F. Factors associated with blood pressure disorders in Afro-descendant children and adolescents. BMC Pediatr. 2019;19(1):1-8. DOI: 10.1186/s12887-019-1626-0

Vinicius L, Sousa DA, Maciel S, et al. Descriptions of Perceived Quality of Life of Residents from a Quilombo in North Brazil. J. Hum. Growth Dev. 2018;28(2):9-15.

Vinicius L, Sousa DA, Maciel S, et al. Qualidade de vida e Síndrome Metabólica em comunidades Quilombolas brasileiras: estudo transversal. Journal of Human Growth and Development. 2018; 28(3):316-332.

FAO. Building resilience for peace and food security the state of food security and nutrition in the world 2017 [Internet]. 2017 [acesso em 2018 dez 13]. Disponível em: www.fao.org/publications.

Marin-Leon L, Francisco PMSB, Segall-Corrêa AM, Panigassi G. Bens de consumo e insegurança alimentar: diferenças de gênero, cor de pele autorreferida e condição socioeconômica. Rev Bras Epidemiol. 2011;14(3):398-410. DOI:10.1590/S1415-790X2011000300005

Trivellato PT, Morais DC, Lopes SO, Miguel ES, Franceschini SCC, Priore SE. Food and nutritional insecurity in families in the Brazilian rural environment: A systematic review. Cienc e Saude Coletiva. 2019;24(3):865-874. DOI:10.1590/1413-81232018243.05352017

Sibhatu KT, Qaim M. Rural food security, subsistence agriculture, and seasonality. PLoS One. 2017;12(10). doi:10.1371/journal.pone.0186406

Fávaro T, Ribas DLB, Zorzatto JR, Segall-Corrêa AM, Panigassi G. Segurança alimentar em famílias indígenas Teréna, Mato Grosso do Sul, Brasil. Cad Súde Pública. 2007;23(4):785-793. DOI:10.1590/S0102-311X2007000400006

Quaresma FRP, Silva Maciel E, Santos Figueiredo FW, Adami F. Factors associated with blood pressure disorders in Afro-descendant children and adolescents. BMC Pediatr. 2019;19(1):244. DOI:10.1186/s12887-019-1626-0

Santos VC, Boery EN, Pereira R, et al. Condições socioeconômicas e de saúde associadas à qualidade de vida de idosos quilombolas. Texto e Context Enferm. 2016;25(2):1-9. DOI:10.1590/0104-07072016001300015

Downloads

Publicado

2021-04-06

Como Citar

1.
Maciel E da S, Silva BKR, Schott E, Kato HC de A, Quaresma FPR, Figueiredo FW dos S, Adami F. Insegurança alimentar em comunidades quilombolas: um estudo transversal. Segur. Aliment. Nutr. [Internet]. 6º de abril de 2021 [citado 20º de setembro de 2021];28(00): e021017. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/san/article/view/8658888

Edição

Seção

Artigos Originais

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)